A Heart So Fierce and Broken

A Heart So Fierce and Broken Brigid Kemmerer




Resenhas - A Heart So Fierce and Broken


7 encontrados | exibindo 1 a 7


Krous 14/02/2020

Urgh, não.
DNF - 35%
Eu realmente tentei dar uma chance ao livro, mas meu saco cheio venceu minha curiosidade para saber como a história ia se desenrolar.
Eu tenho meus pecados e defeitos, mas nunca fiz nada abominável para me torturar com esta leitura.

Me entristece saber que este livro faz parte de uma trilogia. "A curse so dark and lonely" estava de bom tamanho, mas aparentemente Brigid Kemmerer ficou gananciosa, ou precisa fazer uma obra em casa. Não consigo acreditar que ela DE FATO tem um rascunho para três livros já que este só tem muitas páginas, um ritmo lento e personagens sem graça.
Se eu pudesse classificá-los, diria que:

Lia Mara - inútil e dispensável;
Grey - inútil e dispensável;
Rhen - inútil, sociopata, mimado, filho da puta, ditador e dispensável
Harper - inútil e dispensável.
*insira o nome de qualquer personagem* - inútil e dispensável

Na resenha de "A curse so dark and lonely" eu me controlei porque ela já estava enorme, mas nunca fui com a cara do Rhen e aqui ele mostrou que eu tinha toda razão. Eu sei que todos os personagens dos dois livros dão todo o tipo de desculpa para o futuro rei de 18 anos agir como um babaca ditador, mas não justifica. Ele devia honrar seu cargo e as calças que usa e assumir seus atos assim como as consequências. E toda sua turminha passadora de pano deveria parar de bolar desculpas para ele.

Oras, Brigid pode jogar toda a culpa do Rhen ser assim na maldição da Lilith, mas eu li a história, eu prestei atenção em cada detalhe. Então não venha insinuar que Lilith simplesmente acordou de ovo virado um dia e descontou em Rhen. Não, a maldição foi motivada pelas ações dele e do pai e eles têm que arcar com as consequências.
Além do mais, ela só lançou um feitiço, foi Rhen que em 300 anos não conseguiu ser agradável com as mulheres sequestradas a ponto de uma dela se apaixonar por ele. Isso diz mais sobre Lilith ou Rhen?
E não é engraçado como Rhen age mais como um monstro sanguinário agora que está livre da praga da Lilith? Ele agia assim antes também. Hmmm

Claro, até surgir Harper. Mas Harper tinha uma vida tão complicada e infeliz que poderia se apaixonar por um cavalo e se achar sortuda. Mãe doente terminal, pai foragido, irmão no mundo dele, ela com a paralisia dela. Obviamente uma garota carente,, alvo fácil pra Rhen.

Eu digo que Brigid deveria ter parado no livro anterior porque estava tudo certo. Harper parecia uma protagonista forte e interessante, Rhen parecia um príncipe, Grey... era o Grey. Mas ela quis continuar e aí eu percebi o quanto a Harper é uma personagem fraquinha e insignificante. O quanto Rhen sofre a síndrome de Tamlin e se torna um homem abusivo com todos do reino - ele só esconde isso de Harper porque precisa dela, sabe, pra namorar -. E o Grey, no fim das contas, não é um personagem excitante o suficiente para ter um livro só seu.

Uma reclamação constante de Harper em "A curse so dark and lonely" era o quanto o irmão a protegia como se ela fosse incapaz. Neste livro, Rhen faz a mesma coisa (pra que ela não veja o quão monstruoso ele é mesmo não sendo mais um monstro de fato), mas ela ainda o admira. No fim das contas, o problema era a falta de tesão sexual que ela sentia pelo irmão que a fazia reclamar. O que é bom porque seria incesto, mas não me veja enaltecer o mau caráter do seu noivinho por fazer a mesma coisa que Jake.

Lia Mara... preciso falar sobre ela? É uma pamonha, filha da teimosa Karis Luran. A mãe só pensa em guerrar e em invadir Emberfall - a agenda deve estar vazia. A filha só pensa em trazer paz. Resolver tudo pacificamente para que haja paz entre os reinos. Pensar em paz, viver em paz. Paz, paz, paz. Era a única coisa que Lia Mara dizia e sequer usava sinônimos pra isso. Ela é o par romântico do Grey (coitado, só desgraça acontece com ele), mas faltou um elemento importante pra isso acontecer: química.

Outro ponto negativo do livro é: há magia, travessia entre dois mundos. Sabe o que não há: personagens POCs. Personagens LGBTQs. Há sempre um limite entre livros YA e é sempre a representatividade.

Abandonei o livro muito chateada... tantas árvores derrubadas para este livro. Pobres coitadas, que descansem em paz e sejam vingadas.









comentários(0)comente



Pam 23/05/2020

Esse livro supera o primeiro (que eu já tinha gostado) de incontáveis maneiras. Eu adorei todos os personagens, adorei os diálogos, o plot, os conflitos políticos, o romance. Basicamente, um ícone.
comentários(0)comente



Nati - @livrosnstuff 07/04/2020

Momento do Grey brilhar (mais)
Eu já adorei o Grey no primeiro livro, agora acompanhar a narrativa dele foi fantástico!
Fiquei com ódio do Rhen? Muito.
Não aprovei decisões da Harper? Algumas.
Amei o livro? COM FORÇA!

Vem A Vow so Bold and Deadly! ?
comentários(0)comente



julia 12/06/2020

A Heart so Fierce and Broken foi meio estranho? Esse livro se desconectou bastante do livro anterior e não de um jeito bom. Se você esperava mais Rhen e Harper aqui, você deve se preparar para ficar desapontado. A escrita foi bem boa e a perspectiva dupla foi bem feita, mas eu achei o enredo e o desenvolvimento dos personagens ou super bagunçado ou não existente. Tirando o Tycho. Eu amei o Tycho e desejo tudo de bom para ele.

Acho que o maior problema que tive com esse livro foi o conceito? Não me convenceu. Eu entendi porque o Grey estava se escondendo, mas ao longo da história, eu não fiquei convencida sobre suas razões para fazer isso e a Kemmerer não ofereceu grandes explicações--tirando declarações generalizadas sobre o caráter do Rhen. O que... me leva ao segundo problema.

Rhen e Harper tendo praticamente nenhum tempo na página não me incomodou. Eu estava esperando ler mais sobre o Grey e conhecer novos personagens, algo que a Kemmerer fez muito bem--Karis em particular foi super fascinante e eu amei os conflitos que ela trouxe--mas eu fiquei chateada com a caracterização do Rhen e da Harper. Era como se eles fossem pessoas totalmente diferentes: Rhen virou um vilão enquanto a Harper virou uma porta. Eu não curti isso, ainda mais porque parecia que isso só foi feito porque a Kemmerer precisava de algo para fazer o enredo andar.

As partes boas a interessantes para mim foram as relacionados ao Tycho, Karis e Iisak, mas elas não duraram muito. A história da Karis foi resolvida de uma maneira super rápida e sem impacto, mas o Iisak mostrou potential--eu acho que ele vai ser importante no próximo livro. E o Tycho foi o melhor de todos e eu amei ele.

O suposto conlifto do livro—Rhen vs Grey—foi deixado sem solução. E o romance que desenvolve aqui foi bem... mais ou menos. Então, esse livro não foi para mim.

So, A Heart so Fierce and Broken was not really the book for me. The writing was engaging for the most part, but some bits dragged on and on to the point where I had to skim ahead. Some of the characters were unrecognizable and the plot was a bit all over the place and rushed at times. I’m sure lots of readers will love this, but it didn’t work for me.
comentários(0)comente



Thais - @sintoniabooks 26/06/2020

Hora do Grey
Amei de mais ? tem algumas coisas que foram diferentes eu queria ter visto mais do Rhen e da Harper mas acho q aqui o livro muda um pouco de foco... mas assim eu gostei mt de acompanhar o Grey e como as coisas foram caminhando... Algumas atitudes de Rhen foram bem toscas maaas acho q foi uma boa leitura. Esperar o terceiro agora e ver como ela vai fechar...
Sarah 22/07/2020minha estante
Será que a autora não quer que o Rhen fique com a Harper no final ?




luci 02/04/2020

Pequeno fôlego para uma história que pouco encanta
Li esse livro porque fiquei um tanto quanto inconformada com o quão decepcionante achei o primeiro livro. Quis insistir porque alguns personagens me deixaram curiosa, e também parte porque os títulos dos livros e as capas me fascinam (não julgo um livro pela capa, mas muitas vezes os leio por isso, sim). Não me decepcionei, mas também não me surpreendi.

Esse livro tem os mesmos problemas do primeiro. A autora tenta dar reviravoltas à história que não são sustentadas pela sua escrita achatada e morna. Romance, mágica, aventura precisam de um universo pra serem desenvolvidos e parece que Kemmerer continua sem conseguir isto nessa continuação. Parece que a opção de escrever pontos de vista alternantes, em capítulos tão curtos, dificulta qualquer desenvolvimento mais profundo tanto dos personagens quanto da relação dos leitores com eles.

Ainda assim, achei um pouco melhor que o primeiro livro, ao menos porque alguns personagens me pareceram mais interessantes. Fiquei com a impressão de que a chatice dos personagens do primeiro livro foi tão grande, que a autora simplesmente desistiu e apelou pra todo um arco diferente. Deu algum fôlego pra história, e até me convenceu a ler a continuação quando ela sair, mas não recomendaria a ninguém querendo um bom livro de romance e fantasia. Acho que no meu caso se tornou uma curiosidade um pouco mórbida de saber como, se for possível, ela vai dar um fim digno a essa série.
comentários(0)comente



Bá Feiber 15/07/2020

A Heart So Fierce and Broken
Já havia me encantado com a história no primeiro livro, A Curse So Dark and Loney (agora no Brasil, com o nome de Sombria e Solitária Maldição) e tinha adorado o personagem Grey desde o começo.

Neste segundo livro, a história se passa pela visão de Grey e Lia Mara, e me encantei pelos dois mais do que havia gostado de Rhen e Harper. O carisma dos dois e principalmente sua lealdade aos outros, me fizeram querer torcer por eles e vê-los crescer.

Neste livro temos um pouco menos de encantamento e magia que o primeiro, e tivemos um foco maior nos personagens do que no ambiente do livro, que foi muito bem apresentado anteriormente.

Adorei cada parte desse livro, a leitura aparenta ser mais calma do que o primeiro livro, e deixou um gancho para o terceiro, que já espero ansiosa.
comentários(0)comente



7 encontrados | exibindo 1 a 7