Parasita Vermelho

Parasita Vermelho Andrew Lane




Resenhas - Parasita Vermelho


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Nat 30/05/2019

Durante uma visita de seu irmão Mycroft, Sherlock acaba escutando escondido uma conversa entre ele e seu professor, Amyus Crowe, e descobre que John Wilks Booth, o homem que matou o presidente Lincoln, ainda está vivo e escondido em Londres, e que o governo britânico deseja saber por quê. Sherlock e seu amigo Matty encontram o homem e seus companheiros, mas quase é morto, e Matty acaba sendo sequestrado. Para salvar o amigo, Sherlock se junta a Amyus e Virginia e embarcam para a América, onde vão descobrir o que existe por trás do reaparecimento do criminoso Booth.

Este era um livro que eu não tinha pretensão de ler agora, mas por causa do tema do desafio, as participantes resolveram montar um amigo secreto de brincadeira onde nós escolhíamos as leituras umas das outras. Dentre as minhas opções, quem me tirou escolheu esse. Eu achei o início desse livro um pouco arrastado, mas depois do sequestro de Matty, as coisas começam a melhorar porque os acontecimentos se sucedem uns aos outros sem intervalos chatos (até mesmo a viagem de navio, que poderia ser enfandonha, é cercada de ação). Gostei de como foi introduzido o ensino de violino na vida de Sherlock e várias outras questões que mais tarde acabam se enraizando na cabeça do futuro detetive e se tornam dados nas resoluções dos casos. De forma geral, eu adorei. Recomendo.

site: http://ofantasticomundodaleitura.blogspot.com/2019/05/parasita-vermelho-andrew-lane-dll-2019.html
comentários(0)comente



Dani 23/07/2015

Nesse livro nós vamos conhecer mais um plano mirabolante que pode acabar com uma nação. E como sempre, nosso querido e amado Sherlock consegue descobrir, e com isso tenta parar o que quer que esteja para acontecer.

Mycroft (irmã de Sherlock) vai até a casa dos tios para ver Sherlock e conversar com Crowe. O assunto é: Um cara perigoso esta a solta. Antes, todos acreditava que esse homem estava morto, mas agora a suspeitas que ele escapou ileso de algo que até então ameaçará sua vida. Ele está escondido, e á duvida de que eles esteja na Inglaterra.

O nosso jovenzinho que não é bobo e nem nada resolve ver por si próprio para ter certeza se o cara esta morto ou não. Nisso ele acaba se metendo numa baita de uma confusão - como sempre-. Mas querendo ou não acaba envolvido em mais uma aventura que promete morte em várias ocasiões.
Uma pessoa é sequestrada, e possivelmente sua vida esta em risco. Isso obriga Sherlock e a gangue... quer dizer, seus amigos a viajar para a America, os Estados Unidos.

Obs: Continua ótimo. A narrativa é a mesma. Ainda com aquele problema de mudança de cenário de uma hora para outra, mas a gente pode contornar essa situação. E também tem bastante aventura.

Uma coisa que eu acho cômica nos vilões dessa história é o seguinte: Eles são meio burros. Não no sentido atrapalhado, pra fazer graça, mas sim, burro mesmo. Porque eles conversam sobre todo o plano na frente do Sherlock sem se preocupar. Tipo, em diálogo, eles começam a contar todo esquema, tudo que vai acontecer, pra onde eles vão, o motivo daquilo. Ai até eu que não sou Sherlock e nem nada, consigo desvendar os mistérios todos. Na verdade, primeiro eu dava uns socos neles e gritava: "PARA DE SER BURRO, CARA!" Ai depois eu desvendava os mistérios.

Só que tem uma explicação para eles contarem isso tudo para o Sherlock, eles sempre acham que vão matar o garoto, mas ele não conseguem. Ele é Sherlock Holmes, pelo menos agora ele não vai morrer. Então desista de achar que ele vai ficar fora do caminho - Okay, isso foi mais um aviso para os vilões do mundo de Sherlock -. Voltando......

Uma coisa que eu acho muito interessate nesse livro foi que: Andrew Lane misturou a história de Sherlock com fatos reais, histórias reais. Por exemplo: O assassino mencionado na sinopse lá em cima, é o cara que matou o Abraham Lincoln . Então você aprende um pouco sobre a história dos Estados Unido, o que é legal, pois alem de se divertir lendo, você esta estudando. Outra coisa, tem uma cena que o Sherlock se encontra com o inventor do Zepelim*.E eles tem uma conversa, onde o inventor diz que daqui uns anos em vez de navios eles irão viajar em um imenso balão. O que de fato acontece anos depois. É muito legal. Sabe, dá para calcular onde e quando aquela história esta acontecendo. É muito louco!


site: http://refugiand0-se.blogspot.com.br/2015/04/resenha-o-jovem-sherlock-holmes.html
comentários(0)comente



Carolina 16/12/2014

Esclarecedor
Comecei a ler esse livro porque amo Sherlock Holmes e precisava de mais livros sobre ele. A primeira imagem que tive do livro era de uma leitura normal, ordinária, porém me surpreendi com a habilidade do autor de se aproximar com o estilo de leitura do autor original. A trama é envolvente e direta, o leitor é capaz de sentir o que o personagem passa.
O enredo contém muitas respostas a muitas perguntas dos sherlockians, mesmo não sendo verdade absoluta satisfaz o desejo de conhecer o passado do personagem amado por muitos.
comentários(0)comente



Daniel 22/09/2014

O personagem segue crescendo.
Grande evolução do Sherlock desde o primeiro livro, finalmente ele começa a utilizar as deduções de forma mais real. O personagem está mais inteligente, e começa a desenvolver outras habilidades que mostrará nos livros do Conan Doyle. Aqui a aventura é tensa, muito divertida. :)

site: http://www.danielvieirads.com/2014/09/parasita-vermelho-andrew-lane.html
comentários(0)comente



Inlectus 06/12/2013

Bom livro.

É evidente que o autor não tem a absurda pretensão de se equiparar a sir Artur Conan Doyle, mas o livro é bom.
comentários(0)comente



Bruna Fernández 21/05/2013

Resenha para o site www.LivrosEmSerie.com.br
Nuvem da morte, o primeiro livro da série, foi apenas o começo de muitas aventuras que envolveriam o jovem Sherlock. O Parasita Vermelho começa alguns meses depois do final do primeiro livro, com um Sherlock alegre ao descobrir que seu irmão mais velho, Mycroft, veio visitá-lo na casa dos dias. Porém, ele logo percebe que a visita tem outro intuito também: Mycroft veio conversar com o mentor de Sherlock, Amyus Crowe, para informar que a Inteligência Britânica suspeita que um assassino americano famoso – John Wilkes Booth – está na Inglaterra sob o nome de John St. Helen. Depois de ser dispensado pelo irmão mais velho que pediu para Sherlock ficar longe da história, é óbvio que o instinto investigativo do garoto fala mais alto. Ele então se junta ao seu amigo Matty para investigar uma casa suspeita em uma região próxima.

Além de ser um livro de aventura em sua essência, o livro também tem um pano de fundo histórico e científico. Histórico pois a narrativa está atrelada à Guerra Civil Americana – ou Guerra de Secessão – que ocorreu nos Estados Unidos entre 1861 e 1865, época em que se passa a história de Lane. Essa guerra consistiu na luta entre Estados Confederados do Sul (defensor da escravidão), contra os Estados do Norte (onde a escravidão tinha um peso econômico bem menor). De uma forma simples e didática, o autor insere uma grande parcela de informações, e vai levemente educando o autor juntamente com seus personagens de uma forma divertida e interessante. Temos o pano de fundo científico também, durante a viagem de navio que Holmes faz para a América. A forma como o cérebro do protagonista funciona ao ver a enorme embarcação, e como começa a analisar seu funcionamento, é praticamente igual ao raciocínio do Holmes adulto de Conan Doyle.

Nesse volume Sherlock está um pouco mais maduro e quem conhece o personagem adulto pode começar a perceber os traços de sua personalidade aparecendo: Sherlock passa a tomar decisões rapidamente e sozinho, mostrando o lado egoísta do personagem. Também, a forma de pensar com seu raciocínio lógico, como ele procura por respostas em sua mente e acaba pensando em como seria bom poder guardar apenas informações úteis para acessá-las depois, sem guardar informações que não possuem valor.

“O problema da memória, pensou, era que só conseguia reter uma determinada quantidade de informações. Se houvesse um jeito de apagar todas as lembranças desnecessárias e substituí-las pelas importantes.”- pág. 226

Quem é fã do Sherlock de Doyle sabe que o personagem é um exímio violinista e nesse livro vemos como o personagem foi introduzido ao instrumento. Na sua viagem de navio para a América, sem ter muito como passar o seu tempo, Sherlock conhece um violinista irlandês chamado Rufus Stone – que foi . Ambos conversam um pouco e Rufus conta que deseja dar aulas de violino e acaba influenciando Sherlock a se tornar seu primeiro aluno. Crowe parece desaprovar a amizade de Sherlock e a sua vontade de aprender a tocar um instrumento, mas acaba cedendo.

- Você tem a estrutura de um bom violinista. Sabe tocar?
Sherlock balançou a cabeça.
- Não toco nenhum instrumento.
- Deveria tentar. As garotas adoram um músico. - pág 142


Vi muita gente reclamar das atitudes ‘adultas’ de Sherlock no livro, principalmente nos confrontos, que, às vezes, levam à morte de algum personagem, pois o Sherlock é muito jovem ainda. Não achei essas passagens tão inverossímeis assim, afinal, essa série é de aventura, assim como os livros de Conan Doyle. Precisamos entrar no universo do livro e do personagem. Não podemos ler uma ficção comparando com o que poderia ser se aquilo fosse real em nosso mundo.

Uma coisa que eu gosto muito nos livros dessa série é que a Intrínseca já coloca um trecho do próximo lançamento da série nas últimas páginas. Então mal acabei de ler Parasita Vermelho e me deparo com o primeiro capítulo de Gelo Negro, que ainda não tem data de lançamento prevista – infelizmente!

Em tempo, uma curiosidade: “The Red Leech” (título desse livro em inglês) é mencionado em uma aventura de Doyle – O Pincenê Dourado – quando Watson está folheando seus diários com aventuras de Sherlock e diz: “Ao virar as páginas eu vejo minhas anotações sobre a repulsiva história do Parasita Vermelho”. Incrível como o autor das aventuras do Jovem Sherlock Holmes procura ligar o menor dos detalhes à vida adulta da consagrada personagem. Nota 10!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Camila 02/07/2012

Parasita Vermelho
Nesse segundo volume da série O Jovem Sherlock Holmes, encontramos um Sherlock um pouco mais maduro e já podemos identificar uma capacidade maior de investigação e dedução. Sherlock recebe uma visita inesperada de seu irmão Mycroft e acaba se envolvendo numa caçada a um dos mais famosos fugitivos americanos: John Wilkes Both, o assassino do presidente Lincoln!
E pela primeira vez, Sherlock embarcará rumo à America, na companhia de seu tutor e da filha dele! Tudo isso para salvar o amigo e deter um vilão apavorante!

www.leitoracompulsiva.com.br
comentários(0)comente



gleicepcouto 22/06/2012

Ação, emoção e o melhor: inteligente
www.murmuriospessoais.com

***

Parasita Vermelho (Intrínseca), de Andrew Lane, é o segundo livro da série O Jovem Sherlock Holmes. O autor, que sempre gostou do personagem de Sir Arthur Conan Doyle e tudo sabia sobre Sherlock Holmes, aceitou o desafio de imaginar e escrever sobre como seria o detetive mais famoso do mundo, quando adolescente. Juntou algumas poucas pistas que Doyle deixara sobre o personagem e foi criando a partir daí, mas sempre com intuito de preservar as características originais da criação de Doyle.

Nesse volume, Sherlock vai ter que cruzar o oceano, em direção à enigmática América. Isso porque um assassino perigoso que todos pensavam estar morto está escondido na Inglaterra, mas com planos além mar. Com a ajuda de Mycroft (seu irmão), Amyus, Matty e Virginia, e muitas vezes, sozinho mesmo, o jovem Holmes vai ter que correr riscos para conseguir evitar uma catástrofe que pode tomar proporção mundial.

Mais uma vez, Andrew Lane acerta. Sua narrativa detalhista, mas de extremo bom gosto, mostra que ele brinca com as palavras e coloca cada uma delas em seu devido lugar. Novamente somos transportados para a Inglaterra de 1.800 e bolinhas, mas também para a América. Sem parecer escola da Tia Teteca, de quebra, o autor ainda nos dá uma aula de história sobre a Guerra Civil Americana.

O livro já começa tenso, cheio de ação. Andrew as descreve muito bem, fazendo com que você entre nos becos com Sherlock Holmes, seja capturado, fique angustiado até ele descobrir uma saída inteligente praquela confusão. Adrenalina pura.

Mas aí também reside um deslize. Fiquei cansada. Esgotada. O livro foi ação do início ao fim e senti falta de uma pausa para me recuperar de certos acontecimentos. Andrew poderia ter balanceado melhor e intercalado as cenas de ação com as demais. Vejam bem: as cenas de transição até existem, mas não são mais extensa que uma ou duas páginas e logo após elas, dá-lhe ação! Não há quem aguente. Nem o jovem Sherlock Holmes.

A presença mais constante de Mycroft deu um gostinho especial. Gosto tanto do irmão do famoso detetive. Ele também é inteligente, irônico e demonstra pouco seus sentimentos. A diferença entre ele e Sherlock é basicamente a intempestuosidade. Sherlock por vezes age no impulso (pudera, é jovem aqui e ainda tem muito o que aprender); enquanto que Mycroft é mais prudente e burocrático.

Os amigos da aventura anterior da série (Nuvem da Morte) ainda estão aqui e continuam fazendo bem o seu papel: um tutor, um melhor amigo, o primeiro amor. A história emocional do mundo de Sherlock fica fechadinha com a presença deles.

Gostei também foi de como ele imaginou como teria surgido o interesse de Sherlock Holmes em violinos e também em tatuagens; assim como o interesse que Sherlock sempre demonstrou pelas Américas. Foi de modo sutil e me fez acreditar que realmente poderia ter acontecido desta forma. Acho que Sir Doyle ficaria orgulhoso do trabalho de Lane.

O autor também deixa a sua marquinha ao inserir um encontro inusitado entre Holmes e Ferdinand Graf Von Zeppelin, responsável pela criação de dirigíveis em forma de balão.

O que continua me impressionando é a pesquisa apurada que Andrew Lane faz para escrever cada detalhe da obra. No final, em Notas do Autor, ele relata as pesquisas e dá ainda mais opções de consulta, caso o leitor queria se aprofundar naquele assunto. Gente, o cara pesquisou MUITO. Aplausos pra ele, que merece.

Aplausos não só pela pesquisa, mas pelo todo que ele tem feito nessa série. São ótimos livros, com ação e emoção, e de modo inteligente (o que não costumamos ver por ai na literatura jovem atual). Andrew Lane está mantendo a lenda de Sherlock Holmes viva. O mundo literário estava precisando mesmo.

O próximo livro da série se chama Gelo Negro, também será lançado pela Intrínseca, mas ainda não tem data certa.

Parasita Vermelho (Red Leech)
Autora: Andrew Lane
Editora: Intrínseca
Ano: 2012
Páginas: 320
Valor: $30 a $40
Extra: Ação inteligente do início ao fim, respira fundo e se joga!
Diná 23/02/2016minha estante
Ainda não terminei o livro, mas ele é muito bom mesmo.
Talvez o estilo canse porque ele segue um pouco a linha do Doyle e acho o estilo dele de narrar bom para histórias um pouco mais curtas (os romances de Doyle são um pouco mais cansativos que os contos).
Mas construção de Holmes é excelente mesmo... Me lembrou um filme, O Enigma da Pirâmide, caso tenha oportunidade é bem legal também.




9 encontrados | exibindo 1 a 9