Partials

Partials Dan Wells




Resenhas - Partials


35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Luiz 11/01/2013

Ficção científica? Tô dentro! :)
No blog: http://www.lerounaoler.com.br/resenha-livro-partials-dan-wells/

Sou muito fã de livros de ficção científica, muito mesmo, e é aí que Partials me conquistou, e logo pela sinopse. Para quem é meio nerd, assim como eu, deve ter percebido a incrível semelhança com o seriado distópico Battlestar Galactica. Muitos encarariam esse fato como clichê ou sem criatividade, mas eu? Fiquei muito animado!

A princípio, o livro envolveria vários aspectos que considero interessantíssimos em histórias de ficção científica: 1) Distopia futurística; 2) Guerra de humanos com “ciborgs”; 3) Vírus dizimando a humanidade e, por fim; 4) Uma médica como protagonista, tentando descobrir a cura para este vírus. Embora todos estes assuntos já tenham sido extremamente garimpados pelos meios de entretenimento, fiquei muito excitado com a possibilidade de ver todos eles juntos no mesmo livro.

Já deu pra perceber que comecei a ler Partials como se não houvesse amanhã. Logo fui apresentado à Kira, protagonista médica, e seus companheiros vivendo em um mundo futurístico caótico, na qual até mesmo a locomoção era feita a partir de cavalos e carroças, pois não existiam fontes de energia suficientes para promover o conforto da humanidade. Aliás, a única tecnologia acessível ficava restrita ao hospital da ilha onde os humanos vivem, na tentativa de encontrarem um recém nascido que sobreviva mais de 4 dias à ação do vírus RM, coisa que não acontecia desde a guerra com os Partials, há 11 anos. Os Partials, por sua vez, sumiram sem mais nem menos no continente, e não davam as caras desde o Break, como é chamada a tal guerra com os humanos (Battlestar, Cylons, oi?).

A questão é que eu estava muito empolgado com a história, mas o começo do livro não fez nada para que essa empolgação continuasse. Sabe quando você começa a ler um livro e alguém te pergunta “E aí, como que tá a leitura, boa?”, aí você fala “Nhééé…”, hahaha. Pois é, comigo estava assim.

Confesso que até estava entretido e o enredo estava ficando legal, mas ainda não estava aqueeela Brastemp. Mas continuei lendo, continuei lendo sem pretensão e, mesmo com alguns probleminhas de verossimilhança, quando fui ver estava totalmente envolvido com a história. Livrinho safado esse hein? Haha! Isso tudo até quando cheguei no plot do meio/final, em que aconteceram alguns fatos inesperados com a protagonista e eu pensei “Nuss, agora o baguio vai ficar louco!”. A partir da metade do livro a leitura se tornou tão fluida que praticamente não senti as 400 e tantas páginas de Partials, deu até um gostinho de “mas já?” na página 438.

Se alguém estava se perguntando o por quê de o livro também ser classificado como Young Adult aí vai: sim, há um triângulo amoroso. Ele não é dos menos clichês, mas também não é totalmente sem sal. A própria questão da sexualidade é tratada de dois modos muito diferentes em Partials. Enquanto há toda uma questão de protesto em relação à Lei da Esperança, que obriga todas as mulheres a terem filhos aos 18 anos na tentativa de encontrar uma criança imune a vírus RM, a sexualidade da protagonista é infantilmente explorada (ela tem 16, é virgem, linda e não gosta que toquem no assunto, õo).

Seu único pecado foi em relação à revisão levemente precária do livro, principalmente com uso, digamos, diferente de travessões (algumas vezes não sabia se o que eu lia era o pensamento do personagem, fala ou a própria narrativa em 3ª pessoa). Mas nada que deprecie o entretenimento da obra.

Enfim, no começo do livro eu achei que ele não fosse me prender por muito tempo. Mas o desenrolar do enredo me fascinou completamente, deu início a uma trilogia que promete um desfecho emocionante, e acabou que não vejo a hora de ler sua sequência, chamada Fragments. Se você curte ficção científica, YA, tem imaginação fértil e está procurando por um ótimo passatempo, Partials é um prato cheio, :)!
Taylor 16/09/2013minha estante
Também estou lendo esse. Apenas em uma madrugada li toda a parte dois e o primeiro capítulo da parte um! Fico imaginando como seria um filme deste livro... :D




Yasmin 11/04/2013

Uma das distopias mais bem construídas e ambientadas que já li. Quanta diferença!

Conheci Partials ano passado no meio das minhas visitas ao Goodreads. Sabia que era distópico e já imaginava algo no mesmo estilo que temos visto no geral. Não esperava muito, mas quando a iD lançou corri para comprar. Primeiro porque eu adoro distopias e segundo porque precisava ter mais livros da editora. Minha grande falha foi não ler as resenhas dele no Goodreads. Para começar, Dan Wells é um autor, e fez muita diferença. Conheçam o fascinante, rico e assustador universo de Partials.

Kira é uma das sobreviventes ao vírus RM liberado onze anos atrás pelos Partials, seres criados em laboratórios idênticos aos seres humanos, mas com capacidades genéticas extrapoladas de cura, inteligência e habilidades necessárias para a guerra. Os Partials foram criados pela ParaGen para lutar a guerra do Isolamento que acontecia entre os Estados Unidos e a China, mas quando eles venceram a guerra o governo não deu muita atenção a eles. Os mantendo a margem da sociedade. Até que eles se rebelaram. Onze anos atrás o vírus varreu o país e apenas uma pequena parcela sobreviveu, mas desde então nenhuma mulher conseguia dar à luz a uma criança imune. Elas nasciam e em três dias morriam. Kira tem certeza que pode encontrar a cura. Ela não aguenta mais o estágio na maternidade. Dias e dias catalogando dados sobre os bebês que morrem. Os mesmos dados repetidas vezes enquanto o Senado se prepara para baixar a idade da Lei da Esperança. Todas as mulheres com 18 anos ou mais são obrigadas a engravidar. Um ciclo sem fim de morte e desesperança. Quando sua melhor amiga engravida Kira decide se arriscar numa missão desesperada. Os cientistas já pesquisaram em tudo e de tudo, mas tem uma coisa, um único lugar onde não procuram a cura: no DNA Partial. Kira precisa capturar um Partial antes que seja tarde demais.

A premissa é essa e ela foi magistralmente executada por Dan Wells. Que narra sua história balanceando bem as descrições do ambiente com informações sobre a história e o desenvolvimento da trama. A escrita do autor é fluida e prende o leitor desde o começo, não só pela premissa interessante, mas pela forma como ele apresenta seus personagens e a história. Wells conseguiu desenvolver e transpassar a personalidade dos sobreviventes de tal forma que fiquei impressionada. Sem exageros na ambientação do mundo devastado, o tom foi acertado para transportar e ligar o leitor de forma verossímil a sua história.

Kira é uma sobrevivente, mas está quase se formando em medicina. Ela durante toda a trama lutou pela cura, mas na hora de assumir a ação ao contrário de outros livros o fez de uma forma que encaixava na personalidade já apresentada. O grupo que eles organizam para capturar o Partial foi uma das melhores coisas que já vi em distopias em termos de realismo. Foi impressionante enxergar Nova York pelos olhos de Kira, os imensos arranha-céus como esqueletos do tempo. Fascinante seria a palavra para descrever. O autor pensou em tudo. Sabe aquelas pontas que ficam nas distopias? Do tipo, se os humanos morreram de repente, os reatores nucleares das muitas usinas ficarem sem supervisão, portanto quem cuidou para eles não explodirem mundo a fora levando o planeta junto?

A inquietude que foi se formando na mente de Kira a partir do momento que ela teve contato com o Partial até a virada surpreendente no final do livro é exatamente a mesma que do leitor. O desenvolvimento da trama e da personagem estava ligado ao leitor desde o começo, como uma ponte. Entre outras tantas questões há na trama discussões interessantes sobre ética e o uso desenfreado de tecnologias. Entre as diversas conexões e tramas Kira começa a se perguntar e se? E se os Partials não liberaram o vírus de propósito? O que a ParaGen ganharia colocando um vírus desse na corrente sanguínea dos Partials?

Leitura rápido, trama muitíssimo bem construída, ambientação rica, personagens bem desenvolvidos e uma protagonista diferenciada. Uma distopia mesclada com leveza a ficção científica e que centra em sua proposta. Não há romance juvenil na história de Dan Wells. A edição da (...)

Termine de ler o último parágrafo em: http://www.cultivandoaleitura.com/2013/02/resenha-partials.html

Michelle 22/06/2013minha estante
Concordo com você, não esperava muito do livro, mas no decorrer da leitura as coisas foram mudando. Tudo que aconteceu no livro foi por uma razão.




Julia 09/01/2013

Surpreendentemente bom
Ganhei esse livro há uns dias atrás e comecei a ler. A história me lembrou a uma mistura de Amanhã, de John Marsden, e o filme Eu sou a lenda, estrelado por Will Smith.
O livro começa meio morno, mas melhora muito a partir da parte 2. Partials é um daqueles livros que você simplesmente não consegue largar e assim que termina começa a contar os dias para ler a continuação.
comentários(0)comente



Victor Almeida 21/03/2014

A SALVAÇÃO DA HUMANIDADE NÃO É HUMANA
A guerra com os Partials e um vírus mortal liberado por eles dizimaram a população mundial, e os poucos sobreviventes habitam uma pequena ilha, tentando sobreviver e descobrir a cura para o vírus que faz com que os recém-nascidos morram dias depois após o nascimento. Quando Kira descobre que sua amiga está grávida, ela se determina a encontrar a solução, mas suas decisões forçadas a fazem se aliar com as pessoas mais improváveis. Desesperada para encontrar a cura, Kira descobre que a sobrevivência dos humanos e dos Partials — humanoides criados pelos humanos para combater na guerra — reside nos segredos de quando tudo começou, e eles podem ser a chave para todas as respostas.

Sim, eu também me animei ao ler uma sinopse dessas. Eu não consegui me conter e me encontrava constantemente segurando o livro nas mãos e olhando para sua capa linda. Mas Partials não traz nada de novo para o vasto gênero da distopia. Ele é mais um livro sobre um mundo destruído pela guerra, mas suas reviravoltas genérica: o vírus RM e os Partials são o que o fazem se destacar. Humanos estão morrendo e as dúvidas poluem o ar (literalmente) por onde a solução pode estar.

O que eu posso dizer após a leitura, é que tenho sentimentos variados em relação ao livro. O começo foi muito lento e tedioso, e ao ler outras resenhas sobre o livro, comecei a imaginar que o problema fosse eu. Normalmente, ou nada estava acontecendo, ou muitas coisas estavam acontecendo e eram excessivamente descritas. Esse ritmo foi mantido até que chegasse em cerca de 200 páginas, quando as coisas realmente começaram a acontecer.

Para mim, a parte mais interessante do livro foi a parte genética. Não vou atingi-los com spoilers aqui, mas esses detalhes me seguraram ao livro um pouco mais, impedindo que eu desistisse. Na premissa, os Partials são seres construídos para se parecer exatamente como os humanos, mas capazes de lutar na guerra com sua força, inteligência e destreza avançadas. Entretanto, no fim acabaram se voltando contra a população e lançando o vírus do RM. Pra ser honesto, a ideia tem tudo pra dar certo: a sobrevivência da raça humana. Quem não quer ler algo assim? Partials traz bastante ação quando atinge os pontos críticos da trama, mas a maioria das viradas foram, em minha opinião, genéricas e óbvias demais.

Mas coitado do livro, né? Vamos então comentar sobre o que eu gostei. Primeiramente, os Partials em si. Eu simplesmente amei os conceitos biológicos apresentados, e como eles são tão diferentes dos seres humanos, mesmo sendo idênticos por fora. Acredito que a raça criada pelo autor tenha sido apresentada de forma realista e crível. Os últimos capítulos do livro trouxeram uma visão mais aprofundada sobre os seres, o local onde vivem e seus hábitos. Achei a construção do mundo nesse ponto de vista fantástica e me deixou curioso a conhecer ainda mais. Infelizmente, é justamente nesse momento em que o livro se dirige à conclusão. É fato que durante a leitura no final eu deixei de me preocupar com a credibilidade dos fatos e passei apenas a aproveitar o passeio pelo mundo dos Partials.

Um problema foi não me sentir conectado aos personagens. A história muitas vezes se centrava, em excesso, no mundo e nas dificuldades que ele apresenta, que deixava de lado os aspectos de desenvoltura dos personagens e suas batalhas neste. Se personagens não importantes tomassem conta da história, é possível que eu nem notaria. Em geral fez-se parecer que eles foram adicionados ali apenas para o propósito do desenvolvimento da trama, ao invés de serem habitantes forçados à uma decisão difícil que mudaria suas vidas.

site: http://olhosderessaca.com.br/partials-dan-wells/
Enzo.Henriques 29/08/2016minha estante




Adriano 03/07/2014

Uma leitura ágil, fluida e introdutória para uma trilogia que promete arrebatar os corações nerds-distópicos <3
Alguém aí gosta de distopia? Levanta a mão só quem gosta: \ô/ \ô/
Alguém aí gosta de ficção científica? Levanta a mão só quem gosta: \ô/ \ô/
Alguém aí gosta de distopia e ficção científica em um único livro? \ô/ \ô/ \ô/ \ô/ \ô/

Então eu tenho o livro certo para vocês: Partials, escrito por Dan Wells e publicado no Brasil, pela parceira Editora iD.

O livro aborda o declínio da humanidade, após uma terrível guerra que culminou em quase toda a extinção da raça humana. Na segunda metade do século XXI, os seres humanos criaram os Partials - seres criados em laboratório, mais inteligentes que os humanos, mais fortes, mais resistentes.

Certo dia, os Partials instauram uma revolução e se inicia a guerra contra a raça humana, no chamado Break. A fim de não ser mais explorada e escravizado pela raça humana, os Partials lançam no ar o vírus RM como arma biológica de uma guerra química. Cerca de 90% da população mundial perece ao vírus e todos os recém-nascidos não sobrevivem, ou seja, a humanidade está vivendo a extinção da espécie, já que não há descendentes que vivem mais de 4 dias após o nascimento.

Depois de lançado o vírus, os Partials somem e nunca mais se ouve falar sobre eles; se continuam vivos; se planejam outros ataques; como se organizam e muito pouco se sabe sobre esses seres.
Como o livro se passa num ambiente pós-apocalíptico, não há mais energia elétrica em abundância e os recursos do planeta definham cada vez mais. A única eletricidade é destinada ao hospital da ilha, onde a trama se ambienta, para que lá os médicos possam estudar e pesquisar uma cura, ao analisar os recém-nascidos. No entanto, a 11 anos não há um sobrevivente, em outras palavras, a população envelhece sem deixar novos humanos. O que resulta cada vez mais na proximidade da caótica extinção.

QUOTE: "O ataque a Pearl Harbor ficou na memória de nossos antepassados como o dia da infâmia. O dia em que os Partials nos atacarem com o vírus RM não ficará em memória alguma, pois não haverá ninguém para se lembrar disso." - David R. Cregan, presidente dos Estados Unidos, em uma coletiva de imprensa na Casa Branca no dia 21 de março de 2065. Três horas depois, ele se enforcou.

Quem protagoniza essa distopia é a jovem Kira, médica aos 16 anos, devido ao Break e que trabalha com os recém-nascidos fazendo exames e mais exames que foram repetidos enfadonhamente por um período de ONZE anos e que só alcançou o mérito de ver todos os bebês definharem ao vírus e morrerem. Essa política da Câmara de Deputados consiste num "tiro no pé", haja vista que não encontram uma cura, não sabem onde procurá-la no entanto, precisam acalmar a população mostrando que eles estão destinando recursos e esforços para encontrar uma solução.

Kira, por ser jovem e ter sido obrigada a crescer e amadurecer antes do tempo, possui uma mentalidade mais moderna e inovadora. Ela sabe, assim como todos os outros médicos, que aqueles exames não irão fazer com que os bebês se curem e por isso, toma a liberdade de querer pesquisar uma possível cura para o RM, no entanto para conseguir isso, ela deve contar com o apoio daqueles em que não confia e que não confiam nela.

Para completar esse clima de instabilidade, o Governo local está constantemente forçando as mulheres a engravidar, através da Lei da Esperança. A impressão é que o governo via os úteros humanos como "fornos de assar biscoitos" e que a cada 9 meses poderia sair uma nova fornada de bebê que não sobreviveria!!!!!! As mulheres eram obrigadas a engravidar aos 18 anos, e durante a leitura essa idade é abaixada para 16. Ou você engravidava com o seu parceiro ou o governo te engravidaria. Medidas desesperadas de um tempo com problemas não solucionáveis.

Vamos compreender a atmosfera político-social do livro de um modo mais didático. Temos o Governo , composto de uma câmara de deputados que não sabia solucionar os impasses locais. A Sociedade, nesse ínterim, era composta pelos sobreviventes e imunes ao vírus que viviam isolados na ilha. Tinham os rebeldes da Voz, que eram humanos opositores ferrenhos à Lei da Esperança e os Partials, humanos fabricados em laboratórios que estavam escondidos em algum lugar à espreita.

Quando uma das irmãs-postiças de Kira fica grávida a estória muda de rumo! A fim de não deixar o filho de sua irmã falecer como milhares de outras crianças, percebemos que a determinação de Kira em busca de uma cura alcança valores estratosféricos, por conta disso, ela pensa que para saber como curar o RM, ela deve averiguar direto da fonte que os lançou: os Partials. Nesse momento, eu percebi que o anseio da jovem médica em encontrar uma possível cura foi motivado por interesses pessoais porque ela mantinha afeto com a vítima e como consequência desse "egoísmo positivo" ela traria a cura para a humanidade de um modo geral. Não julgo a Kira, mas também não lhe dou todo o crédito dessa atitude tão nobre.

A narrativa se inicia de mansinho, com uma história marota e de uma hora para outra estamos sugados para esse universo e transpondo os limites do desconhecido em busca de uma possível cura. Nós nos sensibilizamos e claro, ficamos aqui martelando com os nossos botões, o que poderia ser sido uma provável cura. No meio de conflitos, bombas, fugas inesperadas, ferrovias abandonadas, prédios destroçados vemos como aqueles jovens cresceram rápido demais, devido ao Break.

A Kira se sacrifica para conseguir encontrar uma cura e claro, que todos seus esforços somente se consolidam e são possíveis porque ela possui um time competente ao seu lado que burlam leis com ela e que também anseiam pela salvação da raça humana.

Do meio para o final da história, a leitura flui tão bem que você se pega perguntando quão rápido é capaz de ler. risos.
O autor usou um recurso muito interessante e eu o explicarei para vocês. No decorrer da trama, ele vai nos deixando com algumas informações que a princípio não julgamos importantes. Ele continua batendo naquela tecla e eu, sinceramente, não conseguia pensar que aquilo seria uma informação tão importante porque quando ele soltou aquela bomba na minha mão, eu só consegui pensar: MEU DEUS DO CÉU, COMO É QUE ISSO PODE SER VERDADE? QUÃO BURRO EU SOU PRA NÃO TER PERCEBIDO ISSO ANTES?

Sim, eu estava imerso na trama e ver Kira, como médica, lidando com os afazeres médicos que eu espero um dia desempenhar com competência porque também anseio ser médico (de verdade, na vida real! rs) me fazia ficar sem palavras. A luta pela vida e para prolongar a vida da sua espécie é uma luta sem precedentes. E o modo pelo qual ela descobre a cura é fascinante. Além disso, um pouquinho de biologia dentro de um livro de ficção científica não faz mal para ninguém.

Não mencionei anteriormente, mas o livro também aborda os sentimentos de amor quando Kira é submetida a viver num triângulo amoroso, ou seja, desde distopia a romance, Partials foi feito na medida certa para agradar todos os públicos! risos
Para fechar o livro e dar brecha a continuação, o autor usou um cliffhanger (não curto, mas não julgo os autores que usam). E com isso, nos deixa super inquietos sobre os segredos do passado de Kira e sobre o lançamento do vírus RM e sobre o destino da raça humana e o futuro da raça Partial.
Em outras palavras, não se exaltem caso suas perguntas não tenham sido respondidas ainda. Certamente, elas terão respostas na continuação.

Livro excelente é pouco, Partials me pegou de jeito

site: http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/2014/06/resenha-partials-dan-wells.html
Gu 14/09/2014minha estante
CARA, PATI QUE PARTIU.
:o Livro incrível, pow. Distopia e ficção cientifica é muito foda. Eu quero ler demais.




Pratelivros 08/10/2015

Ainda existem distopias originais!
OBS: Para ler essa resenha com seus recursos completos de imagem (gifs e imagens), acesse o link ao fim dessa resenha.

Os humanos criaram os Partials para lutar suas guerras por eles. Fisicamente mais resistentes e desenvolvidos, mas com uma aparência exatamente igual à de seus criadores, essas criaturas se rebelam e iniciam um massacre contra eles. Como arma final utilizam o vírus RM, que mata a maioria da população humana da Terra, poupando apenas a pequena porcentagem imune à ele. Após o incidente, os Partials cessam a ofensiva, e o pouco que restou da raça humana se junta na tentativa de reconstruir uma sociedade minimamente organizada e capaz de se defender caso esse conflito não finalizado se reascenda. Onze anos após o lançamento do RM, seus efeitos ainda se fazem presentes: nenhum bebê nascido após o conflito consegue sobreviver mais do que alguns dias. Diante da ameaça de extinção, o governo autoritário estabelecido após a crise impõem a Lei da Esperança, que obriga toda menina com mais de 18 anos a engravidar. E é em meio a esse cenário turbulento, repleto de insatisfação popular, indícios de uma rebelião e um regime que está na linha tênue entre o austero e o opressor, que conhecemos Kira, que está disposta a à tudo para salvar seu futuro e de toda a humanidade.

"A vida vem da morte, e a fraqueza nos ensina força"

Kira, de apenas 16 anos é estagiaria do hospital e já não aguenta mais assistir bebês morrendo diariamente, enquanto colhe informações e faz testes na esperança de conseguir salvar o próximo, embora continue falhando. Frente à ameaça de ampliação da Lei da Esperança e a consequente intensificação da ofensiva rebelde, a Voz, Kira acredita saber onde encontrar a cura para o RM e, portanto, a solução para os problemas da humanidade. Mas, para isso, ela terá que correr o risco de reacordar a guerra contra os Partials e ser responsável pela morte de toda sua espécie.

epois do sucesso do gênero, inúmeras distopias surgiram e ganharam fama. Partials, no entanto, consegue se destacar pela precisão e veracidade das informações colhidas para escrevê-lo de forma tão concisa e lógica, além da qualidade da narrativa que o compõe. Virologia e genética são basicamente a fundamentação de todo o livro. Se você possui uma educação básica no assunto (aquilo que você aprendeu na aula de biologia mesmo) é impossível não se admirar e se empolgar à cada fato descoberto e revelado sobre o RM e sua atuação no organismo. E é impressionante como todas as informações vão se encaixando conforme a trama evolui. Quanto a narrativa, o livro é repleto de cenas de ação, tiros, perseguições e reviravoltas. Viciante.

Outro fator que diferencia esse livro é a linha não tão nítida entre os inimigos e aliados. Durante vários momentos do livro, os personagens tem suas crenças questionadas e refutadas, o que originou surpresas durante toda trama. Enquanto a maioria das distopias tem como inimigo principal o governo que os subjuga, Partials expõe os dois lados da moeda. Nos mostra a necessidade da mão firme dos que estão responsáveis pela sobrevivência dos que podem ser os últimos de sua raça na face da Terra e também o qual fácil é ultrapassar o limites de qualquer forma de democracia numa situação dessas.

"A liberdade é uma responsabilidade a ser merecida, não uma licença para a imprudência e a anarquia."

E adorei o modo como Dan abordou a estória. Menos emotiva ou sentimental e mais fatídica, ativa. Do mesmo modo ele construiu seus personagens. Kira é prática e rápida em analisar os prós e contras de suas decisões. Pra implementar qualquer mudança numa sociedade como a dela sacrifícios devem ser feitos. Kira entende isso. Essa objetividade é rara em personagens femininas. Os personagens secundários também foram muito bem construídos e cada uma possui um papel de certa importância no enredo Madison - a amiga que, quando fica grávida reforça a vontade de Kira encontrar a cura, Marcus - o namorado de Kira e que dá certa leveza a estória , Xochi - a filha de uma das Senadoras e Jayden - o soldado com experiência de campo possui papel chave em várias partes do livro.

"Bom, obrigado por não atirar em ninguém, eu acho," disse Marcus. "Minha contribuição foi de algum modo não mijar nas calças. Você pode me agradecer depois." - Marcus

É um livro muito bom e bastante surpreendente. O potencial das continuações é imenso e pretendo lê-las em breve.
Espero que vocês gostem tanto quanto eu.

OBS: Para ler essa resenha com seus recursos completos de imagem (gifs e imagens), acesse o link abaixo:

site: http://pratelivros.blogspot.com.br/2015/10/resenha-partials-dan-wells.html#more
comentários(0)comente



Belle 29/03/2013

“Ação e aventura em um cenário apocalíptico.”
Mais uma vez, devo agradecer ao grupo Livro Viajante por mais essa leitura; em especial à Natalia Richa, por disponibilizar o livro.

Há vinte e um anos atrás, os norte-americanos foram responsáveis por mais uma brilhante invenção: os Partials, seres idênticos aos humanos, criados em laboratório, cujo único propósito era lutar as guerras em nome da grande nação. Eles são armas, são os soldados perfeitos. Ou eram, até se rebelarem contra seus criadores e tentarem tomar o poder.

Quando o Break, a guerra Partial contra os humanos, começou, não havia muitas chances de impedi-los: eles eram mais fortes e mais bem treinados; os humanos estavam destinados ao fracasso. Ainda assim, os Partials liberaram um vírus altamente mortal, ao qual apenas 0,004% da população humana é imune. Os sobreviventes se refugiaram em Long Island, onde (re)montaram, precariamente, uma civilização. Todas as tecnologias as quais os seres humanos tinham acesso foram destruídas e esta comunidade praticamente voltou à idade da pedra, com uma ou duas exceções.

Mesmo após tanto tempo, o vírus RM continua causando efeitos e todos os bebês morrem algumas horas após o parto. O que significa dizer que não há mais crianças na comunidade de East Meadow. Em breve, os que já são mais velhos irão morrer e a geração babylândia (os que eram crianças durante o Break) se tornará totalmente adulta e também acabará morrendo. E, então, não haverá nenhum sobrevivente. Para tentar evitar isso, o Senado instituiu a Lei da Esperança, que obriga todas as mulheres com dezoito anos a engravidar o máximo possível para maximizar as chances de que um bebê imune nasça. Kira Walker, médica em treinamento na maternidade da comunidade, tem dezesseis anos e, definitivamente, não está preparada para engravidar.

"Não posso mais fazer isto, pensou Kira. Estou aqui para ser uma enfermeira, não um agente funerário." – pág. 10.

Então, por conta própria, começa a pesquisar qualquer coisa que possa ter sido deixada de lado durante os estudos do RM. Até que é surpreendida por uma verdade: a única esperança da humanidade pode vir de onde menos se imagina, do maior inimigo. Kira convence seus amigos a seguir em uma missão suicida: entrar no território Partial, para fazer experimentos.

"- Vocês acabaram de condenar Jayden porque falhou como comandante. Mesmo assim ele não é um adulto? Kira e Yoon têm dezesseis anos… Querem forçá-las a engravidar, mas não as consideram adultas?… O mundo de hoje não é o paraíso que vocês perderam no Break e já passou da hora de vocês aceitarem isso." – pág. 190.

Quando esse livro chegou às minhas mãos, eu não estava muito animada para lê-lo. Simplesmente a temática apocalíptica não me fisgou e os primeiros capítulos meio que se arrastaram, comigo lendo um ou dois por dia. Até que em determinado momento eu não conseguia largá-lo, mesmo dormir com alguns capítulos para terminar foi uma tortura, porque eu não conseguia desligar minha mente da história. Kira é uma personagem incrível. Ela é forte, espirituosa, corajosa e determinada. A mocinha perfeita. Marcus, seu namorado, merecia um livro só para ele, porque o cara é incrível! Daqueles por quem a gente fica babando o tempo inteiro, mesmo quando ele faz burrada.

A história em si é uma loucura, uma mistura de Eu, Robô com Resident Evil. Os fãs de ficção não vão se decepcionar, mas, os de romance, como eu, podem ficar um pouquinho frustrados, já que em Partials, esse é um elemento secundário. A narrativa de Dan Wells é rápida e tranquila, mas, eu tive certa dificuldade para visualizar os locais que ele descrevia. O livro é repleto de cenas de ação, mas, também tem momentos de reflexão, principalmente sobre até onde a liberdade pode ser limitada em nome da sobrevivência.
Andreia Almeida 06/10/2013minha estante
Olá Belle, sério que a personagem tem 16 anos e já é médica? :S


Belle 07/10/2013minha estante
Pior que sim, Andreia. A sociedade da Kira é muito jovem ou muito velha... O pessoal do meio morreu com o vírus RM e nenhum bebê nasce há 10 anos, se não me engano. Então, os adolescentes se tornaram adultos. A Kira está quase se tornando uma médica, assim como o Marcus, o Jayden é um pouco mais velho e já é patente alta no exército... É assim em Partials.




Lari 25/02/2013

É mera questão de tempo: essa trilogia vai estourar - no melhor sentido possível!
Partials se passa no ano de 2075 num mundo em que, acreditem se quiserem, quase tudo é rústico. Não é para menos: grande parte do que havia no velho mundo – esse que nós vivemos hoje - foi destruído no Break pelos Partials, máquinas biológicas muito parecidas com seres humanos, criadas pelos seres humanos, afim de serem usados como armas. Armas essas que se voltaram contra seus criadores e dizimaram quase toda população dissipando o vírus RM. E depois sumiram.

Agora, onze anos depois, o que sobrou da população – pelo menos da América do Norte – tenta sobreviver como dá, numa vida construída por ruínas e perdas, e encontrar uma cura para o vírus RM que há onze anos mata bebês três dias depois que eles nascem. A medida usada para tentar encontrar um sobrevivente que dê continuidade a humanidade é chamada Lei da Esperança, que obriga mulheres acima de 18 anos a engravidarem (depois, essa idade é diminuída para 16) o máximo possível, na esperança de que algum desses bebês, um dia, seja imune.

É claro que essa lei – além de outras medidas do governo - desperta desavenças entre o Senado e A Voz, um grupo de rebeldes que é contra A Lei da Esperança, uma vez que obviamente obrigar garotas a engravidarem o máximo que puderem com idade tão pouca, não surtia resultados.

Nós acompanhamos tudo isso junto à protagonista Kira, uma médica de 16 anos (os jovens acabavam sendo obrigados a serem um tanto precoces) que está cansada de ver bebês morrerem todos os dias e uma solução nunca ser encontrada. E essa centelha aumenta quando Madison, a irmã adotiva de Kira, fica grávida. A menina jura que irá encontrar a cura do RM e impedir que esse bebê morra, dando assim uma esperança para a humanidade. Nem que para isso antes ela tenha que confrontá-la e ir de encontro com as criaturas que espalharam o vírus, destruíram o mundo e que são totalmente imunes ao RM: os supersoldados praticamente invencíveis, os Partials.

Não sei nem como falar do livro sem expressões como: muito bom, maravilhoso, incrível e eu quero logo essa continuação! O livro é dividido em três partes: a primeira parte é um pouco mais monótona, como uma apresentação do cotidiano na ilha de East Meadow após o Break e com as pessoas vivem por lá: Lei da Esperança, o fato de morarem em casas de falecidos, missões de resgate e etc. A partir da segunda parte é quando as coisas realmente começam a acontecer. Nesse momento, o autor nos insere na busca incansável de Kira por respostas e em tudo o que ela precisa passar para alcançá-las. Inclusive, nos insere nas explicações biológicas que você QUER entender, não importa que não saiba nada sobre o assunto.

Na terceira parte, é pura ação. Eu confesso que meu frisson com os personagens, e principalmente com a protagonista, se deu aí (e a minha preferência por casais também, apesar de o livro não dar foco a isso, mas se você for um pouco mais atento, vai perceber alguns sinais). Nessa terceira parte se iniciam os mistérios frenéticos, e é claro, a conclusão. Mas não se engane: o final do livro é um mar de possibilidades. A minha mente, pelo menos, vagou loucamente a procura de possíveis respostas, e eu não parei de resmungar por querer logo ler a continuação desse volume.

O fato do autor não descrever os personagens não me incomodou: eles simplesmente se formaram na minha cabeça, e eu tinha outras coisas com as quais me preocupar nessa leitura. Muitas informações são deixadas de lado, como por exemplo: o que foi a Guerra de Isolamento, a Guerra Partial, a ParaGen, entre outros aspectos do velho mundo que eu espero, devem ser explicados melhor na continuação. Por essas e por outras, digo aqui que Partials ganhou minha fidelidade!

Mais resenhas em: http://breathbooks.blogspot.com.br/. Boa leitura! ;)
Taylor 16/09/2013minha estante
Realmente, a leitura é incrível! Gostaria muito que virasse filme...
Mas já que você falou sobre casais, eu não posso deixar de perguntar se você acha louco o fato de eu AMAR Kira + Samm :P


Lari 25/10/2013minha estante
Oi, Taylor. Não! Eu também adoro Kira e Samm! As possibilidades e os possíveis conflitos que se abrem para esse casal me deixa muito animada. Um beijo!




Camille 26/03/2013

Descritivo na medida certa, Partials vai além de uma história romântica
A tecnologia nunca foi tão avançada e vencer guerras nunca foi tão pouco doloroso para a população. Os Partials foram criados para substituir os humanos nos campos de batalha: são mais fortes, conseguem traduzir sentimentos e passá-los sem sequer uma palavra e se curam de forma absurdamente rápida.

Os humanos, todavia, não esperavam que suas criações fossem se voltar contra eles. Uma guerra foi capaz de acabar com 99% da população mundial e um vírus conhecido como RM não permite que as crianças cresçam: três dias de vida são o máximo que conseguem viver.

O Senado exerce o controle total sob a última cidade do mundo. Tentam salvar as crianças, estabelecem leis como a da Esperança - que abaixa a idade mínima para que as mulheres sejam obrigadas a engravidar, e suportam até mesmo o ataque da Voz, uma espécie de grupo da oposição.

Kira é estagiária na maternidade, perdeu a conta de bebês que viu morrerem e não concorda que estatísticas apenas salvarão a humanidade. O que ela quer está em poucas palavras, tão impossíveis de serem ditas com a seriedade que merecem: quer encontrar a cura do RM, se tiver uma.

Dan cria uma personagem com a qual a identificação é fácil. Aos dezesseis anos, Kira acumula inúmeras responsabilidades. Ela não quer ter que engravidar agora, nem tão cedo. Ela não concorda com o Senado. E ela vai reunir seus amigos e namorado para literalmente salvar a humanidade.

Em uma viagem de descobertas, somos envolvidos pela narrativa de Dan, que quase não nos faz notar as páginas serem viradas. Todo momento estamos lidando com uma situação nova, consequência da anterior.

Um dos pontos que até me surpreendeu é que o livro, ao descrever o que restou da população da Terra e das cidades, não se torna chato ou surreal. Tudo se encaixa de forma a tornar a situação perfeitamente viável, mesmo quando estamos falando dos Partials - criados pelos próprios humanos.

Com poucos erros, Partials recebeu um cuidado que, mesmo simples, resume toda a história. Agora temos a oportunidade de conhecer o Break, o que veio depois dele e, ainda, conseguir superar todas as (muitas) dificuldades que enfrenta.

Inclusive decidir se ajudar Samm, o eu grande inimigo - pelo menos a princípio -, conseguir tornar a cura em realidade e decidir sobre ir, ou não,morar com Marcus. Wells nos apresenta um mundo do futuro, que tinha tudo e não tem mais quase nada. Restando, enfim, a fé.
comentários(0)comente



Carolina Durães 25/07/2014

"Partials" é o primeiro livro da série e é dividido em três partes. Narrado em terceira pessoa, explica que a humanidade está a caminho da extinção. Houve uma grande guerra, chamada de Guerra do Isolamento, onde os humanos criaram máquinas biológicas, chamadas de Partials. Após a Guerra, houve discordâncias sobre o que fazer com os Partials, e com isso uma nova guerra se instalou: Humanos Vs Partials. E um vírus, chamado de RM matou milhares de pessoas e os bebês não sobrevivem, o que significa que há mais de uma década não nasce uma nova vida.
A humanidade agora tem menos de 50 mil vidas e não conseguiram a cura para o vírus. Poucos são os adultos que tem mais de 18 anos e o Senado impôs uma Lei, chamada "Lei da Esperança" onde todas as jovens com 18 anos ou mais devem engravidar. Meses após meses, anos após anos para darem à luz a crianças que morrem em questão de horas, no máximo dias. Mesmo entendendo a necessidade de tentar procriar, existe um grupo, chamado A Voz, que são considerados rebeldes e não concordam com o Senado e as restrições impostas por eles.
Em meio a esse universo, conhecemos Kira Walker, uma garota de 16 anos que estagia na maternidade do hospital. Inconformada com a desolação das mães e a morte dos bebês, essa garota mega inteligente decide assumir a responsabilidade de descobrir uma cura, principalmente agora que sua irmã adotiva Madison está grávida do marido Haru. Para encontrar a cura, Kira decide que precisa encontrar um Partial para estudá-lo. Assim, precisa sair da segurança da cidade e encarar uma jornada mortal.
O primeiro livro da série trouxe diversos elementos que prendem a atenção do leitor: um enredo extraordinário e diferente, personagens não apenas cativantes, alguns ambíguos e todos com um objetivo em comum - sobreviver.
Uma das discussões constantes do livro é a necessidade desses jovens em crescer tão precocemente. Crianças sendo obrigadas a gerar crianças, jovens soldados que precisam aprender a reagir rapidamente para sobreviver e ao mesmo tempo, o Senado os trata como crianças, sendo em alguns momentos relembrados que fazem parte da "geração babylândia".
Apesar do foco ser na protagonista, existem diversos personagens que ganham destaque na história. Madison e Haru, o namorado de Kira, Marcus Valencio, Jayden, o irmão de Madison e sargento, Ariel e Isolde, as outras jovens que cresceram com Kira aos cuidados de Nandia (que é como uma avó) e Xochi, uma outra jovem que mora com elas e tem um ar mais rebelde. Sem contar o Senado, a Inteligência, representada por Mkele e outros personagens que vão aparecendo durante a aventura.
O enredo é muito bem desenvolvido, com direito a descobertas e revelações chocantes. A escrita é concisa e fluida, os personagens são memoráveis e o final é eletrizante.

"- A felicidade é a coisa mais natural do mundo quando você a possui, e a mais incerta, esquisita e impossível quando não.... - É como aprender uma língua estrangeira: você pode pensar em todas as palavras que quiser, mas nunca será capaz de falar se não criar coragem para pronunciá-las em voz alta". (p. 83)


site: http://www.viajenaleitura.com.br/
comentários(0)comente



Ana Lopes 09/07/2014

Sem Spoiler !!! Resenha Partials por Princesa do Senhor
Em Partials Kyra Walker é uma estagiária promissora de medicina no hospital de West Meadow . E logo no início nós já podemos ver o drama psicológico que se impõe a vida da protagonista que trabalha na maternidade . Todos os dias ela é obrigada a presenciar a morte de no mínimo um recém nascido sem poder fazer nada .

O livro se trata basicamente de um mundo pós apocalíptico , e tudo que restou da humanidade após a Guerra Partial que extinguiu 99,9% da população . O objetivo da ParaGen era criar um robô o mais parecido possível com um ser humano e ao mesmo tempo com habilidades na arte da guerra extremamente superiores aos nossos. Mas quando a criação decidiu se voltar contra seu criador os seres humanos não tiveram a menor chance.

O vírus RM me lembrou muito aquela questão de The Walking Dead , todos são portadores mas o vírus só se manifesta quando você morre . O RM funciona da mesma maneira , mas felizmente não transforma ninguém em zumbi . Ele afeta apenas os recém nascidos , ou seja , nenhuma criança que nasceu após o Break sobrevive mais do que três dias e os sintomas são muito parecidos , causando febre alta e com isso levando a convulsões e por fim a morte .

Por isso foi adotada a Lei da Esperança que da maneira mais curta e grossa de se dizer , é o governo obrigando mulheres acima de dezoito anos a engravidar sempre que possível . Agora imagina o trauma dessas jovens de saber que vão ter de engravidar tão novas , e saber que isso não vai parar até você deixar de ser fértil , ou seja , uma mulher pode engravidar uma vez por ano até seus 40 . E o pior , com a certeza de que provavelmente não poderá nem sequer segurar seu filho nos braços .

Kyra tem dezesseis e já tenta se preparar emocionalmente para quando chegar sua vez . Isso deveria ser mais fácil pra ela que já tem Marcus , seu namorado , mas não é . Após o Break e a morte da maior parte da raça humana , as crianças que sobreviveram foram divididas entre os adultos e Kyra foi morar com Nandita e outras três garotas : Xochi uma ascendente a indiana complicada que adora a cor preta e rock, Madison uma garota doce e gentil , Isolde uma loura com ascensão a barbie e Ariel que atualmente já não vive com elas e a última das mães que Kira viu socando o vidro da maternidade e implorando para segurar seu bebê no colo.

Continue lendo >>>

site: http://blog-princesadosenhor.blogspot.com.br/2014/07/resenha-partials-11.html
comentários(0)comente



Brenda Bremer 07/01/2017

Viciante
Um mundo pós apocalíptico assolado por um vírus que impede o nascimento de crianças, ameaçado por inimigos que ninguém vê a mais de 11 anos, e um povo insatisfeito com as medidas rígidas do Senado.

Uma médica determinada salvar o mundo, um cientista apaixonado, um irmão protegendo a irmã, e um forasteiro do qual ninguém sabe quase nada. Eles vão contra tudo e todos na busca por uma cura, mas acabam descobrindo mais do que imaginam.

Admito, o começo do livro não é exatamente empolgante, mas quando as descobertas começam...elas não param mais.
Patrick O. 25/02/2017minha estante
Ainda bem que eu li essa resenha sobre o começo não ser empolgante, pq eu já tava desistindo aqui kkkkkk




Lyly 01/07/2015

As vezes os livros superam suas expectativas...
Posso dizer que comecei a ler Partials com a expectativa lá na Lua. Fazia muuuuito tempo que um livro não me deixava vidrada na história e eu estava esperançosa de que Partials ia acabar com esse ciclo de livros bons, mas que não sejam sensacionais. E quando estava na metade percebi que ele estava alcançando a mesma e ultrapassando de tão legal que era. Nunca li nada do Dan Wells, ouvi falar desse livro no blog da Pam Gonçalves, e devo dizer que devo muitos agradecimentos a ela por apresentar esse livro legal.

[SOBRE A HISTÓRIA, pode conter spoiler]

Bom, Partials é cheio de detalhes sobre o mundo destruído pelos "Partials" que são "Seres Humanos" feitos em laboratório para lutar na guerra que ocorria na época. Após a Guerra acabar, os mesmos se viraram contra os humanos e soltaram o vírus RM, que só sobreviveu que era imune ao mesmo, ou seja, a humanidade está prestes a ser extinta. De sete bilhões, sobraram trinta mil. E os humanos não conseguem manter seus bebês vivos por causa do vírus. E é ai que a Kira entra.

Kira é uma médica -estagiária- que quer fazer de tudo para conseguir salvar os bebês e essa vontade fica maior quando sua amiga se descobre grávida. Acontece que o Governo... Bem...

[MINHA OPINIÃO, sem spoilers]

Achei a ideia do livro muito boa. O livro tem seus momentos parados, mas são momentos bons e as partes de ação são igualmente boas. O modo como o mundo após o caos é narrado, nos faz imaginar direitinho. A Kira é uma ótima personagem. O que me irritou profundamente foi o tal namorado dela, chatinho, e etc, ele morto ou vivo na história não faria diferença. O Governo ou Senado me irritou profundamente também, não posso falar os motivos, pois seria spoiler, mas quem ler vai sentir o mesmo que eu.

Então o que digo é: leia. Partials não é uma trilogia distópica muito comentada por aqui, mas leiam!!! Vale a pena.
comentários(0)comente



Íris - @coresliterarias 08/05/2016

A raça humana está quase extinta após a guerra contra os Partials - seres criados em laboratório por humanos para serem um exército e acabaram se voltando contra os seus criadores. Eles liberaram um vírus chamado RM, que somente uma pequena parte da população é imune. Os sobreviventes da América do Norte se reuniram em Long Island ao mesmo tempo que os Partials se retiraram da guerra misteriosamente.

11 anos se passaram desde a guerra e a última aparição dos Partials.
Kira é uma médica em treinamento que todos os dias vê bebês morrendo após o nascimento por não serem imunes ao RM. Todos esses anos se passaram e ninguém conseguiu descobrir a cura para o vírus.
Determinada em tentar encontrar a cura, Kira irá descobrir que a sobrevivência e o futuro da humanidade depende muito mais dos Partials do que todos pensam. Uma ligação entre as duas espécies que pode ter sido esquecida ou que nem ao menos tenha sido descoberta.

Partials e os humanos terão que trabalhar juntos, mas como será possível quando um vê o outro como uma ameaça e um inimigo? Kira precisará ir contra as autoridades para chegar ao seu objetivo e contará com ajuda de amigos. Será que vai valer a pena virar a "criminosa" mais procurada?

Cheio de mistérios e teorias, Partials tem uma história totalmente envolvente do começo ao fim. Não pensava que fosse gostar tanto da leitura, me surpreendeu totalmente o rumo que a história foi tomando e não teve como não devorá-lo. É daqueles livros em que você não sabe em quem confiar e em quais informações são reais ou invenções. E até onde as informações passadas pelo governo são confiáveis? Por onde andaram os Partials durante todo esse tempo?

O primeiro livro de uma trilogia, consegue deixar o leitor louco pela continuação, com um final surpreendente e com muitas pontas soltas para serem aprofundadas no próximo livro. Quem é fã de distopias com certeza vai adorar!

Partials foi publicado pela Editora ID, que também publicou o segundo livro, Fragmentos, mas recentemente a Editora "fechou", então não teremos o último livro lançado aqui a não ser que outra editora compre os direitos. O que é triste, pois a ID deixou várias séries de livros inacabadas. Torcemos para que outras editoras vejam esses livros e dêem continuidade nas publicações das séries/sagas.

site: http://www.coresliterarias.com.br/2016/05/resenha-partials-de-dan-wells.html
comentários(0)comente



Sarah 04/06/2016

Partials
Desde que li a sinopse fiquei bem interessada nesse livro. Embora seja uma distopia que acaba caindo nos clichês atuais, ainda vi um pouco de originalidade na sua história, o que me empolgou bastante.
O livro de fato tem um enredo criativo, interessante e que faz você querer entender tudo sobre esse mundo fictício de 2076. Porém, em algumas partes a narrativa consegue ser bem cansativa, em momentos de adrenalina e ação, ela acaba sendo confusa, algumas vezes, e bem chata. E em boa parte do livro há bastante explicação de termos biológicos, particularmente eu gostei, achei interessante e vi até como um diferencial para a história, mas pra quem não gosta pode ser tornar bem maçante!
Entretanto os acontecimentos em si tornam a leitura válida, tendo um final bom que faz você querer ler a continuação mesmo temendo um pouco a narrativa.
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3