Não há silêncio que não termine

Não há silêncio que não termine Ingrid Betancourt


Compartilhe


Não há silêncio que não termine


Meus anos de cativeiro na selva colombiana




Antes de se candidatar à presidência da Colômbia, em 2001, Ingrid Betancourt, senadora da República, graduada no Institut d'Études Politiques de Paris, tinha uma vida segura e confortável. Seu sequestro pelas Farc, em fevereiro de 2002, obrigou-a repentinamente a experimentar toda sorte de privações, encarcerada em condições degradantes no meio da selva colombiana. Não há silêncio que não termine é a história de sua temporada no inferno do cativeiro. Uma história dramática, que se lê como um triller mas que não deixa de ser uma reflexão profunda e muito pessoal sobre o significado da liberdade.

Ingrid narra com implacável lucidez os episódios mais significativos do longo período em que esteve presa. Acorrentada, separada dos companheiros de suplício e não raro ameaçada de morte, ela viu a esperança inicial de libertação ceder lugar à prostração e à indiferença. Como costuma acontecer em situações semelhantes, as relações com os sequestradores eram abaladas pelos desentendimentos mais corriqueiros a respeito da rotina do cativeiro. Entretanto, aferrada à vida pelo amor à mãe e aos filhos, Ingrid resistiu com dignidade à pressão psicológica exercida pelos algozes, recusando-se a delatar companheiros e a colaborar com a desumanização dos sequestradores.

Desde os primeiros dias planejando uma fuga impossível, Ingrid tentou escapar diversas vezes, sendo invariavelmente recapturada pela guerrilha, faminta e perdida na selva. As raras cartas destinadas à família e as aparições em vídeos como "prova de vida" foram por vários anos os únicos resquícios de sua existência no mundo exterior. Por outro lado, a escuta cotidiana do programa de rádio destinado às mensagens das famílias dos sequestrados conectava-a com os entes queridos, dando-lhe forças para resistir em meio à doença, à fome e ao desespero.

O livro termina com a cinematográfica operação do exército colombiano que libertou Betancourt e outros treze reféns.

Biografia, Autobiografia, Memórias

Edições (1)

ver mais
Não há silêncio que não termine

Similares

(2) ver mais
Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei

Resenhas para Não há silêncio que não termine (38)

ver mais
Memórias de uma descida ao inferno
on 26/9/10


Não há silêncio que não termine é um livro de cunho político, mas é também a catarse da dor de dezenas de seres humanos rebaixados a condição de pária. A obra de Ingrid Betancourt, ex-candidata à presidência colombiana sequestrada pelas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) em 2002 e mantida em cativeiro até 2008, mescla narrativa em primeira e terceira pessoa com um ritmo ágil, como um thriller, a ponto do leitor (o menos preguiçoso) não sentir o peso das mais de 50... leia mais

Estatísticas

Desejam137
Trocam27
Avaliações 4.4 / 680
5
ranking 58
58%
4
ranking 30
30%
3
ranking 10
10%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

24%

76%

Erika
cadastrou em:
18/09/2010 10:21:25
Dali
editou em:
15/11/2019 20:52:35