A Caixa-Preta

A Caixa-Preta Michael Connelly




Resenhas - A Caixa-Preta


7 encontrados | exibindo 1 a 7


Hester 01/04/2020

Bonzinho, mas achei muito lennnnnttto!
Alcione 01/04/2020minha estante
Não gosto muito desse autor


Hester 01/04/2020minha estante
Já li um ou dois bons, mas este deixou a desejar.


Alcione 01/04/2020minha estante
Ultimamente estou muito chata. Principalmente com policiais.
Dele já leu O espantalho?
Se sim, recomenda?


Hester 02/04/2020minha estante
Não, não li. Vou das uma olhada tb.


Alcione 02/04/2020minha estante
Depois verei suas impressões


Santuza 01/07/2020minha estante
Também achei lento.


Santuza 01/07/2020minha estante
Eu gostei. Falto comprar e ler o quarto.




Virgílio César 15/10/2019

Excelente livro que mostra o passo a passo de uma investigação de um crime que ocorreu vinte anos atrás. Em pequenos detalhes o detetive Harry Bosch vai evoluindo para solucionar o assassinato. Este livro mostra a capacidade fantástica do autor Michael Connelly de desenvolver uma trama bastante inteligente, Não dei nota máxima pois em algumas partes ficou um pouco cansativo e o final poderia ser melhor. É um livro muito bom, mas não o melhor do autor.
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 09/09/2019

Em A Caixa-Preta, o detetive entra em cena para investigar o caso da jornalista sinamarquesa, Anneke Jespersen, assassinada durante uma onda de protestos em Los
Angeles em 1992. A polícia nunca tivera nenhuma pista sobre o caso, ela foi encontrada num
beco de um bairro barra pesada da região e na data do assassinato conseguem saber apenas qual o tipo de arma fora usada no crime através da bala retirada do corpo. Porém, o
objeto em si, nunca estivera em posse da polícia. Vinte anos depois, Harry Bosh tem uma nova chance para descobrir o mistério por trás da execução de Anneke e do porquê acabou sendo um alvo.

Empreste esse livro na biblioteca pública

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788565610037
comentários(0)comente



Vanessa 14/08/2019

A série Harry Bosch do Michael Connelly é uma das melhores, e esse livro não decepcionou. Ótimo!
comentários(0)comente



Monsanto 01/09/2018

Mais uma do Hieronymus
Como sempre o detetive Bosch demonstra seu lado mais despojado porém sempre em busca da lei,,,; a sua maneira e com a filosofia de vida que é peculiar a esse personagem o dia a dia é uma batalha constante frente as adversidades do mundo cruel que cerca a vida policialesca de LA e seus arrabaldes.

O passado de guerra está sempre presente e aqui mais uma vez se manifesta nesse continuum de Bosch o qual dessa vez remonta ao passado recente nos momentos de conflitos raciais e desajustes sociais em função das guerras que seu país sempre está envolvido, mas nem por isso o protagonista abandona seu lema em princípios frente a um estranho e não fechado caso de assassinato de uma jovem jornalista dinamarquesa....

É nesse cenário denso e cheio de suspense que a trama se desenrola com a presença marcante desses que para mim é um dos detetives mais amados!

Vale a leitura de cada letra!

[ ]´

P.S.: realmente o livro é muito legal para quem gosta do estilo e padrão de trama do autor..., no meu caso fez até que eu parasse (temporariamente) a leitura da biografia de Da Vinci, então....
comentários(0)comente



Marriete 01/07/2018

A Caixa-Preta ? Resenha Autor: Michael Connelly Editora: Suma de Letras ISBN: 9788556510037 Pág: 301
Anneke Jespersen, uma fotojornalista dinamarquesa perdeu sua vida durante os processos ocorridos em Los Angeles em 1992, decorrentes de um conflito racial e social. O encarregado de periciar o corpo na época foi o detetive Bosch, mas, em meio ao caos, não era possível prosseguir com a investigação da forma devida. Aliás, nem houve de fato uma investigação e o caso foi deixado de lado por vinte anos. Durante todo esse tempo Bosch não conseguiu esquecer Anneke, e, quando teve oportunidade, decidiu tentar elucidar o assassinato da moça.

Embora soubesse de poucos fatos, várias pistas, ainda obscuras, surgiram durante a investigação. Pistas essas que aos poucos encaminharam Bosch para a possível solução do caso. Quanto mais avançava, mais perigosa se tornava sua jornada, e, como se isso não fosse o bastante, o detetive ainda tinha que lidar com a prepotência de seu superior imediato, que se preocupava apenas com os números e com a imagem desgastada da agência a qual representava.

Bosch é um detetive determinado que, no momento em que se envolve em um caso é incapaz de largá-lo até vê-lo solucionado. Seu lado humano é palpável e muito comovente. É muito bom ver um personagem em seu todo, com suas qualidades e defeitos, não somente uma faceta ou um esboço, e, Michael Connelly explora isso muito bem.

Sou fã de romances policiais, mas, é a primeira vez que leio um trabalho desse autor, e, como me identifiquei com seu detetive, pretendo ler outros de seus livros e conhecer mais sobre Bosch e seus casos.

A Caixa-Preta é um livro eletrizante do começo ao fim, o enredo é muito bem encaixado, não encontrei pontas soltas. Enfim, um ótimo trabalho e que merece ser apreciado. Recomendo.

#ACaixaPreta#MichaelConnely#Resenha#MarryAquinnah#AutorInternacional#LiteraturaEstrangeira#Mistério#RomancePolicial#EditoraSumaDeLetras#AmoLer#Instabooks
comentários(0)comente



Fernanda @condutaliteraria 11/09/2017

Em 1992, a polícia de Los Angeles está em apuros com uma onda de protestos que assola a cidade, em meio ao caos, Anneke Jesperson, jornalista, é encontrada morta em um beco, porém com toda confusão da época seu caso acabou sem solução e foi arquivado.

Vinte anos depois, Harry Bosch, policial de homicídios do caso anterior, está em uma nova investigação e tudo indica que o crime atual está relacionado ao assassinato de Anneke.

Bosch, que já não tinha ficado satisfeito com o arquivamento da morte de Anneke, dessa vez entra com tudo na investigação, ele quer justiça à jornalista assassinada.

Só que como a morte ocorreu há duas décadas atrás não será nada fácil juntar as peças desse enigma, porém, Bosch é persistente e vai provar que nada é impossível.

A única pista que ele possui é uma Beretta 92, usada pelo exército de Saddan no Kuwait. O que leva a crer que exista muito mais por trás da morte de Anneke, até mesmo uma conexão à Guerra do Golfo.

"Jespersen fora atrás de mães e filhos e das pessoas mais prejudicadas e desprovidas pela guerra. Talvez fossem apenas palavras e imagens, mas juntas contavam o lado humano e o custo de uma guerra tecnológica e suas consequências."

A escrita do Connely é bastante eletrizante, o autor sabe dosar muito bem o suspense com diálogos inteligentes e personagens bem construídos, o que faz com que o leitor fique preso a cada página e torna a leitura muito mais rápida. Você quer saber o final!

Bosch é um personagem que cativa, por sua determinação e por ser totalmente destemido, não se dobra aos obstáculos, é firme em suas ações e seu modo de investigar é ímpar.

O que é legal é que para quebrar um pouco o clima pesado da investigação temos algumas partes também de Bosch com sua filha Maddie, uma jovem de 15 anos, bastante inteligente e observadora, que já sonha seguir os passos do pai.

A Caixa Preta é uma trama bem desenvolvida e excelentes personagens. Todas as camadas que envolvem o mistério sobre a morte de Anneke são bem descritas e convincentes.

"Era uma investigação padrão. O modo mais eficiente e rápido de acabar com uma conspiração era identificar o elo mais fraco da corrente e encontrar um jeito de usá-lo. Quando um elo era rompido, a corrente se desmanchava."

Esse foi o primeiro livro que li do autor e fiquei muito satisfeita. Repleto de ação, mistérios e intrigas, A Caixa Preta é um suspense de tirar o fôlego de qualquer um!

A diagramação está perfeita e a capa, apesar de simples, fala muito da história. Adorei e já quero ler outro do autor!
comentários(0)comente



7 encontrados | exibindo 1 a 7