Aventuras Macabras de Edgar Allan Poe

Aventuras Macabras de Edgar Allan Poe Flávio Colin
Shima
Edgar Allan Poe


Compartilhe


Aventuras Macabras de Edgar Allan Poe





Quatro gênios dos quadrinhos nacionais se unem para adaptar os contos de um dos autores mais influentes da história da literatura.

No Brasil, o gênero do terror foi e é um dos mais importantes para a cena dos quadrinhos. Desde o final da década de 30, elementos dessas histórias já eram percebidas em outros gêneros, sobretudo nas tramas policiais, muito famosas no pré-guerra. Os brasileiros sempre gostaram de uma boa história de terror. Das lendas ao folclore, nas próprias cantigas infantis, possuem claros elementos de terror. Onde já se viu cantar para uma criança - e ainda mais, para dormir - que o boi da cara preta vai vir pegá-la, ou durante a brincadeira cantarolar que se atirou o pau no gato e por sorte, ele não morreu, deixando bem clara a intenção do agressor.

Quer como gênero principal ou como subgênero, é indissociável da história dos quadrinhos no Brasil. O flerte com o sobrenatural, com as sensações advindas do medo e do horror, foi desenvolvido em níveis equivalentes, senão superiores ao produzido “lá fora”, principalmente por, desculpe o trocadilho, “monstros” sagrados da nona arte. Gênios das primeiras gerações do terror no Brasil. Alguns natos, outros naturalizados ou radicados em nosso país, mas todos, de uma excelência ímpar que ecoa até os dias de hoje. Certamente causando injustiça a tantos outros grandes, destacam-se, nomes como Jayme Cortez, Rodolfo Zalla, Flavio Colin, Julio Y. Shimamoto, Ivan Saidenberg, Eugenio Colonnese, Nico Rosso, Claudio Seto, Rubens Cordeiro, Jordí, José Menezes, a relação é imensa.... sim, o Brasil teve e tem muitos dos melhores quadrinistas do mundo.

Entre autos e baixos, entre os anos 60 e 70, nas bancas, havia mais de 30 títulos de quadrinhos de terror à venda. Mesmo durante a Ditadura, com o ativismo dos sensores, o terror sobreviveu. Por vezes, migrou para o “terrir”, noutras se mesclou com gêneros mais eróticos, por vezes, se tornava um protesto - geralmente disfarçado - e uma crítica à perda da democracia. Mas ele continuava lá.

Na última década da ditadura, naqueles anos de chumbo, um dos maiores sucessos do terror, a revista Calafrio, da D-Arte, passou a ser uma companheira à altura da Kripta, da RGE. Outras editoras como Bloch, Noblet, Vecchi e Ebal, tinham, cada uma, sua própria linha de terror. Eram quadrinhos nacionais e internacionais á disposição do público.

Entre tantos títulos, como Neuros, Spektro, Mestres do Terror, além das outras revistas já citadas, havia pela Bloch, a Capitão Mistério apresenta: Frankenstein, Histórias Reais de Drácula, do Lobisomem, da Múmia, e por aí vai. Na edição n. 12, no ano II (1978), em Capitão Mistério apresenta: Aventuras Macabras, a revista foi dedicada a Edgar Allan Poe, e quatro gênios foram convidados a adaptar suas histórias: Flavio Colin, Julio Y. Shimamoto, Jordí e José Menezes. Há uma quinta história na HQ, mas sem créditos ao artista, e, sem relação direta ao autor homenageado, pois adapta um filme de terror de 1958 (talvez esta história foi introduzida apenas para manter o padrão de número de páginas da revista).

O fato é que esta edição, numa confluência cósmica, por alguns chamado de coincidência, mas por tantos outros de destino, volta ao mercado editorial brasileiro após 44 anos depois de seu lançamento. E isto foi possível por coincidências (ou destino) que envolvem diretamente a Skript e os autores desta obra, permitindo a republicação deste importante quadrinho nacional, agora, com novo tratamento editorial.

HQ, comics, mangá

Edições (1)

ver mais
Aventuras Macabras de Edgar Allan Poe

Similares

(68) ver mais
A Múmia
Drácula Especial
Drácula por Rodolfo Zalla
Conde Drácula

Resenhas para Aventuras Macabras de Edgar Allan Poe (1)

ver mais
Infelizmente não me agradou muito
on 1/11/23


Normalmente eu acho que resgates de itens antigos e que já não são tão fáceis de encontrar nos dias de hoje são bem legais para o público de uma forma geral. Porém, resgates precisam fazer sentido, caso contrário não passam de meros caça-níqueis. Para quem lança algo assim, deve ser bem legal participar do processo de reconstrução, mas se você não está disposto a agregar mais valor ao que está disponibilizando no mercado, não vai funcionar. E esse é exatamente o caso dessa Graphic Nove... leia mais

Estatísticas

Desejam1
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.0 / 10
5
ranking 30
30%
4
ranking 60
60%
3
ranking 10
10%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

64%

36%

Mauricio (Vespeiro)
cadastrou em:
02/09/2022 05:34:34
orffeus
editou em:
27/12/2023 22:06:15

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR