O Véu

O Véu Willian Nascimento




Resenhas - O Véu


38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Ana Júlia 19/02/2013

O Véu - Volume um. Willian Nascimento
Um viva para os autores nacionais! Em especial para Willian Nascimento autor de O Véu. É um dos melhores livros que já li na vida. Confesso que quando minha tia me passou o livro (por PDF) eu enrolei o máximo que pude antes de começar a ler, devido ao velho preconceito por autores nacionais e, também, porque a sinopse não me chamou a atenção. As quinze primeiras páginas me fizeram abandonar o livro por um tempo. Mal sabia eu que estava cometendo um grande erro. Bem, graças a um chamado do destino eu retomei a leitura e vi uma história fascinante, bem elaborada e envolvente se desenrolar diante de meus olhos.
Ana era uma garota comum, ou quase, já que suas tias, Teresa e Samanta, eram Druidisas (aqueles que recebem seus poderes de espíritos ligados a natureza). Com elas a menina aprendeu a acreditar na magia. Em uma noite, enquanto Ana voltava da casa de suas tias, o vento trouxe uma voz aos ouvidos da garota: o prenuncio do assassinato de Teresa e Samanta. Ana avisa seus avós e ela e a avó voltam para a casa das tias a fim de ver se estava tudo certo, porém acabam presenciando a explosão da casa das duas mulheres e Ana viu algo dentro da casa, e aquilo havia matado suas tias.
Após muitas sessões de terapia, tratamentos, acusações de insanidade, Ana acaba se conformando com a versão dada pela polícia sobre a morte de suas tias: vazamento de gás; desistindo assim de tentar convencer a todos que o ocorrido naquela noite fora um assassinato.
Agora com 17 anos, a garota acaba de terminar o namoro e recebe o convite para ir à comemoração do aniversário de uma amiga, Laila, em um sítio. Dentre os convidados estava Ian, melhor amigo de Ana. Durante a viagem e após uma sucessão de fatos a garota acaba descobrindo que seu melhor amigo, Ian, guarda um segredo, um segredo que traz de volta todo o mundo que lhe foi apresentado por suas tias e que ela lutou tanto para esquecer.

Aqui vai um trechinho:

"– Mas antes tenho que lhe fazer uma pergunta: está disposta a atravessar o véu?
Ana o olhou nos olhos sem entender a pergunta.
- Véu?
- Atravessá-lo significa enfrentar um desconhecido. Que tal já ir se acostumando com essa idéia e responder a pergunta sem saber exatamente do que se trata?
Ana pensou um pouco.- Sim – respondeu."


Junto com a história de Ana, na narrativa também se desenrola a história de Ângelo que faz parte de um grupo de magos chamado Ordem dos Iluminados. Aprendiz prodígio o garoto é treinado por Bispo César que recentemente tem tido um sonho peculiar, assustador que emana uma enorme energia. Após a interpretação deste sonho feita por Cassandra, uma maga que lida, entre outras coisas, com os sonhos; Bispo César, seu aprendiz e Frade Henrique (amigo do bispo) entram em uma missão de tentar impedir o nascimento de um dos piores seres que poderia habitar a Terra.
O livro faz parte da série O Véu, de dois volumes.
beijinhos, por Ana Júlia.
comentários(0)comente



Rose 04/12/2012

Sem duvida um dos melhores livros misticos que ja li.... Muitas descobertas e me fez realmente acreditar na história.
comentários(0)comente



Nathy 25/08/2011

Uau!
é a unica palavra que eu tive para descrever essa historia! UAU...

eu tenho uma grande coleção de livros na minha estante virtual mais pela primeira vez senti vontade de escrever uma "resenha"

primeiramente nao estava muito a fim de ler o livro por dois motivos. o primeiro foi a grande quantidade de paginas rsrs, e o segundo pelo escritor ser brasileiro (preconceito total eu sei).

A historia é cativante e como outros leitores ja haviam comentado as paginas acabam sendo poucas para tantos acontecimentos.

eu adorei a historia e definitivamente necessito ler o proximo livro o que farei com certeza ainda essa semana.

Nao tenham receio de ler o livro a historia é muito dinamica e com muitos acontecimentos a cada capitulo.

Minha opinião, um dos melhores livros que li nos ultimos tempos!

comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



al.everson 14/03/2011

O autor está de parabens!

A trama é muito bem tecida e cheia de surpresas.

Um livro de leitura leve e instigante, apesar do volume de paginas eu li em 3 dias.

A história começa interessante e continua assim até a última página!

comentários(0)comente



Jose Henrique 26/02/2011

O véu e um livro surpreendente conta a história de Ana e Ian que são amigos mas o que ela não sabe são de terríveis segredos que o garoto guarda.

A história se encaixa no texto em formato de novela, na minha opinião tensão e o clima de mistério ficam no ar a cada capitulo, enfim a história se desenrola com um enredo surpreendente. Li em 12 dias pelo computador cada dia em média 36 páginas vou abaixar o volume 2.

E deveria virar filme em décimo lugar nos meus livros preferidos.
comentários(0)comente



MVGiga 23/02/2011

Fantasia em terras brasileira
Coincidência ou não, percebi no livro influências de várias obras que particularmente admiro (outros nem tanto), como Harry Potter, Diários do Vampiro, Senhor dos Aneis, Sétimo e até Crepusculo.

Tambem percebi que o universo Véu é muito parecido com o apresentado no seriado americano Sobrenatural (demonios, possessão e etc).

Todos personagens são bem explorados, até aquele que a primeira vista não são importantes nos surpreendem no final. A historia em si é introdutória, pouca ação no inicio, mas nas ultimas paginas a ação acontece e são cheia de surpresas que prendem os leitores até o fim da obra.
comentários(0)comente



Izzy 04/02/2011

Por detrás do véu
Eu li 'O véu' em três dias. Achei fabulosa a criatividade do William para escrever uma história tão rica em detalhes e fatos dos quais muitos não se passaram no Brasil. Quando Ana depois de crescida, graças ao seu melhor amigo Ian passa a finalmente reacreditar na magia ensinada por suas tias de Minas Gerais - assassinadas mas depois de longos tratamentos, fizeram Ana também acreditar que foi acidente doméstico - ela começa a não só se descobrir como maga, mas também a descobrir o quanto o amor estava próximo dela. Ângelo, um aprendiz da ordem dos iluminados, faz de tudo para proteger o bispo que lhe ensinou tudo o que sabe sobre magia e decide entrar em uma missão para ajudá-lo, mesmo que esse não saiba, mesmo que isso signifique burlar as regras.
Realmente gostei bastante do livro, o tema é bem inusitado, mas me lembra muito outras obras famosas. Por exemplo, o melhor amigo com afinidade com lobos, que você descobre depois que é apaixonada, e aquele 'eu posso te machucar' tudo muito característico de twilight. Depois, eis que surge Catarina, a que é muito semelhante com Ana, o que não só lembra muito, mas é igual a the vampire diaries.
Escrever livros sobrenaturais exige muita criatividade, muita concentração e inovação. Wiliiam acertou em quase todos, pecando somente em inovação. Por isso, uma obra que eu avaliaria em ótima, avaliei em bom. Óbvio que irei ler o segundo volume, então espero poder dar o ótimo que provavelmente ele tanto merece.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Dasty-Sama 31/01/2011

Para ler a resenha completa: http://spleen-juice.blogspot.com/2011/01/o-veu.html

Preparem-se para uma resenha gigante.
Não sei nem o que falar direito, estou totalmente abismada. Com toda a certeza, O Véu é um dos melhores livros que já li na minha vida! Nunca pensei que um livro brasileiro (para alguém que está tão acostumada a literatura americana, inglesa, portuguesa e russa) fosse tão incrível a ponto de superar livros internacionais. O primeiro livro de William Nascimento deixou-me pasmada.

A história é sobre Ana, uma garota que teve uma infância cheia de magia ao ouvir as lendas que suas tias e seus avós lhe contavam sobre magos e bruxas, na cidade Três Corações em Minas Gerais. Um dia quando ela estava voltando da casa de suas tias tão queridas, ela ouve uma voz falando Matar e tem certeza de que algo errado está para acontecer. Quando chega a casa delas, acompanhada de sua avó, descobre que o lugar está em chamas e vê uma sombra, um pouco antes de desmaiar. Tendo certeza que presenciou um ato de bruxaria, ela passa a infância e adolescência tomando remédios e indo a psicólogos e acaba sendo chamada pelo outros de InsAna por acreditar em algo que todos se recusam. É nessa época difícil que ela conta com a amizade de seu amigo Ian e os dois mal sabem, que todos os pesadelos que afligiam os dois, estavam para voltar com tudo.

Creio que minha sinopse ainda ficou faltando coisa, mas não quero contar tudo para vocês, porque irá perder a graça. O começo do livro foi bastante sem-graça e eu quase parei de ler, mas como várias pessoas do Skoob me indicaram, decidi ir até o final. E não me arrependo nenhum um pouco.

William conseguiu criar um mundo mágico, que posso dizer tão digno de J.K.Rowling. Claro que ainda falta algo, por ser seu primeiro livro, mas se ele continuar nesse caminho, com certeza escreverá mais livros incríveis. Quando todo esse mundo mágico começou a ser explicado a Ana, era como se ele estivesse falando comigo, porque sou muito cética a tudo (já que sou agnóstica, não atéia. Acho que existe alguma energia que nos une e tudo mais, mas não rezo, não vou à igreja, cultos e derivados). Ele ainda usou certos argumentos científicos (sou bem do tipo ver para crer mesmo) que realmente me fizeram acreditar em magia, sério. Parece meio bobo, mas eu fiquei horas tentando ver minha aura. E não consegui, só para constar.

Do mesmo jeito que Ana foi criada no meio de lendas, eu fui da mesma maneira. Meus avós são do interior e sempre me contaram um bocado de coisas (e eu simplesmente amo as lendas e sempre pedia para eles repetirem as histórias). Apesar do meu ceticismo, sempre tive vontade de ver alguma coisa sobrenatural – apesar de já ter visto e não acredito muito D: –, algo surpreendente. Sério, no interior não existem magos, mas existem benzedeiros, o que está perto. Existia um benzedeiro que sabia falar com cobras (ofidioglota, oi) e falam que tem um homem que é lobisomem (sempre tive vontade de conversar com o cara e perguntar se é verdade, mas tenho medo hihi, vai que ele me ataca –n).

Por isso, que depois de ler o livro, cheguei à conclusão que já cheguei quando assisti Supernatural (o livro me lembrou Supernatural com uma mistura de Inuyasha): tudo que o homem passa a acreditar, passa a existir.

Juro que gostaria de falar muita coisa sobre o livro, adoraria debatê-lo com mais pessoas que o leram, mas se eu escrever uma bíblia aqui, ninguém vai ter pique para ler a resenha. Por isso, não percam tempo e leiam o livro. Vocês estão preparados para atravessar o véu?
comentários(0)comente



N. J. Magnus 26/01/2011

Uma grande alegria que Virou uma imensa decepção
Este livro, eu me propus a ler no ano passado, pouco tempo depois do termino das aulas na Faculdade.
Eu sei que existem muitos fãs do Willian Nascimento que poderão me crucificar.
Mas vamos lá.
O casal, Ana e Ian são bem carismáticos, realmente gostei deles, apesar de me lembrarem muito o Edward e a Bella, de crepusculo, porem, o "Edward", neste caso, o Ian, tambem tem lá seus problemas (mas nao se preocupem, ele nao brilha feito diamante no sol).
Tambem gostei muito da turma que aparece nas primeiras paginas e adorei alguns personagens coadjuvantes.
Mas apenas um se destacou para mim.
Angelo.
Como eu queria que um personagem assim existisse de verdade, apesar de ser desprovido de beleza fisica, Angelo é inteligente, um pouco sarcastico e auto-confiante, eu simplesmente amei a parte em que ele assume a sua arrogância, o que para mim, é sinal de respeito a si proprio, inclusive aos seus defeitos.
Eu adorei a determinaçao dele em desvendar mistérios, mesmo correndo perigo.
, um bruxo com roupas de frade, ah se ele nao estivesse se preparando para se tornar um Padre...
Foi ele que me fez "retirar o véu", isto é, acompanhar a história até o fim.
E entao, perto do final o autor fez algo terrivel com ele.
Vocês nao fazem ideia de como eu tive vontade de fazer com o Willian Nascimento, exatamente o mesmo que fizeram com o Angelo, e o escritor NÃO SOUBE EXPLICAR O PORQUÊ . Mas essa raiva foi repentina e passou, dando lugar a uma imensa tristeza.
Eu li até o fim, mas nao tive vontade alguma de ler a segunda parte, pois nao estava nem um pouco interessada no que iria acontecer com a ANa e o Ian.
O sentimento que tenho em relaçao a esse livro, e ao autor é de pura frustraçao, apesar de considerá-lo um ótimo escritor, nao tenho nenhuma vontade de ler mais nada que venha de Willian NAscimento.

E terminando, um conselho para o Wilian e para quem quiser se tornar escritor.
Cuidado com o destino que você dá aos seus personagens, mesmo para aqueles que nao tem tanta importancia assim para a história.
Senão, seus leitores podem ficar frustrados, como eu fiquei.
Tattinha 12/05/2011minha estante
Leia o segundo. Lá no finalzinho o Angelo aparece de novo. Você vai gostar.




Iza 11/01/2011

Magias, Crenças e fantasias...
Logo quando fui convidada a ler o livro não senti tanto interesse em ler, por ter um pouco de preconceito com esse gênero, da fantasia. Porém, logo depois do primeiro capítulo fiquei presa a história de Ana totalmente, que mistura magia, crenças e amor.

O início do livro descreve a infância de Ana, mais precisamente o período das férias que passava junto com as tias em Três Corações. Ana quando menina acreditava em magia, graças as suas tias, Teresa e Samanta, que contavam histórias sobre o tema em volta da fogueira. Porém após um acidente, no qual presencia a morte das tias num incêndio provocado por uma sombra, todos acham que ela precisa de tratamento médico pelas coisas que diz acreditar. E Ana acaba por negar a ela mesma o direito de pensar em magias. Desde o ocorrido não volta mais a cidade de Três Corações e tem de se mudar do bairro em que mora. A única lembrança que carregava das tias era um medalhão que recebeu delas contendo um símbolo de um extinto clã de lobos.

Durante esse meio tempo conhece Ian que se torna seu melhor amigo e sempre fica ao seu lado nas horas difíceis. Até ai tudo bem, mas a trama segue desvendando segredos. Surge a Ordem dos Iluminados que tenta se aliar aos inquisidores para derrotar os demônios. E Ian revela a Ana que é um mago e mais que isso, é o último descendente do seu clã. Começa então a ensinar a Ana as coisas de magia, e o mais interessante é quando revela a Ana que ela também pode fazer magia.

O que se pode chamar da segunda parte da história é quando Ian revela a Ana a sua verdadeira história. Pertence justamente ao clã que Ana carrega o símbolo, o clã dos Garows, e em sua “primeira vida” seu nome verdadeiro era Kalish e era ele o responsável por proteger seu clã. Tudo ia bem até conhecer Catarina, de outro clã, por quem se apaixona. Os dois conseguiram realizar um feitiço no qual congelam suas almas para quando morrerem se reencontrarem e assim viverem para sempre. Então se matam, porém renascem longe um do outro e Ian agora se chama Lucien.

Moço educado ao modo europeu sentia falta da liberdade, mas não sabia o porquê até voltar sua memória passada. Reencontra Adelea, ou seja, Catarina, num baile comum da época. Mas quando ficaram juntos e a sós a mata, não ele, mas uma besta que vive dentro dele e surge nas situações em que o Ian fica excitado, com raiva ou estressado.

Descobre que foi essa besta que disseminou seu clã persuadindo um a matar o outro. Decide se suicidar com a intenção de não mais matar ninguém, porém seu desejo de não morrer é mais forte e ele renasce como Ian. E quando estava preparado para fugir e não por em perigo as pessoas que ama, sente que precisa proteger Ana até que ela voltasse a acreditar na magia, mas acaba se apaixonando por ela e só agora criou coragem e pede desculpas a Ana por não ter contado a verdade antes.

Nesse ponto fica quase impossível largar a leitura, porque um fato se liga muito ao outro e a curiosidade de saber o que vai acontecer é grande. Depois que sabe a verdade, Ana sente que foi muito injusta com as tias por deixar a magia de lado, e também com os avôs por não ter ido mais visitá-los. Viaja junto com Ian e lá faz as pazes não só com os avôs, mas com seu passado.

Nero, a sombra que matou as tias de Ana, surge na história, atrás de algo que pertence a Ana. É acompanhado de uma pessoa muito importante para Ian, mas que veio buscar vingança. Como o livro tem uma continuação, a história termina com um gosto de quero mais, apesar de Ana ter se salvado. Gostei desse livro primeiro porque acabei com o preconceito que tinha sobre esse tipo de literatura, e depois por causa de cada personagem e da luta de Ian de Ana. O que me chamou atenção também foi que a história tem como o cenário o próprio Brasil, e os detalhes sobre o tema de magia são bem precisos. Foi um bom livro que li ano passado.

[Cadernoderesenhas.blogspot.com]
comentários(0)comente



Stela 10/12/2010

http://autoretratro.blogspot.com/2010/12/o-veu-resenha.html


Eu estava um dia desses, viajando em livros alheios no skoob e me deparei com um recado na minha caixa de recados de uma pessoas chamada Willian Nascimento, na hora que eu olhei eu pensei "ah, é outro recado de autores implorando desesperadamente para eu ler o livro" mas ai eu comecei a ler o recado e falei, poxa, eu leio tantos livros de autores gringos, vou dar uma chance para esse livro.
Como está muito no começo ainda, ele nem foi lançado impresso, e só tinha para baixar, mas tudo bem, quando eu começei a ler... Esse foi um dos livros que eu falei "wow, como uma coisa made in brasil pode ser tão boa?" bom, vamos parar de blablabla, tah ai a resenha

Ana era uma criança feliz vivendo com suas tias na cidade de três corações, ela se maravilhava com as historias sobre magos e magia contadas pelas suas tias, mas um terrível acidente tirou esse prazer de Ana para sempre.
Com o acidente, Ana passou a desacreditar em qualquer tipo de magia existente no mundo e se mudou para o rio de janeiro com seus pais, decidida a deixar tudo o que aconteceu em três corações para trás.
Por mais que ela tente fugir dessas historias, o seu amigo Ian as traz de volta quando ele revela o seu segredo para Ana.
Ana então, percebe que é totalmente apaixonada por Ian, que é impedido pelo seu segredo de ama-la como ele quer.

NOTA DA HISTORIA : 9,9 - Pra ser 10 precisava ser impresso, mais ai nao depende do autor, a parte dele ele fez (muito bem)
NOTA DA CAPA: 7,5, nao gostei muito, seria legal se tivessem uns olhos azuis sem esse veu na frente, mas ta tudo bem.
comentários(0)comente



Loriiy 06/12/2010

Nas entrelinhas do Véu
Um mundo de magia com livre acesso para todos. Esse é o plano de fundo de “O Véu” que conta a história de Ana, uma menina de 8 anos, muito amada por seus familiares, que cresceu ouvindo histórias fantásticas até que um dia a sua vida dá uma guinada. Suas tias são mortas num incêndio, sua avó é internada em um hospício depois do acontecido e Ana afirma ter ouvido a voz de seu assassino, após isso sua vida vai de mal à pior. Ela é submetida a tratamentos fortes e forçada a deixar de lado todas as coisas que acreditava, porém, felizmente uma família se muda para a casa ao lado e Ana conhece Ian, um menino diferente que diz acreditar em tudo ela conta sem questionar. Anos se passam e no final a amizade de Ian é a única coisa estável em sua vida. Apesar de tudo isso parecer clichê, não se deixe enganar, há muito mais debaixo do véu do que você pensa.
Preciso dizer que fiquei impressionada com o livro, pois tinha muitos “preconceitos” com livros brasileiros e achava que a maioria não valia à pena nem começar, mas a história de Ian e Ana é muito cativante por se aproximar da realidade, é legal porque você acredita na história, não é nenhuma paixão sobrenatural, é algo que se desenvolve aos poucos e realmente pode acontecer.
Houve várias coisas no livro que me mostrou a criatividade do autor. Primeiro foi o fato de NÃO TER VAMPIROS, lobisomens, anjos e outros, porque, honestamente, os escritores precisam de mais criatividade para explorar novos temas, e não repetir os que fizeram sucesso. A segunda coisa foi a ideia que a magia é algo que todos já possuem, e não algo escasso que apenas alguns felizardos ganham. Esse detalhe me fez apreciar a história de verdade. Gostei muito do modo que a história se encaixou com a “nossa”, as explicações são bem legais e bem “atadas”. Quem sabe não é verdade (rsrsrs).
Gostaria de falar TODAS as coisas que me fizeram dizer: Esse livro é muito bom! Mas a minha resenha já está bem grandinha, então só vou deixar mais uma frase para as pessoas que vão ler: Vale a pena!
Parabéns Willian =D
comentários(0)comente



Renata 11/11/2010

Simplesmente adorável
Eu sou muito fã de literatura fantástica, pois com esse tipo de leitura eu posso fugir um pouco do mundo, da rotina, da loucura do dia a dia e, confesso que, este livro me permitiu tudo isso e ainda me fez pensar em muitas coisas após o término da leitura.
Ao ler "O Véu" eu me transportei para outro mundo, um mundo cheio de fantasia, de amizade, de amor...eu me senti muito próxima da Ana e do Ian.
A Ana me cativou desde o início, com suas características: uma menina doce e encantadora e que tinha um amor muito grande por suas tias. Estas apresentaram a Ana um mundo mágico, no qual estava inserido um clã de magos muito poderosos conhecidos como "Garow" e Ana prometeu que iria descobrir o que aconteceu com este clã que era tão poderoso e foi destruído. Depois de um acontecimento trágico que mudou sua vida, Ana teve que "esquecer" tudo aquilo que ela tinha de mais precioso, que era a crença na magia, o mundo encantado que suas tias apresentaram para ela. Os anos se passaram e Ana continuava sua vida e os acontecimentos da infância estavam aparentemente esquecidos, até que seu amigo Ian começa a apresentar um comportamento estranho, o qual faz Ana lembrar das antigas histórias que suas tias contavam em volta da foqueira, em especial do clã "Garow".
Ian é um persongem complexo (na minha opinião), pois apesar de sua aparência "frágil", ele possui uma grande força, não só física, mas emocional, afinal ele teve que se isolar, por muito tempo, para não cometer nenhum ato maldoso e, ainda, trava uma luta interna para proteger Ana, a pessoa que ele mais ama. Com uma mistura de magia, história, aventura, amizade e amor, "O Véu" me cativou por ser uma estória muito envolvente, bem construída e ainda me permitiu refletir sobre "superação", pois Ana foi obrigada a esquecer tudo o que tinha aprendido com suas tias e após alguns anos, ela se depara com alguns acontecimentos que fazem com que tenha que superar (na minha opinião é a passagem que ela faz pelo véu) para poder seguir em frente, resgatar aquela garota doce e sonhadora, que tinha muita fé na magia.
Confesso que chorei em algumas passagens, com a profundidade dos laços que envolvem os personagens e com a maneira que a estória é conduzida, fiquei muito pensativa depois de terminar essa leitura.
Eu sei que o livro apresenta alguns erros e que a leitura no computador é bem cansativa, mas isso são meros detalhes perante o universo que o autor nos apresenta e, se Deus quiser, os mesmos serão resolvidos quando esta maravilhosa obra for publicada por alguma editora (torço muito por isso).
Wilian, Parabéns por este trabalho. Espero que você continue nos apresentando universos tão encantadores quanto "O Véu".
W Nascimento 20/11/2010minha estante
Eu também espero. ^^ É uma alegria poder escrever e principalmente receber tanto carinho. Obrigado Renata. Abração!




38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3