O amor nos tempos do blog

O amor nos tempos do blog




O amor nos tempos do blog





Ariza tem treze anos, acabou de chegar à nova escola e já está perdidamente apaixonado. Para expressar o seu amor, além de tudo o que vive e sente, ele decide escrever um blog, “porque escrever [...] é a única maneira que encontrou para fazer com que os outros o escutem”. Lá, ele pode falar livremente sobre a garota de sorriso encantador que encontrou na biblioteca da escola, quando ia devolver O amor nos tempos do cólera, sua leitura de férias de que tanto gostou.
Assim começa a trama de O amor nos tempos do blog, um romance que se constrói de blog em blog, em que, depois de muitos desencontros, três histórias se cruzam, culminando em um final surpreendente. Além do blog de Ariza, há também o da Deusa Cibernética, uma garota que, segundo sua própria descrição, é divina, divertida e popular, gosta de frequentar o shopping com as amigas e está sempre de olho no menino mais gato do momento, e o de Cinderela Virtual, “uma adolescente que acredita no amor”, não liga para a aparência e espera encontrar o seu príncipe encantado.
É a linguagem rápida e dinâmica da internet que une os três personagens desta história e vai aos poucos revelando semelhanças e ligações inesperadas entre estes três adolescentes aparentemente tão diferentes, com características muitas vezes opostas e particularidades que se revelarão só ao fim da narrativa.

Edições (1)

ver mais
O amor nos tempos do blog

Similares

(8) ver mais
A Droga da Obediência
Ruth Rocha conta a Odisséia
As barbas do imperador
Buracos

Resenhas para O amor nos tempos do blog (15)

ver mais
O amor nos tempos do blog | @blogocapitulo
on 6/6/12


Há tempos eu não leio uma história jovem e de amor que me emociona logo nas primeiras páginas. Na verdade, acho que liguei algum botão em mim que está me fazendo gostar mais de histórias de amor ultimamente. Não que eu não considere o amor um sentimento bonito, mas quando a gente tem algumas decepções (em qualquer vertente que essa palavra possa se encaixar), meio que desacreditamos um pouco. “Silêncio é costume, necessidade, maneira de viver. Eu não escolhi o silêncio, mas o aceitei ... leia mais

Estatísticas

Desejam85
Trocam9
Avaliações 3.7 / 137
5
ranking 23
23%
4
ranking 36
36%
3
ranking 28
28%
2
ranking 11
11%
1
ranking 1
1%

16%

84%