Todos Iguais, Poucos Diferentes

Todos Iguais, Poucos Diferentes Morais de Carvalho




Todos Iguais, Poucos Diferentes





Agora, neste preciso momento, esqueça o que está ao seu redor. Pare e sente-se comigo neste banco de jardim. Observe todas estas pessoas que correm, que sobrevivem, que morrem. Sinta o seu cheiro a desespero, veja a sua luta diária para pertencer à sociedade. Repare agora nos pormenores: a vizinha que me acolhe nos seus braços e me vem dizer um «olá», uma mulher que foge de mim por ter medo de se tornar num ser louco como eu e um gato que se esfrega nas minhas pernas. Venha, sente-se comigo no meu banco de jardim e no final poderá decidir se quer ser afinal como todos os outros, levantar-se e ir a correr atrás de todos nós, à procura de coisa nenhuma, ou se por outro lado prefere sentar-se neste banco e caminhar os seus próprios pensamentos. Sente-se, vou contar-lhe a minha estória, a minha loucura.

Drama / Ficção

Edições (1)

ver mais
Todos Iguais, Poucos Diferentes

Similares


Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.0 / 5
5
ranking 40
40%
4
ranking 20
20%
3
ranking 40
40%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

0%

100%

Gaby
cadastrou em:
09/11/2016 01:47:22