Economia Pernambucana no Século XVI

Economia Pernambucana no Século XVI Manuel Correia de Andrade


Compartilhe


Economia Pernambucana no Século XVI





Os teóricos da História creem ela deve ter um fio condutor que uma o Indivíduo às gentes. Manuel Correia de Andrade, proeminente historiador pernambucano, faz isso com maestria, podendo ser considerado um artesão da História Pernambucana.

Nesta obra o autor escolhe a Economia como fio condutor, de modo a descortinar todo o panorama sócio-histórico do século XVI do Brasil. É assim que ficamos conhecendo, por exemplo, as frutas naturais da terra brasileira e as que foram importadas (naturalizadas) pelo homem; ou ainda os poderes políticos dos donatários, em contraste com suas dívidas econômicas e sua incapacidade de administrar todas as terras que pertenciam às suas respectivas capitanias.

Manuel tem um estilo peculiar de escrita, no qual podemos reconhecer traços dos autores que o formara, como Gilberto Freyre, Joaquim Nabuco e, especialmente, Frei Vicente de Salvador; fonte principal deste trabalho.

Mais do que mostrar a História de Pernambuco a partir da economia, o autor conta parte da “saga” dos pernambucanos, dotando a obra não só de interesse para o estudantes/pesquisador de História/Economia; mas também para qualquer interessado em estudos de “Sociedade”.

Edições (1)

ver mais
Economia Pernambucana no Século XVI

Similares


Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.0 / 1
5
ranking 0
0%
4
ranking 0
0%
3
ranking 100
100%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

67%

33%

nanaraujou
cadastrou em:
30/11/2010 19:41:41