Save The Date

Save The Date Morgan Matson




Resenhas - Save the Date


2 encontrados | exibindo 1 a 2


Ivy (De repente, no último livro) 27/08/2019

Resenha do blog "De repente, no último livro"
Save the date é até aqui o livro mais despretensioso que li da Matson. É quase uma comédia romântica, ambientada na deliciosa Connecticut e nos apresentando a típica família americana gigante, que deixa a gente nostálgico das boas coisas da vida. A história se passa em apenas um final de semana e foi bem gostoso ver como Matson consegue mudar a trama até o final e permite que seus personagens evoluam de maneira agradável ao leitor.

Save the date causa risos mas também suspiros. Fiquei maravilhada em como a autora trabalha com todos os personagens, permitindo que tenham seu arco, seu grande momento e não apenas Charlie seja o foco maior. A família Grant inteira consegue se destacar e grande parte deles conquistou meu coração. Os pais de Charlie estão tão bem retratados, são um típico casal de classe média, com um monte de filhos crescidos, que esbanjam bom humor, o pai é maravilhoso e divertido. Tem os irmãos de Charlie, Mike, J.J e Daniel que também representam bem seus papéis e não estão ali à toa. Cada um traz um conflito diferente, possui uma trama paralela para si e se revela a cada instante, expondo inesperadas facetas. Gostei demais do Mike porque ele é o filho afastado, mais problemático, e justamente ele é quem mais muda e desponta até o final da trama. J.J é o mais cheio de humor e que faz o leitor rir, mas senti que ele ficou em secundário ao não agregar tanto quanto os outros. Danny é o que menos gostei, ele é o favorito de Charlie e ela idolatra ele de uma maneira nada saudável, o cara tem vários defeitos e age como um babaca com sua namorada, Brooke, e isso me fez pegar birrinha dele desde o começo.

Em contrapartida, adorei até o infinito o casal de noivos Linnie e Rodney. Eles são engraçados, doces e me fizeram lembrar daquelas comédias estilo O Pai da Noiva que a gente assiste 20 vezes e continua adorando. Aliás, o livro todo tem uma vibe bem "Sessão da tarde", e a narrativa gostosinha e cheia de humor que Morgan Matson traz tem tudo a ver com a trama que ela construiu.

Embora não seja dramático, Save the date possuí seus momentos mais intensos. É um livro que aborda relações familiares, que fala sobre aquilo que a gente idealiza e nem sempre corresponde à realidade. Charlie tem uma imagem fantasiosa sobre seus irmãos, sobre passar o final de semana com eles, coloca a própria vida pessoal em segundo plano, acaba deixando a melhor amiga Siobhan de escanteio. Tanto seus irmãos como seu crush Jesse são diferentes do que ela criou na sua mente, mas a Charlie meio que se recusa a ver a realidade, por mais que as coisas fiquem óbvias pra ela. Isso não é uma coisa que irrite o leitor, porque a Charlie é doce e a gente entende ela, na verdade, essa reação da Charlie em se recusar a ver o que está diante do nariz faz a gente refletir bastante sobre nossas próprias atitudes, sobre como nós sempre temos essa mania de querer idealizar e romantizar momentos ou pessoas, chegando a acreditar veementemente naquilo. Quantos relacionamentos são assim? Acredito que essa identificação com o leitor é que torna Charlie tão real. O bacana é que quando a garota começa a amadurecer e enxergar as coisas, ela o faz de maneira bem madura e coerente, nada muito brusco e nem repentino, e eu adorei porque é uma reação natural da personagem e ela desabrocha com isso, a Charlie do final acaba muito diferente da que vemos no início e foi muito legal poder comparar.

A narrativa da Matson aqui é rápida e direta, ela cria um monte de situações absurdas pra Charlie enfrentar, e a gente ri e fica aflita junto com a Charlie. A ambientação é gostosa de acompanhar e por ter essa narrativa tão leve e despretensiosa, Save the date se lê em nada e deixa sorrisos no rosto ao terminar.

Morgan Matson outra vez me deixa com o coração aquecidinho ao finalizar mais um livro seu, é uma autora que segue me surpreendendo e que em cada trama vai mudando o estilo da narrativa, mostrando que possuí um talento indiscutível na hora de criar tramas juvenis cheias de conteúdo. Save the date é uma comédia romântica carregada de doçura que também traz mensagens bacanas para o leitor mais jovem, abordando temas reais dentro de um cenário muito caloroso e envolvente. Valeu a pena apostar em mais um livro da autora, Morgan Matson nunca me decepciona.

site: www.derepentenoultimolivro.com
comentários(0)comente



Nati 14/08/2018

" You don't get to freeze the picture when you want it. It would have been living in the past and eventually, you just start doing the same jokes over and over again."
Uma das coisas que mais gosto na escrita da Morgan Matson é a forma como ela desenvolve os relacionamentos dentro da história - sejam de amizade, sejam de família ou românticos. São sempre laços divertidos e profundos, naturais e bem desenvolvidos, onde os personagens se comunicam e resolvem seus problemas ao longo da trama sem precisar recorrer ao drama. Os romances são sempre super bem trabalhados e vão evoluindo de forma muito realista e gostosa, e os casais se complementam. Ambos os trabalhos anteriores que li da autora são histórias meio 'coming of age', onde a protagonista vai descobrindo quem realmente é e caminhando nessa transição entre adolescência e vida adulta, porém de forma relacionável. E talvez a expectativa de mais uma vez encontrar tudo isso nesse novo livro da autora, porém com o bônus de um cenário divertido de casamento onde tudo dá errado, foi o que me fez me decepcionar muito com "Save The Date".

Primeiro, Charlie não é nem de longe uma protagonista à altura de Andie e Emily. A mais irritante e imatura, com certeza. Desesperada para ter o 'fim de semana perfeito' com a família uma última vez (esse dramalhão me cansou horrores), ela não só tratou várias pessoas mal, como afastou e se esqueceu completamente da melhor amiga durante esse tempo todo...ou seja, um dos aspectos mais legais dos livros da Morgan, que são as amizades fortes, já caiu por terra de cara. Segundo, ela é super egoísta e saí soltando faíscas quando as coisas não vão do jeito dela. A relação familiar, que era o ponto chave deste livro, não foi nem tão bem trabalhada assim - ficou-se focando tanto em tudo o que estava dando errado no casamento, nos sentimentos da Charlie com relação ao final de semana perfeito dela, e eram tantos personagens ali dentro da história, da família ou não, que não houve tempo suficiente para haver interações e construção de relacionamento e personagens suficiente para que eu me apegasse a praticamente ninguém. É muito falado da relação que a Charlie tem com os irmãos, porém em momento nenhum isso é aprofundado ou o leitor consegue sentir tudo isso que ela fala, por que as interações entre eles são poucas demais pra construir essa sensação, pra o leitor sentir por que a Charlie está se esforçando tanto pra ter essa última reunião, como essa família é realmente especial como ela diz. E nesse foco dela de nada sair errado, ela começa a deixar passar coisas óbvias na trama, que são os 'plot twists' do livro, porém fica claro pra o leitor o que vai acontecer desde o início. Não que nos livros anteriores a Morgan oferecesse grandes surpresas ou viradas de mesa, mas ainda assim sempre tinha algum ponto de virada interessante na história, e até isso aqui foi meio 'meh'.

E o que falar do romance, que sempre é um dos pontos altos dos livros da autora? A protagonista perdeu o livro INTEIRO com um cara, e mal e mal interagiu com o verdadeiro interesse amoroso....e só nas últimas 100 páginas que tivemos algo lembrando um romance. Ou seja, até isso se perdeu dentro da história. A escrita aqui também não ajudou muito - como se passava no espaço de dois dias, realmente não tinha como desenvolver mais coisas sem entupir o livro de pequenas cenas e torná-lo ainda mais desnecessariamente maior do que já é. Ficou tudo meio apressado, me senti lendo a novelização de um filme adolescente de sessão da tarde, praticamente. Fora que TUDO o que podia dar errado durante um final de semana, deu - ao ponto de em algum momento parar de ser engraçado e ficar ridículo e irreal.

Outra coisa que pecou: o humor. Foram poucas as cenas realmente engraçadas e divertidas dentro da história. MAS achei a inserção das tirinhas uma sacada bem legal e um paralelo com os acontecimentos do momento da trama, além de reforçar a trama do fim da Grand Central Station e tal. O único highlight aqui foi a aparição dos personagens do livro anterior, "The Unexpected Everything", que é o meu favorito dela até o momento, e que tiveram cenas muito legais (fora que amei rever meu ship, Andie e Clark).

Enfim, não foi um bom ano pra minhas queridinhas do YA contemporâneo - nem pra Kasie West nem pra Morgan Matson. Uma pena, por que sempre me sinto muito bem lendo os livros dela. Mas continuarei acompanhando o trabalho de ambas e esperando ansiosa pelos próximos livros!
Lauraa Machado 25/08/2018minha estante
Porque abandonou? Está decidido então, vou ler em seguida The Unexpected Everything e deixar esse para um momento em que estiver faltando livros para ler. Eu gostei de Since You've Been Gone, mas não se tornou um livro que me marcou, então sempre fico adiando comprar o The Unexpected Everything. Mas ser seu favorito é algo muito em favor dele! Haha


Amanda.Sangbusch 19/03/2020minha estante
Você ter dado 4 estrelas foi até generoso! Eu comecei amando a leitura, mas quando cheguei nos 65% da leitura eu não aguentava mais....




2 encontrados | exibindo 1 a 2