Navios negreiros

Navios negreiros Heinrich Heine
Castro Alves


Compartilhe


Navios negreiros





Navios negreiros, lançamento de Edições SM, reúne num único volume a versão integral de um dos mais importantes poemas da literatura brasileira, o “Navio negreiro”, do baiano Castro Alves, precedido do poema homônimo de Heinrich Heine, escritor romântico alemão. A despeito da importância do tráfico de escravos como tema comum – e do trabalho interdisciplinar com a área de história – a reunião desses autores, inédita no país, enseja uma análise comparativa entre diferentes apropriações de um fato histórico cujas consequências ainda são visíveis no Brasil contemporâneo.
O poema de Castro Alves, publicado em 1869, é essencialmente lírico, revelando muito mais sobre o narrador que sobre o evento narrado. Em contrapartida, o poema de Heine, surgido em 1854, tem caráter épico-narrativo: nele o mundo objetivo se impõe sobre o narrador, sendo reforçado pelos diálogos em voz direta. De um lado, temos os movimentos subjetivos de um narrador misturado à natureza – unidade desfeita pelo encontro do poeta com o navio, que dá origem a interpelações angustiadas, de forte teor oratório. Já no poema de Heine, desde o início a natureza está mancomunada com a corrupção humana: os tubarões e traficantes se irmanam na destruição da “negra mercancia”. De um lado, o apelo moral e humanitário do poeta condoreiro, ícone das lutas abolicionistas no Brasil; do outro, o humor negro, a sátira dolorosa (tão moderna aos olhos de hoje) de um alemão nos alvores do realismo.
A edição acompanha prefácio, notas aos versos e um anexo final elaborados pela organizadora, com dados biográficos sobre os poetas, informações sobre o contexto histórico de suas obras e comentários sobre a estrutura formal dos poemas.

Sobre os autores e o ilustrador – Castro Alves (1847-1871), poeta baiano da terceira geração romântica. Autor de Espumas flutuante; Gonzaga ou a Revolução de Minas e A cachoeira de Paulo Afonso (1876), entre outros títulos.
Heinrich Heine (1797-1856), autor de canções e baladas cujos versos figuram entre os mais célebres da poesia alemã. Exilado em Paris, aproximou-se do socialismo, atuou como jornalista e crítico. Livro das canções, A escola romântica e Romanceiro são algumas de suas obras.
Nascido em 1968, na cidade de São Paulo, Maurício Negro é designer, ilustrador e escritor.

Infantojuvenil / Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
Navios negreiros

Similares


Resenhas para Navios negreiros (6)

ver mais
Me fez refletir.
on 19/9/21


O livro compara duas poesias de pessoas de países diferentes, apontando alguns fatos históricos pro leitor tirar suas próprias conclusões. Li esse livro por causa da escola, e confesso não ser meu gênero favorito (fantasia), mas me fez refletir. Página branca com algumas ilustrações.... leia mais

Estatísticas

Desejam4
Trocam1
Avaliações 3.9 / 55
5
ranking 40
40%
4
ranking 31
31%
3
ranking 15
15%
2
ranking 13
13%
1
ranking 2
2%

23%

77%

Pluricom
cadastrou em:
30/11/2011 18:42:30
BIBLIOTECA EREM DR L CABRAL DE MELO
editou em:
06/10/2022 10:24:56

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR