Uma praça em Antuérpia

Uma praça em Antuérpia Luize Valente


Compartilhe


Uma praça em Antuérpia





Não é exagero dizer que Luize Valente - voz referencial do romance histórico contemporâneo no Brasil - enreda de tal forma o leitor nesta trama que ele de súbito, ainda no início, vê-se saborosa e irremediavelmente preso ao livro, perseguidor fanático de seu final.

São poucos os escritores capazes, hoje, de manejar o tempo - o ir e vir seguro em quase um século - como Luize. Com prosa ágil e visual, e amplo domínio da técnica, a autora - cuja obra de estreia, O Segredo do Oratório, já causara forte impressão, sucesso de crítica e público - honra e supera a expectativa acerca deste segundo livro, ao conceber aqui uma narrativa que costura capítulos curtos e dinâmicos de maneira que tenham desfechos instigantes, que progressivamente amarram o leitor em novas e ainda maiores dúvidas, ansiedades e urgências.

Difícil parar de ler.

Entretenimento de fina qualidade, este romance desafia e vence - com sobras - a tendência corrente (cafona e aborrecida) segundo a qual diversão é incompatível com literatura. E que personagens! Dentre um punhado de figuras inesquecíveis, temos Olivia e Clarice, enormes, gêmeas cuja união fraternal resultará em que afinal sejam - só a leitura revelará como - uma só pessoa. O modo, aliás, como o parto delas é tecido - com a mãe morta - alcança o estado da arte e emociona como sói à grande literatura. E eu poderia encher este texto com exemplos.

A compor - tão ambicioso quanto plenamente realizado - o projeto literário de Luize Valente, impõe-se a reconstituição da desgraça imposta pelo nazismo aos judeus na Europa, razão pela qual muitos deles viriam fazer a vida no Brasil. A literatura de Luize - o modo original como ergue sua carreira autoral até aqui - é, aliás, alicerçada ao mesmo tempo na memória acumulada de séculos de um povo e na identidade brasileira que a comunidade judaica soube construir para si neste país. É impressionante, registre-se, a forma como a escritora retrata a chaga do nazismo na miudeza do cotidiano, na intimidade das famílias alemãs e europeias, com bárbaros desdobramentos em Portugal, no lar de Clarice e Olivia, de onde a narrativa parte pra ganhar o mundo e o Brasil.

O que temos aqui é uma grande história, escrita sob a luz do admirável engenho criativo - tudo isso sobre o solo firme de consistente pesquisa e de poderoso conhecimento histórico. É o que explica o caráter orgânico deste romance, em que nada é artificial.

Se o leitor procura uma história forte e universal, com personagens - de construção só possível por quem percebe e compreende o humano - pelos quais se envolver, narrada século adentro com ritmo cinematográfico, este Uma Praça em Antuérpia é o livro.

Literatura Brasileira / Romance

Edições (1)

ver mais
Uma praça em Antuérpia

Similares

(19) ver mais
O Segredo do Oratório
Inverno de Praga
Traduzindo Hannah
A amiga genial

Resenhas para Uma praça em Antuérpia (30)

ver mais
Amores, desamores e a intensa fraternidade em tempos de guerra.
on 6/6/18


. “Um homem nunca sabe quando a guerra acaba. Diz, Olha, acabou, e de repente não se acabou, recomeça, e vem diferente, a puta, ainda ontem eram floreios de espada e hoje são arrombações de pelouro, ainda ontem se derrubavam muralhas e hoje se desmoronam cidades, ainda ontem se exterminavam países e hoje se rebentam mundos.” - José Saramago (Memorial do Convento). Em uma cobertura de um quarto de hotel em Copacabana no Rio de Janeiro, totalmente alheia às comemorações de ré... leia mais

Estatísticas

Desejam63
Trocam6
Avaliações 4.6 / 157
5
ranking 71
71%
4
ranking 21
21%
3
ranking 8
8%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

18%

82%

Marcos
cadastrou em:
18/03/2015 16:01:25
Dali
editou em:
27/09/2019 12:06:43