Aonde a gente vai, papai?

Aonde a gente vai, papai? Jean-Louis Fournier


Compartilhe


Aonde a gente vai, papai?





Jean-Louis Fournier teve dois fins do mundo. É como o autor, elogiado pela Academie Goncourt e pela mídia francesa, caracteriza a dor de, por duas vezes, perceber a deficiência incontornável de dois filhos, logo após experimentar o êxtase de descobrir-se pai.

"Aonde a Gente Vai, Papai?" é a pergunta, repetida incansavelmente, que uma das crianças faz sempre que entra em um carro. Seria normal, se a pergunta não se repetisse por mais de dez anos. Seus dois "passarinhos", os irmãos Thomas e Mathieu, jamais aprenderiam a ler, jamais compartilhariam com o pai as aventuras de um personagem de história em quadrinhos.

Fournier mostra que o riso é quase proibido àqueles que convivem com a tragédia; que é pecado fazer graça de um filho lambuzado - algo que diverte os que acompanham o desenvolvimento normal das crianças. Fazer piadas torna-se um passaporte para o inferno. Como se ele já não estivesse na Terra!

Sem medo de mostrar a fraqueza demasiado humana e o sentimento ambíguo que o levam a, por vezes, odiar aquelas eternas crianças, o autor só gostaria de ouvir os filhos se gabarem dele por terem um pai que cria desenhos animados e histórias que muitos outros não fazem. Mas Thomas e Mathieu não entendem seus desenhos nem leem suas fábulas. Essa experiência paterna é relatada por Fournier sem apelo, com franqueza e ternura singulares.



Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
Aonde a gente vai, papai?

Similares

(2) ver mais
O Filho Eterno

Resenhas para Aonde a gente vai, papai? (25)

ver mais
on 1/12/09


Ter um filho “normal” não é nada fácil, diz a minha mãe. Tudo bem que eles dão certas alegrias e, às vezes, até orgulho. Mas, o trabalho, as preocupações que chegam a estenderem-se anos a mais, pois quando acham que eles estão encaixando-se na vida, desistem de tudo e dão volta. Incomodam. Não são poucas as vezes em que da vontade de largar tudo – leia-se largá-los - e seguir em frente. Imaginem então ter um filho deficiente. Aliás, um não, mas dois. Pois foi o que aconteceu com o “fe... leia mais

Estatísticas

Desejam64
Trocam10
Avaliações 3.7 / 259
5
ranking 29
29%
4
ranking 30
30%
3
ranking 29
29%
2
ranking 10
10%
1
ranking 3
3%

22%

78%

Tito
cadastrou em:
10/09/2009 15:35:16
Vivi
editou em:
18/03/2016 15:33:59
Vivi
aprovou em:
18/03/2016 15:34:03