Perdido em Marte

Perdido em Marte Andy Weir




PDF - Perdido em Marte


Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho. Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente. Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate.

Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico – e um senso de humor inabalável –, ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência.

Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá.

Com um forte embasamento científico real e moderno, Perdido em Marte é um suspense memorável e divertido, impulsionado por uma trama que não para de surpreender o leitor.





Perdido em Marte

Leia o PDF do primeiro capítulo de Perdido em Marte

Visualizar

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Vídeos Perdido em Marte (19)

ver mais
Motivos para Ler Perdido em Marte | 5 Motivos e 1 Crítica | Hear the Bells

Motivos para Ler Perdido em Marte | 5 Motivos e 1

Vídeo Resenha #3  [Perdido em Marte]

Vídeo Resenha #3 [Perdido em Marte]

PERDIDO EM MARTE, de Andy Weir

PERDIDO EM MARTE, de Andy Weir

EU RECOMENDO PERDIDO EM MARTE | ENTRE LETRAS E LINHAS

EU RECOMENDO PERDIDO EM MARTE | ENTRE LETRAS E LIN


Resenhas para Perdido em Marte (269)

ver mais
Muito "sci", pouco "fi"


Pra mim, Perdido em Marte quase não pode ser chamado de ficção. O autor se preocupou demais em inserir dados numéricos, medidas, cálculos e detalhamento de procedimentos que se esqueceu (ou deliberadamente ignorou) os traumas psicológicos que tanto tempo sozinho num planeta deserto causariam. Mark Watney não tem família na Terra, não sente saudade de ninguém em especial. Não tem pesadelos, dome bem todas as noites mesmo quando a esperança de se salvar é ínfima. Não nos conta como f...