Aprendendo a viver

Aprendendo a viver Clarice Lispector


Compartilhe


Aprendendo a viver





Muito embora tenha afirmado que jamais escreveria sua autobiografia, Clarice produziu diversos textos confessionais no período em que colaborou com o Jornal do Brasil, entre agosto de 1967 e dezembro de 1973, conforme salientou seu filho e curador do seu legado literário, Paulo Gurgel Valente, no depoimento por ele concedido ao Instituto Moreira Salles em 2014, de fácil acesso no site do IMS ou por intermédio do YouTube. Foi a partir deste conjunto de crônicas que montei Aprendendo a viver como uma espécie de “autobiografia involuntária” de Clarice, desde a primeira infância no Recife na década de 1920, até seus derradeiros anos no refúgio da praia do Leme, na década de 1970.

Pedro Vasquez, organizador da obra Clarice recusou todos os rótulos e o enquadramento em escolas ou sistemas literários. Buscou sempre a universalidade, a prospecção do próprio interior produzindo uma literatura de excelência incontestável e estilo inimitável, estabelecendo-se como uma das maiores escritoras da língua portuguesa de todos os tempos.

“Esfinge, feiticeira, monstro sagrado. O renascimento da fascinante Clarice Lispector tem sido um dos verdadeiros eventos literários do século 21. Ninguém soa como Clarice. Ninguém pensa como ela. Ela não apenas parece dotada de mais sentidos do que os cinco conhecidos, mas também curva a sintaxe e a pontuação de acordo com sua vontade. Ela vira o dicionário de cabeça para baixo, soltando todas as palavras de suas definições, espalhando-as de volta como quer e não é que a língua parece melhor?”
The New York Times

Crônicas / Literatura Brasileira

Edições (2)

ver mais
Aprendendo a viver
Aprendendo a viver

Similares

(10) ver mais
O mistério do coelho pensante e outros contos
A mulher que matou os peixes
7 Tortas de Saudade
Cai O Pano

Resenhas para Aprendendo a viver (24)

ver mais
Clarice ao rés-do-chão
on 22/9/11


Passei as últimas duas semanas trancado no quarto com Clarice. Estava decidido a só sair de lá depois que resolvêssemos todas as nossas desavenças. Sabia que não sairíamos nos amando, mas me consideraria satisfeito se nascesse uma suave afeição. Resolvi que começaria com aquilo que temos em comum. Eu gosto de crônicas. Leio crônicas, escrevo crônicas e, como se não bastasse, pesquiso sobre crônicas e tenho minhas próprias teorias sobre elas. Pois Clarice também fez crônicas – ainda que... leia mais

Estatísticas

Desejam157
Trocam3
Avaliações 4.4 / 560
5
ranking 56
56%
4
ranking 29
29%
3
ranking 13
13%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

15%

85%

João gregorio
cadastrou em:
03/08/2021 17:46:26
Pri Paiva
editou em:
05/08/2021 17:02:12
Pri Paiva
aprovou em:
05/08/2021 17:06:01

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR