Crítica da Filosofia do Direito de Hegel

Crítica da Filosofia do Direito de Hegel Karl Marx


Compartilhe


Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (Marx & Engels)


Introdução




Publicado originalmente em 1843, a Crítica da filosofia do direito de Hegel é um divisor de águas na obra marxiana: marca a transição da chamada fase "juvenil" para a fase adulta e a consolidação dos pressupostos que irão orientar a produção do seu pensamento até sua maturidade. Ao investigar Hegel, Marx associaria definitivamente a compreensão das relações jurídicas na sociedade com as suas condições materiais; o pensar em função do ser e a alienação do povo; o "Estado real" em relação ao Estado moderno que o segrega e o burocratiza na qualidade de "sociedade civil".

O autor também repensa o papel da teoria crítica, estabelecendo que esta não se completa apenas no campo teórico das filosofias da religião e da ciência, mas tem um indispensável campo prático na política. Se por um lado visava superar os fundamentos estabelecidos por Hegel para o Estado alemão, por outro visava, através da associação entre a reflexão e a prática, ir além do trabalho teórico de crítica da religião de Feuerbach, uma forte influência neste trabalho.

Marx provoca um salto sobre os debates da época em torno da obra de Hegel, para uma visão mais ampla dos fundamentos do direito na Alemanha, seu anacronismo que não permite concessões, suas relações com as classes sociais e com o estágio de desenvolvimento nacional. Uma defesa radical da verdadeira democracia, da máxima generalização do Estado, com a participação de cada cidadão para superar a divisão entre política e sociedade.

No seu próximo trabalho, nos Anais franco-alemães, Marx identificaria a origem da alienação na propriedade privada. Como escreve Enderle na apresentação:

"A gênese da alienação política será detectada no seio da sociedade civil, nas relações materiais fundadas na propriedade privada. Conseqüentemente, não se tratará mais de buscar uma resolução política para além da esfera do Estado abstrato, mas sim uma resolução social para além da esfera abstrata da política.
Na Crítica, Marx encontrou seu objeto. Faltava desvendar sua "anatomia"."

Filosofia

Edições (2)

ver mais
Contribuição à crítica da filosofia do direito de Hegel.
Crítica da Filosofia do Direito de Hegel

Similares

(3) ver mais
O Capital
Razão e Revolução
Menos que nada

Resenhas para Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (1)

ver mais
Lista de Livros: Crítica da filosofia do direito de Hegel - Karl Marx
on 25/9/16


“Na Alemanha, a crítica da religião esta, no essencial, terminada; e a crítica da religião é o pressuposto de toda a crítica. O homem, que na realidade fantástica do céu, onde procurava um super-homem, encontrou apenas o reflexo de si mesmo, já não será tentado a encontrar apenas a aparência de si, o inumano, lá onde procura e tem de procurar sua autêntica realidade. Este é o fundamento da crítica irreligiosa: o homem faz a religião, a religião não faz o homem. E a rel... leia mais

Estatísticas

Desejam37
Trocam2
Avaliações 4.0 / 59
5
ranking 42
42%
4
ranking 29
29%
3
ranking 22
22%
2
ranking 3
3%
1
ranking 3
3%

61%

39%

Cardoso
editou em:
07/02/2018 22:01:10