Kawabata-Mishima

Kawabata-Mishima Yasunari Kawabata
Yukio Mishima


Compartilhe


Kawabata-Mishima


Correspondência (1945-1970)




Yasunari Kawabata, Nobel de literatura em 1968, é um dos responsáveis pela universalização da literatura japonesa moderna. O enfant terrible Yukio Mishima, um dos mais exuberantes e profundos artistas do século XX, também De fato, a produção literária de Kawabata e de Mishima, seus ecos e influências (diretos ou não), são responsáveis pela formação de certo imaginário ocidental sobre o Japão: ritual, erotismo, elegância; a neve – Kawabata – e o sangue – Mishima.

O volume Kawabata-Mishima: correspondência (1945-1970) reúne as cartas trocadas entre os dois, desde que Mishima (que ainda assinava com o nome de batismo Kimitake Hiraoka) se aproxima pela primeira vez do “mestre” Kawabata, já uma figura influente do meio literário japonês. O leitor segue então o diálogo que vai se desenrolando: a partir de assuntos cotidianos, comentários sobre a cultura japonesa, reflexões artísticas e muitos pedidos de Mishima para que Kawabata “não deixe de cuidar de sua saúde”, a tímida admiração mútua se torna uma amizade franca e intensa.

As mensagens permitem acompanhar os acontecimentos históricos – como a ocupação americana do Japão após a Segunda Guerra ou a Olimpíada de 1964 em Tóquio – bem como a ascensão dos dois ao patamar de estrelas globais. Aos poucos, quando ambos percebem suas iguais chances de entrar para a história como o primeiro autor japonês a ganhar o Nobel, o carinho se transforma em rivalidade e competição. O desfecho é conhecido: Kawabata leva o prêmio, com a ajuda de uma carta de Mishima, que nunca perdoou ao mestre pela conquista e nem a si mesmo pela abnegação. Mishima termina sua tetralogia, a obra de sua vida, e parte, em 1970, para realizar, fora da literatura, suas “ambições fatalistas”. Kawabata produz cada vez menos até sua morte em 1972.

Deixando de lado a deferência e abrindo as cortinas da intimidade de dois gênios artísticos, Kawabata-Mishima: correspondência (1945-1970) é uma oportunidade de conhecer, por meio de uma longa relação intelectual e afetiva, o lado humano de dois dos ícones máximos da literatura japonesa: as afinidades que se revelam apesar de tantas diferenças, o genuíno fascínio que nutriam um pelo outro, o brilhantismo que emergia de suas penas nos assuntos mais corriqueiros, o projeto comum de pensar e criar a beleza, o refúgio na arte e na amizade como forma de navegar a tristeza intrínseca à condição humana.

Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
Kawabata-Mishima

Similares

(3) ver mais
Correspondencia (1945-1970)
Correspondência entre amigos
Mishima ou A visão do vazio

Resenhas para Kawabata-Mishima (0)

ver mais
Ótimo livro
on 19/8/19


Ótimo livro para compreender como se dava a relação entre mestre (Kawabata) e discípulo (Mishima).... leia mais

Estatísticas

Desejam22
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.6 / 8
5
ranking 63
63%
4
ranking 38
38%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

43%

57%

Adriana Scarpin
cadastrou em:
19/04/2019 13:39:08
Jenifer
editou em:
19/04/2019 15:31:53