Para Francisco

Para Francisco Cris Guerra


Compartilhe


Resenhas - Para Francisco


18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Kessy 11/08/2010

Que livro emocionante.
Que pessoa que escreve bem.
Que maneira suave e delicada, mas ao mesmo tempo profunda de expor uma dor.
Para Francisco surgiu de postagens de um blog que Cristiana escreve para seu filho, Francisco, que quando souber ler, poderá conhecer seu pai, que morreu meses antes de seu nascimento, pelas belíssimas palavras de sua mãe.
Ganhei o livro já com a intenção de trocar, mas quando comecei a lê-lo vi que tenho que rele-lo, ler para alguém, compartilhar, e te-lo sempre perto de mim, para tirar lições, tirar poesia. E assim que o livro eh feito, de poesia, de brincadeira com as palavras que te enternece e te emociona do inicio ao fim.
Eu,sim, não tenho o dom com as palavras, e não sei aqui expressar com exatidão o que o livro me transmitiu.So sei que super recomendo.
Tathy 27/08/2010minha estante
Intenção de trocar? Nãããão! Ainda bem que vc leu antes de fazer isso, rs


Amanda 19/02/2015minha estante
Com certeza é um livro pra termos sempre por perto.
Quando a vida me vem com intensidade, leio alguns trechos para rir, chorar, sentir!
E mesmo com lágrimas, termino com a certeza de que as coisas estão e podem estar melhores, que tudo depende da forma como olhamos para a vida.




Tathy 23/05/2010

para Francisco, de Cristiana Guerra
Veja a resenha completa (com links válidos, vídeos e fotos) em www.tathy.com.br

Mais que um livro sobre o amor. Um livro escrito por amor. Inspirado no blog www.parafrancisco.blogspot.com

Título Original: para Francisco,
Editora: Selo ARX editora Saraiva
ISBN: 9788502076877
Número de Páginas: 190
Ano: 2008
Compre aqui ou aqui
Avaliação: 5 estrelas

Contra-Capa: “Lembro dessa burrice bonita de que é feita a última esperança. Lembro de insistir em não acreditar o que meus olhos gritavam para eu ver. Lembro de um buraco na porta, de uma porta que era só uma das coisas que naquele momento me separavam dele. Lembro de finalmente conhecer o que seria capaz de nos separar, o que seria capaz de me fazer desisitir dele. Eu me lembro de lembrar do medo e, então, tudo fazer sentido. De uma vontade de estar errada, como das outras vezes. Lembro de estar cercada por uma verdade. Minutos antes, um telefone que tocava, tocava, tocava. Antes ainda, um e-mail sem resposta. Diante de mim, o silêncio e a não explicação. o pensamento, sonhos que eu não admitia mortos também. Atrás de mim, uma despedida que não foi. E acima da minha cabeça, um céu azul ensolarado, iluminado de realidade.”

I ♥:

→Escrevi. Movida por uma angústia e por um medo.
A angústia de não poder falar com seu pai nem com você, pois ele tinha acabado de ir e você tinha acabado de chegar. O medo de ver fugirem as palavras me vinham naquele turbilhão. A angústia de amar um homem e querer que o mundo inteiro também se apaixonasse por ele. O medo de você se perder da sua origem.
Escrevi para não esquecer.

→Falo e ele não responde. Ainda assim, escrevendo posso colocar seu pai no seu colo. Mas não posso, filho, não posso colocar você no colo dele.

→À noite, levei a séria a tal terapia do choro. Música, foto, música de novo. Logo veio o sono, o melhor amigo dos corações partidos.

→Ele não era de onde eu vinha. Era para onde eu ia.

→O seu sorristo toda manhã, Francisco, é o e-mail dele me deixando um bom-dia. É o telefonema só pra dar um beijo. É o amor fresco e renovado que eu rego todos os dias.

→O amor é feito de falta, mas não sobrevive sem a presença. O amor é feito de hoje.

→Seu pai deixou poesia nos meus olhos. E não levou meus olhos com ele.

→Engraçado, filho. Você saiu de dentro de mim para a vida. Se pai saiu da vida e foi para dentro de mim.

→É preciso que o sol se ponha para apreciar a lua.

→Não sinto sua falta na troca de fraldas, em uma ou outra noite em claro ou na hora de vigiar para que ele não tome muitos tombos. Sinto sua falta para partilhar a alegria. Ter um filho é bonito demais para viver sozinha. O que faço com a parte que lhe cabia?

Quisera eu ter palavras lindas e impactantes que descrevam a maravilha que é conhecer esta história. E eu conheci assim: Há mais de anos, minha querida amiga Ivy do blog Incomum indicava o blog para Francisco e eu sempre muito preguiçosa pra ler no computador (sim, #euconfesso! meu negócio é papel na mão) fui prorrogando minha visita ao blog, depois de muita insistência, resolvi ir e me apaixonei pela história da Cris, do Guilherme e do Francisco. Cadastrei o blog nos meus feeds e toda vez que a Cris atualizava, lá estava eu, me alimentando dessa amor tão incomum. Quando resolvi voltar a postar constantmente no Eu sou assim e criar algumas parcerias, mais do que depressa decidi que eu deveria tentar uma parceria com a Cris, pois esta é uma história que eu teria o maior prazer em apresentar à vocês. A Cris e a Fabi da editora ARX/Saraiva mais do que depressa atenderam meu pedido e com todo carinho aceitaram esta parceria (obrigada as duas, a propósito).

Falo, falo, falo e não falo sobre o livro né? Vocês devem estar curiosas, então vamos lá… O livro conta a história de amor da Cris e do Guilherme. Quando Cris estava com 7 meses de uma gravidez tão sonhada, Guilherme deixou este mundo repentinamente. Do amor e Na dor, nasceu Francisco. E para que Francisco conheça seu pai e que Cris mantenha viva a imagem de Guilherme, ela escreve cartas ao seu filho, em forma de posts, para contar sobre seu pai, como era a vida com ele, como ela conheceu o amor, e aprendeu com o amor e viveu intensamente o amor!

Sabe quando lemos um livro e desejamos que a história fosse real??? Neste caso, desejamos que fosse ficção, que Francisco pudesse ter conhecido Guilherme, que Guilherme pudesse ter conhecido Francisco e que a Cris pudesse ter continuado a receber os lindos e-mails de bom dia de Guilherme (leiam o livro e vocês entenderão melhor)

Quando eu fiz a resenha do livro da Ana Miranda eu comentei que eu não gostava de poesia e que mesmo assim, a maneira como a Ana narrava suas histórias era pra mim uma maneira de ver flores nascendo em pedras. Posso dizer a mesma coisa da Cris, pois em meio a tanta dor, ela vive a vida com tanta intensidade e a descreve de maneirra tão bonita e honrosa que eu sinceramente não sei como ela consegue. Posso dizer mais ainda, eu estou me apaixonando por poesia feita sem intenção…

Resumindo, o livro é emocionante, eu chorei horrores me imaginando no lugar da Cris, que eu não suportaria uma situação destas, na verdade, acho que só sendo mãe mesmo pra entender e pra tirar forças de onde os outros acham impossível…

Quando eu pesquisava mais sobre o livro, li no site do UOL a seguinte afirmação e como eu não explicaria tão bem, trouxe para vocês:
"Para Francisco" é um livro triste, mas não depressivo. Mais um ponto para a autora, que consegue levar o leitor das lágrimas ao riso, da tristeza à emoção mais pura – como aquela que a gente sente quando pega nos braços um bebê de sorriso fácil.

Está mais que recomendado!!!

Vocês podem saber mais sobre a Cris e conhecê-la melhor nos links abaixo:

Blog para Francisco | Blog Hoje vou assim | Blog Amor e ponto | Twitter | Skoob | E-mail


Um beijo bom,
Tathy
comentários(0)comente



Caroline Silva 19/04/2009

Acho que livro bom é aquele que quando termina você sabe que ficou diferente e aprendeu algo com ele.

Nesse eu aprendi uma forma de amor, um jeitinho bom de amar e pertua-lo pro mundo.

O livro termina e a vontade que fica é viver um amor bom feito o da escritora, e tomara que todos possam sentir ter isso na vida.
comentários(0)comente



Andréa 15/01/2012

Adorável!!!
Sou de poucos livros, infelizmente. Nunca tive muita intimidade com eles. Me disperso facilmente depois de algumas páginas. Mas confesso que "Para Francisco" me pegou de jeito. Me pegou pela alma. Pelo coração. Pelo que acredito ser primordial na vida. Prendeu completamente a minha atenção. A doçura e a sensibilidade com que a Cris Guerra nos apresenta Guilherme (uma pessoa que todos gostaríamos de conhecer de pertinho), e nos permite participar de algo tão bonito e íntimo, como a história de um amor real; a história de um homem fascinante que tornaria-se pai; a história de um casal "gordo" de amor, à espera do tão desejado fruto de seu amor; a história de uma grande mãe, lidando com a dor e a alegria em seus extremos; tudo isso contado amorosamente para a história do seu filho, o pequenino Francisco, é encantador. Tornou-se meu livro de cabeceira. Um livro de todas as horas. Quantas são as vezes que me pego com saudades dos escritos dela e lá estou eu relendo-o. Ou então, passo rapidamente pelos grifos que fiz e não resisto, me perco no tempo. É a história mais tocante que já tive o privilégio de acompanhar. Mexe com o que temos de mais profundo. Uma lição de vida. Uma lição de amor.



Gosto de resumir esta obra dizendo que "Para Francisco" faz você apaixonar-se pelo amor.
comentários(0)comente



Guilherme 07/12/2016

Emocionante, mas linear
Li as resenhas e estou achando minha avaliação do livro um pouco ríspida. Rs. Não que a história não seja linda, comovente, me emocionei do início ao fim. Mas como narrativa, achei linear, não me prendeu. Talvez porque a historia seja por si assim, transcrição de um blog, a autora nao estava preocupada em contar uma historia que envolvesse ninguém além de Francisco, mas sob essa ótica, faltam elementos.
Gigi 11/04/2017minha estante
Verdade, foi mais emocionante ver o próprio Francisco (agora com 9 anos) lendo o livro, ela conta no IG dela.




Tati Ribeiro 17/01/2013

Apaixonante, maravilhoso,...
Cris escreve de um modo tão doce, simples, detalha momentos, descreve pessoas e ao fim do livro sentimo-nos profundamente envolvidos.
Quem me apresentou o "Para Francisco" foi o "Feliz Por Nada" da Martha Medeiros.
comentários(0)comente



Rodrigo 12/10/2013

Para Francisco,
Um livro ímpar. A escritora usa sua auto biografia com uma sensibilidade absurdamente habilidosa, que faz da pior e melhor fase de sua vida uma ótima narração que nos prende, cativa e emociona ao máximo. Toda a história é tocante sem ser piegas. Mesmo no toque dramático, nos inspira a querer ser grande como a mesma.
comentários(0)comente



Gigi 26/02/2015

Simplesmente Demais
Uma leitura completamente MARAVILHOSAS, a Cris Guerra conseguiu passar pra gente muito bem o amor que os pais sentiam pelo Francisco. Seu filho único.
comentários(0)comente



Karine 22/05/2014

Para Francisco!!
É comovente a forma como essa mãe expressa o amor pelo pai de seu filho. Acho que não poderia deixar melhor declaração para um filho, a certeza de que seus pais se amaram, e que ele foi muito amado pelos pais!
A força que essa mulher teve de seguir em frente é admirável.
Lindo, emocionante, terno, apaixonado,triste, angustiante, sofrido... Amor, muito amor, acho que são alguns sentimentos despertados por esse livro!

Super recomendo!
comentários(0)comente



B. 03/04/2011

Um livro de uma delicadeza palpável. Uma mãe tentando apresentar pai e filho. Um pai que o menino não chegou a conhecer, pois o perdeu quando ainda estava na barriga da mãe. Os acontecimentos, e-mails, palavras, todos tão doces e marcantes. Eu fiquei íntima do Guilherme, pai do Francisco. Fico imaginando quando o menino, já adolescente, ler essa grande carta de amor e entender a grandeza do presente que o aguarda. Afinal, no final, não somos nada além de lembranças e quando alguém é capaz de deixar lembranças tão vivas e felizes, esse alguém é eterno.
comentários(0)comente



Nana 25/09/2011

Adorei, me emocionei e chorei!
Um livro intenso, profundo e ao mesmo tempo delicado, cheio de amor e sentimentos. Fala da dor da perda, a solidão, a saudade e o milagre da vida. Uma mistura de emoções.
Lindo e muito bem escrito. Tenho certeza que quando Francisco crescer e ler este livro, vai se orgulhar muito da sua mãe, do seu pai e deste lindo amor que eles viveram. Recomendo com certeza!
comentários(0)comente



Maria.Auxiliadora.Durán 27/10/2017

Para Francisco
Terminei este livro há alguns dias e não sabia o que escrever. Ainda não sei. É daquelas leituras que mexem tanto e abrem tantas sensações que, ao final, estamos transformados, mas é difícil definir como.
.
O livro é um relato real da mineira Cris Guerra que, grávida de 7 meses, perdeu inesperadamente o seu companheiro, um amor gordo. É um livro "Para Francisco", filho dessa relação. Acho que foi um escrito para verter em palavras a dor e, sobretudo, o amor que Cris sentia pelo pai, pelo filho.
.
É uma narrativa corajosa: toda transparência exige coragem. Doce, também: o amor nos deixa mais compreensíveis e até poéticos. É um ato de luto, de sobrevivência e de sentimentos profundos, fortes, verdadeiros.
.
Livro impossível de descrever, mas de leitura tocante. "Para Cris", o obrigada por compartilhar seus sentimentos e demonstrar que o amor continua transformador, a maior força da nossa existência.
.
comentários(0)comente



Sonia 29/01/2013

Comovente..
Acompanhei a Cris desde o comecinho do blog, dia a dia, lágrima por lágrima. E chorei com ela. E sorri com ela. E vi nascer um novo ciclo, novas esperanças, e esse livro comovente. Folheá-lo foi só repassar o que eu já sabia dessa história linda - que apesar de trágica, não teve um final triste. ..porque simplesmente não chegou o final. ;]
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



GETTUB 08/01/2018

Apesar de gostar bastante, eu não acho que escrever seja uma tarefa fácil. Agora pense você como deve ser difícil escrever sobre uma história tão triste e, ainda por cima, real. É justamente isso que eu estou passando agora. É muito difícil imaginar que os "personagens" deste livro existem e viveram situações tão difíceis. Se alguém me perguntar qual o livro mais lindo que eu li na minha vida, eu responderei que é este. Mas se me perguntarem qual o livro mais triste que eu li na minha vida, infelizmente também é este.

PARA FRANCISCO nos conta um pouco da vida de Cristiana Guerra, mãe e viúva. É bastante trágico, apesar de ficar mil vezes pior quando a gente descobre que o amor da vida dela morreu repentinamente dois meses antes de Francisco vir ao mundo. Nos textos presentes no livro, que são como cartas endereçadas ao filho, a autora tenta nos mostrar os seus sentimentos, que transbordam ao mesmo tempo em que tenta entendê-los. Posso dizer que Francisco nasceu na dor e no amor.

"20 de julho de 2007
CALENDÁRIO
Tem dias que são o seu pai, Francisco. Amanhece, o sol lá fora diz o nome dele, o silêncio do sábado chora a sua ausência. E de repente tudo que era alegria vira um buraco. Tem dia que tudo o que eu andei se desfaz. E volta uma tristeza aguda, a maior do mundo. Em dias como esses, só você faz sentido. Porque você é a continuação da nossa história. Tem dia que o sol pode brilhar lindo lá fora, mas é um brilho triste. Tem dia que nem chove, mas é dia de choro. Mas tem sempre um outro dia, filho. Foi você que me ensinou isso. "

O livro surgiu do blog PARA FRANCISCO, o lugar que Cris "achou" para preencher a ausência de Guilherme, não só da sua vida, mas também da vida do único filho. Pouco tempo depois, Cris transformou em livro todas as fotos, e-mails, textos e histórias para que Francisco pudesse saber o quão incrível era o pai. Para falar a verdade, desde o início, acredito que o verdadeiro intuito de Cris era criar lembranças maravilhosas para o filho, que nunca teria a chance de conhecer o pai. E, para mim, é uma das coisas mais lindas que uma pessoa pode fazer.

Eu queria, de verdade, ter palavras para descrever a grandiosidade desse livro, desse amor todo, mas eu não tenho. Eu costumo ter vontade de que todas as histórias dos livros que eu leio sejam reais. Enquanto eu lia PARA FRANCISCO, o que eu mais queria é que tudo fosse uma história de ficção, daquelas que a gente se emociona, mas fica tudo bem no final, porque sabemos que não é de verdade. Queria que Francisco pudesse ter conhecido o pai e vice-versa. Queria que a Cris continuasse a viver essa linda história de amor, que pudesse continuar recebendo e-mails de bom dia lotados de beijos e carinhos. Queria...

"28 de julho de 2007
MONTANHA-RUSSA
Ele me existiu intensamente por dois anos que pareceram uma vida. Continuar sem ele era como começar de novo, de outro chão, como se acabasse de descer do carrinho depois de uma volta assustadora na montanha-russa. De repente, o que era rápido e intenso parou num segundo. Na minha cabeça, tudo continuou rodando. O perigo maior não estava no movimento do brinquedo. O perigo maior era seguir tonta, no silêncio, com o mundo balançando em volta."

Gente, que livro incrível! Cristiana conseguiu expor sua dor de uma maneira tão suave e delicada que, apesar de ser muito triste, torna as coisas muito bonitas - acredito que seja pelo fato de o conteúdo ser endereçado a Francisco. Eu falo, falo, falo, mas não consigo expressar tudo o que eu senti enquanto lia. Consegui chorar, rir e chorar de novo. Provavelmente foi o livro que eu mais chorei na vida. Não conseguia parar de me imaginar no lugar dela, que eu não conseguiria suportar essa situação de forma alguma. Mas aí eu penso no poder que um filho tem de manter as coisas estáveis.

É uma história tão maravilhosa que chamou a atenção da escritora Martha Medeiros: "Além de um belo livro, Cris Guerra nos deixou um recado valioso: a vida não apenas continua, ela sempre recomeça”. A edição especial, que é uma comemoração de dez anos do lançamento do livro, consegue deixar tudo ainda mais fantástico. Possui várias fotos que a edição anterior não tinha, além de novas cartas e cenas super divertidas do Francisco.

A única coisa que eu tenho para dizer é que vocês leiam esse livro. Que se emocionem também. Que percebam o quanto um amor verdadeiro pode transformar a mais terrível dor em uma forma de consolo. Que passem a valorizar as pessoas, os pequenos detalhes, todos os "tudos". Porque no final, só o que nos resta são as lembranças de tudo o que queríamos que fosse eterno.

RESENHA ESCRITA PELA ANA CLARA PARA O GETTUB!

site: http://www.gettub.com.br/2018/01/para-francisco.html
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2