Na Escuridão da Floresta

Na Escuridão da Floresta Eliza Wass




Resenhas - Na Escuridão da Floresta


11 encontrados | exibindo 1 a 11


K.G | @entaoeuli_ segue lá bb 22/07/2017

ENVOLVENTE. INTENSO. PERTUBADOR
Confesso que a primeira coisa que me chamou a atenção nesse livro foi essa capa maravilhosa! Ai li a sinopse é achei interessante, decidi ler um capítulo, e não consegui parar de ler até o final

Não sei definir esse livro, um suspense? Um terror psicológico? Não sei, só sei que é bom pra caralho!

Basicamente é a história de uma família que vive sob as regras de um pai totalmente fanático, que acredita ter visoes vindas de Deus, e por isso age como se sua família não pudesse se misturar com as outras pessoas, é um personagem violento e repussivo.

A Cass, é uma personagem muito intensa, muito bem construída, e talvez, um dos pontos negativos e que não sobrou páginas pra construir melhor os outros personagens afinal SAO CINCO IRMAOS, e no começo a cass acha normal o jeito que eles vivem, até que ela começa a se questionar, se é bem assim mesmo.

Ela é confusa, você fica confuso, e percebe o quanto o psicólogico dos personagens é abalado, principalmente da Casa, enfim, acompanha ela nessa jornada.

Achei o final um pouco previsível, porém gostei muito do livro como um todo.
comentários(0)comente



Simone 24/06/2017

ESPERAVA MAIS ...
Quando li a sinopse desse livro e olhei pra essa capa, a primeira coisa que eu pensei foi que precisava ler esse livro. Como fiquei esperando mais dele, resolvi escrever sobre a impressão que tive ( nunca escrevi uma resenha antes, aqui no Skoob) de que a autora nos deixa numa expectativa, pois ela começa bem o livro, que não é correspondida terminando-o de uma forma "tosca". Faltou um cuidado maior, um acabamento melhor pra o final das nossas personagens.
Não deixa de ser um bom livro, mas esperava mais do final.
Manu Giffoni 21/05/2018minha estante
Também esperava mais do livro. O final foi bem fraquinho.




Johny 04/08/2017

Tocante
Livro muito maravilhoso. Faz você pensar em bastante coisa. Achei ele também, uma crítica a determinadas religiões e o que elas forçam pessoas a crerem. Recomendadíssimo
comentários(0)comente



Alessandra @jardim.de.historias 10/11/2017

Quotes
" Era engraçado como o passado podia parecer bonito, mais bonito que o presente, mais seguro que o futuro, porque a gente já sabia o que havia acontecido."
" - Eu acho você realmente incrível. Só queria que você soubesse disso porque... Porque é uma coisa boa, e eu acho que as pessoas não têm o hábito de falar coisas boas. Elas pensam, mas não dizem. E deveriam. Acho que o mundo seria um lugar bem melhor se elas fizessem isso."
" Protejo minha mente e meu coração, porque é preciso ter cuidado com o que se aprende; é preciso ter cuidado com quem se deixa entrar. Algumas pessoas podem ser bonitas ou falar bonito, mas é o que elas fazem que nos indica se merecem ou não nosso tempo. É o que elas fazem que nos indica se merecem nossa fé."
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 24/01/2018

Resenha da Dani
Na Escuridão da Floresta é um livro de abalar sua estrutura.

Até onde a fé é saudável? Como distinguir o que é fé do que é fanatismo?
As crianças Cresswell foram criadas, boa parte da infância, em casa, por seus pais. Até que um incidente acontece. Mas Gabriel Creswell conta a seus filhos que eles são os únicos que merecem ir para o céu. E, em sua visão, só poderão casar uns com os outros.

"Meu pai nos ensinou que éramos as únicas pessoas puras que restavam na terra, as únicas pessoas dignas e, por causa disso, teríamos de nos casar entre nós."

E as crianças estão certas de que o pai tem razão, mas a realidade se mostra diferente quando são obrigados a frequentar a escola da cidade.

Ainda assim, será que Castella faz bem em questionar os ensinamentos de seu pai? Seria possível que ela e os irmãos tivessem uma vida comum como os colegas de escola? Poderiam sonhar em serem aceitos?

Castley passa a duvidar do que seu pai diz, mas sente-se uma traidora por permitir tais pensamentos. Mas, aos poucos, ela deixa que algumas situações sejam observadas por outro ângulo e suas conclusões começam a lhe assustar.

Mas ela estaria paranóica e deveria obedecer cegamente seu pai? O que Caspar pensa a respeito?

Seu irmão Caspar, o preferido, o certinho que, embora todos critiquem sua família, saí à noite para fazer boas ações em prol dos vizinhos; mas Caspar será tentado e, com isso, uma pequena fresta se abre em sua fé inabalável nas palavras do pai.

A autora nos pega de jeito, nos deixa sem ar diante do que lemos, e quando Castella narra alguns acontecimentos, para nós, é evidente que tem algo de errado no santo lar da família Creswell.

Enquanto isso, ela mostra a convivência da jovem de dezessete anos na escola, a novidade de fazer dupla com um garoto nas aulas de teatro. É tão interessante acompanhar as experiências de Castley com pessoas fora de sua família, observar como ela pensa, cada questionamento que surge.

"(...)tendo apenas Deus como companhia (se Deus achasse que valia a pena ficar por perto)."

E ainda temos umas reviravoltas de tirar o fôlego, verdades vão surgir, tensão vai fazer parte da narrativa.

Castella é uma garota questionadora, que sonha em viver igual aos outros. Caspar busca ajudar ao próximo e, sempre que necessário, age como o protetor dos irmãos. Delvive, para mim, soou como a mais fútil (se ela pudesse ser assim), com sua preocupação em não deixar uma aula que tanto gosta, mas querer obrigar Castley a largar a que entende bem, para estar na mesma turma que ela. Hannan é o único que tem uma vida além da estudar e estar em casa, pois joga futebol na escola. Mortimer é o rebelde da turma, mas até ele sabe os limites. E Jerusalem, ou Baby J, tem um talento que ao ler vai fazer com que você fique um tanto triste por ela ter suas asas cortadas; além de na minha opinião, ela ter sido a mais afetada.

E passamos a leitura inteira torcendo para que essas crianças tenham um final feliz, que a verdade venha à tona e que eles possam ser normais.

Afinal, no fim das contas, eles merecem ser chamados de esquisitos, por culpa da criação.

Mas como será que Gabriel Creswell vai reagir diante das mudanças em seus filhos?

Nas escuridão da floresta fala de fanatismo, mas tem um quesito muito forte em relação ao amor fraternal, essas crianças se desentendem, mas nunca dão as costas uma para as outras, mesmo que discordem entre si.

Eu recomendo a leitura, Eliza Wass vai desenrolando a trama com cuidado, instigado nosso avanço e nos deixando arrepiados.

Meu único porém é que gostaria que o final fosse um pouco diferente, pois tem uma espécie de gancho. No entanto, estive pesquisando e a autora disse que não há nada programado para que o livro ganhe uma continuação.

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2017/10/lendo-com-dani-na-escuridao-da-floresta.html
comentários(0)comente



Nana.Gueiros 23/06/2019

Complicado.
Eu gostei, mas achei a história um tanto sufocante. A leitura é fluida, mas não tão atrativa. Uma das poucas decepções literárias que tive.
comentários(0)comente



Mariana.Garcia 16/10/2017

Gostei mas esperava mais
Vou começar por aquilo que acho que me incomodou mais, o final.
O livro desenrola bem, com uma construção da história, que no meu ponto de vista, foi bem elaborado, mas o final para mim foi muito acelerado, a autora poderia ter trabalhado melhor e ai sim a história seria 5 estrelas.
Todos foram da dúvida ao esclarecimento em questão de linhas, como assim??
E outro fator que incomodou também foi a falta de um porque, para que o pai tenha seguido por essa linha tão severa de fanatismo. Achei que esse é outro ponto que merecia ser abordado.
Samantha 21/04/2018minha estante
Concordo, também me senti super incomodada com o final!


Manu Giffoni 21/05/2018minha estante
Final péssimo!




Ca Agulhari @literario_universo 01/03/2019

Bizarro!
Tenho uma palavra pra descrever o enredo desse livro: perturbador! Castley e seus irmãos vivem isolados da civilização, seguindo regras rígidas de seu pai, que diz que suas regras vêm da vontade de Deus. Segundo ele, os Cresswell são as únicas pessoas puras na Terra que irão chegar ao paraíso e sendo puros, só poderão se casar entre si quando estiverem no céu. Porém algo acontece e os irmãos são obrigados a frequentar a escola e assim, Castley começa a ver um mundo que ela não sabia que existia e então aos poucos vai vendo que nem tudo é como seu pai diz. Eu fiquei tão angustiada nesse livro com tamanho fanatismo desse pai, com a lavagem cerebral que toda a família sofre. Quando ele diz que está na hora deles morrerem porque seu tempo na Terra se esgotou, senti o desespero da Castley em mim! Ela tava ali, de olhos abertos enquanto que todos os outros estavam como que hipnotizados e ela não tinha a quem pedir ajuda! É uma angústia principalmente porque muita coisa que o pai diz, ouvimos da boca de pessoas à nossa volta. Eu preciso frisar que gostei muito de todo o desenvolvimento da história, só não dou nota máxima pro livro porque o final destoou da maneira com a qual a autora levou todo o livro: foi um final corrido, que não explicou muita coisa, como se feito às pressas e os leitores merecem mais. Então foi frustrante pra mim não saber de algumas coisas. O livro é muito bom, faltou só isso pra ser perfeito, duas páginas seriam suficientes pra dar outro tom pro final, tenho certeza. Não quero que vocês leiam com o nariz torto, porque essa opinião que tive é muito pessoal, as expectativas foram minhas e podem não ser as suas. O que não dá pra negar é que o livro tem um ótimo tema, que foi trabalhado de uma forma muito boa.

Resenha originalmente postada no insta @literario_universo
comentários(0)comente



Fernando Curti 20/10/2017

Comentários
Gostei da história e da narrativa, bem reflexivo e transmite muito bem o drama da personagem. Vale a pena pra quem quer apenas passar o tempo e vale pra quem gosta de pensar nos símbolos e significados escondidos na trama. Esperava um pouco mais do final, mas não posso dizer que foi ruim. Recomendável, de modo geral.
comentários(0)comente



Feh 20/06/2019

Perturbador demais
Eu passei a noite inteira lendo as 200 páginas e pouco do livro, quando o perguei, eu não conseguia mais parar e queria saber o que ia acontecer.

Foi uma leitura bem pertubadora para falar a verdade. Acho que todos os livros que narram obsessão por religião são pertubadores, assim como Carrie, a estranha também foi.

Falando em Carrie, eu não posso dizer que são parecidas, apesar de terem a mesma temática, o livro de Stephen era mais puxado para o suspense/terror enquanto esse é mais para o drama.

Mas falando do livro, vamos para as minhas observações:

Eu achei que nas primeiras 100 páginas nada acontecia demais, o livro demorou a deslanchar e quando aconteceu foi tudo rápido demais.

Apesar de ser uma temática bem forte, eu achei que em alguns momentos havia muito superficialidade entre os personagens, principalmente no final quando eles mudavam tão rapidamente o que pensavam.

Eu penso que a questão de ter apenas 200 páginas deve ter algo a ver, são poucas páginas para poder contar uma história que poderia ser mais rica de detalhes, muitas vezes eu estava curiosa sobre tudo aquilo e ficava perdida para onde o enredo estava indo.

Mas ao todo, não foi uma leitura ruim, o enredo, novamente falando, é algo bem interessante e que nos leva a uma certa crítica sobre como nossa sociedade está indo. Principalmente nos dias de hoje e no país em que vivemos.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Ca Agulhari @literario_universo 28/02/2019minha estante
Acabei de ler, em que página você leu que o Caspar havia levado um tiro? Não achei isso no livro.


Striker 27/03/2019minha estante
Na parte que o irmao dela chega com o pai onde eles estao escondidos.. Dai o irmão se vira contra o pai.. (Esqueçi os nomes) e o pai fala que ele nao fez nada enquanto ele matava a mae.. Que ele ajudou dando um tiro no Caspar.. Mais ou menos isso


Ca Agulhari @literario_universo 27/03/2019minha estante
Ah sim, ele tava mentindo!




11 encontrados | exibindo 1 a 11