As Gêmeas

As Gêmeas Saskia Sarginson




Resenhas - As Gêmeas


29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Fernanda 27/03/2014

Resenha: As Gêmeas
Resenha: “As gêmeas” é um livro intrigante, dramático e sutil, que estrutura capítulos repletos de informações definidas e detalhes perspicazes e autênticos. Um dos principais pontos positivos na trama está nas descrições realistas de personalidades, lugares, objetos e atitudes, fazendo com que haja maior fluência e entendimento na leitura.

Isolte e Viola são gêmeas idênticas e sempre se mantiveram muito ligadas, apesar de terem personalidades completamente diferentes. No decorrer das cenas é possível conhecer mais sobre a mãe delas, que apresenta um jeito livre de seguir a vida e nem um pouco casual – mas muito irresponsável. Apesar de todos os problemas e a falta de orientação, é perceptível o quanto eram felizes no meio da floresta – um cenário por vezes benefício e instigante –, bem mais do que quando se tornam enfim adultas. Durante um período, acabam nutrindo uma amizade inseparável com dois meninos, John e Michael, também gêmeos.




CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2014/03/resenha-as-gemeas-saskia-sarginson.html
comentários(0)comente



Rose 24/08/2015

Isolte e Viola eram gêmeas idênticas e a relação entre elas era muito forte. Elas não tinham ideia de quem era o pai delas, e sua mãe não ligava para regras, dando uma liberdade para as garotas que para muitos seria impensável.
Elas cresceram em uma comunidade hippie no País de Gales. Um belo dia a mãe não queria mais saber da comuna, e as três foram morar em Suffolk em meio a floresta. Seria um recomeço, prometera a mãe.
Tirando os dias em que a mãe bebia, as crianças sentiam-se bem. Acabaram fazendo amizade com Michael e John, gêmeos como elas. Eles eram naturais de Suffolk, e tinham uma ligação com a floresta que a deixavam atônitas.
A comunidade local consideravam os gêmeos selvagens e arruaceiros, e pareciam não se importarem com as surras que eles levavam do pai.
Apesar de nunca terem dito nada, Isolte e Viola sabiam que os hematomas não eram só resultados das artes e lutas que eles mesmo travavam.
Michael, John, Isolte e Viola logo tornaram-se inseparáveis, e apesar de não gostarem da escola por conta dos xingamentos que sofriam, elas gostavam de Suffolk.
As coisas começaram a mudar quando a mãe começou a namorar. Frank era viúvo e vivia com sua filha Polly, uma garotinha meiga de 6 anos.
Isolte e Viola sentiram-se ameaçadas e não foram com a cara de Frank, e muito menos com a de Polly. Mas o relacionamento entre Frank e Rose foi ficando mais sério, sendo o casamento cogitado, para desespero das meninas.
Neste meio tempo, Viola e John começaram a descobrir sentimentos que vão além da amizade entre eles. Sentimentos que preferem manter como segredo deles.
Mas é quando uma série de acontecimentos acaba selando o destino de todos. Viola e Isolte acabam deixando Suffolk e nunca mais voltam ao local.
Michael, John e os dias vividos por lá são uma lembrança distante e amarga na vida das meninas. O problema foi que tudo isso gerou consequências que refletem diretamente na vida de ambas.
Enquanto Viola definha dia a dia por conta de uma anorexia, Isolte, apesar de um emprego glamouroso e de um namorado que a ama, ela não é verdadeiramente feliz. Os fantasmas dos passado não permitem que Isolte seja ela mesma, o que acaba mantendo as pessoas afastadas.
Quando Isolte é demitida, Viola a faz enxergar que é preciso que ela volte para Suffolk e reencontre os gêmeos e o passado de todos. Só assim elas poderão realmente seguir em frente. Mas será que Isolte será forte o suficiente para encarar seus fantasmas? E Viola, tão fraca física e psicologicamente, terá energia para dar a volta por cima? O que o passado destas duas esconde de tão horrível a ponto de atormentar o presente de ambas?
Com uma narração onde a autora intercala passado e presente, viajamos entre 192 e 1987, onde quatro crianças vivem seus medos e alegrias. e cuja a separação abrupta marcou para sempre a vida deles.
Uma leitura tensa onde imaginamos mil coisas e entramos no sofrimento e culpa que elas carregam. Viola e Isolte precisam perdoar a si mesmas se quiserem uma chance de serem felizes.



site: http://fabricadosconvitesblogspot.com


Greice Negrini 20/03/2014

Um linda historia de lembranças, amizade e amor!
Viola está agora concentrada em um momento do seu passado. Seus lhos estão fechados enquanto seu corpo pousa sobre uma cama de um hospital. É ali que ela tenta mais uma vez se recuperar de um sério distúrbio que a acomete desde que toda a tragédia após o verão aconteceu e ela e sua irmã precisaram mudar drasticamente suas vidas.

Isolte está ali ao seu lado, pedindo insistentemente para que a irmã lute, que ela resista pois quase não há mais vida em sua irmã e ela sabe que logo a irmã não aguentará mais sequer respirar. Isolte tem a vida que deseja: a profissão que preenche todo seu tempo e um namorado dedicado. Mas a saudade da infância e de tudo o que aconteceu traz a culpa e a saudade ao mesmo tempo.

Porque as irmãs que sempre viveram uma vida somente, fazendo tudo juntas, sobrevivendo a todas as loucas aventuras, não conseguiram crescer e seguir em frente? Desde que momento Isolte deixou a irmã se afundar tanto?

Ao voltar em muitos anos, as irmãs conseguem ver sua mãe, Rose, criando as meninas num belo lugar de Suffolk, em meio a uma grande floresta. Não tinham muita coisa e assim também não precisavam ser tão civilizadas e polidas. Podiam correr e aproveitar cada pedacinho de chão, cada animal, cada árvore e cada gota de mar. Eram meninas rebeldes com cabelos ao vento, que sabiam que mesmo não sabendo quem era seu pai, tinham a mãe mais livre que desejavam.

Então mais dois meninos entraram em suas vidas. Gêmeos. Jonh e Michael entraram na vida delas como a água refresca em dias de calor e tudo ficou completo. A amizade se tornou um laço eterno e com eles elas puderam conhecer mais a vida selvagem e inventar um mundo mais divertido.

Mas o mundo conseguiu ser cruel. O amor chegou para a mãe de Viola e Isolte. As meninas começaram a conhecer uma outra vida ao longo do tempo, até que sem querer, um ato de crueldade acomete aquela cidade.

O passado e o presente agora se fundem em um só. A morte as destruiu quando crianças e as assombra no presente. Precisarão descobrir como serem uma só novamente para evitar que uma deles feche os olhos e adormeça para sempre antes de poder descobrir a grande verdade.

Crítica:

As Gêmeas é o lançamento agora de março da Novo Conceito e me joguei nele logo que recebi.
A capa original dele é bem parecida com a brasileira. Também tem a versão da brasileira no exterior, então acredito que a editora utilizou a mesma foto. O lugar é bem retratado como o lugar onde elas viveram quando eram crianças e bem detalhado. Ao fundo pode-se ver a torre que elas passam muitas das aventuras, o mar e a charneca que após atravessar a floresta que é o segundo lugar preferido delas.

No início da leitura a história parecia algo comum. Duas meninas dos anos 70, porque a história não é narrada nos dias atuais mesmo em tempo presente da vida delas pois a autora não queria que houvesse nenhum tipo de tecnologia que pudesse atrapalhar a história depois. Então o início da vida delas é nos anos 70 e após se passa nos anos 80.

Elas vivem numa pequenina comunidade, sem muita sofisticação, em uma casa com sua mãe e nunca souberam quem era o seu pai. Não possuem mordomias mas podem aproveitar a vida de todas as maneiras.

Os capítulos são retratados entre o passado e o presente, sendo que muitas vezes é fácil confundir o tempo pois como uma das irmãs está em um hospital, ela se pega relembrando o tempo passado, enquanto a outra irmã está no presente.

Até um pedaço do livro parecia somente algo simples, uma história bonita de amor, de dificuldade. Até que tudo começa a se tornar mais duro e coisas que as meninas nunca conseguiram ou aprenderam a lidar aparecem na história. Em certos momentos a dor de alguns acontecimentos vêm a tona de uma forma bruta e fico imaginando o quanto elas se sentem culpada pelas coisas que acontecem para elas, mesmo que nada daquilo elas possam prever.

Cada personagem tem uma forma, um estilo, um trejeito que dá um valor na história em forma a deixá-la poderosa. Fiquei com vontade de colocar uma das irmãs nos braços e gritar para ela lutar pela vida., mas acredito que essa é a grande razão e a lição do livro As Gêmeas.

A união de dois casais de gêmeos mostra como a amizade, o amor, a esperança pode transformar uma história em sucesso quando bem formulado.

A única coisa que achei ruim foi a quantidade de erros de português. Sei que é editorial, mas acredito que um cuidado faz a diferença.

Mas a história, totalmente linda!


site: www.amigasemulheres.com


Val 30/03/2014

Livro "As Gêmeas"
eu receio pela leitura desse livro era grande. A capa me deixou pensando que era um livro assustador, com um ar de mistério..
Viola e Isolte são gêmeas, e tinham uma mãe que não ligava para regras. Agora, já adultas, seguiram caminhos totalmente opostos: Isolte trabalha em uma famosa revista de moda em Londres, namora um fotógrafo e tem a vida que muitas sonham. Já Viola, só piora a cada dia. Ela tem transtorno alimentar, e se destrói cada dia mais com a culpa que sente. O que me fez perguntar desde o inicio o que aconteceu no passado que afetou tanto uma, e a outra conseguiu sair "ilesa"?
O livro é narrado uma hora por Viola -em primeira pessoa- e outra por Isolte -em terceira pessoa-, o que eu gosto, porque assim temos uma melhor visão de tudo.
O que não gostei muito, é que as vezes mescla muito o passado e o presente, e isso as vezes causa uma confusão e você custa a perceber que a autora voltou láááá no passado!
O livro mostra que fatos passados afetam sim a vida presente das pessoas, mesmo anos e anos depois; e também como que pessoas mesmo tão iguais, podem ser tão diferentes..como traumas são sentidos de formas diferentes.
A realidade dessas irmãs é forte, você sente e sofre junto com elas. E apesar de ser uma história de amor a sua maneira, é de uma palpável dor.


E vocês? Já leram o livro? O que acharam?

site: http://www.revistagalaxy.com/2014/03/resenha-as-gemeas.html
comentários(0)comente



Fabi Brandes 16/07/2014

As gêmeas
Viola e Isolte são, além de irmãs, gêmeas. Todos sabem e todos dizem que gêmeos tem uma ligação que vai muito além do nosso vão conhecimento. Mas, por algum motivo, as duas seguem separadas.
A história se passa em Londres, em uma parte mais sombria da região.
Isolte tem um talento incrível para editoriais de moda e está engatando um romance mais sério com Ben, também trabalhador da área. Mas isso, não é o que a preocupa. O que realmente assusta, é o estado de sua irmã Viola. Viola está internada em uma clínica para tratar de sua anorexia. A autora consegue deixar bem explícito o estado em que Viola se encontra.

O texto dança muito bem entre passado, presente e futuro. Também ouvimos as vozes das duas irmãs o tempo todo, já que a autora vai alternando entre uma e outra ao passar do tempo e do texto. A narradora principal é Isolte, claro, falando sobre todas as dificuldades da infância sem pai, e também, com uma mãe bastante fora dos eixos.

Nesse romance de estreia, Saskia Sarginson consegue sim envolver o leitor. Cabe lembrar que as passagens sobre o passado das duas meninas não estão aí simplesmente para enrolar o leitor ou pra preencher espaços. No passado, há segredos terríveis escondidos, segredos esses que são guardados até de uma irmã pra outra. O leitor descobrirá alguns segredos junto com as irmãs.

Minha opinião é que o livro é uma boa pedida pra quem está iniciando o hábito da leitura. Ele é um pouco morno, não há um grande romance. O foco é na beleza e nas dificuldades encontradas ao longo da difícil tarefa de ser irmão. Acho que a autora poderia ter enxugado um pouco mais o texto, já que em alguns trechos ele se torna um pouco repetitivo. Mas como um todo, o livro é bem estruturado e poderá, sem dúvidas, proporcionar ao leitor alguns sentimentos bastante contrastantes. Indico o livro. Uma leitura rápida e produtiva.

site: www.amoreselivros.blogspot.com
comentários(0)comente



RUDY 31/05/2014

Resumo sinóptico
Isolte é escritora de uma revista de moda em Londres, tem um belo apartamento e um relacionamento estável com o fotógrafo Bem. É desinibida e ‘descolada’. Aparentemente equilibrada e toca sua vida da melhor forma, procura não se lembrar do passado.



Viola está internada para reabilitação porque tem transtornos alimentares e psicológicos; não se adapta a nenhum grupo e vive perdida com lembranças do passado. Tímida, frágil e vulnerável, não um sentido para sua vida.

Isolte e Viola são gêmeas idênticas e foram criadas em uma comunidade em Suffolk por uma mãe extremamente amoroso, nem um pouco castradora, ao contrário, tinha um estilo ‘hippie’ de viver, onde acreditava que as pessoas deviam ter liberdade para fazerem o que achassem melhor. Agravante era o alcoolismo materno...



As gêmeas viveram em um mundo de fantasias que de certa forma as deixaram um tanto alienadas na infância. Eram inseparáveis e dividiam tudo. Até que conheceram os gêmeos também idênticos Michael e John que tinham uma família comum a maioria das famílias com mãe, pai, irmã... um lar convencional, o que elas não conheciam.



Os garotos eram briguentos e agressivos, devido aos abusos paterno, o pai os espancava e essa era a forma de competição entre eles que conheciam, viviam brigando um com o outro, ao mesmo tempo, eram inseparáveis...

A mãe das gêmeas acaba se apaixonando e estava para casar com um homem estrutura e que tinha uma filha.

Viola e Isolte não aceitam bem a ideia da mãe casar e tentam afastar a mãe do namorado e não obtêm sucesso.

Um fato inesperado acontece e muda radicalmente a vida de todos, influenciando no futuro de cada um deles...

site: http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/2014/05/resenha-36-as-gemeas-saskia-sarginson.html
comentários(0)comente



Judith Oliveira 01/05/2014

Este livro conta a história das gêmeas idênticas Isolte e Viola, irmãs que eram inseparáveis até que um incidente as separou. Isolte é a gêmea extrovertida, mimada e mais “velha”. Viola é mais introvertida, meio gordinha e bem quietinha. A mãe das duas era meio hippie e “diferenciada”, elas moravam em uma comunidade em Suffolk, Inglaterra, quando tudo aconteceu.

A história se passa entre 1972 e 1987 e remonta a trajetória das irmãs gêmeas até então, ambas saíram da cidade onde moravam e estão agora, 1987, em Londres. Isolte escreve para uma revista de moda, tem um namorado, um apartamento, enfim, ela tem uma vida. Viola está hospitalizada por anorexia, não tem amigos e muitas coisas do passado afetam seu presente. No início da trama percebe-se que as duas se tornaram praticamente estranhas uma para a outra.

A narrativa é mista, é feita em primeira pessoa em alguns capítulos/trechos por Viola e em outros trechos mais relacionados à outra irmã por um narrador onisciente. Portanto, podemos dizer que a história é contada mais pela perspectiva de Viola, uma vez que a narrativa além de ser mista se divide entre passado e presente e grande parte do que se passa no passado é narrado por Viola.

Há quem diga que esse livro é um thriller, mas eu não achei isso... Claro, que há a curiosidade de saber o que aconteceu para as irmãs se distanciarem, mas é algo normal nada do tipo “meu Deus preciso saber o que aconteceu o quanto antes!!!!”. O livro tem um quê de drama e de romance e no meu ponto de vista é mais um relato da vida das irmãs.

Eu gostei do livro, só achei que depois que os elementos começaram a se encaixar e uma “puta falta de sacanagem”, em minha opinião, meio que ter acontecido, o final foi rápido demais, mas pelo menos eu terminei a leitura satisfeita. Enfim, este livro fala de amor e quanto faz mal ter algumas questões não resolvidas, principalmente quando se é adulto.

http://bibliotecaempoeirada.com.br/
comentários(0)comente



Arca Literária 19/07/2014

As gêmeas
Por: Neuma Lee

O livro conta a história das gêmeas Viola e Isolta, que, por conta de um segredo do passado, ao crescerem acabaram por tomar caminhos distintos.
Atualmente Viola se vê atormentada pela culpa e sofre com transtornos alimentares; Isolta por sua vez, tem um magnífico emprego em uma revista de moda, e namora um fotógrafo.
O livro prende a atenção do leitor do início ao fim, com capítulos alternados entre Isolta em primeira pessoa e viola em terceira pessoa.
Qual será o segredo que fizeram as duas irmãs seguirem por caminhos tão diferentes?
Por que antes tão felizes, hoje levam o fardo da culpa nos ombros?
Você não vai conseguir parar de ler até descobrir os segredos que rondam o passado das gêmeas. Boa leitura.


site: www.arcaliteraria.com.br
comentários(0)comente



Vanessa Sueroz 26/06/2014

Neste livro iremos conhecer as gêmeas Isolte e Viola, gêmeas idênticas que quando crianças eram inseparáveis, pelo menos até que acontece um acidente. Isolte é extrovertida, mimada e a que nasceu um minuto primeiro rs, já Viole é um pouco mais cheinha e bem quieta. Sua mãe era hippie e elas moravam em Suffolk quando crianças, na Inglaterra.

A história conta a trajetória das irmãs que saem da cidade em 1987 e vão para Londres. Isolte escreve para uma revista de moda, tem um namorado, um apartamento e uma ótima vida, já Viola está com anorexia internada no hospital, não tem amigos e muitas coisas do seu passado (que vamos descobrindo aos poucos) afetam seu presente.

Temos a narração dividida entre as irmãs que quase não se conhecem mais e também temos um narrador na história para quando vamos conhecer algum fato do passado, mas acho que temos mais iteração da Viola no livro.

Achei o livro um pouco parado, a única coisa que me prendeu foi saber o que realmente fez as irmãs se afastarem, então fiquei na dúvida se o livro está como drama ou thriller.

Quem gosta de livros mais parados e com um quê emocional vai curtir bastante a leitura.

site: http://blog.vanessasueroz.com.br/as-gemeas/
comentários(0)comente



LER ETERNO PRAZER 22/04/2018

O passado confrontando o presente!
As gemeas - Saskia Sarginson.
O livro narrado, uma outra em primeira pessoa, em outra na terceira pessoa!!
Temos aqui a história das gêmeas Isolte e Viola, inseparáveis na infância, vivendo em uma "comuna" onde o natureza é predominante. Sua mãe as cria em total liberdade! No decorrer da história elas conhecem dois irmãos,também gêmeos e daí se forma um quarteto quase que inseparável. A fórmula que a autora nos traz para acompanhar a história é bastante interessante, ela vai traçando todo o enredo com flashes de tempo, em um temos as gêmeas crianças, com suas aventuras, suas brincadeiras e sei dia-a-dia envolto com seus problemas com a mãe!! Já em outro temos as gêmeas já adultas, tentando levar a vida em meio aos segredos e traumas que trouxeram da infância! Algo aconteceu que desfez um pouco do laço que as unia. Isolte tem um otimo emprego em uma agência de moda, já Viola está sob cuidados médicos muito fraca, debilitada por conta de seu distúrbio alimentar(anorexia).
Algo no passado, de muito sério aconteceu para transforma-las tanto assim e Isolte terá que reviver tudo isso para que o presente de sua irmã se resolva.
Ao iniciar a Leitura desse livro, sinceramente, me enchi de expectativas, elas infelizmente não foram tão bem nutrida(as minhas expectativas) a fórmula ia indo muito bem usada pela autora, mas ao se aproxima do desfecho achei algumas coisas ficaram muito vagos!! Sem sombra de dúvida "As gêmeas é uma ótima história, mas perdeu uma estrela apenas por esses pequenos detalhes que a autora deixou, na minha opinião, meio vago, ou sem um fechamento concreto!
Mesmo assim ele está super indicado, pois, cada leitor tem uma visão diferente daquilo que lê não é verdade!! No Skoob, encontrei muitos leitores e leitoras que adoraram a história, outra nem tanto, mas mesmo assim vale a indicação, leiam e tirem sua conclusões!!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nerd 30/03/2014

Resenha por Thais Wyara para o blog Nerd/Rocker Girl
Intrigante. Essa é a palavra perfeita para descrever as gêmeas, esse livro consegue mexer com os sentidos mais discretos de ser humano. A narrativa, a história, os personagens... enfim, tudo nesse livro é envolvente. A única coisa que se pode estranhar no livro é a escrita, ou a mudança do presente para o passado repentinamente, mas logo se acostuma com isso.

A história é ambientada em Suffolk, em meados de 1972, e Londres, em meados de 1987, ambas cidades da Inglaterra. No presente as gêmeas Isolte e Viola Love vivem uma vida bem diferente uma da outra e da que viviam juntas em Suffolk. Isolte pensa viver uma vida feliz e bem-sucedida, com um emprego que ela ama e um namorado que tem tudo para ser o amor da sua vida, já Viola vive internada em um hospital para tratar de seu transtorno alimentar, tentando relembrar a parte feliz de sua infância, mas para ela parece ser impossível separar a parte feliz da parte triste e trágica. Viola não é a única que tem lembranças constantes de sua infância, Isolte também se lembra dos passeios na praia, da vida livre que levavam com sua mãe, dos seus melhores amigos, que também eram gêmeos, porém suas lembranças nem sempre são de suas aventuras na floresta de Suffolk. Elas também viajam por uma vida difícil com a mãe alcoólatra e um segredo que teme atormentar suas vidas no presente.

Viola e Isolte gostam de lembrar de como sua infância era legal ao lado dos gêmeos John e Michael Catchpole, eles tiveram diversas aventuras na floresta e nas praias de Suffolk. Eles viviam de um jeito livre e espontâneo, e, apesar de irem à escola, não deixavam de brincar quase todos os dias, de andar em suas bicicletas para cima e para baixo, de serem crianças alegres. Todas essas lembranças acabam influenciando no presente das gêmeas, deixando Isolte mais aflita após a perda de seu emprego e Viola cada vez mais sem coragem para enfrentar a sua doença. Então suas lembranças começam a se misturar entre a infância com uma mãe alcoólatra e a adolescência sem a presença dessa mãe, que acabou se matando, logo após elas começam a se lembrar do que levou a mãe, Rose, a este fato. O passado feliz e alegre começa a mudar assim que Frank, o professor de carpintaria, e Polly, sua filha entram de maneira intrusa na vida perfeita das gêmeas, ameaçando roubar sua mãe e seus momentos de felicidade.

Já está claro que eu gostei desse livro, mas tenho que confessar que ele foi um pouco confuso para mim. A maneira como ele aborda o relacionamento entre gêmeos é bem clara, a autora, Suskia Sarginson, deixa todos os conflitos e todas as conexões bem expostos. Deve se levar em conta que ela tem filhas gêmeas, o que torna um pouco mais fácil de se escrever sobre esse assunto. Outro ponto bem interessante do livro é que ele acontece todo no passado, o que faz com que a tecnologia de hoje não esteja presente em nenhuma parte, tornando somente a história o foco.

Depois que você se adapta, a leitura flui perfeitamente. Recomendo!
comentários(0)comente



Marlei 26/06/2014

Resenha: "As Gêmeas" (Saskia Sargison)
Por Sheila: Oi todos e tod@s, como vocês estão? Trago a resenha de mais um autor – na verdade autora – estreante, Saskia Sarginson (nomezinho complicado, não é? Ela cresceu em Suffolk, na Inglaterra, talvez seus pais quisessem que os nomes combinassem ...) uma mãe de gêmeas, de onde parece ter advindo um pouco da sua inspiração para a criação desta história.

Nela conheceremos as gêmeas Isolte e Viola. A primeira, é uma editora de moda de uma grande revista, e esta em um relacionamento – apesar de não chamar assim – com o fotógrafo Bem. Viola está presa em uma cama de hospital, sendo alimentada por uma sonda, já que recusa-se a comer.
- Ela dormiu muito hoje – a enfermeira avisa Isolte. Ela balança a cabeça, apontando para a cama do canto, onde há um monte pequeno. Uma forma adormecida. A forma tão pequena que é mais como um montinho criado por um arado.
Quando Viola foi internada no hospital, Isolte pensou que seria curada. Nove anos depois, Viola teve vários terapeutas e passou um mês na ala psiquiátrica; ficou um pouco melhor e depois piorou novamente. Esta é terceira vez que foi hospitalizada. O ato de desaparecimento de Viola vem acontecendo faz muito tempo.
Acontece que há algo no passado das gêmeas. Algo do que sabemos, mas que não chegamos a tomar conhecimento. Viola irá nos contar que algo aconteceu quando eram pequenas, mas não o que, ou de eu forma, apenas como se sentiu.
Estou cansada agora. Quero voltar a dormir. Estou divagando. Sei que estou. Issy não ia gostar disso. Ela me disse para ficar quieta quando tivermos de sentar naquela salinha com um homem e uma mulher nos fazendo as mesmas perguntas de novo e de novo.
O que fizemos? O que vimos? A que horas? Quando? Onde?
Eles pensavam que éramos malvadas, entende? Eles pensaram que tínhamos feito alguma coisa imperdoável.
Aos poucos, vamos sendo apresentados ao passado das duas irmãs: sua mãe hippie que as criou em uma comunidade, sem regras e sem um pai, indo depois para uma casa isolada no litoral, perto de uma floresta. A idéia era que tivessem uma vida autossustentável, e tirassem da floresta o que precisavam para viver.

Perto das outras crianças, elas são estranhas, mas compensam as gozações e comportamentos excludentes aproximando-se mais. Também ajuda conhecerem dois meninos da cidade, também gêmeos, que passam a ser seus companheiros em suas explorações pela floresta.

No desenrolar da trama, acabaremos descobrindo que não foi só Viola que ficou com marcas profundas do que quer que tenha acontecido naquela floresta. Isolte, ou Issy, também carrega seus fantasmas – apesar de sua vida aparentemente “normal” fazer com que as pessoas sequer notem.

“Gêmeas” é escrito em primeira pessoa, e narrado ora por Isolte, ora por Viola; ora no presente, ora no passado. A princípio essas “idas e vindas” me deixaram um pouco confusa, levou um tempo até que eu conseguisse diferenciar entre os tons de narração das duas gêmeas.

Mas, assim que consegui acompanhar estas duas “vozes” a leitura seguiu rápida e fácil. Afinal, a história tem todos os elementos para ser uma grande obra. Há momentos dramáticos, romances juvenis, outros mais maduros, suspense – afinal o que houve com as gêmeas? – e momentos bastante tensos que beiram o terror.

O final também me surpreendeu, esperava algo diferente. Mas valeu a pena a leitura, acabou sendo uma historia que me prendeu do início ao fim. Ficarei esperando pelo próximo livro de Saskia (espero que ela continue escrevendo!) e, por enquanto, recomendo!

site: http://www.dear-book.net/2014/06/resenha-as-gemeas-saskia-sargison.html
comentários(0)comente



Leninha 28/07/2019

Só uma pergunta!! Por que demorei tanto para ler??
Pq demorei tanto pra ler esse livro??Essa história me surpreendeu, com um suspense que não me deixava larga o livro!! E o final??Queria mais..Finalizei a leitura e não parei de pensar nela o dia inteiro..

Quem vê essa capa inocente, nem imagina o thriller psicológico que esse livro é!! Aqui temos a história das gêmeas Isolte e Viola que desde pequenas eram inseparáveis, até que algo mudou e o tempo passa as irmãs crescem e seguem caminhos diferentes. Isolte tem um emprego glamouroso em uma revista de moda, um namorado fotógrafo, mas vive assobrada por algo. Enquanto Viola sofre de um transtorno alimentar e mesmo em uma cama de hospital se recusar a se tratar. O que teria acontecido de tão terrível no passado delas??

O livro não é contado de forma linear, a todo momento somos jogados no presente e no passado dessas meninas. Durante toda leitura somos confrontados com o que elas escondem?? Só posso dizer que é um thriller psicológico incrível, a todo momento fazemos suposições, somos surpreendidos com algo e nossa o final é de chorar!! Esse livro me surpreendeu, uma história que você termina e que continua na sua cabeça por vários dias.
comentários(0)comente



Maitê 12/02/2017

Adorei
Ouvi muitos comentários ruins deste livro. Tinha ele a meses na minha estante e não tinha lido ainda pelos comentários negativos. Mas eu amei. É um livro que te prende que tu tem interesse em saber o que vai acontecer. Adoreeeeeiiiiiiii!!!!!!!!
comentários(0)comente



29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2