Educação para a Morte

Educação para a Morte J. Herculano Pires


Compartilhe


Educação para a Morte





Ainda não aprendemos que vida e morte são ocorrências naturais. E as religiões da morte, que vivem dos gordos rendimentos das celebrações fúnebres e das rezas pagas pelos familiares e amigos dos mortos, empenham-se num combate contra os que pesquisam e revelam o verdadeiro sentido da morte. A idéia fixa de que a morte é o fim, e o terror das condenações de após morte, sustentam esse comércio necrófilo em todo o mundo.
Wilson Garcia escreveu: “Um pouco antes, porém, que o sol da vida somática baixasse de vez no horizonte da experiência terrena, Herculano revisou os conceitos humanos da morte, chegando à conclusão de que a fuga da morte, tantas e tantas vezes repetida pelo homem, significa a fuga da própria vida. Por isso, às vésperas de encetar a grande viagem, na tranqüilidade silenciosa de suas pródigas madrugadas, gostosamente insones, o filósofo leal a Kardec reuniu as experiências, positivas ou frustradas, da cultura humana para afirmar a necessidade de instituir-se na Terra a Educação para a Morte.”

Esoterismo / Filosofia / Literatura Brasileira / Psicologia / Religião e Espiritualidade / Sociologia

Edições (2)

ver mais
Educação para a Morte
Educação para a Morte

Similares


Estatísticas

Desejam5
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.7 / 3
5
ranking 33
33%
4
ranking 0
0%
3
ranking 67
67%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

43%

57%

Mauricio
editou em:
28/05/2017 19:44:54