O Outro Pé da Sereia

O Outro Pé da Sereia Mia Couto


Compartilhe


O Outro Pé da Sereia





No século XVI, o reino do Monomotapa, na fronteira entre os atuais Zimbabwe e Moçambique, povoava os sonhos de fortuna dos aventureiros. A fama do chamado Reino do Ouro contava que ali havia abundância não apenas de riquezas, mas de crueldade e lascívia. Em 1560 saía de Goa, na Índia, a expedição do jesuíta D. Gonçalo da Silveira, com intuito de converter o imperador e moralizar o reino africano.

A travessia do Índico e a incursão dos missionários pela África ganham reconstrução ficcional extraordinária neste romance. Pelos meandros da história oficial, Mia couto refaz lances cruciais da colonização portuguesa, ao mesmo tempo que retrata o impasse político e social da Moçambique de hoje. Em 2002, Mwadia Malunga e o marido, Zero Madzero, encontram uma imagem de Nossa Senhora sem um dos pés próxima ao rio que passa no lugarejo de Antigamente. Mwadia é encarregada de levar a estátua para a cidadezinha de Vila Longe. A Virgem é conhecida na região como Nzuzu, rainha das águas doces, mas trata-se na verdade de uma imagem trazida para Moçambique pela expedição de D. Gonçalo da Silveira.

A chegada a Vila Longe reserva surpresas a Mwadia: o lugar está para receber o antropólogo americano Benjamin Southman, que trabalha para uma ONG de ajuda à África, e sua mulher, a brasileira Rosie. Todos se articulam para a chegada dos estrangeiros: o empresário Casuarino Malunga, o funcionário dos correios Zeca Matambira, o barbeiro e ex-guerrilheiro Arcanjo Mistura, a família de Mwadia. O humor afiado de Mia Couto faz um retrato crítico dessa população local, que tenta reconstruir o país – mas, sobretudo, se dar bem – depois de anos de guerra civil.

Mwadia é a personagem que aproxima culturas, religiões e momentos históricos distintos. Como uma embarcação capaz de ligar passado e presente, Portugal, Índia e África, ela precisa achar abrigo para a imagem de Nossa Senhora – ou Nzuzu, ou Kianda. E, assim, arrumar um outro pé, concreto ou metafórico, para essa sereia que une os povos.

Literatura Estrangeira / Romance

Edições (3)

ver mais
O outro pé da Sereia
O Outro Pé da Sereia
O Outro Pé da Sereia

Similares

(17) ver mais
Tradutor de Chuvas
Antes de nascer o mundo
Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra
O Último Voo do Flamingo

Resenhas para O Outro Pé da Sereia (24)

ver mais
Uma viagem ao passado para entender o presente e acreditar no futuro
on 9/3/16


Eu, como miacoutiano que sou, há muito, pelos livros que li, cheguei a conclusão que Mia Couto não é somente a voz da África, é também voz da alma africana – da mulher africana. Entretanto, no “ O outro pé da Sereia, ele rompe a fronteira africana e traz à tona, entre outras ( leia-se crenças, mitos, a importância da oralidade, uma imagem estereotipada da África ), a condição de mulheres como D. Filipa e Dia Kumari, indianas de condições sociais distintas, mas que igualmente vivem ... leia mais

Vídeos O Outro Pé da Sereia (4)

ver mais
O Outro Pé da Sereia (Mia Couto) | @henriqj

O Outro Pé da Sereia (Mia Couto) | @henriqj

O Outro Pé da Sereia  (Mia Couto)

O Outro Pé da Sereia (Mia Couto)

WISH LIST BLACK FRIDAY | ENTRE LETRAS E LINHAS

WISH LIST BLACK FRIDAY | ENTRE LETRAS E LINHA

O Outro Pé da Sereia - Mia Couto

O Outro Pé da Sereia - Mia Couto


Estatísticas

Desejam425
Trocam1
Avaliações 4.2 / 499
5
ranking 46
46%
4
ranking 33
33%
3
ranking 15
15%
2
ranking 4
4%
1
ranking 1
1%

27%

73%

Helena
cadastrou em:
07/01/2009 10:56:04
Dali
editou em:
14/04/2019 19:25:11