Um Menino em Um Milhão

Um Menino em Um Milhão Monica Wood




Resenhas - Um menino em um milhão


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Clara 16/06/2020

queria poder descrever como esse livro foi importante pra mim, o que me fez sentir e refletir, mas não consigo colocar em palavras. esse livro chegou a mim em um momento difícil, e terminei a leitura chorando até a cabeça doer.

demorei a terminar a leitura, absorvendo a história durante alguns dias. é comovente, tocante, crua. dolorosa e emocionante. ainda quero chorar, chorar e chorar. favoritado.
comentários(0)comente



Lu 06/05/2020

Uma história que une pessoas de idades e vivências diferentes
Quinn é um guitarrista que sonha em ter reconhecimento por se dedicar à música a tanto tempo. Esse tempo que foi perdido em relação a criação do filho. Ele era um pai ausente. Sua ex-esposa se divorciou dele duas vezes por causa desse disânciamento da família. Agora ele não pode fazer mais nada, pois seu filho morreu de uma hora para outra. Era apenas uma criança. Cheia de manias, as quais perturbava os pensamentos do pai. O garoto colecionava tudo em 10 itens, era fascinado por pássaros e adorava pesquisar sobre os records. Ele não gostava de música e isso decepcionou Quinn, que desde os primeiros dias de vida do garoto já pensava em como o filho seguiria os passos do pai. Ele não conseguia entender o garoto.
Ona Vitkus via o menino com outros olhos. Ona é uma mulher de 104 anos. Veio com os pais para os EUA quando tinha apenas 4 anos. Eram refugiados de algum pais a qual Ona não sabe. Seus pais, querendo que ela não enfrentasse o preconceito que as pessoas tinham com refugiados, não se comunicavam com ela em sua língua materna, só em um inglês péssimo, pois não sabiam quase nada, por isso não conheceu muito eles. Ela foi criada quase que totalmente por uma mulher que vivia no andar de cima. A maior parte das coisas que sabe, aprendeu com ela. Teve uma vida longa e com altos e baixos, a qual compartilha com o menino. Ele era um escoteiro que ajudava Ona. Ela, uma senhora que poderia se passar por "rabugenta", que expulsava os escoteiros na primeira semana de trabalho, se viu apegada ao garoto. O considerava um amigo. Fazia tempo que não tinha uma relação assim com alguém. O menino colocou na cabeça de Ona que ela precisava concorrer a records.
Após a morte do menino, Quinn se encarrega de terminar os serviços que seu filho prestava a Ona e seus caminhos se cruzam.
É uma história muito boa mas acho que não li no momento certo, se não com certeza daria mais estrelas. Fico me perguntando qual é o nome do garoto, na história os personagens só se referem a ele como "menino". Achei que não iam falar pois ia ter alguma reviravolta e o nome seria importante nisso, mas não, eles só não dizem mesmo.
comentários(0)comente



Bell 13/07/2020

A presença da ausência
A dor da perda faz brotar um desejo de querer voltar atrás e fazer tudo diferente. Quinn entendeu que isso não seria possível, então ele resolveu construir uma nova história inspirado pelo que ele conheceu do seu filho após sua repentina e precoce morte.
O menino em um milhão é aquele típico menino de 11 anos que você o descreve como um menino em um milhão. Um coração gigante, ama os seus pais, mesmo que eles não sejam perfeitos, e tem uma bondade tão profunda e contagiante em seu coração, que mesmo depois de partir inspira seus pais a serem pessoas melhores.
O menino queria eternizar a Ona, sua amiga de 104 ano e 133 dias no Livro do Recordes, mas foi Ona que transformada pelo poder da amizade desse menino o eternizou no mundo.
comentários(0)comente



Tamara 06/05/2017

*Postada na íntegra e originalmente em: http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2017/05/resenha-um-menino-em-um-milhao.html

Quando vejo em alguma sinopse que o livro irá falar de criança, quase sempre ele entra para a minha lista de leituras desejadas, pois sou apaixonada por histórias que trazem essa sensibilidade infantil, e com esse livro não foi diferente, e desde que descobri esse lançamento, ele entrou para a imensa lista dos livros que "quero ler". Porém, ao começar a história, notei que ela seria um pouco diferente do que eu imaginava. Na verdade, não sei bem explicar o que eu esperava, mas sei que não foi o que eu encontrei. Talvez, eu imaginava que Quinn fosse um personagem que transmitisse mais sentimentos, mais intensidade, e durante todo o livro o senti como alguém mecânico demais. E o menino nos foi retratado de uma maneira também mecanizada, e eu de certa forma queria entrar a fundo em sua mente, saber o porquê de ele perseguir tão intensamente esses recordes, porque era tão calado e outros detalhes para compreendê-lo melhor.
Porém, todas as reflexões trazidas nessa história foram muito importantes e para mim foram o ponto mais positivo da obra. Em primeiro lugar, achei muito interessante como nos foram apresentados os diferentes modos de cada um lidar com o luto, pois alguns ficavam calados e depressivos, outros, fingiam que nada tinha acontecido, e na vida real, as coisas seguem mais ou menos dessa forma quando perdemos alguém. Além disso, gostei muito de saber um pouco sobre a imigração para os Estados Unidos, que a família de Ona realizou, e acho que ilustra bastante como foi realmente no passado. Ainda, encontramos diversos recordes do guinness inseridos no meio da trama, e achei alguns bastante interessantes. Por fim, achei o final bastante adequado e realista, e gostei dele.
Conforme já falei, o livro não supriu minhas expectativas, e provavelmente isso se deva ao modo de narração escolhida, que foi a terceira pessoa, e a partir disso, achei a perspectiva de cada pessoa muito distante e fria, e pouco sabemos sobre os pensamentos autênticos de cada um, e essa é uma obra que tinha muito a expor sobre cada um deles, e eu adoraria ter sabido como Ona se sentia em relação a sua velhice e a essa dependência das pessoas; como Quinn se sentia verdadeiramente sobre a morte do menino, e por aí vai, pois embora tenhamos vislumbres de todas essas coisas, elas foram pouco exploradas e na formação de um panorama geral do livro, ele não me tocou muito.
A personagem que mais me despertou afeto foi Ona, com toda a sua história de vida e todos os seus anos vividos. Ainda, gostei do que nos é apresentado sobre o menino, que parece uma criança bastante isolada e solitária, e é uma criança que sofre de alguns transtornos, que nos são apresentados de forma simplista durante a obra. Quanto a Quinn e Belle, os pais do menino, não foram personagens que amei ou que odiei, simplesmente, me foram um tanto indiferentes durante grande parte do livro.
A história é dividida em vinte e seis capítulos, e durante a leitura não encontrei erros.
Recomendo para os leitores que gostam de histórias sensíveis, que passam longe de ser um romance de amor, pois esse livro traz na verdade as histórias de várias pessoas que se entrelaçam e que formam algo bonito e reflexivo.


site: http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2017/05/resenha-um-menino-em-um-milhao.html
barbarabila 19/06/2017minha estante
Então um livro que você vai gostar bastante é FORA DE MIM da Sharon M. Draper.




Dia de Livro - Jéssica Nogueira 31/05/2020

Indico
Um livro extremamente sensível, com uma delicadeza e profundidade a autora amarra uma história em volta da perda de uma criança e o relacionamento familiares em volta dela.

Amei!
comentários(0)comente



Sayuri 01/07/2020

Quentinho melancólico no coração
Um menino em um milhão vai mostrar a sensibilidade e o arrependimento de um pai ausente na vida de um filho especial. É uma história linda, engraçada e cativante, além de incrivelmente fofa uma vez que contamos com personagens que vão da infância até literalmente ao centenário. O descobri por acaso em uma feirinha de livros e com certeza ganhou um espacinho no meu coração.
comentários(0)comente



Nani 12/04/2020

Ona maravilhosa!!
Mônica nos prende numa história sensível que nos faz refletir sobre questões como: as escolhas que realizamos e as consequências; como agimos diferente diante da morte...
A única coisa que me incomodou foi o nome do menino não ser citado. E a melhor personagem foi Ona...
comentários(0)comente



Maira 24/02/2020

Um menino em um milhão
Encontrei esse livro ao acaso no site da Amazon e fiquei instigada a comprá-lo pela sinopse. Depois de alguns meses parado na estante, comecei a leitura. Tanto o título, como a capa e a sinopse chamam atenção e deixam o leitor com vontade de ler o livro. No entanto, talvez por ter ido com muitas expectativas para a leitura, acabei me frustrando um pouco. Demorei para terminar de lê-lo e confesso que terminei apenas para não deixar como leitura inacabada. O livro não é de todo ruim, me emocionei em alguns momentos, mas peca em abordar os personagens de maneira rasa e meio fria até e,por isso, não me senti cativada pela maioria dos personagens. O lado positivo está na personagem da Ona, sendo impossível não se afeiçoar por ela e por sua história de vida.
comentários(0)comente



Larissa 17/04/2020

Decepção
Espera algo emocionante e tocante mas só encontrei uma história que não tem um motivo, não sei aonde a autora quis chegar com essa história todo.
comentários(0)comente



Talita 11/03/2019

Cadê o menino ?
Comprei esse livro em um impulso, estava na promoção, a capa era linda e a sinopse era promissora, para mim o livro iria falar sobre o contato de um pai muito distante e de um menino que tinha achado uma amizade incomum e que com isso, iria acabar fazendo com que o pai encontrasse novamente seu filho.
Mas infelizmente não foi isso que aconteceu. O enredo desde o início foca somente em Quinn e sua tarefa de ajudar uma senhorinha, Ona, de 104 anos, a quem o filho gostava muito, e que ele precisa terminar essa tarefa porque sua ex-mulher Belle o mandou fazer isso, já que ele não fez nada pelo menino.
Em umas poucas vezes em que tem a participação do menino é somente pelo gravador que ele tinha, que gravava alguns pontos da vida de Ona, já que o menina tinha esse sonho de entrar para o livro dos recordes.
Pensei até que pelo menos Quinn iria ver o que perdeu esse tempo todo, mas ele nem mesmo pergunta sobre o garoto, e o livro se torna entendiante, ao ponto de eu passar mais de uma semana tentando terminá-lo.
E não é que a escrita é ruim, ao contrário, a escrita é muito boa, e complexa até. Mas a história falhou em seu objetivo de mostrar uma relação parental, ou qualquer relação.
comentários(0)comente



Maah 02/05/2017

Uma amizade que filho deixa de herança para o pai
“Um Menino em um Milhão – Monica Wood”
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
“Eu tinha um vazio em mim, e quando você é do tipo que tem um vazio,faz o quê? Procura alguém que o preencha.”
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Quinn Porter não tem mais uma família, quando tinha não era de ficar em casa cuidando da esposa e do filho, só queria sair e tocar sua guitarra não queria ficar em casa, o MENINO tinha 11 anos e Quinn nunca deu atenção, carinho, não entendia o próprio o filho, como a música era tudo que sabia queria que o menino gostasse.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
O MENINO nunca se interessou por música, gostava de recordes, sabia todos os recordes do mundo, adorara pesquisa e assuntos que o pai não entendia ou não se importava nem pouco, agora o menino esta morto e deixou sua amiga de 104 anos aflita e sem saber se conseguiria entrar para Guinness
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Ona Vitkus tinha 104 anos e estava acostumada com a vida solitária, recebia comida todos os dias e sempre tinha um menino escoteiro que ajudava com algumas tarefas de casa sempre recebeu meninos preguiçosos que não gostavam de ajudar, mas quando o MENINO chegou percebeu que com ele seria diferente.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Com o passar dos dias o MENINO ensinou muitas coisas para Ona, falou sobre os recordes do Guinness e motivou a participar de algumas categorias, como ser a mulher mais velha com uma carteira de motorista, mas isso foi antes agora o MENINO não está mais lá para ajuda-la.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Quinn ficou responsável por terminar o trabalho do filho, vai ajudar a centenária com as tarefas que ficou faltando, com o passar dos dias vai aprender muito sobre o filho com Ona que apesar de ter ficado poucos dias com o MENINO o conheceu como ninguém, ele vai aprender que esta na hora de crescer e tentar lidar com os sentimentos após a morte do filho.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
‘Um Menino em um Milhão’ é lindo, cheio de sentimentos, um homem que não sabe como lidar a morte do filho, de uma mãe que não entende pq o pai não esta de luto e de uma senhora que fala oq quer e esta lidando com a perca de um amigo e as lembranças da infância.E de um menino que era único e muito amável.Vale e pena ser lido,indico e amado, não acho que é um livro que todos vão gostar por não ter tantas reviravoltas, eu li bem rápido e adorei.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀

comentários(0)comente



Luly 16/04/2020

? Incrível! ?
Ainda estou com aquela sensação de êxtase. Nossa, que história mais encantadora e profunda. Quem sabe o que é ler um livro e descobrir que aquela leitura foi, sem dúvida alguma uma mensagem para a vida e não só uma simples história, sabe do que eu estou tentando expressar aqui. A história de Ona é de colocar qualuqer ser humano pra pensar no significado de sua própria existência. O fato de uma criança de 11 anos, com uma personalidade tão diferente, quase imperceptível, ser capaz de aproximar tantas pessoas diferentes é inacreditável. Eu me apaixonei por essa leitura. Simplesmente passou a ser uma das minhas preferidas. Esse livro, estará na minha lista de favoritos por toda a eternidade e essa história, será lembrada por mim até o último suspiro! ??
Parabéns a autora Monica Wood. Obrigada por ter escrito essa preciosidade.???
comentários(0)comente



Marcos.Alexandre 14/05/2020

O Menino em um Milhão
Comprei esse livro sem muitas expectativas. (levei só porque estava 10 reais).
Indico para todos que procuram uma leitura leve e bem fluída. Personagens carismáticos, com destaque para a senhorinha de 104 anos (ONA VITKUS TE AMO!!!) Um livro muito bonito e emocionante.
comentários(0)comente



victor lopes 04/11/2019

Fiquei bem apaixonadinho por esse livro.
É totalmente fofo e trata do luto de uma forma tão natural e diferente do que já li antes. A sensação que eu tenho é que o luto dos personagens, principalmente do Quinn, é um processo que vai se estendendo ao longo da narrativa, sem uma grande epifania que o faz ver as coisas com outros olhos. Tudo é construído de forma a levar a esse crescimento e evolução dos personagens e suas relações.
E justamente todos os relacionamentos é que fazem o livro ser tão bom. Sinto que é uma história sobre relacionamentos, simples assim, tudo levando aos demais pontos da história.
E o ponto alto de todos esses relacionamentos, quem é a cola entre eles e o motivo para tudo acontecer, é a Ona. Adorei ler uma personagem idosa, tão carismática e peculiar. A história de vida dela é tão verdadeira que parece impossível que ela seja inventada.
É realmente um livro que merece mais leitores, o tipo de livro que gostaria que muito mais pessoas lessem, então fica a recomendação!
comentários(0)comente



Paulinha - @ladaminhaestante 06/06/2020

Sensível e emocionante
O livro conta a história de Ona Vitkus, uma centenária lituana e juntamente dela a de um menino e seu pai.

Os capítulos são divididos, hora com o menino e Ona, hora framentos da história de vida de Ona, desde os tempos da Lituania como o presente e, depois que o menino se vai, passa a contar a vida de Quinn (pai do menino) e Ona.

Essa divisão, intercalando os momentos deixou a leituramais fluida, dando tempo de o leitor processar cada capítulo de informação.

Sobre a história, é de uma sensibilidade ímpar, que emociona, que angustia em determinados momentos, é triste, mas também linda e até bem humorada em alguns diálogos.
Ver como a morte tem o poder de modificar os que aqui ficam é muito real neste livro.

Também revela a amizade improvável nascida entre um guitarrista e uma idosa de 104 anos nasce por intermédio de um garotinho peculiar de 11 anos. E onde suas escolhas (certas ou erradas) podem levá-los.
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3