Minha Querida Aline

Minha Querida Aline Marcelo Vinicius


Compartilhe


Minha Querida Aline





Mais que uma história de amor, esta obra traz a trajetória de um jovem apaixonado, porém devastado, narrando suas aflições amorosas ao próprio leitor. Ele conta sobre um amor não correspondido, intenso e tempestuoso. Desde o início, ele soube que sua amada Aline não poderia ser sua, pois ela não gostava de garotos.

Mas o tempo é um martírio para as almas envoltas pela paixão. Com o convívio diário, o jovem se apaixonava cada vez mais por ela. Passeios na universidade, longas conversas, reflexões, confissões foram momentos que contribuíram para fazer com que se esquecesse do mundo e só visse importância em Aline.

Ele não consegue esquecê-la e se culpa por isso. Por vezes, depois de tomar atitudes que beiravam a loucura para tentar conquistá-la, justificando-as com a teoria do amor puro (visão particular desse jovem em relação à citação de Nietzsche “aquilo que se faz por amor está acima do bem e do mal”), sabia que nunca poderia tê-la, mas, ao contrário de outros livros, aqui, esse amor não o fortalece, e sim, o destrói. Assim, encontramos a contradição de uma alma, que vai da extrema contração do ódio à redenção pelo amor.

O ESCRITOR VENCEDOR DO PRÊMIO NACIONAL SESC DE LITERATURA RAFAEL GALLO COMENTA A OBRA:

“Minha querida Aline” acompanha um protagonista apaixonado pela garota do título, com quem não pode consumar um relacionamento erótico, já que Aline é homossexual e tem uma namorada.

Com uma abordagem calcada no pastiche, o autor dá voz a um personagem-narrador cujas características remetem a obras de escritores e filósofos como Nietzsche, Dostoiévski, Goethe e outros, não somente por conta das citações diretas a seus escritos, mas pela própria linguagem do texto – cujo tom sentimentalista e trágico remete ao jovem Werther e à literatura romântica do séc. XIX – ou em determinadas ações, tais quais a tentativa de assassinato da amiga de Aline e suas justificações teóricas, que rememoram o Raskólnikov de “Crime e castigo”.

Os solilóquios do protagonista, escritos na forma de um diário confessional, revelam a face da paixão mais ligada à raiz etimológica da palavra, que vem do latim passio e significa sofrer, padecer.

Romance

Edições (1)

ver mais
Minha Querida Aline

Similares


Resenhas para Minha Querida Aline (3)

ver mais
Todas as formas de amor em "Minha querida Aline"
on 29/5/15


As obsessões e o amor no romance "Minha querida Aline", de Marcelo Vinicius. Será possível fazer a crítica de uma obra de um amigo? Esta pergunta balança o imaginário de artistas e críticos que tendem para ambos os lados, do sim e do não. Eu, particularmente, não sei dizer. Isso porque, ao criticar a obra de um amigo, posso elogiar pela amizade; posso esculhambar por despeito. E a imparcialidade do crítico, ela existe? Pode até existir, mas será que existe amizade imparcial? A separ... leia mais

Estatísticas

Desejam2
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.9 / 9
5
ranking 44
44%
4
ranking 0
0%
3
ranking 56
56%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

22%

78%

Marcelo Vinicius
cadastrou em:
12/05/2015 09:42:55
Marcelo Vinicius
editou em:
29/05/2015 21:49:01