Retrato Mortal

Retrato Mortal J. D. Robb




Resenhas - Retrato Mortal


25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Juliana Vicente 22/06/2011

Quero começar agradecendo a editora por ter me enviado o livro para resenha. Muito obrigada!

Retrato Mortal me emocionou em muitos momentos. Fatos que acontecem com Roarke me envolveram tanto que para mim essa é a melhor parte do livro (Temos uma participação considerável dele no livro)

Quanto a parte policial, Nora continua a dar um Show na escrita, a leitura é tão fluída que em alguns momentos me peguei tentando pensar como a Eve. (Difícil! Nunca descubro quem é o assassino)

Existem muitos momentos engraçados nesse livro, Peabody é uma personagem incrível e a relação dela com a Eve é um dos pontos altos do livro. Vários outros personagem da série aparecem durante o desenrolar da história e um deles recebe uma noticia que me levou as lágrimas (Não posso falar mais)

Eve e Roarke estão cada vez mais entrosados romanticamente, e Eve se esforça para entender todas as milhões de regras que fazem parte do casamento, quando Roarke esquece de algumas, ela irá mostrar exatamente como ele deve agir (Teve um momento que tive vontade de pegar o Roake e dar umas boas palmadas nele).

Um livro bem escrito, envolvente que nos deixa com aquela sensação de quero mais. Eu até tentei ler devagar, mas é simplesmente impossível.

Tem resenha de todos os outros livros da série aqui. Se você não conhece, não perca tempo e vá ler o primeiro "Nudez Mortal"

Agora é esperar lançamento de "Imitação Mortal" 17º Livro da série.

Esse eu mais que RECOMENDO.
comentários(0)comente



Barbara Sant 02/10/2011

Oieee Geeennnteeee!!!!


Hoje tem resenha da série Mortal.
Mas antes da resenha, quero deixar um aviso. Se você tem "ouvidos" sensíveis e não gosta de ler palavrões, leia a resenha com cuidado.
Eu precisei de vários palavrões para ilustrar minha indignação com algumas das escolhas do tradutor/editor/revisor/quem-quer-que-tenha-sido-o-culpado pelo resultado final de Retrato Mortal.

A série mortal, para quem não conhece, é uma coleção policial com mais de quarenta títulos, todos lidos por mim no original em inglês. Os personagens básicos são os mesmos e a cada novo livro alguns novos são acrescentados.
Alguns só de passagem e outros viram personagens fixos, mas todos tem em comum sua perfeita caracterização.
Você percebe que as atitudes dos personagens, do início ao fim, são coerentes com suas personalidades.
Nos personagens fixos a Nora faz questão de ir mais além. Você percebe maneirismos linguísticos, físicos, atitudes e até algumas manias.
No caso da Eve, por exemplo, isso é um dos motivos de muita gente ter uma antipatia terrível por ela. Ela é linha dura, turrona, boca suja, mal educada e muitas vezes chega a ser grossa ao extremo. (Ela também é justa, honesta, persistente, leal, tá? Não é só defeitos hahahah)
Isso quer dizer que ela chama palavrão pra burro. Ela diz porra, chama os bandidos de filhos da puta, diz que vai cortar os paus deles fora e enfiar no cu, cortar os colhões e fazer sopa e todo o tipo de coisa anatomicamente impossível.

O Roarke, por outro lado, é um antigo ladrão altamente refinado. Tem maneirismos próprios e vez ou outra você consegue escutar os becos de Dublin nas coisas que ele fala.
Isso quer dizer que esteja ele na sua persona dono de 1/3 do mundo e além ou na persona ladrão de mãos ligeiras, ele tem um estilo de diálogo todo próprio.

Agora, imagine só a minha frustração quando me deparei com meus personagens não dizendo um só palavrão descente, chamando uns aos outros para "irem agitar" quando estão saindo para fazer uma investigação e todo tipo de infantilização e suavização possível e imaginável.

Gente, me desculpem, mas tudo o que eu pensava enquanto relia "Retrato Mortal" em português era que aquilo era o maior absurdo possível já feito em todos os absurdos linguísticos já cometidos na tradução da série.
Já basta a Bertrand optar por não lançar os livros "livres", com pequenas estórias entre um e outro, Deus sabe por quê. Aí me chegam num livro superimportante para a série, como é Retrato Mortal, e descaracterizam os personagens?

Nossa, achei o cúmulo da falta de respeito com quem já leu, comprou e sofreu em 18 livros.
Tá, você pode dizer que ele se redimiu em Imitação Mortal, o que é verdade, mas eu precisava deixar a minha indignação aqui.
Afinal de contas, não adiantava eu dizer que o livro era ótimo, porque qualquer fã da série que já tenha tido a oportunidade de ler os originais saberia que era uma mentira sem precedentes.

Massss, apesar da catástrofe causada por essas escolhas, Retrato Mortal é um divisor de águas na série.
O foco central desse livro é o Roarke.
Nos 16 livros anteriores você ficou sabendo muito sobre o passado do Roarke. Que o pai dele era um ladrão desgraçado, a mãe uma vaca e a vida dele um inferno.
Que o Summerset salvou a vida dele quando o levou para morar com ele e que, apesar da infância desgraçada (ou talvez por causa dele) ele resolveu mudar de vida e ficar rico.

Mas aíii, chega Retrato Mortal e a J.D. da uma rasteira sem precedentes nele. Tudo, absolutamente tudo o que ele tinha certeza na vida dele vira de cabeça para baixo quando ele encontra uma assistente social irlandesa que trabalha no Dochas.
Não, eu não vou contar o que acontece. rs Sim, eu sou muito malvada, mas, eeehhhh, spoilers sucks hauhauhauha.

Já do lado da nossa destemida tenente, ela investiga um caso envolvendo um serial killer que mata jovens pessoas, as fotografa e envia as fotos para o jornal.
O cara é mórbido e terrível. E, me acreditem, um dos assassinatos fará você chorar como um bebê, já que ele bate na porta de um dos nossos personagens queridos.

Aí vocês imaginam só a situação da Eve, né?
Vai ter que fazer malabarismos para investigar o assassino, tentar ajudar o Roarke com a...novidade familiar dele e superar obstáculos emocionais...
Bom, resumindo, vale muitíssimo a leitura (e a aporrinhação de aturar as furadas da tradução nele), porque a estória é maravilhosa!
Recomendo!

PS: Sei que minha contagem dos livros não bate com a oficial, mas eu conto os livros em sequência de lançamento, independentemente se são considerados fora de série...
comentários(0)comente



Mika 26/07/2011

Perfeito na medida certa
Bem, imagino que a essa altura estou escrevendo para os fãs da série Mortal, e é com imenso orgulho e alegria a que venho falar do 16º livro, e nem um pouco cansada. Neste volume vemos mais claramente o carinho exposto, entre tantos xingamentos, de Eve e Summerset (mordomo e praticamente um pai para Roarke). Na fragilidade que o mordomo se encontra, Eve se ver lidando como uma verdadeira esposa, tendo que se desdobrar entre sua vida pessoal e profissional.

Roarke também se encontra na fase mais difícil de sua vida, principalmente quando tem de confrontar fatos do seu passado que voltam com tudo. Antes disso, lemos o que sempre acontece na série – assassinatos brutais – para os poucos românticos (o que duvido muito que tenha) temos os casos que Eve sempre tenta solucionar, aqui representados por fotografias que transmitem a beleza e a juventude das vitimas.

Porém, isso fica em segundo plano. O envolvimento pessoal toma conta da maior parte do livro, e imagino que foi por isso que Nora Roberts escreveu tão bem. Não tem mais como não se envolver com os livros, chegando a esse ponto, os personagens já são bastante queridos e sempre são/serão lembrados. Há muito já me sinto casada com Eve e Roarke.

O que diferencia esse livro dos demais é a troca de papéis dos protagonistas. Roarke é o astro da vez (e quando não foi?), mesmo Eve aparecendo mais, percebemos que ela é a coadjuvante aqui. É lindo ver, pela primeira vez, Roarke nervoso ao ponto de se embolar nas palavras. Alguns momentos são realmente emocionantes

“Você é um homem casado, não é? Casou-se com uma policial de Nova York.
- Ela é o meu milagre – Confessou ele. - Minha Eve.” (p. 330)

O drama fica por conta da vida pessoal dele e essas são as melhores cenas do livro. Percebemos que o homem mais seguro e perfeito do mundo literário, também tem temores e dramas na vida, e isso faz com que os leitores vejam Roarke sendo frio e querendo, em alguns momentos, se livrar da sua amada esposa, nunca tendo acontecido nos livros anteriores.

“Nem tudo que eu faço tem relação com você. Nem tudo o que eu sinto gravita em torno de você.” (p. 282)

E é aqui que eu queria mandar as partes dos crimes “enxugar gelo”. A narrativa deixa tudo em perspectiva, todos os lados, por isso o drama pessoal é cortado, a morte se apresenta, e o drama volta. O negócio é ter paciência. Gostaria que algumas coisas tivessem ficado mais claras, como a certidão de nascimento de Roarke e que o seu primeiro nome fosse finalmente revelado. Porém, isso é despercebido quando vemos marido e mulher rolando no chão em meio a uma briga física, e sentimos a dor de Eve, quando ela pensa que o amor da sua vida não a ama mais.

Como em um dos meus livros favoritos da série, Roarke volta a Irlanda, dessa vez por motivos diferentes. Será que Roarke vai mesmo matar novamente, com sua esposa sendo uma tira? E será que eu vou ter que esperar até o 20º livro para saber mais do passado de Eve, seu nome, sua mãe? Esperemos cenas do próximo capitulo, ou melhor, volume (Imitação Mortal será lançado ainda esse semestre, de acordo com a Bertrand).

São tantas cenas lindas que fica difícil falar mais, mas não posso deixar de comentar sobre o momento em que Roarke fica bêbado, eu esperava por isso há muito tempo e não me decepcionei. O seu amor por Eve é exclamado da maneira mais cômica do livro.

“- E você tome conta do meu irlandês bêbado. Não consigo viver sem ele.
- Brian? – Perguntou, com os olhos opacos, meio confuso.
- Não, seu idiota. Você!”(p. 303)

Quem já leu outros livros da autora, já deve ter percebido a sua ótima mão na escrita nas questões familiares. Amei cada instante disso na série com um foco mais policial. Espero que ela continue fazendo isso daqui pra frente, amo por demais ver meus personagens preferidos envolvidos em dramas e tendo que demonstrar amor e segurança um com o outro.

Por fim, devo elogiar a editora Bertrand, não só por trazer ótimos livros da Nora, mas principalmente pela presteza com que estão lançando os dessa série. Já estou contando os dias para Imitação.
comentários(0)comente



Maria Carolina 30/09/2012

:O to assim.....
Aaahhhhhhhhhhhh meu povo esse livro conseguiu me deixar com o cabelo em pé ..... A nossa querida autora conseguiu deixar esse livro o mais tenso, humano de todos os livros da Serie Mortal.
Vou ser sincera tava pouco me lixado para o caso (até quase o final tava pouco ligando para o caso). Eu estava igual a Eve, estava totalmente desligada com o caso, tava tão preocupada com os acontecimentos bombásticos, que se caísse uma bomba atômica tava pouco ligando!!
Esse foi o primeiro livro da Serie que eu chorei de soluçar, e fiquei com o coração apertado de tanta preocupação !
A Eve me deixou surpresa e me deixou tão feliz com as atitudes dela , nunca que iria dizer isso, mais Realmente comecei a amar ela, do jeito que ela se mostrou, ela mudou muito e graças a nossa querida autora para melhor!!!! Não sei nem mais o que falar... To emocionada até agora!!!
comentários(0)comente



claudioschamis 09/12/2012

Como disse na resenha passada sobre o livro "Pureza Mortal" que era difíicl escrever resenhas sobre os livros da série mortal, com esse "Retrato Mortal" eu poderia dizer que foi um livro que saiu um pouco do que vi nos outros livros. E isso não é uma crítica. Muito pelo contrário. Se J.D. Roob poderia se superar ainda mais, foi nesse livro.

Além de toda a adrenalina, suspense, romance e cenas tórridas sempre muito bem detalhadas por J.D. Robb, senti algo que não costumava sentir com essa intensidade como nesse livro: emoção. Muita emoção. Daquela que até te faz chorar.

Em "Retrato Mortal" existe um ingrediente especial que não saberia definir em palavras, mas que fez valer ainda mais a leitura.

Se você já é fã como eu, vai consolidar ainda mais essa adoração pelas histórias de Eve, Roarke, Peabody, McNab, Summerset, Nadine, Feeney, Mavis entre autochefes, telelinks, e todas as modernidades no mundo criado por J.D.Robb.

Nem precisaria falar, mas é leitura RECOMENDADÍSSIMA.

Classificação: ☻☻☻☻☻

☻ Péssimo ☻☻ Ruim ☻☻☻ Bom ☻☻☻☻ Muito Bom ☻☻☻☻☻ Ótimo

RETRATO MORTAL - J.D. ROOB - EDITORA BERTRAND BRASIL - 448 páginas.
comentários(0)comente



Rose 14/01/2014

Em Retrato Mortal começamos com nosso famoso mordomo Summerset prestes a tirar férias. A felicidade de Eve está nas alturas...
Mas antes mesmo de sair de casa tudo muda, um corpo aparece, Summerset se machuca gravemente e o humor de nossa detetive cai à baixo de zero...
Completando este cenário drástico, Roarke descobre um segredo que o abala profundamente. Mas não pense que isso distanciou os dois. Ao contrário, Eve mostra todo o seu amor por este bonitão e ao lado dele, ajuda-o a enfrentar o problema. Foi muito bom ver os papeis se inverterem, estamos tão acostumados a ver Roarke cuidar de Eve, que isto roubou toda a cena do livro. Não que a procura do criminoso não tenha sido importante, mas ver a preocupação de nossa detetive com seu marido, deu um toque especial ao livro.


Pin on Pinterest


Voltando a parte policial da estória, Eve e sua equipe policial estão procurando um lunático que está matando jovens lindos, saudáveis, bons filhos e bons alunos. Jovens que não teriam feito nada além de serem super carismáticos.
Juntando as peças deste quebra cabeça, Eve começa a chegar perto do assassino, sem saber ou imaginar que ele está muito perto deles. Um louco que não acredita está matando as pessoas, mas sim eternizando-as, pois as fotografa no momento de suas mortes.
Entre jogos de luz e sombra, minutos preciosos são perdidos, e isso pode resultar na morte de um jovem e promissor policial. Mas Eve está atenta, e dará tudo de si para que este criminoso pague por seus crimes. Sua intuição aliada à rapidez da equipe e a força de vontade deste jovem policial, levará Eve até o criminoso que acha estar fazendo um trabalho de gênio...
O livro mais humano e sentimental desta série. Um livro que me emocionou e que me fez amar ainda mais este maravilhoso casal.
comentários(0)comente



Ana 20/11/2012

Excelente
O mais fantástico livro da série mortal! Focado nos dramas pessoais de Roarke, faz uma descoberta sobre sua família e seu passado que o desestabiliza totalmente e dá outro contexto a todos os livros posteriores. É muito emocionante e realmente me levou às lágrimas. Amei esse livro.
comentários(0)comente



Patty 19/09/2011

A cada livro fico mais apaixonada pelo casal Eve e Roarke. Neste livro uma parte do passado de Roark até entao desconhecido vem a tona, e juntamente com um novo caso pra eve, ao mesmo tempo que ela tem que desvendar o criminoso, ela tenta descobrir o que o marido esta escondendo.
comentários(0)comente



Kakau 01/06/2019

Personagens:
Eva Dallas e Roarke
comentários(0)comente



Samu 05/05/2016

Ótimo
Personagens cativantes e que te prender.
Narrativa simples, surpreendente e gostosa.
História boa, com uma linearidade que não te deixa se perder.
Um verdadeiro Romance Policial, com pitadas de suspense e reviravoltas, um ótimo histórico de cada personagem, mitas senas quentes e envolventes e mistérios bem interessantes!
Vale muito a pena seguir a saga, mas o bom é que cada livro pode ser lido sozinho tb (embora se perca um pouco da história dos personagens recorrentes, cada livro é um caso diferentes).
Super recomendado!
comentários(0)comente



Cris Oliveira 23/07/2012

O livro é suspense do começo ao fim e com muito romance no meio.
Dessa vez nem desconfiei de quem era o assassino. Uma surpresa!
Roarke descobre algo sobre sua familia que o desestabiliza totalmente, fazendo com que Eve repense suas prioridades. Finalmente ela aceita internamente sua vida de casada e a coloca acima de tudo. Só lendo para se emocionar com as atitudes de ambos. Apesar de que deu vontade de dar uns tapas no Roarke pelas atitudes dele com Eve. Mas, no final... aff, só lendo. srs
Muita ação, suspense, emoção e romance. Os instintos e os laços afetivos permeiam o livro inteiro. Vale a pena ler!
comentários(0)comente



Laura 27/09/2013

Simplesmente demais!!! O amor entre o casal cresce cada vez mais.
comentários(0)comente



Meninas que Leem 24/12/2016

Blog As meninas que leem livros
Quero começar agradecendo a editora por ter me enviado o livro para resenha. Muito obrigada!
Retrato Mortal me emocionou em muitos momentos. Fatos que acontecem com Roarke me envolveram tanto que para mim essa é a melhor parte do livro (Temos uma participação considerável dele no livro)
Quanto a parte policial, Nora continua.......

site: http://www.asmeninasqueleemlivros.com/2011/06/retrato-mortal-jd-robb.html
comentários(0)comente



Semiramis 24/08/2011

Pior que o próximo, melhor que o anterior
Deve parecer meio estranho eu começar uma resenha de um livro marcado como cinco estrelas com a palavra "pior",rsrsrs
Mas o que quero dizer é que a Nora se supera a cada novo volume da série. Não que os anteriores não sejam bons, mas sim pq vai ficando cada vez melhor.
Nesse livro ela explora outros aspectos da vida de Roarke que nós sequer imaginamos com o que lemos até agora...
Eve continua brilhante, e o caso resolvido aqui foi um dos melhores que li.
Realmente, um excelente livro, e mal posso esperar pelo próximo.
comentários(0)comente



PolyFlores 02/09/2011

Como sempre, especial.
Mais um título da serie mortal, que eu adoro, e que me deixou presa e ansiando pelo próximo.
Aqui Eve se vê diante de um assassino que enxerga arte em seus crimes. A história traz também eventos da infância de Roarke que me emocionaram.
Gostei bastante.
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2