Nenhum Olhar

Nenhum Olhar José Luis Peixoto


Compartilhe


Nenhum Olhar





Numa aldeia do Alentejo, com um pano de fundo de uma severa pobreza, o autor vai tecendo histórias de homens e mulheres, endurecidos pela fome e pelo trabalho, de amor, ciúme e violência: o pastor taciturno que vê o seu mundo desmoronar-se quando o diabo lhe conta que a mulher o engana; o velho e sábio Gabriel, confidente e conselheiro; os gémeos siameses Elias e Moisés, cuja terna comunhão se degrada no momento em que um deles se apaixona; ou o próprio Diabo. As suas personagens são universais, assim como a sua esperança face à dificuldade.«... a partir da segunda ou terceira sequência ficamos seguros de que a inclinação é fatal: vamos embater num limite, num muro, num enigma, na origem do mundo e no desastre final...»



Nenhum Olhar de José Luís Peixoto





Excerto

“Hoje o tempo não me enganou. Não se conhece uma aragem na tarde. O ar queima, como se fosse um bafo quente de lume, e não ar simples de respirar, como se a tarde não quisesse já morrer e começasse aqui a hora do calor. Não há nuvens, há riscos brancos, muito finos, desfiados de nuvens. E o céu, daqui, parece fresco, parece a água limpa de um açude. Penso: talvez o céu seja um mar grande de água doce e talvez a gente não ande debaixo do céu mas em cima dele; talvez a gente veja as coisas ao contrário e a terra seja como um céu e quando a gente morre, quando a gente morre, talvez a gente caia e se afunde no céu.”

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (5)

ver mais
Nenhum olhar
Nenhum Olhar
Nenhum Olhar
Nenhum Olhar

Similares

(1) ver mais
As Pupilas do Senhor Reitor

Resenhas para Nenhum Olhar (19)

ver mais
Resenha
on 31/7/09


Troco minha resenha por uma 6ª estrela... leia mais

Estatísticas

Desejam137
Trocam1
Avaliações 4.3 / 173
5
ranking 57
57%
4
ranking 29
29%
3
ranking 9
9%
2
ranking 4
4%
1
ranking 1
1%

30%

70%


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR