Rainha

Rainha Mari Scotti




Resenhas - Rainha


6 encontrados | exibindo 1 a 6


Queria Estar Lendo 27/05/2019

Resenha: Rainha
O terceiro e último volume da série Neblina e Escuridão chega com reviravoltas emocionantes e a entrega de um final bem satisfatório. Rainha é enérgico, surpreendente e a melhor maneira de se despedir desse universo rico criado pela Mari Scotti.

A rainha Elizabeth retornou. Perdida durante tanto tempo, ela volta para encontrar o mundo distante de tudo que conhecia e entendia. E, em meio a isso, uma guerra pelo poder. Uma falsa monarca ocupa seu trono e, para recuperá-lo, Elizabeth vai precisar de mais do que o apoio de seus súditos. Vai precisar de aliados e de forças para derrubar aqueles que tentaram derrubá-la.

Como volume final, esse livro entrega as respostas tão aguardadas pelos fãs da série. Usa também bastante espaço para desenvolver seus personagens conhecidos, mas principalmente para destacar a personagem-título. Elizabeth tem grande foco dentro da narrativa, com arcos dramáticos bem desenvolvidos. Ela é uma rainha sem seu trono, uma governante sem sua voz de poder.

"Dê poder a um homem e verás sua verdadeira face."

O caminho para retomar o que é seu por direito vai ser marcado por perdas e por sacrifícios; a jornada para se entender nessa nova era, onde vampiros e lobisomens lutam em conjunto, onde aqueles em que ela confiou viraram as costas e a traíram, tudo isso é muito importante para construir a personalidade dela. O modo como ela reage às situações.

Do outro lado da moeda, temos a nossa já conhecida Ellene. A protagonista vive dilemas que tem muito a ver com seu coração e com descobertas impactantes sobre sua linhagem e seu passado. Ellene está em um momento de equilíbrio e de decisões importantes, e todas parecem levá-la a um só nome: Milosh.

"Os cem anos sem a presença dela o fizeram independente de novo, tendo objetivos próprios, desejos, voz."

O vampiro, sempre a figura sisuda e poderosa, mostra uma quebra de força. Ele está dividido entre a mulher por quem tanto buscou e aquela que se tornou um caminho alternativo. Elizabeth é a razão de toda sua luta, Ellene é uma possibilidade esperançosa.

Em meio a esses conflitos nos corações dos personagens - todos bem dramáticos como a gente ama, que dá desespero e vontade de gritar para que fiquem juntos logo antes que alguma coisa ruim aconteça! -, Mari também entrega uma verdadeira guerra civil dentro da corte vampírica. Com o retorno da rainha, a farsa está ameaçada, e os traidores vão correr contra o tempo para impedir que Elizabeth retome sua coroa.

O núcleo dos lobisomens se desenvolve bastante a partir de Tom, que finalmente, depois de muito me irritar (isso vem lá de Híbrida e Guardião), ganhou um arco de redenção bem satisfatório. Um motivo e uma entrega à trama que melhoraram sua personalidade e sua presença em cena. Jacó e a Carol - de longe meus favoritos da série - foram ótimos do começo ao fim. Interações bem pontuadas, um humor marcante e aquela faísca maravilhosa de um casal bem escrito.

Um fim e um começo, porque a saga Neblina e Escuridão vai ficar nos nossos corações para sempre. Rainha finaliza a história com grandiosidade, e dá um adeus merecido aos três livros que fizeram tanto para contar uma história sobre esperança e coragem.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2019/05/resenha-rainha.html
comentários(0)comente



Bia 16/09/2017

Blog Just Breathe
A rainha Elizabeth está de volta, depois de tanto tempo desaparecida ela tem que reaprender a viver nos dias de hoje. Mas esse retorno também trás vários inimigos, como a falsa rainha que está no seu lugar e principalmente com seu sequestrador ainda a solta. Mas agora vampiros e lobisomens estão juntos para combater esse mau.

Ellene e Milosh precisam aprender a esconder os sentimentos que um sente pelo outro, já que Elizabeth voltou não só para assumir o trono, como o lugar de mulher de Milosh. Apesar de tentarem se manter afastados, os dois não conseguem esconder o que sentem, já que o amor que o vampiro sentia por sua mulher se esvaiu, e ele parece ser presença constante nos pensamentos de Ellene.

Dois anos depois finalmente temos o desfecho dessa história, e muitos mistérios e segredos rondam esse último livro.

Como o próprio nome diz é o livro da rainha Elizabeth, o foco nela é bem grande por causa de todas as questões que a envolvem, seja nas decisões dentro da corte ou amorosas, ela acaba ganhando importância de alguma forma.

Apesar desse enfoque outros personagens não ficam de fora, apesar de pequena, Jacô e Caroline tem sua participação, Tomas apareceu de uma forma que eu não esperava, foi uma surpresa a forma como a história dele se desenrolou, e claro, Ellene e Milosh, os personagens que amamos desde o início dessa história e que também torcemos desde o início.

Eu demorei um pouco para avançar na história, mas isso foi por que eu não lembrava de algumas coisas, tive que da uma vasculhada nos livro anteriores, mas assim que tudo começou a voltar a leitura ficou bem mais rápida, a história em si ajudou muito, do meio para o final o livro fica frenético com acontecimentos que muitas vezes podem te enganar, e quando você pensa que é uma coisa, a autora vai lá e te surpreende.

Mari nesse livro mistura muito bem as cenas de batalha com as de romance, cada uma a seu tempo já que muitos casais são formados no livro. As cenas de batalha são muito bem escritas com detalhes que não faz o leitor se perder, adoro quando isso acontece.

O desfecho da história é digno, as pontas foram fechadas, segredos revelados, em minha opinião Mari entregou o que eu esperava e muito mais, a espera valeu cada minuto para ler essas páginas. Parabéns Mari, espero ler muitos outros livros assim.

site: http://follow-and-breath.blogspot.com.br/2017/09/resenha-rainha.html
Andreza.Fonseca 17/09/2018minha estante
Qual é o primeiro livro?


Bia 18/09/2018minha estante
Híbrida :D




Kênia Cândido 11/09/2017

Final Surpreendente!
A trilogia Neblina e Escuridão chegou ao fim com o livro Rainha, mas não vá pensando que o livro está concluindo a história na mais pura tranqüilidade, pois Rainha está repleto de surpresas que vale a pena cada página lida e seu final foi surpreendente.
Em Rainha, Ellene está em luto pela perda de uma pessoa muito querida que morreu em seus braços. Ela não imaginava que há pouco tempo atrás, sua vida iria mudar drasticamente, passando por várias aprovações, enquanto descobria sua origem.
Com a volta da Rainha Elizabeth, Ellene acreditava que seria mais fácil Milosh junto com a Elizabeth, mas a verdade que sentia-se perdida. Assim como também estava Milosh. Ele desejava encontrar a sua esposa, mas depois que conheceu Ellene, descobriu sentimentos que foram enraizados à medida que tinha presença de Ellene e seu relacionamento com a sua esposa ficou abalado.
Ao mesmo tempo, a guerra pela coroa chegou ao seu ponto mais alto, revelando peças importantes para desmascarar os verdadeiros traidores e acabar com a ameaça de destruir o reino dos vampiros. Mari conduziu a história inteira em São Paulo, mas de maneira bem criativa que o cenário conseguiu deixar o ambiente diferente.
A escrita da Mari teve um ótimo desenvolvimento se for comparada desde o primeiro livro e apesar de ter gostado muito do Guardião, em Rainha, Mari mostrou um amadurecimento sensacional. A leitura não foi cansativa, porque os personagens conseguiram adquirir seus desenvolvimentos naturais, além de para que o enredo fosse lido rápido.
Confesso que foi um pouco difícil dar Adeus para trilogia quando fui avançando para parte final. O enredo e vários personagens deixará saudades, principalmente o Milosh que começou todo preocupado precisando correr contra o tempo para encontrar a rainha Elizabeth, sendo envolvido em uma guerra e com amigos que não eram aliados e acabaram se tornando traidores.
Até Ellene que antes achei um pouco imatura em Híbrida e desenvolveu maravilhosamente em guardião, ganhou uma enorme admiração neste livro e também deixar saudades.
A capa está muito bonita e corresponde com a história. No entanto não posso avaliar a diagramação do livro impresso, porque eu li em formato digital. Mas adorei todos os seres sobrenaturais que contém no enredo e ganharam um lugar especial no meu coração.
Enfim... Se você já conhece e leio Híbrida e Guardião eu aconselho que embarque nas aventuras de Rainha para concluir a trilogia. Mas caso você ainda não teve contato com a história corra para as primeiras páginas de Híbrida, principalmente se gosta de fantasia e leitura nacional. Tenho certeza que irá apreciar bastante a trilogia Neblina e Escuridão. Recomendo!

site: http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Rose 02/09/2017

Chegamos ao final da trilogia com muita coisa a ser resolvida, e devo dizer, que a Mari resolveu tudo muito bem.
Se no segundo livro (Guardião) eu fiquei com um tiquinho de raiva da Rainha Elizabeth, devo dizer que aqui não restou nada além de admiração.
Como finalizei na resenha anterior, a guerra pelo trono começou e ela acaba trazendo muitas perdas e traições. Ambas machucam e tiram o centro de todos, tanto de lobos, como de vampiros. Mas vamos por partes...
Com o resgate e a volta da verdadeira rainha, um impasse é criado, visto que a impostora que está em seu lugar, jura que é a verdadeira Elizabeth. Ou seja, a mãe de Ellene terá que provar para todo o seu reino que ela é a verdadeira Rainha Elizabeth, e isso será feito diante de todo o conselho do reino em uma disputa contra a impostora.
O problema é que a verdadeira Elizabeth ainda está se recuperando de quase um século em que foi mantida em cativeiro, sendo usada como escrava de sangue. Além disso, seu psicológico está abalado por conta de todo o terror que passou durante este tempo. E esta sua insegurança pode acabar pesando contra ela mesma na hora do "vamos ver"...
Fora isso, ela não sabe em quem pode realmente confiar, visto que seus inimigos estão aparecendo de todos os lados e dentro de seu círculo mais íntimo.
Felizmente ela pode contar com seu guardião Milosh, que mesmo não a amando mais como esposa/mulher, a ama como rainha, amiga e companheira de muitos anos. Ela sabe que ele sempre estará ao seu lado, e disposto a tudo por ela. Ao lado dele, estão sua filha Ellene e toda a raça dos lobisomens, a quem ela recorreu quando precisou salvar sua filha.
Agora mais uma vez Elizabeth pedia ajuda a eles, pois não era apenas seu trono que corria perigo, mas o próprio equilíbrio dos humanos.
Diante de tantas incertezas, certo mesmo é que seus inimigos estão bem poderosos e fortes e a luta não será nada fácil...
Foi incrível ver o desprendimento desta mulher. Só uma soberana nata e de coração bom poderia passar o que ela passou e se levantar de forma digna como fez. A relação dela com Milosh e sua filha Ellene foi um dos pontos altos do livro. Não só alto, como de suma importância para trama. Pois ela como rainha, tinha em Ellene seu ponto mais vulnerável. Se ela estava disposta a abrir mão de seu amor pela filha, imagina então senão abriria mão do trono para salvá-la????
Milosh também resolveu tomar o destino de sua vida, ou morte, como queiram, nas próprias mãos, e mesmo diante de uma decisão difícil, mostrou que é digno e de total confiança. Não é a toa que Elizabeth tem total confiança nele, mesmo diante da atual situação deles.
Outro destaque do livro foi Tom. Novamente, quem leu minha resenha de Guardião viu que eu não estava muito feliz com as atitudes deste lobinho, mas não é que aqui ele cresceu de forma excepcional? E não digo só no tamanho ou participação na trama não... Tom, que aliás, teve que tomar uma decisão bem difícil, foi peça chave na guerra contra os traidores da Coroa. Seu crescimento como pessoa foi incrível, e não teve como não torcer por ele. De início até pensei, assim como alguns personagens, que ele teria algo com a médica vampira, mas que nada, Mari pensou em algo muito maior e melhor para nosso lobinho! E eu me encantei e apaixonei pelos dois!!! Ainda mais porque no meio de tanta coisa, os sentimentos entre eles foi crescendo aos poucos e de forma gradual.
Claro que sendo Tom, nada seria simples, e a autora soube usar bem as dificuldades que o casal poderia ter, afinal, o preconceito está em todos os lugares, e é preciso uma certa dose de coragem para enfrentá-lo... Que foi a felizarda? Claro que não vou contar...
O livro foi cheio de reviravoltas, o leitor não tinha um minuto de sossego, pois logo algo estava acontecendo e vidas correndo perigo. Até por conta disso, senti o baque no capítulo final. Não entendam mal, por favor, não estou dizendo que não gostei, ou coisa parecida, mas é que tivemos tantas batalhas sendo travadas, que quando veio a solução de tudo e o leitor pode respirar mais aliviado, até estranhei a calmaria... Coisa de doido, eu sei...
E por falar em final, que lindo foram as palavras que a Mari escolheu... Me emocionei com elas, até porque é bem o que eu acredito ser uma família.
Em uma história onde temos vampiros, lobisomens e híbridos, Mari soube trazer para seu enredo emoção e tensão em doses certas. Uma trama onde temos de tudo, amizade, alianças, guerra, traição, amores proibidos, amores que morrem, amores que nascem, luta pelo poder, fidelidade, fé, força, morte, vida e família... Esta sim, grande destaque de toda a trama...
Uma trilogia bem feita e que prende o leitor em uma teia de surpresas. Leitura que vale a pena conferir.


site: h
comentários(0)comente



LT 01/09/2017

E chegamos ao fim dessa trilogia, Neblina e Escuridão deixa-nos com um gostinho de saudade dos seus personagens. Mari Scotti finaliza a série com um toque de adrenalina, virando o universo vampiresco, ao qual somos apresentados ao decorrer de cada livro, de cabeça para baixo inúmeras vezes, e? Bem, segue lendo!

Nesta série somos inseridos no universo dos vampiros da autora, onde esses seres fantásticos coabitam com os humanos, lobos e os bruxos. A autora nos apresenta a uma mistura de elementos que nós já conhecemos, e como mencionei na resenha de Guardião, utiliza-os de diversas origens literárias, o que nos deixa com uma sensação de “estar em casa” na leitura. Bem como a sacada da autora em usar nos diálogos frases de referencia na história e nos arranca sorrisos bobos com isso.

Os vampiros de Mari Scotti se queimam ao sol, mas encontraram um jeito de ludibriar a natureza para poderem andar sob a luz do dia. Eles comem comida, mas precisam verdadeiramente é de sangue humano. Ferem-se gravemente e se regeneram com facilidade – exceto no caso dos híbridos, que levam um pouquinho mais de tempo para, pouca diferença –. Eles têm dons – poderes – e podem controlar a natureza – se souberem domá-la. São sentimentais, muito vingativos, ludibriáveis, invejosos, ardilosos, traiçoeiros e muito humanos – digamos assim.

“Dê poder a um homem e verás sua verdadeira face.”

Tanto os lobos quanto os vampiros vivem em meio aos humanos, tem suas características, crenças e função na sociedade, cada um na sua. No entanto, uma ligação é forjada em meio a batalhas entre lobos e vampiros e isso transforma o universo criado, para o bem ou para o mal? Bem, descubra lendo.

A história inteira da trilogia se passa em São Paulo, com toques fictícios. A ambientação é boa e suave, nos permite imaginar os cenários e personagens com facilidade, mas sem exageros em descrições.
Rainha é um livro que se passa rápido, com pouco mais de 400 páginas ele nos prende do início ao fim. Scotti consegue manter a adrenalina entre os acontecimentos e os personagens o tempo todo, nos faz sentir muita raiva, dó, nos ludibria com maestria. Esse volume é cheio de reviravoltas inesperadas e alguns fatores nos deixam um tanto quanto indignados, outros são esperados. Confesso que não me acostumei bem a certas escolhas dos personagens. Todavia, ter mais de 100 anos, muito mais, com certeza deve fazer com que a pessoa aprenda a lidar com certos sentimentos com destreza – algo do que nem sempre somos capazes.

Ellene e todos os personagens envolvidos passaram por muitas perdas em Guardião, isso a desestabiliza e faz com que tenha de se reerguer e definir a sua posição. Detalhes que pareciam tão pequenos tornam-se gigantes, e ela amadurece consideravelmente nesse volume. Confesso que eu esperava um pouco mais de seus dons.

Milosh evoluiu completamente, toma as rédeas de sua vida e se coloca na posição que realmente deseja. Ele é um personagem muito querido e forte. Sempre fez o que lhe era solicitado, e agora torna-se mais ele.

Elizabeth – a Rainha – está de volta. Será que é ela mesma? Gostei bastante da personalidade dessa personagem. Dura na hora certa e coração mole quando tinha que ser. Não esperava menos de um ser tão antigo que teve tanto tempo para aprender a lidar com a vida. Ainda assim, confesso que esperei mais de sua força – talvez esse tenha sido o único ponto fraco na história, e ainda assim não tira sequer uma gota do brilho dessa história.

Tom é o grande destaque aqui, ao menos para minha pessoa. Tudo que ele passou, todos os seus motivos e as suas dores são esclarecidas, fazendo o personagem ganhar, finalmente, a nossa simpatia. As escolhas que ele faz nesse volume são surpreendentes e mostram que escolher entre amar e odiar é uma decisão bem difícil.

A sinopse já deixa gancho para a imaginação de vocês e é por esse motivo que não quero me ater muito a premissa da obra. O que preciso dizer para vocês é: Se você gosta de uma fantasia urbana bem construída, com toques de romance e ação bem fortes? Leia a Série Neblina e Escuridão.

A autora nos conduz muito bem, e demonstra toda a sua evolução em relação à criatividade e escrita, de um livro para o outro. Em Rainha todas as questões são respondidas, não existem pontas soltas, tudo é bem amarrado e explicado. Mas, não se engane com a calmaria, quando você acreditar que tudo está bem, olhe verdadeiramente para os lados... Esteja preparado para sentir muita raiva, e saiba que esse sentimento significa que o livro deu certo para você. Quem é o verdadeiro vilão? Em minha opinião o vilão está em mais de um personagem, fique esperto a cada detalhe, porque eu não consigo escolher apenas um. Você vai se revoltar com algumas revelações e rir de outras – vai rir por constatar que algumas das suas teorias estavam certas.

É com aquela sensação de pesar, no entanto, também de alegria, que finalizo a leitura dessa trilogia que não poderia ter um desfecho melhor. Mari Scotti encerrou a história com delicadeza e harmonia.

Infelizmente alguns errinhos que a revisão deixou passar se fazem presentes na edição, costumo dizer que isso é meio que uma marca registrada da editora (sempre li muitos livros da NS), mas nada que vá atrapalhar o entendimento da obra. A capa é linda e condiz bem com a Rainha e segue o padrão das anteriores, o que vai deixar a trilogia linda reunida na estante.

[QUOTES]
“Quando uma fase termina, normalmente inicia-se outra.”

“Não havia nada mais poderoso que o sentimento de vingança de uma mulher rejeitada.”

Até mais ver!

Resenhista: Ana Luz.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



"Ana Paula" 28/08/2017

Finalmente, chegamos ao fim da Série Neblina e Escuridão. Em "Rainha", vamos acompanhar o desfecho épico dessa série que me fez amar, odiar, chorar, sorrir e surtar durante toda a leitura! rsrsrsrs

"Rainha" começa de onde "Guardião" parou. Ellene está de luto pela perda de um ente querido e totalmente desestabilizada: Achou que encontrando a rainha, Elizabeth, seus medos e receios seriam sanados. Ledo engano - a volta da rainha só serviu para deixá-la ainda mais perdida. Milosh encontrou sua esposa, a quem tanto procurava, mas sente na pele que o relacionamento não é mais o mesmo, não depois de conhecer Ellene.

"Conhecer você, a sua mãe e aquele vampiro... me abriu os olhos. - Ele espirou fundo. - Na verdade, depois que a raiva passou, pensei melhor em tudo e o amor e a família vêm antes da raça a que você e eu pertencemos. Não se culpe por defendermos a nossa família - sussurrou."

A matilha se junta aos seus inimigos para ajudar a verdadeira rainha a voltar para o trono. Segredos sórdidos serão descobertos e abalará ainda mais as certezas de Ellene; Milosh finalmente se entrega ao sentimento, desistindo de lutar contra o que sente; Elizabeth sabe quem é o traidor mas ainda não pode denunciá-lo, precisa de provas.
Tomás, que foi um dos personagens que mais me irritou no livro anterior, ganha meu coração e respeito ao abrir mão de tudo o que mais odiava para ajudar sua amiga. Mas a vida ainda guarda muitas surpresas para esses personagens.... "Rainha" foi um dos melhores finais de série que tive o prazer de ler na vida.

Mari Scotti criou uma história que me conquistou do início ao fim. Com suas palavras doces e sentimentos puros, deu personalidade aos personagens e nos fez amá-los e odiá-los com intensidade e, acredite, não será fácil esquecê-los. Sua habilidade de criar reviravoltas é viciante! Já não consigo imaginar somente um final para as histórias que leio dela - sempre imagino coisas diferentes, abro um leque de possibilidades, pois a mente da autora nos engana e quando menos esperamos, solta a bomba no colo do leitor e parece até gritar na nossa cara: - TOMA ESSA! rsrsrsrsrs

"Lembrava-se de ser mais feliz antes de Elizabeth se tornar a rainha dos vampiros, mas não conseguia recordar quando as responsabilidades de ser seu guardião consumiram seu tempo, seus sonhos e seus sentimentos. Os cem anos sem a presença dela o fizeram independente de novo, tendo objetivos próprios, desejos, voz."

Com "Rainha" não foi diferente. Durante toda a minha leitura, me senti sendo enganada e manipulada, pois sempre que eu achava que um assunto estava resolvido, Mari abria mais uma porta para a ação. E por falar em ação, "Rainha" possui ação do início ao fim. Não pense você que terá coragem de parar a leitura para respirar, a frase "só mais um capítulo" foi usada constantemente por mim durante minha leitura.
Mesmo com toda destreza de sentimentos impressos em sua escrita, mais uma vez me surpreendo com o tanto de sangue que corre nas páginas deste livro. Juro que não imaginava que chegaria a ler cenas de lutas tão bem descritas e horrendas como encontrei aqui. Amei! É isso que sempre busco nos livros de ação e terror, encontrá-los em um romance tão doce me deixou ainda mais apaixonada pelo enredo.
Não posso deixar de comentar sobre as pequenas referências literárias que a autora agregou ao enredo. Eu, como fã que sou da Saga Crepúsculo, não poderia deixar passar. Todas às vezes que a referência se fazia presente, meu sorriso só se alargava mais!

A narrativa continua em terceira pessoa, abrangendo os personagens principais para a trama. Em "Híbrida", a personagem mais focada foi Ellene, em "Guardião", Milosh e, finalizando a série, vamos conhecer mais a fundo a rainha dos vampiros - Elizabeth. Confesso que no livro anterior, não gostei muito dela e cheguei até a cogitar odiá-la, mas depois de finalizar esse livro, é impossível isso acontecer.
O toque sensual que os demais livros possui também é encontrado aqui, todas as cenas bem descritas e lindas de se ler. Uma das cenas que mais ansiei durante a leitura da série acontece neste último volume e a emoção de lê-la foi incrível. Obrigada por isso, Mari!

site: http://livrosdeelite.blogspot.com.br/2017/08/resenha-rainha-serie-neblina-e.html#.WaQArD597Dc
comentários(0)comente



6 encontrados | exibindo 1 a 6