Career of Evil

Career of Evil Robert Galbraith




Resenhas - Career of Evil


6 encontrados | exibindo 1 a 6


Camilla 26/08/2016

Fascinante
O livro é fascinante, um roteiro envolvente que não cai no modo clichê. Até o último momento você ainda não tem certeza quem é o suspeito 'mais culpado'. Aguardei demais esse lançamento e não me arrependi.
comentários(0)comente



Sheila Lima 06/03/2016

Opinião do blog Doce Sonho Alado!
Tudo começa com uma perna feminina decepada que foi enviada para o escritório do detetive Cormoran Strike, endereçada à sua assistente Robin Ellacot. Com uma bomba dessas, não tem como não ficar curiosa, não acham? Mas a perna, na verdade, é o menor dos problemas deste mistério, pois há um assassino completamente despudorado usando de todos os seus recursos para se vingar de nosso amado Stike.
O maior diferencial deste volume é exatamente o ponto de vista do criminoso em questão. Vez ou outra a autora nos proporciona trechos do dia a dia dele, assim como seus planos para o próximo ataque. Mesmo com tantas dicas e toda essa proximidade, é quase impossível descobrir a identidade do culpado antes do final, preciso confessar que me senti completamente enganada. Peguei todas as pistas que eram reveladas, fui tentando eliminar os culpados menos prováveis, mas mesmo assim o resultado não teve nada a ver com o que eu pensava.
Este é também o livro mais forte da série "Cormoran Strike", aborda abertamente assuntos polêmicos como estupro, mutilação, assassinato à sangue frio, etc. Quem não confia muito bem no seu "estômago" talvez seja melhor evitar lê-lo.

Para saber mais sobre este livro, acesse o link:

site: http://www.docesonhoalado.com/2016/03/livro-career-of-evil-cormoran-strike-3.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Literatura Policial 03/12/2015

Quem prestar atenção o bastante pode até adivinhar o assassino antes do desfecho do caso…
O novo livro começa sob o ponto de vista do assassino – de cara, a gente já fica sabendo que ele acabou de matar uma mulher e que está planejando alguma coisa contra Robin Ellacott, a assistente de Strike. Em seguida, Robin recebe um presente nada convencional: uma perna decepada. É o bastante para que a agência de detetives que os dois comandam em Londres comece a sofrer com a publicidade negativa gerada pelo fato e para que a dupla resolva investigar por conta própria quem pode estar por trás de tamanha aberração. Para Strike, são três os principais suspeitos: dois ex-soldados que conheceu quando trabalhava para o serviço de investigações do Exército e um antigo namorado de sua mãe.

Além da trama um tanto maluca, mas engenhosa, e do suspense criado por Rowling sempre que dedica um capítulo às andanças do assassino, “Career of evil” agrada por apresentar aos leitores fatos até então desconhecidos sobre a vida de Robin e de Strike. Enquanto fazem campanas e viajam para algumas cidades inglesas em busca de pistas, os dois combatem fantasmas do passado e precisam lidar com as relações amorosas do presente. Se há senões, um deles é a repetição excessiva de algumas circunstâncias, como o frequente tira-e-põe da perna mecânica de Strike e as inseguranças de Robin em relação ao seu valor para o trabalho com o detetive. Mas a gente ignora e vai em frente, temendo pelo momento em que o criminoso pretende dar seu bote final. “Galbraith”, afinal de contas, mostra que sabe envolver o leitor com a mesma competência já demonstrada por JK Rowling.

site: http://literaturapolicial.com/2015/12/03/career-of-evil-de-robert-galbraith/
comentários(0)comente



Deyse M. 09/11/2015

De onde vou tirar paciência para esperar o quarto livro?
Terminei a leitura há alguns dias e fiquei pensando no que escrever sobre o terceiro volume da série “Cormoran Strike”. Raramente aguardei tanto o lançamento de um livro. Ganhei “O Chamado do Cuco” de presente de aniversário, em abril, e a narrativa me encantou aos poucos, mais pelo modo como os personagens principais foram apresentados, seus perfis e o modo como cresceram durante a trama. Assim que terminei, fui correndo em busca do segundo volume, “O Bicho da Seda”, de que gostei ainda mais do que o primeiro livro e que me conquistou definitivamente.

Ao contrário de muitos, nunca li a série Harry Potter, muito embora tenha visto todos os filmes e goste do mundo que J.K. Rowling criou. Mas não estava familiarizada com sua escrita, que passei a considerar impecável e muito bem desenvolvida, e agora entendo porque ela encanta a tantos: sua capacidade de criar personagens carismáticos é indiscutível. Para mim, este é o elemento número 1 em uma narrativa. Não basta a história ser boa, original ou bem construída – estas características são importantes, mas deve haver personagens que façam o leitor se importar, torcer por eles e sofrer junto com eles. Cormoran Strike e Robin Ellacott são nada menos do que adoráveis em todos os seus aspectos, realmente apaixonantes. Confesso que há momentos, durante os três livros, em que passo a ligar menos para a trama e muito mais para o que acontece como os dois.

“Career of evil”, ainda sem tradução, é o livro mais sombrio da série até agora. Lida com temas pesados, como pedofilia e estupro, mostra um assassino que sente prazer em desmembrar suas vítimas – e há algumas cenas de assassinato que causam sim mal-estar. Li inclusive críticas que acusaram J.K. Rowling de expor muita violência gratuita. Não senti desta forma mas acredito que pode ser uma leitura bastante tensa para os que são mais sensíveis a estes temas, o que é totalmente compreensível.

Mas é também o livro que contém mais suspense e ação. O assassino dá calafrios! Os capítulos são introduzidos com um verso da banda The Blue Oyster Cult e narrados em terceira pessoa, como de costume, com exceção dos que o assassino aparece. É ele quem narra, em primeira pessoa, o que gostaria de fazer com Robin e com todas as suas vítimas, o que faz o leitor temer por todas e principalmente pela parceira de Strike.

Aliás, este livro é dela! Como gosto de Robin! Neste volume sabemos, por exemplo, por que ela deixou a universidade de psicologia e como desenvolveu seu talento para dirigir. Vamos mergulhar em seus sentimentos com relação às pessoas a sua volta, principalmente com relação à Strike e seu noivo, Matthew, e também com relação aos acontecimentos em sua vida, como seu casamento, o emprego que tanto ama e aquela investigação em si, que tem início com o recebimento de uma perna de mulher endereçada a ela. Robin é muito corajosa, mas também tem seus momentos de muita angústia e está literalmente “no limite” neste livro. Muitas vezes me emocionei e me comovi com ela.

Strike também está muito bem desenvolvido e também saberemos mais sobre seu passado, como se sente em relação aos que fizeram parte de sua vida, como seu ex-padrasto, sua mãe e suas memórias amargas do tempo em que eles viviam juntos. Vamos também conhecer três homens terríveis que ele ajudou a pôr na cadeia e dos quais ele suspeita possa ser o assassino em série que assombra esta história. E também (e isso foi o melhor para mim) saberemos muito mais em relação a seus sentimentos em relação à Robin.

Amei 90% do livro e lhe daria dez estrelas tranquilamente. Mas aí vieram os 10% finais e as dez estrelas viraram três. Não gostei do final. Aliás, detestei. E minha crítica é tanto com relação ao destino dos personagens centrais como a resolução da trama em si. Fiquei abismada como o culpado não foi descoberto antes. Não posso falar muito para não dar spoiler mas sinceramente, não acredito que Strike, um investigador tão experiente e que já viu e entrevistou tantos criminosos, não tenha percebido um detalhe que estava literalmente na sua frente. Achei muito forçada a solução do caso e de quem era o responsável por tudo – não pela pessoa em si, mas como se conclui que esta pessoa é a culpada.

Quanto aos meus personagens tão queridos, limito-me a dizer que odiei o destino que a Sra. J.K. Rowling lhes deu (me recuso a chama-la pelo pseudônimo – sim, estou com raiva!). Odeio Cliff-hangers mas pelo menos nas séries eles são resolvidos no próximo episódio. Saber que vamos ter de aguardar a boa vontade desta senhora a escrever um quarto livro e que (pior!) ela pretende escrever mais de sete volumes para esta série me desanima muito e me faz refletir se quero mesmo ficar esperando tanto tempo para depois me decepcionar mais uma vez. Ou se vou aguardar que ela termine toda a série para saber se ler o restante dos livros valerá meu tempo e dinheiro.

Ah, e eu odeio Matthew com todas as minhas forças.
comentários(0)comente



Juliana 08/11/2015

Uma grande sequência, com um cliffhanger muito sacana.
Nesse livro nós acompanhamos o caso mais pessoal e mais violento até o momento. Se você tem estômago fraco, talvez algumas passagens do livro te deixem mal.
Descrições de corpos mutilados, estupro, pedofilia e muita violência verbal e física se encontram no livro.
E no meio dessa desgraceira toda, temos nossa dupla de detetives tentando entender os rumos de suas vidas pessoais, avançando um pouco mais na relação no âmbito pessoal e profissional, que leva ao tal cliffhanger que me deixou muito ansiosa para ler a continuação.
Em nenhum outro livro da JK eu senti diálogos tão bem escritos e personagens tão bem trabalhados, não é a toa que ela disse que esse foi o livro que ela mais gostou de escrever na vida.
Vale muito a pena. Eu não descobri quem era o assassino, mas para alguns pode parecer óbvio mais pro final, o que não tira nada da conclusão do livro.
Boa leitura!
comentários(0)comente



6 encontrados | exibindo 1 a 6