Corações nas Sombras

Corações nas Sombras Allan Francis




Resenhas - CORAÇÕES NAS SOMBRAS


30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Anna's Book Closet 19/09/2017

Sensacional!
CORAÇÕES NAS SOMBRAS – ( Allan Francis )
.
_________________________________________________
.
Fantasia não é um genêro que eu leia com frequência, então independente de eu estar apta ou não para comentar a obra, eu recomendo que vocês leiam e tirem suas próprias conclusões.
O livro tem uma escrita fácil e contínua, mesmo com suas 736 páginas.
.
No ínicio do livro até metade ( mais ou menos ) confesso que fiquei muito confusa com a quantidade de personagens e reinos diferentes.
Quando eu tentava assimilar algo, já mudava para outros personagens e locais.
Posso tentar descrever como vários quebra-cabeças dentro de um caixa, e quando você conseguir montar todos, também tem que conseguir encaixar um no outro.
Em contrapartida, o que me fez prosseguir com a leitura foi que eu achei a história cativante.
.
Corações nas sombras’, inicia com a história do reino Ifíanor, que em tempos antigos um elfo chamado Círdan criou um acordo de paz entre os reinos e exilou os orcs em Agonia.
Depois de muitos anos os centauros foram até Agonia e abriram um portal, mas este foi fechado por Círdan com magia.
.
Existem seis talismãs que estão separados, já que juntos possuem um grande poder.
O castelo de Dankar, que tinha um talismã protegido pela feiticeira Selene, foi atacado e de uma forma bizarra através de magia negra , e agora existe um demonio dentro dela.
.
Tem muita diversidade na história, como dragões, trolls, magos, anões, híbridos, elfos, golens, entre outros seres fantásticos.
.
As peças vão se juntando gradualmente, e aquelas narrativas anteriores que pareciam desassociadas em determinado momento vão começando a fazer sentido, mas eu achei a trama bem complexa.
allanfrancis.salgado 10/10/2017minha estante
Obrigado amiga pelo reconhecimento




Acervo do Leitor 26/09/2016

O início de uma grande aventura!
Presságios de Guerra é o primeiro livro da saga Corações nas Sombras do autor brasileiro Allan Francis que têm já planejado outras 4 continuações, publicado em setembro deste ano pela editora portuguesa Chiado. A obra nos transporta para o mundo de Ifianor, local de magias, intrigas, guerra e criaturas místicas, tais como elfos, anões, orcs, demônios, dragões, goblins, entre outros.

“Quando Cirdan terminou o selo, apenas ele e outras quatro pessoas ainda estavam vivas... Uma raça inteira tinha sido praticamente extinta. ”

Ifianor é dividido em dois continentes: Primas e Pallas, que por sua vez abrange diversos reinos, entre eles o reino de Damatia, cuja figura governante recai sobre os ombros de sua rainha e seus exércitos, estes que são compostos pelas guerreiras do reino, em Damatia os homens não governam e tão pouco participam das principais decisões. Temos Lessália, reino dos elfos governado pelo orgulhoso e arrogante Tirdan, que acorrentado nas entranhas de seu ego, comum aos elfos governantes, mantém uma distância inapropriada aos outros reinos, tratando-os sempre com indiferença e inferioridade. Temos o isolado reino de Draconia, lar dos dragões comandado pelo poderoso Elegibur. E Dung-Dhar reino dos anões do norte, cuja liderança recai sobre o martelo poderoso e o orgulho feroz do assim considerado Deus por seu povo, Morghom. Há diversos outros reinos e cidades importantes, entre elas Abak, que será palco de um dos principais núcleos da história. Ao todo o mundo de ifianor é composto por 18 reinos e alguns outros pequenos reinos e principados.

“A Guerra cobra seus maiores tributos dos mais inocentes”

Ifianor é um mundo complexo com suas diversidades de raças e culturas, para amenizar e tentar controlar os ânimos dos reinos mais exaltados foi criado o Alto Conselho, que por sua vez obteve autonomia em suas decisões a partir dos tratados de reinos e raças, assinados por seus respectivos governantes há aproximadamente 200 anos, quando acabou o que ficou conhecido como as Guerras Seculares e os orcs, demônios e grande parte das ameaças foram levados para Agonia e presos sob um poderoso selo de magia. O Alto Conselho é composto por várias cadeias de responsabilidades e decisões, todos os reinos são integrantes deste comitê, que têm sua liderança figurada no poderoso elfo Cirdan.

Nossa história começa quando misteriosos atentados são realizados em diferentes partes do mundo, sejam eles proferidos na ilha de Sisam, onde um exército de orcs atacou a cidade e matou várias pessoas ou no castelo de Dankar, lar de um dos seis talismãs detentores de poderes extraordinários e guardado pela poderosa maga Selene. Outro ataque ocorreu nas montanhas de mercúrio onde um dragão negro de aspecto mortal aterrorizou e ceifou durante um ritual religioso. A partir daí temos as consequências destes ataques e a sombra de uma guerra pairando sobre os céus de Ifianor.

“ - No que estava pensando Itzanami?
- Como as coisas mudaram, como o destino nos joga de um lado para o outro como galhos de árvores em um vendaval... Bastou um dragão negro descer jorrando fogo que tudo que tinha se perdeu “

Acompanhamos o livro através de diversos pontos de vista, são vários personagens de variadas partes do mundo e com objetivos diferentes. Todos eles são muito bem trabalhados, e ao que à primeira vista pode denotar uma conotação simples e rasa na construção dos personagens, ao longo do livro é interessante acompanhar esta evolução, sublinhando as mudanças em suas personalidades e no modo de agir. Seja ele o forte guerreiro que ao longo do livro vai definhando em suas desconfianças ou na pobre moça que se sente insegura e com o decorrer dos eventos se torna um símbolo de poder e esperança.

O livro detém uma escrita bem simples e direta, por mais que seja um livro grande, com pouco mais de 730 páginas, não há prolixidade em demasia por parte do autor. Na obra encontramos bastante cenas de violência e algumas passagens com clara conotação sexual. A primeira parte do livro não me agradou muito, seja pela narrativa inicial ou pelas descrições das primeiras batalhas, que não me prenderam como esperava. Entretanto, há de se notar a evolução muito clara da história, principalmente a partir da segunda metade do livro. Todo o amarrar do enredo e o rumo a que ela se deu me cativou instantaneamente, as batalhas melhoraram consideravelmente assim como a clara e evidente evolução da narrativa, todos os personagens tiveram seus momentos no livro, naturalmente por haver diversos, sempre há aquele a qual você não simpatiza, da mesma forma que há outros que lhe farão acompanhar detidamente sua trajetória.

“Melkina fechou seus olhos e pronunciou algumas palavras. O olho de Selene voltou à cor normal, mas algumas escamas negras permaneceram. Selene sabia o que ela estava fazendo, quis gritar para que não fizesse aquilo, mas era tarde...”

Acredito que esta é a proposta da obra, ser mais minuciosa na primeira metade e mais explosiva e voraz na segunda. Mesmo sendo um livro grande que se não fosse por sua letra pequena, facilmente passaria a barreira das 1000 páginas, não me senti fadigado e cansado em nenhum momento. Os personagens te prendem na primeira metade, e a história, a tensão, as intrigas e as descobertas são o grande trunfo da segunda. O final é muito bom, beirando ao espetacular, amarrando muito bem as pontas soltas e criando outras novas ainda mais empolgantes.

Um ponto negativo são os erros de ortografia e alguns de diagramação e formatação encontrados ao longo do livro. O trabalho de revisão não foi apropriado e em contato com o autor ele se mostrou bastante descontente com estes elementos e já está providenciando suas efetivas correções.
Em suma Corações nas Sombras é um ótimo livro de literatura fantástica nacional, com uma história complexa e personagens muito bem construídos ao longo de um mundo gigantesco. É indicado para todos os amantes de Fantasia e até mesmo para aqueles que nunca se aventuraram no gênero.


site: http://acervodoleitor.blogspot.com.br/2016/09/resenha-08-coracoes-nas-sombras-vol-1.html
comentários(0)comente



Corredora Literária 20/10/2017

Corações nas Sombras | Blog Corredora Literária
O autor nos apresenta Ifíanor com seus dois continentes, reinos e vilas. Por razões desconhecidas os talismãs de Ifíanor são roubados, há muita disputa pelo poder e veneração. Não só os humanos, anões e elfos entram nessa disputa como também os dragões e criaturas nefastas do mundo inferior (Agonia).

“O grande dragão desceu e pousou à frente da irmã e a balsa ficou atrás dele. A fera olhou para Tallis, sorriu e incinerou Nicte Ha.”

É uma história bem complexa, que mostra a diversidade de raças desses continentes e até mesmo como funciona o comércio entre os reinos.

Há quatro núcleos de personagens que seguem uma ordem padrão e vão se misturando aos poucos no decorrer da narrativa. De início você pode achar que está perdido e não entendendo nada, mas fique calmo porque o livro tem muitos jatos de fogo! Falando em fogo, você também descobrirá sobre Draconia, uma ilha onde somente os dragões podem habitar.

“Enquanto ela caía viu uma sombra, era maléfico e aos poucos entrava na boca de Selene e, no meio de suas pernas, eles se beijaram.”

Você encontrará cenas com conotações sexuais pertinentes a trama.
Há muitos jogos políticos, troca de favores e toda a sujeira de quando se busca o poder.

Batalhas fantásticas e mágicas com cenas muito bem detalhadas, cheguei a ficar com o estômago revirado em cenas de canibalismo e estupro por exemplo, como também chorei ao final de um capítulo que trata sobre almas vagantes.

A religião de cada raça de Ifíanor também é bem explorada durante toda a trama.
Personagens fortes, carismáticos e muito bem trabalhados.

Ao primeiro impacto você percebe mais a mudança das personagens femininas “frágeis” para mulheres fortes, mas isso também ocorre com os personagens homens o que equilibra o dois gêneros.

“Foi aí que ele viu uma pequena mão de criança negra - dedos finos, havia garras no lugar das unhas - timidamente saindo pela boca de Selene. Quando Alfris segurou aqueles pequenos dedos e com sua faca cortou três deles, houve um urro que lhe causou calafrio, e ele ouviu um nome dentro de sua cabeça.”

A mitologia que o autor criou para esse livro é incrível, é fantástica. Os personagens são muito bem trabalhados e é impossível não se apegar a eles. As pontas soltas que foram deixadas para o próximo livro estão me deixando sem dormir de tanta ansiedade. Ele possui uma escrita limpa e muito fluída.


SENTENÇA
Indico com certeza esse livro a todos os leitores, sejam eles amantes de qualquer gênero literário. Sério! Vocês têm que ler essa obra!
Livro recomendado para quem quiser iniciar no gênero alta fantasia e/ou quem quiser ler o primeiro calhamaço na vida. Não se intimide com o tamanho do livro, leia cada dia um pouco e no seu ritmo, pois garanto que vai amar assim como eu!
Um livro envolvente do começo ao fim, não houve nenhuma parte que ele tenha esfriado.

Só gostaria de saber o porquê de uma editora grande no Brasil ainda não ter divulgado o trabalho desse autor, pois sua escrita não deixa nada a desejar para os grandes nomes da literatura estrangeira.


Pontos a melhorar:
Revisão do texto. A editora Chiado deixou muito a desejar nesse quesito, deixo claro aos leitores que isso não impede o entendimento da história e
Uma das orelhas do livro está vazia, poderia ser colocado por exemplo os endereços de mídias sociais.

site: https://corredoraliteraria.wordpress.com
comentários(0)comente



Thiago.Mello 18/09/2017

Corações nas Sombras é o melhor livro do ano
Confesso que não esperava muito deste livro, por se tratar de um livro nacional, os livros de fantasia que saem aqui não são muitos bons, então admito que até hoje não li este ano um livro tão bom, complexo sem ser enfadonho, inteligente sem nos confundir, fantástico, simplesmente o melhor livro do ano. Uma fantasia com todos os requintes que se espera. Disparado o melhor livro de fantasia nacional, porém possui erros de revisão .
comentários(0)comente



Thais.Paizon 18/09/2017

UMA FELIZ DESCOBERTA
Um livro que quebrou paradigmas, tinha um certo preconceito com autores nacionais e também com a editora chiado que peca demais em revisões, a revisão deste não foi ruim, mas o livro, que livro excelente, um livro de fantasia que veio colocar a fantasia nacional em um novo padrão, estamos falando de algo que esta no mesmo nível de autores internacionais. Excelente livro.
comentários(0)comente



Bruno.Oliveira 12/10/2017

Melhor leitura de 2017!
Livro sensacional que mostra um mundo fantástico repletos de elementos e seres conhecidos pelo público do gênero de fantasia como Elfos, Anões, Orcs, Dragões, feiticeiros, entre outros, mas que também tem uma vasta gama de raças criadas pelo próprio autor. Uma obra complexa com uma narrativa bem descritiva, mas que ao mesmo tempo é bem fluída, por conta da forma usada pelo autor, colocando seus personagens em situações, que faz com que o leitor leia o livro compulsivamente! Recomendo a todos fãs do gênero de fantasia que gostam de obras como "Senhor dos Anéis", "World Warcraft" "As Crônicas de Gelo e Fogo", entre outras, vão se deliciar com essa obra!
comentários(0)comente



João 03/01/2017

O mundo fantástico mais interessante do ano.
Corações nas Sombras foi sem dúvida um dos melhores livros lidos por mim em 2016, e o mundo fantástico mais interessante que conheci esse ano.

A historia se passa em Ifianor, um mundo fantástico dividido em dois continentes onde a magia existe porque as pessoas acreditam nela, e onde raças convivem hoje em harmonia graças a um tratado, feito após uma guerra que terminou com a quase extinção dos centauros.

A narrativa de Presságios de Guerra, livro um da série, é muito bem construída e dinânica Lenta sim, de inicio, detalhista e minuciosa, o que é bom por te apresentar muito bem o universo ao qual você foi inserido e os personagens que você irá acompanhar. Explosiva em sua segunda parte.Você se vê terminando um capítulo ansioso para começar outro.

Semelhante a obra de George Martin, aqui os capítulos são do ponto de vista dos personagens. Sejam eles humanos, magos, elfos, centauros, todos tem uma capacidade intensa de encantar e cativar o público com sentimentos e características verdadeiras, pelas quais todos passamos, nos levando a nos identificar com eles em algum momento de sua jornada, seja lutando contra demônios internos como Selene, tendo dúvidas de fé como Nami ou sendo totalmente cético como Gael, até mesmo sentir-se sufocado por um amor como Alásia.

Um livro que fez o que outros livros de fantasia não conseguiram. Me envolver e me fazer mergulhar em seu universo, ficando sedento por mais. Presságios de Guerra não deixa nada a desejar a qualquer fantasia gringa mundo a fora. Digo mais, Corações nas Sombras deve ser louvado, por afinal, ter um escritor brasileiro que soube muito bem criar um universo e uma mitologia, envolver seus leitores e criar personagens tão maravilhosos e "humanos". Merece muito mais que cinco estrelas. Merece um reconhecimento gigantesco.

allanfrancis.salgado 03/01/2017minha estante
Excelente resenha, obrigado




Danilo Sarcinelli 28/10/2017

Colossal!
Corações nas Sombras de Allan Francis Salgado é um livro colossal em vários aspectos. Desde a construção do mundo é soberba até a caracterização dos personagens, todos bem desenvolvidos, com suas próprias vozes e motivações. Para mim, porém, o ponto alto ficou com a escrita por vezes dinâmica por vezes poética do autor, sem falar da trama envolvente que nos deixa presos do início ao fim. Serão cinco volumes essa história e o que mais desejamos ao fim desse livro é poder voltar ao mundo de Ifianor e continuar devorando os próximos capítulos.
comentários(0)comente



Selma.Rocha 24/12/2017

Desde pequena sou fascinada por livros. Oriunda de uma pequena cidade, de uma pequena família, descobri bem cedo que, através dos livros, eu poderia conhecer outras realidades, um mundo fascinante e inimaginável. Confesso que "Corações nas Sombras" foi minha segunda embrenhada no gênero fantasia. Já havia lido "As Crônicas de Nárnia", de C. S. Lewis, sete volumes, um processo demorado, levando-se em conta que os li no original em inglês. Ao iniciar "Corações nas Sombras" fiquei um pouco assustada pelo volume do livro, mas desde o início me vi enredada na trama descrita de forma límpida e direta. Gostei principalmente da segunda metade do livro, todo o desenrolar da estória e amei acompanhar a mudança das personagens femininas, frágeis à princípio e se fortalecendo pelas intempéries sofridas. Enfim um livro envolvente do começo ao fim. Li no meu ritmo, rs, cada dia um pouquinho. Mas era maravilhoso ao longo do dia corrido saber no cantinho do meu ser que havia aquele mundo mágico me esperando... um deleite em cada página. Recomendo a todos!
comentários(0)comente



Gleyzer.Wendrew 02/05/2017

Ótimo livro!
Corações nas Sombras é um ótimo livro. Mesmo pegando emprestado raças já consagradas (elfos, anões, orcs entre outras) o autor consegue inovar e dar originalidade à sua história. Seus personagens, fugindo de clichês, são originais e muito bem construídos... Uma excelente fantasia nacional!
comentários(0)comente



Mari Pingituro 05/02/2018

Melhor fantasia nacional!
Finalizado - Corações nas Sombras - Allan Francis Salgado

Primeiramente gostaria de esclarecer que não gostei desse livro.
.
.
.
.
.
.
.
.
EU AMEI!

Um calhamaço que o leitor termina e nem se dá conta do tanto que leu.

Temos aqui uma história ambientada nas terras de Ifíanor, um mundo que abriga dois continentes principais e diversos reinos, cada um deles representando uma raça diferente.
Existem humanos, dragões, elfos, orcs, anões, etc. Além disso, há muita magia.

Existe também o mundo de Agonia, que funciona como uma espécie de submundo de Ifíanor. Apenas um véu separa os mundos paralelos, e por alguma razão existem seres (inclusive um dragão gigante e sorridente) que trabalham para abrir esse véu e espalhar o caos.

O autor criou uma mitologia maravilhosa e, por meio dela, somos apresentados às criaturas, objetos e mundos que estão nessa história.
Existem talismãs que são extremamente poderosos e importantes, e consequentemente há muita luta por eles.

Logo no início, há uma invasão a um castelo que guarda um dos talismãs e este é roubado. A guardiã desse talismã, a feiticeira Selene, é amaldiçoada por uma magia negra e inicia sua luta em busca da cura e da proteção do que lhe foi tirado.
A partir daí, uma sequência de acontecimentos coloca diversos reinos em conflito e sentimos que há uma grande guerra chegando.

Todos os personagens são extremamente bem construídos. Conseguimos sentir o que eles sentem, ver suas memórias, ter os mesmos questionamentos e compramos a luta por seus objetivos. Vemos a evolução de vários deles, que de excluídos ou fracos, tornam-se poderosos e essenciais para a história.

Percebemos que tudo foi minuciosamente cuidado pelo autor, desde os nomes dos lugares e personagens até as explicações sobre magia e costumes dos reinos.

Esse livro é o primeiro de uma saga. Portanto, muitas coisas ficaram em aberto e serão esclarecidas nos próximos volumes. E uma grande guerra está chegando. Ou seja, preciso de respostas, estou curiosa! ?

Só posso agradecer ao Allan por ter criado esse universo e escrito uma história tão incrível!

Leiam! Se dêem esse presente! Melhor livro de fantasia nacional que li. ??????
comentários(0)comente



Leonardo Reis 24/03/2018

Fantástico e Surpreendente
estou aqui hoje para falar de Corações Nas Sombras: Livro I Presságios De Guerra que é uma das publicações independentes de fantasia mais elogiadas dos últimos tempos.

Bem, mesmo depois de tantos comentários de exaltação à obra, que vi por toda a Internet, confesso que não tinha muitas esperanças de que o livro fosse corresponder a esse estardalhaço todo. A capa e o título que não me chamavam a atenção enquanto as massivas espessura e quantidade de personagens sim. E nesse caso de uma maneira, confesso também, meio que negativa. Além disso, o tema com magos, elfos, magos, dragões e etc, embora um dos meus preferidos, exige uma criatividade fora do comum por parte do autor para não se tornar repetitivo. Em resumo, eu estava prestes a embarcar uma jornada de fé. Fé nesse escritor nacional e no testemunho de seus fervorosos leitores.

E foi já nos primeiros passos dessa caminhada, ou seja, em suas primeiras páginas que o milagre se revelou. Um mundo incrivelmente bem construído, com suas raças, geografia, tecnologia, economia e religião organicamente conectados. Personagens tão marcantes, diversificados e desenvolvidos de uma maneira tão real em seus grupos de convívio que de alguma forma (algum tipo de magia foi usado aqui, eu acho) você se lembra de cada um, mesmo quando eles aparecem depois de muitas páginas de ausência. E a escrita mistura, de maneira fluída e natural, a construção desses personagens com a de seu mundo. Cada um tem a sua história e elas vão sendo caprichosamente exploradas junto a esse universo que consegue apresentar um frescor em um tema explorado tantas vezes, fazendo você sempre querer mais.

Em resumo, tudo de melhor que você pode esperar de uma obra de fantasia adulta você encontra lá (incluindo sexo e violência na medida certa), em um livro que é certamente um dos melhores da literatura fantástica nacional, sem deixar a desejar aos melhores da fantasia mundial. E, como roteirista, acho que é a primeira vez que vejo um livro sendo perfeitamente transformado, não em um filme, mas em uma série imperdível. Netflix, HBO e Amazon, entre outras, deveriam pensar nessa adaptação sem sombra de dúvidas. E, para as editoras de nosso amado país, fica a dica: a única coisa que falta em Corações nas Sombras é um nome por trás, um capricho editorial, uma boa revisão gramatical e por fim a divulgação para alcançar uma legião ainda maior de fãs e explorar todo seu potencial. Portanto recomendo a todos que não deixem de ler esse envolvente livro de nosso caro Allan Francis Salgado. E que venha o próximo, certamente seus admiradores, aguardam ansiosamente por isso!
comentários(0)comente



Paulo 23/07/2017

O sistema de Pontos de Vista empregado pelo George R.R. Martin é uma das ferramentas narrativas mais elogiadas nos dias de hoje. Dezenas de autores usaram o autor de Crônicas de Gelo e Fogo como inspiração para compor suas histórias. Mas, o que muitos acabam por descobrir são as dificuldades desse estilo de escrita em mosaico. Allan Francis consegue em Corações nas Sombras usar muito bem esse recurso.

A escrita do livro é em terceira pessoa empregando Pontos de Vista. Ou seja, o autor criou um elenco de personagens que servem como seus olhos em diferentes espaços geográficos da narrativa. Dessa maneira, é possível abarcar todo o universo de histórias que o autor traz para esta série. O autor afirmou que a série Presságios da Guerra terá cinco livros. Ou seja, neste primeiro volume o autor constrói as bases para serem exploradas nos volumes posteriores. Nesse caso o estilo de POVs se encaixa bem na proposta do autor. A narrativa é bem próxima do personagem (ou personagens) que estão sendo explorados naquele momento. Eu só achei que usar dois ou mais personagens como POVs ficou um pouco estranho em algumas cenas. Acho que os capítulos onde o Allan explorou apenas um personagem (como os do Goldax ou da Elda) ficaram bem mais redondinhos. Mas, isto aconteceu mais em alguns momentos. O POV funciona melhor quando você aproxima a visão ao personagem em si, dessa forma, mesmo a narrativa sendo em terceira pessoa, parece que o leitor consegue ouvir a voz do personagem. Não preciso nem dizer que um dos meus personagens favoritos foi o Goldax, não é?

Antes de passar aos personagens, eu queria comentar a respeito da revisão. E como me deixa triste quando uma editora não faz a revisão de um livro. Um livro tão bom e repleto de potencial como este, e tem tantos problemas de revisão. Em um livro extenso como o do Allan, esses erros acabam saltando demais aos olhos. Corações nas Sombras precisa muito de uma boa revisão, de um pouco de carinho da parte da editora. Se cada volume de Presságios de Guerra tiver essa qualidade que este tem, a Chiado poderia se beneficiar muito ao fazer o marketing do livro. E digo revisão não apenas ortográfica per se, mas uma edição também (mas vou deixar para comentar isso mais abaixo).

O ponto alto da escrita do autor é, sem dúvida alguma, a construção de personagens. E eu fiquei preocupado em alguns momentos pelo fato de o autor ter criado um elenco tão extenso. A possibilidade de ter havido problemas era perfeitamente plausível. Mas, todos os personagens são construídos de uma maneira competente e possuem vozes e problemas bastante distintos. Posso discordar do caminho que o Allan tomou com a Itzanami, por exemplo, mas de forma alguma posso dizer que a personagem é ruim. As personalidades de alguns dão o tom de alguns trechos como o Leon, onde o Allan constrói uma história mais micro, explorando os problemas dentro de uma cidade e como o personagem busca resolver tudo usando sua astúcia. Ou existem personagens que, mesmo sendo malignos, possuem um gravitas que os tornam únicos como Tanor e Goldax.

Outro ponto bacana é a virada narrativa que começa a ser desenhada a partir da metade final da história quando um personagem específico tem suas ações reveladas. O autor vai soltando pistas em vários momentos da história que algo estava errado ou que havia algo mais, até o momento decisivo nos momentos finais deste primeiro volume. Aqui é aquele alerta que eu coloquei em outras resenhas: a virada acontece sim, mas o leitor percebe alguns indícios na história que fazem ele exclamar "A-há!!!". Não é um plot twist vindo do nada.

Vários temas permeiam a história. Um dos principais é a possibilidade de controlar destinos. O leitor consegue perceber que muitas das grandes figuras presentes na narrativa querem o poder para exercer controle. E um ambiente tão estável como o que transparece no início da história não é possível. Não é possível fazer política sem quebrar alguns ovos. E esse desejo de controlar tudo está presente em Tirdan, em Morghom e talvez até em Cirdan. E quando todos estes egos entram em choque, a guerra acaba sendo a única saída possível.

Também temos o tema da aceitação. Por exemplo, tudo o que Itzanami e Gael desejavam era serem aceitos em suas respectivas sociedades. Infelizmente, muita coisa conspira para que seus destinos continuem parados no mesmo lugar. Somente quando eles decidirem tomar suas vidas nas próprias mãos e se arriscarem, é que as coisas começam a se mover para eles. Claro que para isso acontecer, sacrifícios se farão necessários. Ao mesmo tempo existem também personagens que não se conformam com os destinos que foram traçados para eles. Alásia quer o que seu coração exige, mas será isso possível? O quanto a atitude egoísta de Alásia poderá causar de mal? Aliás, ela foi a personagem que eu menos curti. Mas, em toda a história com múltiplos POVs vai ter sempre aquele personagem que você gosta mais e aquele que você gosta menos.

A narrativa é apresentada de forma muito competente. Eu entendi bem mais para a segunda metade da história o que o autor quis fazer. A história é construída em um estilo convergente, onde as várias narrativas que parecem separadas, se unem mais para a frente à medida em que as peças do quebra-cabeças passam a fazer sentido. Claro que, sendo uma série, muitos ganchos narrativos são deixados para que o leitor fique curioso com o desenvolvimento das várias linhas narrativas.

O mundo criado pelo autor é interessante. Dá para perceber a clara inspiração em histórias de alta fantasia, na figura de orcs, trolls, goblins, elfos, anões. Mas, é necessário unir essas diversas raças em um mundo coeso e que faça sentido. E o que vemos é um sistema social, político e econômico bem desenvolvido e o leitor rapidamente se acostuma com tudo o que lhe é apresentado. Seja o Alto Conselho, o governo de Abak ou até mesmo o conselho élfico. Tudo faz sentido e é harmônico. Podemos perceber a inspiração de várias culturas reais no cenário do livro, só que em lugares inesperados e diferentes do que você esperaria.

Minha única crítica é o excesso de info dumping. São muitas informações a respeito de muita coisa. Isso prejudica em alguns momentos a boa fluidez narrativa. Isso é nítido nos diálogos que cumprem o papel apenas de repassar ao leitor aspectos da construção de mundo. Claro que em um livro com tantas facetas, ficaria complexo encontrar maneiras de amenizar isso. Em alguns momentos, a leitura me cansou um pouco por este excesso de informações. Por isso, precisei pôr o livro de lado por alguns dias para depois retomar a leitura com mais afinco. Os capítulos da metade final ficaram um pouco mais longos, o que é algo que pode trazer um pouco de lentidão. Minha sugestão é que no início de cada capítulo, o autor poderia colocar algum elemento de mundo falando, sei lá, sobre a política de determinado lugar, ou a ficha técnica de um personagem, um diário de viagem em que o autor falaria sobre tal ou tal aspecto cultural (formando até uma espécie de literatura dentro da literatura). São apenas sugestões que podem ou não servir o autor. Aí entra a revisão. Com um bom editor, ele teria reduzido bastante a quantidade final de páginas no livro. Eu sei que os autores odeiam a faca da edição, mas ela quase sempre ressalta os melhores aspectos de uma escrita. E eu sinto que uma boa edição faltou aqui. Novamente, isso não é atribuição do autor, mas da editora que está com o livro em seu catálogo. E, novamente: mais carinho da editora.

E, também gostaria de chamar a atenção para outro ponto alto da escrita do autor: as cenas de ação. Como ele escreve bem estes momentos da história. Posso destacar pelo menos três grandes momentos na história. Um em especial era em um capítulo mais alongado, mas a narrativa do que está acontecendo naquele momento é tão boa que acabamos não percebendo a extensão do que estamos lendo. Quando eu vi tinha devorado mais de quarenta páginas. Tudo acontece muito rápido e as coisas são dinâmicas demais. Muito boas o que demonstra o alto nível do autor.

Corações nas Sombras é uma leitura muito acima da média. Uma história bem escrita e que deixa o leitor ansioso pelo que vai se seguir. Allan captou e absorveu muito bem a técnica de narrativa em terceira pessoa com Pontos de Vista. Dos livros que eu li até o momento é o que melhor soube usar essa ferramenta para potencializar a trama. Com isso, o elenco de personagens é muito bom, fazendo com que o leitor goste de alguns, e não tanto de outros. Nesse quesito, os leitores vão se dividir em dizer quais são os mais legais. Isso provoca uma discussão muito sadia sobre o livro. Entretanto, senti que a editora não deu o carinho e a atenção necessárias à história. Muitos problemas de revisão e uma boa edição faltaram para que o livro alcançasse o seu máximo. Porém, recomendo fortemente a leitura dele.

site: www.ficcoeshumanas.com
comentários(0)comente



Muninn - IG @corvosdeodin 25/04/2018

SENSACIONAL!
“Presságios de Guerra” é o primeiro livro da saga “Corações nas Sombras” de Allan Francis Salgado, publicado pela editora Chiado no ano de 2016.

Vamos embarcar numa jornada através de Ifíanor, seus continentes – Pallas e Primas, seus diversos reinos e raças. O prelúdio do livro é uma carta de Sindara, que resolve enviá-la a um amor para contá-lo sobre o que está prestes a acontecer, aproveitando para contar um pouco do que ocorreu no passado – de forma a situar o leitor.

“Então meu amor, meu confidente e meu amante, se lhe conto sobre o passado é para que você entenda o meu papel no presente e o porquê de termos nos separados. Escolhi nomear este relato de Corações nas Sombras e acredito que você entenderá o motivo.”

Logo no início do livro, estamos no castelo de Dankar no reino de Vescra, local onde um dos talismãs de Ifíanor está sendo guardado. O castelo é invadido, o talismã é roubado, e sua guardiã – a feiticeira Selene - é vítima de uma poderosa magia negra. Selene parte em busca de uma cura para o mal que a aflige, além de recuperar o talismã, sabendo o que poderia ocorrer caso o responsável pela invasão ao castelo conseguisse concluir seu plano maligno.

O livro é narrado em terceira pessoa, sendo que em cada capítulo acompanhamos a trajetória de um grupo de personagens, dessa forma vamos os conhecendo aos poucos, assim como os locais em que eles estão, seus dilemas e conflitos. Um detalhe, que eu acho sensacional, é o mapa no início da edição, que serve para ajudar o leitor a se imaginar neste mundo fantástico. De forma gradual os acontecimentos e suas repercussões vão sendo delineados ao leitor, os personagens e seus reinos vão se conectando e a partir daí, a narrativa ganha um novo fôlego, pois ficamos ávidos em saber cada vez mais.

Allan foi extremamente criativo, pois cada um dos reinos de Ifíanor é distinto do outro, além da descrição de suas paisagens, vamos descobrindo sobre os costumes, a religião, a economia, a tecnologia e o povoado de cada região que vai sendo explorada.

Uma das coisas que mais me cativou durante a leitura dessa obra, certamente foi a criação dos personagens, a riqueza de nuances apresentadas aqui é simplesmente encantadora. Cada um deles tem seus motivos de estar na trama, agregam a história e trazem diversos questionamentos, nos fazendo pensar e muitas vezes com que nos identifiquemos com eles. Um dos personagens que mais me chamou a atenção neste primeiro livro foi o inventor Gael, que por ser um homem a frente de seu tempo sofre a rejeição por parte de alguns, mas mesmo assim não desiste de perseguir seus objetivos.

“Nenhuma decisão sábia é tomada em momentos de exaltação e raiva, palavras são mal ditas e direcionadas nestas ocasiões.”

Em suma, “Corações nas Sombras” é um verdadeiro deleite aos leitores, seja os já familiarizados ao gênero ou não. Um livro com a escrita envolvente, um mundo bem construído e repleto de personagens marcantes, cada qual com sua voz e essência que agregam a trama. O carinho de Allan por sua criação é visível em cada uma de suas linhas, tudo foi planejado e feito com muito carinho. Espero que diversos leitores se encantem com essa saga fantástica, e que venham os próximos livros!

Sobre a edição: O livro tem páginas amareladas, um índice e um mapa, pelo seu volume o achei leve e fácil de manusear. Infelizmente, senti falta de uma revisão melhor de texto, acho que a Chiado vacilou neste aspecto, contudo nem isso foi capaz de tirar o brilho da obra.

site: http://www.clubedofarol.com/2018/05/resenha-coracoes-nas-sombras-pressagios.html
comentários(0)comente



Leitura Mágica 04/05/2018

fantasia fantastica
O livro narra os eventos que foram acontecendo em Ifíanor, contado a partir da volta ao passado por Cidara(personagem que narra a história e responsavel por nos apresenta os acontecimentos),ali ela conta ao seu amado os motivos de não estarem juntos e a importância de entender a guerra que está sendo travada entre orgs,elfos,humanos,magos e outros seres. É por uma carta que vamos tendo conhecimento de como as coisas vão acontecendo. Tanor junto com a casa de prata estão roubando os talismãs para poder abrir o portal para Argonia,local aonde os orgs foram aprisionados,Goldax o imortal também está nessa luta e quer trazer a era dos orgs de volta a Ifíanor,com a ajuda de uma maga, um dragão diabólico e os talismãs eles tem certeza que vão conseguir abrir o portal de Argonia que foi selado, será que Círdan e o povo de Ifíanor vão conseguir lidar com essa ameça, e conseguir desvendar o que Tanor,Goldax e a casa de prata estão tramando? Será que vão vence-los?

"Não sei por que, mas isto está fixo em meu coração como uma verdade inabalável..." (pág 213)

O livro é separado por capitulos que nos aprenta dois personagens de cada vez até todos eles estarem reunidos ao mesmo tempo pelos acontecimentos, no primeiro capitulo temos Alfris e Selene é aonde tudo se inicia é dali que Tanor inicia sua revolução roubando o primeiro talismã, apartir disso temos varios outros ataques tanto de Tanor,os orgs e o dragão negro dando inicio aos seus planos.

Fiquei muito preocupada de não gostar da história, pois nunca tinha lido um livro de fantasia. Mas claro,me surpreendi com a narrativa, o livro é bem grossinho, na verdade é uma camalhaço rsrs, então meio que assusta e o medo de não conseguir ler é imenso! Porém não foi o que aconteceu, me peguei lendo noites a dentro pra ficar sabendo mais das investidas de Tanor( nosso vilão) e tentando entender o porque dele se virar contra o seu mestre (Cídan) e querer libertar o povo de Argonia(aonde o povo mal está aprisionado,pelo menos é o que todo mundo diz no livro, tenho minhas duvidas).

"A guerra cobra seus maiores tributos dos mais inocentes - pensou." (pág 484)

Temos vários personagens chaves durante toda narrativa e cada um contribui excelentemente pra cada detalhe da história, tudo se encaixa perfeitamente. Entre eles se destacam Leon o guarda de Abak;é ele que confirma os boatos de que os orgs estão de volta,Cogar um elfo misterioso que tem uma missão desconhecida, Selene a maga mais poderosa responsável por um dos talismãs roubado,Alásia a próxima rainha de Vescra,Itzanami a irmã de um caçador que é manca e que se descobre um grande potencial para livra seu povo da ameaça do dragão negro, Cídan o presidente do conselho de Ifíanor, Gael um homem a frete de seu tempo que constrói varias coisas a penas com o poder da engenharia e a ciência, e o dragão negro com o sorriso diabólico.

São muitos personagens, da até pra se perder no começo é como se você estivesse numa roda de pessoa que você acaba de conhecer, mas que uma vez que se pega intimidade não se perde mais é assim com este livro, é claro que tem outros personagens importantes que não citei,mas como são muitos não dar pra falar de todos. O livro é o primeiro de outros que virão e ele conta apenas o inicio da guerra,nos deixando roendo unhas pra saber mais e como essa história vai terminar, eu espero muito que o autor não demore pra escrever os próximos!

" O tolo peca pela falta de percepção, o distraído pela percepção do desnecessário, o inconseguente por dar valor em excesso á sua percepção."(pág 275-276)

E claro que tenho meus personagens favoritos e outros que tenho o pé atrás, eu peguei uma certa simpatia por Alásia, mas depois de alguns acontecimentos eu peguei ranço daquela tola ( não reparem meus momentos de ódio,kkkk) leiam o livro e vão me entender. Gostei muito de Sarah é uma personagem forte,determinada,leal e muito guerreira, é claro a maga descrevida no livro como rosto disforme,mesmo sendo uma vilã ela tem meu respeito, gostei de ver de como as mulheres são poderosas nesse livro.O pé atrás que eu tenho, é por Círdan eu acho que ele esconde alguma coisa( espero está errada) seria uma tragédia!

O desenvolvimento do livro é ótimo e quando chegava a parte de outros personagens eu falava aah não quero esses,mas ai acontecia alguma coisa importante e quando acabava eu falava ainda não meu deus vou ter um ataque, (coisas de leitor rsrs). E quando me dei conta já tinha lido o livro todo! Quando não estava lendo o livro eu me pegava varias vezes pensando nas cenas como se tivesse vendo uma série de tv.

"Não importa o que os outros esperam de você, mas o que você espera de si mesma."(pág 126)

Eu encontrei alguns errinhos no livro, como falta de letras, porém isso não atrapalhou em nada, a diagramação é boa,as páginas são finas,acredito eu pelo fato dele conter muitas paginas, se não seria muito maior do que ele é. Nada atrapalha o que é mais importante a leitura e a aventura vivida no livro,o autor está de parabéns, o livro é maravilhoso e fico muito feliz por ser nacional, espero que você leitor der uma chance e leia este livro tenho certeza que você vai se surpreender.

E por fim eu descrevo esse livro como um dos meus favoritos e estou louca pra ler os próximos! Foi uma surpresa muito boa e uma aventura maravilhosa pra mim, espero encontrar muitos outros livros como este.

Bjos e até a próxima! ♥

Nota: 5/5

site: aleituramagica.wordpress.com
comentários(0)comente



30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2