O Segredo dos Corpos

O Segredo dos Corpos Ron Franscell
Dr. Vincent Di Maio




Resenhas - Morgue: A Life in Death


41 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Gramatura Alta 27/07/2017

Ler O SEGREDO DOS CORPOS me tirou de uma ressaca literária daquelas... Nessa obra, acompanhamos a trajetória do renomado patologista e perito aposentado, Vincent Di Maio, que trabalhou por anos como médico legista, chegando a fazer mais de 9 mil necrópsias. Di Maio foi a peça chave de várias investigações criminais e julgamentos muito importantes das últimas décadas, tendo recebido premiações e ajudando a fazer justiça em vários crimes com seu trabalho acurado.

O SEGREDO DOS CORPOS não é indicado para menores de 18 anos por possuir conteúdos bastante violentos. Nele, acompanhamos casos que envolvem mortes de bebês, crianças e outras pessoas inocentes, o que pode despertar certa revolta no leitor, ainda mais quando o desfecho dos julgamentos não saem como o esperado. Diferente do que muitos imaginam, o livro não é tão focado nos procedimentos realizados em autópsias, e, sim, na importância de um trabalho bem feito por legistas e outros profissionais responsáveis, que terão papel determinante na solução de crimes.

Inicialmente, o autor nos conta sobre sua vida: sua infância, a família, a influência de um pai médico (muito renomado em sua época), como foi cursar Medicina, o que o levou a escolher a patologia forense e como construiu sua própria carreira. Logo após, Vincent começa a narrar diversos casos polêmicos para nós leitores: assassinatos, mortes suspeitas de um número impressionante de crianças em um hospital, crimes envolvendo pessoas famosas, injustiças cometidas por erros de investigação, conflitos raciais, etc.

O autor nos apresenta casos criminosos em que o trabalho dos médicos-legistas foi decisivo no julgamento dos suspeitos. Ao longo da leitura, é evidenciada a importância de um trabalho meticuloso para conclusões de casos, pois: as afirmações de um legista podem inocentar ou incriminar suspeitos, uma constatação equivocada pode colocar a pessoa errada atrás das grades ou no corredor da morte e é essencial a imparcialidade e honestidade ao relatar as descobertas de uma necropsia. Um legista tem a função de fazer seu trabalho da melhor forma possível e expor tudo com veracidade, sem se deixar influenciar por opiniões públicas, familiares da vítima ou advogados de defesa; porque as outras pessoas, durante investigações e julgamentos, deixam seus sentimentos influenciarem suas opiniões e atitudes, o que não é aceitável no trabalho de um perito.

Médicos legistas buscam identificar verdades que a morte deixa para trás, como fragmentos de bala, pedaços de ossos e lascas de pele, a fim de transformá-los em justiça; no entanto, são necessárias pessoas confiáveis para realizarem essas interpretações da ciência e ajudarem em investigações da forma correta.

Vincent Di Maio expõe suas opiniões criticamente (numa linguagem mais informal em alguns trechos, com direito a palavras chulas), acerca de temas variados: família, morte, vida, sentimentos, justiça, crimes... E essas opiniões me surpreenderam bastante, porque o livro, em geral, é muito expositivo, mas há momentos em que ele faz questionamentos que colocam o leitor para pensar sobre assuntos um tanto quanto polêmicos, além de expôr seus pensamentos sobre casos em que trabalhou.

É muito cativante a forma que ele encara seu trabalho com cadáveres, dizendo que, em todas as autópsias que realiza, vê aqueles cadáveres como uma casca do que uma pessoa já foi um dia, somente um corpo sem alma e sentimentos. Essa é uma forma de diminuir a carga emocional de um ofício bastante pesado e evitar questionamentos que nunca terão respostas sobre a vida de alguém que já se foi.

A narrativa destaca como a morte é um evento social que afeta muito mais os vivos que os mortos. Tudo que acontece e é descoberto após a perda de um ente querido, principalmente em mortes suspeitas, tem grande impacto na vida de família e amigos. A forma como alguém morre (Natural? Assassinato? Suicídio?), pode chocar todos por contrariar tudo aquilo em que acreditavam. Muitas famílias preferem ouvir que seu querido filho foi brutalmente assassinado, do que saber que ele se matou. E muitas delas esperam que esses profissionais as ajudem a manter essa ilusão de que seu ente querido era feliz e nunca se machucaria. No entanto, o legista tem que dizer a verdade, independente da reação que virá a seguir.

É falado também sobre o quanto os seriados policiais (CSI, NCIS e outros), fazem essa profissão parecer tão glamorosa, o que não é verdade. Produtores e roteiristas não se preocupam em mostrar a realidade científica, eles produzem aquilo que os telespectadores querem ver (cenas macabras com sangue falso e muitos conflitos, que sempre resultam na solução ideal dos crimes). Muitos patologistas acabam abandonando a profissão, piorando a escassez de médicos nessa área.

O livro lançado pela editora Darkside, que fez um trabalho impecável na edição, tem: capa dura, desenhos e fotografias muito bem selecionadas para complementar a obra, folha de guarda lindíssima, fita de cetim para marcar páginas, tem até o desenho de um bisturi na lombada. A única reclamação é o tamanho da fonte do texto, achei bem pequena (pessoas míopes entenderão). Outro ponto que para mim foi bastante negativo, são os capítulos grandes, o que torna a leitura um pouco cansativa em dados momentos. Mas, em suma, a leitura é muito interessante, indicada para os curiosos sobre mortes, crimes e investigações. É uma narrativa que coloca o leitor para refletir muito sobre morte e justiça

RESENHA ESCRITA PELA SARA PARA O GETTUB!

site: http://www.gettub.com.br/2017/07/o-segredo-dos-corpos.html
comentários(0)comente



Simone de Cássia 21/10/2017

Queria que esse livro tivesse 500 páginas ao invés de 250... Fantástico! Claro, a gente tem que gostar muito do assunto estilo investigação criminal, mas o autor tem uma postura tão linda, tão íntegra e uma forma de narrar tão doce que dá vontade de sentar e conversar com ele. Amei cada página e já decidi que será um dos livros estilo" para sempre comigo". A edição também é linda, enfim, livro totalmente demais!
Tereza 23/10/2017minha estante
Eba!!! Passando para a lista das prioridades! :)


Tereza 23/10/2017minha estante
Aliás, emprestei Segredos de Sangue (da Tess Geritssen) para a Claudia hoje. Se você quiser, depois disponibilizo também para você e a Tecla! Bjs!


Simone de Cássia 24/10/2017minha estante
Quero sim, Tereza, obrigada! Quanto ao SEGREDO DOS CORPOS, tenho certeza de que vc vai amar!


Tereza 25/10/2017minha estante
Vou avisá-la então! A Tecla também vai querer, aí vocês duas lêem. :) Beijo, querida!


tecla ede 05/11/2017minha estante
Vou sim querida obrigado




spoiler visualizar
Arlete 29/05/2017minha estante
undefined




Livroseliteratura 17/07/2017

Resenha do blog Livros & Literatura
Desde criança, sou fascinada por Medicina Legal. Enquanto alguns classificam como mórbido, eu simplesmente encontro neste ramo de estudo respostas cujas perguntas são levantadas pelas mais diversas áreas profissionais.

Não à toa, publiquei um detalhado artigo sobre o assunto, já reproduzido internacionalmente.
Sem pudor algum ao me despir da modéstia, a publicação é a minha menina dos olhos.

O especial interesse pelo assunto, aliado à beleza visual da obra, geraram altas expectativas. Mergulhei na leitura tentando encontrar no texto toda a proposta divulgada pela editora e, de alguma forma, me decepcionei.
A escrita é fluida em alguns momentos e monótona em outros tantos. O suposto histórico da Medicina Legal me pareceu mais autopromoção do que um compêndio da trajetória da ciência. Expõe muito mais a biografia do profissional e de sua família do que discorre sobre a Medicina em si.

Não é uma obra que acrescenta repertório científico, mas é um bom passatempo. Acessível, inclusive, a quem não tem familiaridade alguma com o tema, pois a linguagem não é técnica e os poucos termos médicos utilizados são bem explanados.

O capítulo dedicado a Van Gogh me chamou especial atenção e foi, para mim, o mais interessante.

É um bom livro, mas que tem maior foco na especulação dos fatos narrados do que na Medicina.
_
Acompanhe minhas aventuras literárias em www.instagram.com/livroseliteratura

site: www.instagram.com/livroseliteratura
comentários(0)comente



Blog Stalker Literária 28/11/2017

Simplesmente incrível
Eu sou fascinada pela linha Crime Scene da Darkside, porque eu simplesmente amo séries criminais, séries como assassinatos e serial killers, esses mistérios me deixam eufórica. Quando eu soube do lançamento de O Segredo dos Corpos meu coração pulou uma batida, porque seria a combinação do tema que eu ja amava: a investigação criminal, com um cenário mais “médico” que me fascina desde criança, pois como minha tia-mãe trabalha em hospital desde pequena eu vivo cercada com histórias de corpos, cadáveres e acidentes… Então esse livro seria perfeito pra mim.

E para os mais fracos de coração já aviso, esse livro contém temas fortes é claro, mas eles são escritos de uma forma bem mais leve e nada didático, podem ficar tranquilos que vocês não irão ver ou ler -muito- sobre sangues e tripas por aqui. Não deixem o medo do título ou assunto assustar vocês, garanto que é uma ótima leitura!

Nas páginas desse livro vamos revisar os casos mais importantes do doutor Vincenti Di Maio, patologista forence que conviveu com a morte desde criança, já que seu pai foi um dos primeiros profissionais a serem reconhecidos nessa profissão na América.

Também vamos aprender bem mais sobre essa profissão, que nos filmes e seriados parecem tão glamourosas, eletrizantes e ‘limpinhas’, mas que na prática não tem nada de glamourosa, pelo contrário: além de ter o salário mais baixo da classe dos médicos esses profissionais nem sempre pegam assassinatos eletrizantes, tem que encarar o fedor da decomposição diariamente, precisam lidar com familiares, com tribunais… E isso acaba afastando os novos médicos, explicando a falta de tais profissionais qualificados no país, o que acaba levando a negligência em muitas necropsias e muitos crimes que passam despercebidos e cidadãos que são condenados injustamente.

Uma das principais falhas nesse ramo são dadas pelos ‘Coroners’, que são pessoas normais e sem nenhum estudo médico que realizam as necropsias em algumas cidades sem ao menos saberem realmente o que estão fazendo. Estes são eleitos pelo povo (assim como elegemos vereadores, por exemplo) e muitas vezes só ocupam aquele cargo em busca do prestígio e dinheiro. E o curioso é que mesmo isso sendo completamente ultrapassado, eles estão em cerca de 40% das cidades dos Estados Unidos.

Diferente do que o leitor pode imaginar quando vê a capa desse livro ou lê a sinopse, Dr. Vincent não foca somente em procedimentos legistas de modo a deixar o livro ‘didático’ e ‘monótono’, acredito que isso se deva muito ao fato de ele ter sido escrito ‘à quatro mãos’ com o autor Ron Fransecell. Aqui vamos aprender a importância desses profissionais que estão sempre em segundo plano, ver a realidade crua e nua dessa profissão, todos os problemas e as gratificações que ele trás e principalmente seu conhecimento sobre a morte, que é um evento social.

Os capítulos do livro são divididos em casos que o Dr. Vicenti trabalhou, alguns mais famosos e outros bem peculiares, mas em todos somos agraciados com uma narrativa brilhante de suspense, onde vamos entender um pouco mais da história antes do crime, como ocorreu o envolvimento do médico e é claro a tão aguardada resolução. É como se lêssemos vários livros dentro de um livro, e em todos os capítulos o médico vem sorrateiramente nos ensinar um pouquinho mais sobre a morte, a profissão e muitos outros aspectos da vida dele que o ajudaram a chegar aonde chegou hoje.

Vemos aqui como uma má interpretação de uma ‘prova’ no cadáver pode colocar pessoas inocentes na prisão ou libertá-las quando feitas de maneira correta. São capítulos bem realistas e sem nenhuma ‘máscara de embelezamento’, onde nos é apresentado que a Justiça muitas vezes é falha, e profissionais como Dr. Vincenti acabam sendo a peça chave para contar o que realmente aconteceu à aquele cadáver, dar voz àquele que já não pode mas falar por si.

Outros ensinamentos incríveis transmitidos nessa leitura são sobre a aceitação da morte como um processo natural a todo ser humano. As reflexões de alguém que trabalha tão perto disso todos os dias vão te levar a pensar mais sobre tal tema que é considerado um tabu desde sempre, e quem sabe assim encara-lo de outra maneira ao finalizar essa leitura.

O segredo dos corpos é um livro muito interessante para quem gosta de uma literatura investigativa e que mostra os bastidores de uma investigação criminal, aquela parte que nunca tem seu foco, mas que sem ela não há nem crime. É um livro que mostra a verdade sem florear a profissão que não é nada fácil e ainda por cima é tão mal remunerada e tão sem profissionais. É um livro forte que vai mostrar que nem tudo que aparenta é verdade, e que os corpos tem muitos segredos a revelar quando você está disposto a escutar com atenção.

site: http://www.stalker-literaria.com/2017/10/resenha-o-segredo-dos-corpos-ron.html
comentários(0)comente



Rose.Agra 27/10/2018

O livro é bom, porém o autor, por vezes, força demais para agradar os clientes que o contratam. Achei tudo bem mercenário para falar a verdade. Só gostará quem curte investigação criminal.
comentários(0)comente



Carol Ferro @lendocomcarolf 06/08/2019

Resenha @lendocomcarolf
Sinopse: (...) O que realmente acontece em uma autópsia? Você não precisa mais morrer de curiosidade (...) Ler o segredo dos corpos é como estar dentro de um necrotério, participando de uma verdadeira aula sobre patologia criminal.

É um livro é diferente de tudo que eu já li. Confesso que comprei pela capa, nem preciso dizer o porquê. Saí da minha zona de conforto com esse livro, primeiramente por ele ser sobre casos que realmente aconteceram, terminava um capítulo e ia direto no Google ver se foi verdade mesmo. Segundamente por ele ser mais sobre a área médica, que é algo que me interessa. Não dei nota máxima porque acho que alguns capítulos focaram mais nos crimes do que na autópsia em si, e também por alguns capítulos não terem um fim muito conclusivo, mas por ser história real, a gente até entende né!?

Cada capítulo fala sobre um crime que aconteceu, e esse crime se relaciona com as autópsias que foram feitas nas vítimas. Fiquei bastante chocada com alguns casos e, pra mim, o melhor foi o capítulo 9.

Recomendo pra todos que gostam de histórias reais, principalmente quando envolvem crimes.
Sem contar que essa edição da darkside é incrível, desliza as fotos para ver mais detalhes.

- Um dia após os corpos serem encontrados, um detetive compartilhou sua teoria de uma possível ligação entre o crime e rituais satânicos com um agente do juizado de menores. -
comentários(0)comente



Laura.Sanches 01/07/2019

?O segredo dos corpos? foi um livro que muito me cativou, não pelo assunto, mas pela ideia de impessoalidade que o autor tenta trazer pra autópsia, o profissionalismo de cada descrição é fantástico! Acredito também que é interessante para contar um pouco da história de como se instaurou nos EUA os patologistas forenses e como até hoje é uma área pequena, talvez até desvalorizada. As descrições das feridas em cada caso é muito interessante do ponto de vista de aprendizado, principalmente pelo autor ser especialista em balística. Enfim, gostei muito da leitura e a recomendo para todos os curiosos como eu!
Raissa 01/07/2019minha estante
Que legal Lau!




Raul G. M. Silva 01/01/2019

Afinal, do que se trata este livro?
Sabe quando você se depara com um texto que aparentemente foi exagerado para se tornar mais dramático ao leitor? Pois é o que acontece aqui, os relatos são muito interessantes, mas às vezes, parece que estou lendo o roteiro de uma série de TV e não o relato de um médico patologista sobre um caso real.

Não que o livro seja de todo ruim, afinal, é preciso tornar o texto ?entendível? para leigos da patologia forense e esse é sem dúvida um dos pontos fortes do livro. Contudo, muitas vezes, parece exagerado demais e o texto fica mais parecido com um documentário sensacionalista do Discovery do que com um livro com histórias reais. O autor, ou autores, acabam por sua vez, ganhando pontos com o leitor por escolherem uma forma simples de contar as histórias, fazendo uso vários paralelos com outros casos famosos e de grande repercussão na construção do texto. O que faz com que o livro acabe se saindo bem mais narrativo do que eu pensei que seria a primeira vista.

A narrativa começa com um caso de assassinato de um jovem rapaz negro que foi morto por um homem branco, o que acaba gerando uma grande repercussão nos EUA, principalmente com questões sobre as armas e a luta pelos direitos civis da comunidade afro-americana e termina com um polêmica envolvendo a morte de Vincent Van Gogh. O panorama dos casos é traçado de uma maneira bastante "romantizada", a única coisa que realmente leva o leitor a ter um frio na barriga é o fato de estes casos serem reais. O livro, na verdade, lembra bastante aqueles documentários do History Channel sobre crimes bárbaros ou perseguições históricas a seriais killers.

O Dr. Di Maio adota uma mesma fórmula ao longo de todo o livro: explana a partir do crime e do que aconteceu, passando pelo ocorrido no dia do crime, pela história da vítima - ou vítimas - e todos os envolvidos no caso, até como a mídia influencia as pessoas com suas próprias deliberações que não vão além do que se diz sobre o que aconteceu, muitas vezes sem examinar os fatos, formando "detetives/investigadores de poltrona" como o próprio autor chama as pessoas que emitem opiniões sobre assuntos que não compreendem ou não têm conhecimento suficiente para compreender. A partir disso ele discorre sobre os aspectos forenses do caso e explica como chegou as conclusões sobre o ocorrido através dos métodos científicos, sempre salientando a imparcialidade da ciência e do perito forense.

A forma de expor os casos é muito interessante e visa a total compreensão do leitor, de modo que, apesar de ser um livro meio técnico sobre crimes, investigação e patologia forense, é muito simples entender como funcionam as investigações e como ocorreram os crimes. Porém, apesar de ser bastante fluído, o livro peca com repetições desnecessárias de informação. Por exemplo, os autores deixam bem claro, o tempo todo, que têm segurança naquilo que estão dizendo e que dominam o assunto. Porém, ficar reafirmando inúmeras vezes o compromisso que têm com a verdade das provas, meio que da margem a algumas interpretações como a de que dizem isso apenas pra se resguardar de processos futuros ou que na verdade estão mais preocupados com suas carreiras, não com os casos, e que dizem isso apenas na tentativa de convencer o leitor a não pensar o contrário. No final eu fiquei meio na dúvida se deveria ou não acreditar no que dizem. O livro, por fim, acaba se transformando em um documento de defesa ao trabalho do patologista forense, que na visão dos autores é baste mal visto pela comunidade médica e muitas vezes mal compreendido pela comunidade jurídica.

Outro aspecto que me deixa com a pulga atrás da orelha, é a tendência do Dr. Vincent di Maio parecer ser meio arrogante e cheio de si em alguns trechos. A impressão que fica é de como se o trabalho de outros nunca fosse tão bom quanto o dele. Não sei se isso se deve a tradução do texto ou a escrita do coautor Ron Francell, mas essa é a sensação que tive em muitas partes do livro. Porém, em outros momentos, o mesmo também se revela bastante humano e emotivo em relação aos aspectos do caso e das pessoas envolvidas. Dessa forma, não consegui formar uma opinião a respeito dele.

No final, o que posso dizer com certeza é que o livro nos dá um novo olhar sobre o trabalho do patologista forense que, em algumas ocasiões, é retratado como um esquisitão que aparenta ter um fetiche com a morte e em outras como um super-herói que precisa resolver sozinho o quebra-cabeça com suas ferramentas tecnológicas de alto nível, por que os outros são incapazes disso. Nesse ponto, os autores foram eficientemente capazes de nos mostrar a verdadeira face desse trabalho, suas principais dificuldades longe das soluções milagrosas das séries de TV, mostrando que nem tudo é como pinta CSI.

Raul G. M. Silva.
comentários(0)comente



Ronaldo 07/02/2019

Quando li a sinopse na contracapa achei que se tratasse de um livro que retratasse a rotina de uma sala de autopsia, mas não é bem isso. A editora forçou um pouco vendendo-o como algo bem mais macabro do que realmente é. O autor se foca muito mais nos desdobramentos jurídicos dos casos em que atuou do que em relatar as peculiaridades de um necrotério, mas isso não quer dizer que me decepcionei com a leitura. Muito pelo contrário, foi um livro que me chocou, me emocionou e, principalmente, me revoltou. É impressionante o amor que o Doutor Vincent di Maio tem por sua profissão, desempenhando-a da maneira mais honrosa. Ele fala dos mortos de um modo tão respeitoso, descreve sua carreira de maneira tão apaixonada e se empenha tanto em trazer a luz em casos tão mirabolantes que não há como não sentir uma profunda admiração por esse profissional. Há diversos tipos de casos no livro, mas o ponto em comum entre todos eles é o quanto o papel da perícia forense é fundamental pra definir os rumos de um processo criminal. Uma má perícia, que por sua vez é interpretada de maneira tendenciosa por investigadores que tentam encaixar os indícios dentro de suas teorias pré-concebidas, pode dar um aspecto totalmente distorcido à resolução de um crime. Some-se a isso a opinião publica incitada por uma imprensa sensacionalista, advogados incompetentes e um sistema judicial desinteressado e o destino de um suspeito pode ser definitivamente comprometido, tanto no sentido de absolver um culpado quanto no de condenar um inocente, o que é bem comum. Por incrível que pareça, mesmo que surjam pistas da inocência de um réu após sua condenação, muitos tribunais se recusam a fazer um novo julgamento para poupar custos, evitar processos indenizatorios e expor a ineficiência de um sistema que deveria existir para proteger a sociedade das injustiças. E isso nos Estados Unidos, um país de primeiro mundo. Pessoas inocentes podem passar o resto da vida na prisão só por que um pequeno grupo prefere "evitar a fadiga". É impressionante o quanto alguns casos tiveram uma perspectiva totalmente diversa após um exame mais eficiente dos indícios criminais. Há sim nesse livro, casos em que a medicina legal ajudou a colocar assassinos terríveis na prisão, evitando assim que crimes hediondos se perpetuasssem, mas isso não tira o gosto ruim que fica da injustiça a que todos estamos sujeitos.
comentários(0)comente



Sabendo Ler 16/01/2019

Surpreendente!
O livro nos relata casos que construíram a reputação do Dr. Vincent Di Maio, um dos mais renomados médicos forenses dos EUA, que a mais de 40 anos vive desvendando os segredos daqueles que vão parar em sua sala. .
.
Da exumação do suposto assassino de Kenedy, passando pela morte do adolescente Trayvon Martin, caso de grande repercussão nos EUA, relatos de casos de diversos serial killers que aterrorizam o imaginário popular chegando até mesmo a ter um capítulo especial onde o autor questiona o suicídio de Vincent Van Gogh. O livro nos leva a ter uma nova visão de todos esses fatos, sempre visto pelos mortos, pois os corpos contam uma história e essa história nem sempre é o que esperamos. .
.
O livro é recomendado para maiores de 18 anos 🔞 devido ao forte conteúdo. Nele a verdade é nua e crua. Também somos apresentados aos desafios e curiosidades da profissão. Pra quem gosta desse tipo de leitura eu super recomendo. Na verdade recomendo toda a linha Crime Scene da DarkSide

site: https://www.instagram.com/p/BoNLK9SHJHF/
comentários(0)comente



Júlia Morales 12/03/2019

O segredo dos corpos
O livro é bom, mas dá mais importância para o desfecho dos casos do que para o exame do corpo feito por um patoligista forense.
comentários(0)comente



Thata 28/05/2018

Simplesmente Apaixonada!
É incrível! Já fazia muito tempo em que eu não lia um livro tão espetacular assim. A escrita te envolve de uma forma única, daquelas que você não consegue parar enquanto não termina. Confesso que a destreza do autor ao abordar o assunto é muito realista, de modo que podemos ver que não é um ''mar de rosas'' igual vemos em filmes/séries, a forma como ele lida com o assunto, e o quanto é apaixonado pelo que faz é de uma magnitude sem comparação. Ser patologista forense não é fácil.
O Segredo Dos Corpos é daqueles livros que você pode-se ver ali, com o autor, escrevendo e se imaginando ter uma profissão arriscada mas que de fato, vale a pena. Mesmo com as dificuldades... Esse sim, será um livro que vou levar pro resto de minha vida. Para sempre.
comentários(0)comente



Simone Guimarães 03/06/2019

O segredo dos corpos
Amei o livro, apesar de achar que eles podiam ter focado mais nos detalhes da necropsia, pra mim foi um livro que valeu super a pena.
comentários(0)comente



Camila Justi | @JustiBooks 29/06/2017

Saindo da Zona de Conforto!
O Segredo dos Corpos é um livro totalmente diferente de tudo que já li até hoje. Nele o autor relata um pouco da sua trajetória de 45 anos de profissão até chegar a ser um reconhecido médico patologista forense especializado em mortes por armas de fogo.
??
Segundo ele, "Não se faz necropsias em pessoas e sim em cadáveres. Pessoa é algo vivo, vibrante e único. Cadáveres são apenas o que elas deixaram para trás. ??
Dentre os casos citados no livro, está um dos mais chocantes, o da assassina em série de bebês Marta Woods, que matou seus próprios filhos naturais e adotados.
??
?Esse é do tipo que te tira da zona de conforto mesmo. Os relatos dos crimes são bem intensos, mas muito interessantes. Achei que pudesse se tornar chato de ler, mas pelo contrário, foi muito instigante e pude aprender muita coisa com ele.
comentários(0)comente



41 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3