O Mesmo

O Mesmo Marcelo Costa Conde


Compartilhe


O Mesmo





Com toques kafkianos, a história fantástica narrada por Marcelo Costa Conde em O Mesmo, seu livro de estréia na Literatura, conta o estupor do protagonista ao ver toda a sua existência se aproximar de seus dias atuais em ordem cronológica. Ao antever o final, Sebastião Aerosa decide morrer como viveu: mantendo-se o mesmo.



“Acordou mais uma vez de sobressalto. Terminava-se então o quinto mês seguido que sonhava todas as noites, durante todo o tempo de seu sonho, com sua própria vida. E foi nesta manhã de segunda-feira que Sebastião Aerosa percebeu que morreria”.



Apesar de permeada pela morte, a obra de Conde fala essencialmente da vida e das escolhas que traçam os acontecimentos. Em sua simplicidade de garçom, Aerosa optou por viver os seus dias de forma comum, nutrindo apenas a ambição de ser mais um rosto na multidão. Tamanha simplicidade do personagem, somada a certa habilidade narrativa do autor, permite lá suas conclusões: se de uma vida aparentemente sem graça seria impossível extrair uma biografia interessante de 200 páginas, a Literatura aparece então como essa força capaz de transformar o banal em belo.



Ao destrinchar o personagem página a página, o autor mostra os princípios e encantos que permeiam o não-oferecimento de uma Coca-cola com limão, o orgulho em ser neto do maior construtor de aviões do mundo e o amor mais simples e brando possível, nascido de um relacionamento baseado apenas no ouvir o que o companheiro tem a dizer – e isso basta para que encontrem a felicidade. Mas também revela a dor de reviver todos os erros e perdas sem poder alterá-los, como se fosse uma espécie de tortura do destino pela vista turva no calor dos acontecimentos.



A obra provoca reflexões acerca desses detalhes que enobrecem o cotidiano e dão sentido à existência da maioria de nós, anônimos vivendo na era de tantos reality shows e de megaproduções hollywoodianas que insistem em retratar a vida com a euforia artificial dos grandes acontecimentos. Com nobreza, Conde quer resgatar a verdade da vida que acontece na sutileza da calça azul de brim, no cinto marrom um pouco desgastado, na camisa branca de botões e na boina bege, roupas já batidas pelo uso e vestidas mais uma vez, justamente no dia em que se vai morrer.

Edições (1)

ver mais
O Mesmo

Similares


Resenhas para O Mesmo (1)

ver mais
muito doido
on 22/7/12


Inspirado no livro A Metamorfose, de Franz Kafka, o protagonista começa a ter sonhos onde sua história é contada fielmente, em ordem cronológica, dia após dia. Entre memórias felizes e tristes, ele chega à conclusão de que o dia em que sonhar com o dia corrente, ou seja, o dia atual, ele não poderá ter mais sonhos, pois não terá com o que sonhar depois e portanto, será o dia de sua morte. Muita historinha, por vezes carregada de detalhes que considerei monótonos, mas ainda assim você ... leia mais

Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.0 / 8
5
ranking 25
25%
4
ranking 50
50%
3
ranking 25
25%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

67%

33%

Marcos Bassini
cadastrou em:
20/03/2009 18:12:05