Nenhuma língua é neutra

Nenhuma língua é neutra Dionne Brand


Compartilhe


Nenhuma língua é neutra





"Eu me tornei eu mesma. Uma mulher que olha / pra uma mulher e diz: aqui eu te encontrei."

No cruzamento de geografias e tempos, culturas e línguas, entre a violência colonial e a descoberta do amor, Dionne Brand faz da sua poesia um campo para elaborar uma narrativa própria de mulher negra e diaspórica, e novas maneiras de estar no mundo.

Em Nenhuma língua é neutra, a poeta Dionne Brand, nascida em Trinidad e Tobago e radicada no Canadá, nos move a ouvir o ‘arrastar de correntes e gongo de cobre’ e os ‘falsetes de chicote’ no sotaque da ilha caribenha, cuja gramática é composta por uma violência colonial incontornável. Porém, se a violência constitui a língua, é por meio da poesia que Brand pode criar um lugar de autodescoberta baseada numa interlocução amorosa e ética com mulheres negras, insinuando outras formas de habitar o mundo.

Nos nove poemas que compõem o livro, Brand constrói um eu-lírico que se apoia na captura fugidia do que é insondável e intraduzível nos termos de um discurso pretensamente neutro, como a risada de uma militante presa que reverbera nos muros de uma prisão ou a revolução que se torna leve nos lábios de uma mulher amada.

Sem deixar de sentir o ‘cheiro árduo, nítido, quebradiço da escravidão’ da terrível beleza da ilha caribenha, Brand fala de um amor por uma praia que é preta, ‘não branca que nem sinhá’, onde ‘suor e doçura’ respingam de mulheres que aprenderam a não chamar a dor de desespero.

Nesse processo, Brand demonstra como a língua oferece a possibilidade de tentar “imaginar um mar que não sangrasse” e, ao mesmo tempo, olhar as incontidas e transbordantes lágrimas de mulheres pretas demais chorando. E, navegando nessas águas cheias de conchas e grilhões, a poeta pode, como no último poema, pensar em envelhecer ao lado de outra mulher, cujo hálito em sua bochecha anuncia outro futuro, quando a língua, além de não ser neutra, pode ser puro mel e correr como as águas de Oxum.”

Fernanda Silva e Sousa

Literatura Estrangeira / Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
Nenhuma língua é neutra

Similares


Resenhas para Nenhuma língua é neutra (1)

ver mais
on 14/1/24


Em resumo, potência. É um livro espetacular, que mostra de forma bastante elucidada a força da mulher negra e lésbica. A poesia de Brand me pegou desprevenido, não esperava algo tão forte, intenso e tão político. É uma obra de arte espetacular.... leia mais

Estatísticas

Desejam4
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.1 / 10
5
ranking 40
40%
4
ranking 30
30%
3
ranking 30
30%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

12%

88%

Jenifer
cadastrou em:
26/10/2023 19:24:01
Jenifer
editou em:
26/10/2023 19:27:27

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR