Lolita

Lolita Vladimir Nabokov


Compartilhe


Lolita





Lolita é um dos mais importantes romances do século XX. Polêmico, irônico, tocante, narra o amor obsessivo de Humbert Humbert, um cínico intelectual de meia-idade, por Dolores Haze, Lolita, 12 anos, uma ninfeta que inflama suas loucuras e seus desejos mais agudos. A obra-prima de Nabokov, agora em nova tradução, não é apenas uma assombrosa história de paixão e ruína. É também uma viagem de redescoberta pela América; é a exploração da linguagem e de seus matizes; é uma mostra da arte narrativa em seu auge. Através da voz de Humbert Humbert, o leitor nunca sabe ao certo quem é a caça, quem é o caçador.

Nabokov compôs a maior parte do manuscrito - que ele mesmo chamou de "bomba-relógio" - entre 1950 e 1953. Nos dois anos seguintes, ouviu recusas de cinco editoras norte-americanas ("pura pornografia", disse-lhe uma). Em 1955, foi finalmente aceito por uma obscura editora francesa, a Olympia Press. Em junho, assinou o contrato; em outubro, recebeu os primeiros exemplares, cheios de erros tipográficos.

O livro inicialmente não foi bem-recebido; uma revista pensou em publicar trechos, mas foi desaconselhada por advogados. No início de 1956, sua sorte mudou. Graham Greene havia colocado Lolita entre os melhores livros de 1955 numa edição do Sunday Times. A repercussão cresceu; em agosto de 1958, foi finalmente publicado nos EUA. Em setembro, alcançou o primeiro lugar na lista de mais vendidos. O sucesso faria com que Nabokov deixasse de dar aulas para viver apenas de sua literatura.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (10)

ver mais
Lolita
Lolita
Lolita
Lolita

Similares

(6) ver mais
Cem Anos de Solidão
O Sol É Para Todos
O Dom
Amor Insensato

Resenhas para Lolita (10)

ver mais
Um relato sobre a crueldade
on 10/5/16


Tomo emprestada a constatação de Martin Amis, no posfácio, a respeito sobre o que de fato o livro trata: a crueldade, em que temos um narrador já subjugado, que subjugou uma criança de doze anos, contando sua versão de maneira extremamente apaixonada e prolixa, e que leva o leitor a cogitar a ideia de que é, talvez essa menina não seja flor que se cheire. O livro não está preocupado em descrever momentos íntimos entre o narrador e a criança. Há uma preocupação em substituir a obsceni... leia mais

Estatísticas

Desejam213
Trocam10
Avaliações 4.3 / 338
5
ranking 51
51%
4
ranking 31
31%
3
ranking 13
13%
2
ranking 4
4%
1
ranking 1
1%

21%

79%

Anna Conte
cadastrou em:
24/01/2015 10:06:10