O Encontro

O Encontro Richard Paul Evans




Resenhas - O Encontro


37 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Gustavo 24/01/2021

Reflexível
Digamos que um clichê que nos faz agradecer pelo o que temos, e ao mesmo tempo, nos faz entender que podemos superar certas perdas.
comentários(0)comente



Gustavo 24/01/2021

Reflexível?
Digamos que um clichê que nos faz agradecer pelo o que temos, e ao mesmo tempo, nos faz entender que podemos superar certas perdas.
comentários(0)comente



Raquel.Silva 19/10/2020

Leitura que inspira
Assim como o caminho devorei o livro em dias, super leve, faz pensar e inspirar.
comentários(0)comente



Um livro, uma viagem 27/09/2020

Alan sofre muitas perdas e tem vontade de desistir mas uma promessa o faz prosseguir. Muito boa a história e fica com gostinho de quero mais....
comentários(0)comente



Jessica.Coelho 13/03/2019

O Encontro - Richard Paul Evans
Esse livro é extremamente emocionante, com muita aventura e emoções, que prendem o leitor do inicio ao fim, com uma mensagem muito linda de superação e lição de vida.

Atenção: Esse é o 1 livro de uma trilogia.

2 livro O Caminho - Richard Paul Evans
3 livro A Felicidade - Richard Paul Evans
comentários(0)comente



Iza 17/01/2017

O encontro
Livro, leve e gostoso de ler, com uma mensagem incrível.
comentários(0)comente



Ana Ira! 18/11/2016

Decepcionante!
Em 2012, numa visita que fiz à livraria na véspera de Natal, encontrei na promoção o livro O Encontro de Richard Paul Evans, o primeiro volume da série Caminhos.

Fiquei compenetrada, encantadíssima pela capa, apesar de ter achado pela sinopse o livro um pouco triste.

Naquele dia não pude comprar e por fim, fui postergando até semana passada, quando o adquiri numa troca no sebo!
Cheguei em casa toda feliz, corri ler, e... minha decepção não podia ser maior!!! =(

Não gostei nem um pouquinho do livro. Na verdade, detestei. kkkk
Talvez vocês gostem, e como podem ver a capa é lindíssima, entretanto, a história deixou MUITOOOOO a desejar.

Alan, o protagonista, é um publicitário esperto e bem sucedido que rapidamente conquistou seu espaço e um bom dinheiro. Casado com a sua melhor amiga de infância, McKale, vive plenamente feliz e realizado, não desejando mais nada da vida.

Porém, a vida segue como sempre pregando peças quando menos esperamos, e McKale sofre um acidente, cai do cavalo que tanto ama e além de ficar paralítica, após um mês, morre de infecções causadas pelo trauma. E não, isso não é um spoiler, a morte da personagem já é sabida na própria sinopse do livro.

Enquanto cuidava de McKale, Alan é traído pelo sócio, Kyle, que rouba sua empresa e dinheiro, deixando-o à deriva. Sem carro, casa, emprego, sem nada.

Alan decide sair numa caminhada sem nem pensar muito a respeito, para espairecer e pensar na vida.

O livro já começa desandado pra mim. Primeiro que é tudo muito rápido, a descrição sobre a infância de Alan, como conheceu McKale, sua relação com os pais, etc., são bem superficiais e sem base, não da para imaginarmos os personagens, termos suas personalidades e desenvolvimentos estruturados em nossa mente.

Quando McKale morre, Alan simplesmente aceita tudo numa boa, não vai atrás de denunciar seu sócio, ver se consegue o que lhe foi roubado. Simplesmente pega uma mochila com poucas roupas e comida, e sai. Simples assim kkk

No caminho ele conhece algumas pessoas legais, sem muito diálogo, sem muitas aventuras, fala apenas com um e outros, e anda bastante, vários quilômetros por dia.
As maiores descrições são dos alimentos que ele come. Todo dia almoça e janta, e cada pratão!!
Não que ele não devesse comer, é claro, só que isso me incomodou muito, porque o cara não tinha grana pra nada, e o pouco que tinha no banco gastava comendo cada prato bem feito, típico e tal. Se o autor quis mostrar que ele estava aprendendo novas culturas, adquirindo mais experiências, a meu ver, pecou gravemente, poderia com certeza ter explorado mais a dor das perdas de Alan, sua força e vontade para recomeçar e seu relacionamento com as pessoas que foi conhecendo pelo caminho. E não desperdiçado páginas narrando sobre comida kk

Eu NUNCA acreditei em sinopses, NUNCA. Porque sempre são enganosas, na maioria das vezes, não relatam nem um quarto do que acontece no livro, e não é spoiler que quero, é relatar brevemente o que encontraremos, porque com O Encontro eu confiei na sinopse e detestei. O livro não fala sobre recomeço como nela é descrito, e sim, sobre um rapaz que perde muito e sem saída, sai por aí, sem um rumo certo, sem muita vontade de viver.

A escrita não é grandes coisas também, achei bem bobinha, parecia um livro infantil.

Desculpem-me mesmo quem gostou do livro, porém, eu realmente não curti nada, vai voltar pro sebo kkk logo trocarei ele, não rolou pra mim.

site: http://elvisgatao.blogspot.com.br/2016/11/resenha-o-encontro-richard-paul-evans.html
comentários(0)comente



Jessy 13/09/2016

Envolvente
Não achei chato, pelo contrário, li rapidamente pra saber o que o Alan ia encontrar, quem ia conhecer e os ensinamentos que ele iria ter. Achei uma ótima narrativa e fiquei intrigada com o final. Pensei que não ia querer ler o próximo livro, mas me enganei, quero muito saber qual a missão de Alan na vida da Angel. Recomendo pra quem gosta de livros nesse estilo, lembra sucintamente, A Cabana.
comentários(0)comente



Virgílio César 08/04/2016

O livro é interessante até a metade. A partir do início da caminhada torna-se muito chato. Já havia lido deste autor Grace e A Promessa. Gostei bastante, mas este último não recomendo.
comentários(0)comente



Vanessa Vieira 06/02/2016

O Encontro - Richard Paul Evans
O livro O Encontro, primeiro volume da série Caminhos, de Richard Paul Evans, nos traz uma história bela e intensa sobre fé, amor, esperança e recomeço. A trama de Richard consegue nos envolver não só devido ao teor de seu enredo como também pela sua narrativa tocante e fluente. Seus personagens são verossímeis e tiveram suas personalidades moldadas pelo poder do amor e também pela ausência do mesmo.

Alan Christoffersen era considerado um homem de sorte. Dono de uma bem-sucedida agência de publicidade e casado com o grande amor de sua vida, McKale, ele desfruta até mesmo de pomposas férias na Europa quando bem entender. Porém, seu mundo desaba. Sua esposa sofre um grave acidente enquanto cavalgava e o sócio da empresa resolve roubá-lo. Para piorar a situação, McKale acaba falecendo.

Arrasado com a perda da mulher que mais amava, traído pelo sócio e com a casa perdida para a hipoteca, Alan se encontra sem saída. Ele pensa em até mesmo desistir da própria vida, mas uma promessa feita à Mckale não permite que ele siga em frente. Então ele sai com uma mochila nas costas em direção ao sul. Durante a sua jornada, Alan faz descobertas incríveis acerca de seus sentimentos, cruza com pessoas fantásticas e tem uma verdadeira experiência espiritual. Acima de tudo, ele encontra dentro de si mesmo algo que nunca mais lhe poderá ser tirado novamente.

O Encontro nos traz uma história incrível e emocionante sobre o amor e a força que nos brota durante as maiores adversidades da vida. Apesar do livro não possuir um cunho deliberadamente religioso, confesso que a trama me lembrou bastante a história de Jó, presente na Bíblia. Alan é um personagem meramente humano, o que concedeu todo um realismo a trama e sua jornada se mostra algo muito gratificante e edificante. Narrado em primeira pessoa pelo protagonista, de forma intensa e tocante, o livro se mostrou uma excelente leitura e me deixou ávida pela sua sequência.

"Meu nome é Alan Christoffersen. Você não me conhece. Você não faz ideia da distância que caminhei e o que perdi. Mais importante, você não faz ideia do que encontrei."


Alan é um personagem que teve o mundo e o perdeu em um piscar de olhos. Suas perdas não se resumem apenas no campo material - o que seria até mesmo fácil de se superar - mas também no campo sentimental, o que acabou lhe deixando sem chão. Perdido e devastado em sua própria dor, ele não consegue enxergar a luz no final do túnel e só não tenta nada contra a própria vida devido a uma promessa feita à McKale. Inconsolável, ele resolve levar a vida de um mochileiro e decide começar a sua jornada pelo sul do país. Durante este caminho, Alan acaba fazendo grandes descobertas que mudarão a sua vida para sempre e que lhe fortificarão como nunca antes.

"Não sou importante, nem famoso. Não importa. É melhor ser amado por uma pessoa que conhece sua alma do que por milhões que nem têm o número de seu telefone. Eu amei e fui amado com a profundidade que um homem pode esperar, o que me torna uma pessoa de sorte. Isso também significa que sofri. A vida me ensinou que para voar você precisa primeiro aceitar a possibilidade de cair."


Resumidamente, O Encontro é um livro tocante e especial sobre fé, amor, esperança e recomeço. Como disse anteriormente, a jornada de Alan é edificante e consegue comover o leitor, além de lhe trazer uma bela mensagem de vida e superação. Seus personagens são fortes e nos encantam por suas profundas e sábias posturas diante da vida. A capa é muito bonita e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

site: http://www.newsnessa.com/2016/02/resenha-o-encontro-richard-paul-evans.html
comentários(0)comente



Dani 10/09/2015

Caramba, que livro lindo!
Deve ser o livro que mais tem marcadores, pois era cada trecho de encher o coração de amor, haha!
Comecei e terminei em uma madrugada, história apaixonante!
comentários(0)comente



C_R 04/09/2015

“A vida me ensinou que para voar você precisa primeiro aceitar a possibilidade de cair (pg. 10).”

O Encontro é o primeiro livro da serie Caminhos de Richard Paul Evans, que conta a história de Alan Christoffersen. No Brasil foi lançado três livros, o quarto não tem previsão ainda, segundo informações da editora.

“Geralmente as decisões mais simples carregam as consequências mais terríveis (pg. 35).”

O livro conta uma história de superação. Alan não perde só a esposa, ele perde tudo: a empresa, os clientes, a casa, os carros… enfim, perde uma vida. Depois do enterro de sua esposa, prestes a perder a casa, um único pensamento ocorre a Alan: o suicídio!

“Suicídio – uma solução permanente para um problema temporário (pg. 99).”

Em sua caminhada, depois de perder a esposa e ser traído pelo seu sócio, Alan encontra diversas pessoas em sua jornada e cada uma delas irá contribuir, algumas de forma positiva, outras de forma negativa, em sua caminha. Faz muitos amigos e aprende um pouquinho com cada um. Também irá enfrentar vários desafios e contratempos, porém em nenhum momento pensa em desistir de sua caminhada.

“Não sei o que existe além do horizonte, só sei que a estrada em que eu caminho foi destinada a mim. É o bastante (pg. 223).”

O livro tem uma narrativa envolvente, ora dinâmica, ora angustiante. Entretanto, algumas situações vividas por Alan, nos fazem pensar em nossa própria jornada, em nosso próprio caminho, já que nesta vida todos nós somos caminhantes.

“Às vezes, o local mais assustador para se estar é a sua própria pele (pg. 154).”

site: http://colecionandoromances.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Sarah 30/04/2015

Recomendo com muito amor
Super recomendo a leitura desse livro. Emprestei para 3 pessoas e todas elas se "apaixonaram", não somente pelo livro, como pelo escritor.
Se você acha que já passou por coisas demais na vida, leia esse livro e veja que tudo acontece por uma razão.
comentários(0)comente



Elaine 18/04/2015

Morrendo de amores por essa história e tbm muito sofrimento ...adoro livros que tem historia que faz você pensar na sua vida .
comentários(0)comente



Fer - Mato Por Livros 06/04/2015

Um homem em busca de si mesmo.

Deixar toda sua vida para trás e seguir uma longa jornada a pé, em busca de algo de que não se tem certeza.
Alan tinha uma vida perfeita, sua própria empresa, em crescimento espetacular, um carro do ano, uma casa maravilhosa, e uma esposa especial para quem voltar todos os dias, e o mais importante de tudo, um amor sem igual.

Tudo isso vem abaixo quando sua amada McKale sofre um acidente e vem a falecer. Junto com isso tudo seu mundo desmorona e ele perde tudo o que antes havia conquistado com tanta luta. Mas nada o faz tanto desejar morrer, quanto ter perdido a sua amada McKale.

Depois de pensar muito e quase acabar com a própria vida, Alan decide que quer fazer uma caminhada. Mas não uma caminhada comum, ele escolhe um local no mapa (um ponto mais distante que provavelmente consiga seguir a pé), coloca alguns pertences em uma mochila, resolve alguns problemas e parte em sua caminhada, levando consigo seus diários, suas dores e seus pensamentos.

"O Jardim do Éden é um arquétipo para todos que perderam, ou seja, toda a humanidade. Ter e perder, como viver é morrer. Ainda assim, eu invejo Adão. Embora tenha perdido o Éden, ele ainda tinha sua Eva."

O que Alan não esperava era se deparar com tantas descobertas em sua caminhada. Cada local é um novo aprendizado, mesmo com seu coração dilacerado, Alan consegue dar um passo de cada vez e ir em busca do que quer que seja que encontrara no fim da jornada.

"Você pode conhecer muito um homem observando a forma como ele trata as pessoas que não precisa agradar."

Alan vai encontrar muitas pessoas em seu caminho, algumas vão lhe trazer coisas boas, lhe ensinar muitas coisas, em compensação outras vão lhe trazer mais dores...

"Algumas pessoas param de procurar a beleza e depois se perguntam porque suas vidas são tão horrendas... "

Quase no finalzinho do livro acontece algo sobrenatural, ficamos muito mexidos e imaginando sempre o quão isso pode ser real. Mas torcemos para que Alan consiga seguir seu caminho.

"Podemos ser as vitimas da circunstancia ou donos de nosso próprio destino, mas, não se engane, não podemos ser ambos."

O final do livro me deixou muito tensa, mas foi surpreendente, eu não esperava por algo assim. Agora é ler a continuação O Caminho, e ver o que acontece.

"Realmente não sabemos o que há dentro de um livro até o abrirmos."

Eu simplesmente amei a história, e estou apaixonada por Alan, ele é um homem maravilhoso. Realmente a história é uma lição de vida, temos muito a aprender. Me emocionei muito com toda a sua vida e sua jornada, as amizades, os ensinamentos, as atitudes de Alan... e sua busca pela esperança.
Eu indico com certeza, Richard me lembra um pouco Nicholas Sparks, mas ele tem uma docilidade, um jeito só dele de contar histórias, o que nos cativa e nos prende ao livro. Ele é curtinho com 231 páginas, que li em um dia.


O Encontro vai muito além de um romance, ele vai de Encontro com nosso próprio coração.

site: www.matoporlivros.com.br
comentários(0)comente



37 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3