O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm

O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm Leandro Demenciano Costa




O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm


7 princípios para projetar jogos educativos eficientes




Determinar a diversão e o entretenimento como prioridades de projeto de um jogo com finalidade pedagógica parecia um tanto incoerente. Mas esta decisão nasceu da percepção de que jogos de entretenimento, que divertem e entretêm seus jogadores, funcionam muito bem em ambientes de ensino e aprendizagem – isto é notável no RPG e no Xadrez, por exemplo.
Deste desafio, nasceu um jogo com fim pedagógico – A Dama da Música – que se mostrou mais efetivo que muitos jogos projetados com esse fim. Isso confirmou a percepção inicial e reforçou uma hipótese a respeito dela, motivando o trabalho apresentado neste livro. Apoiando-se fundamentalmente na ótica estruturalista da Gestalt, com Max Wertheimer e Kurt Lewin, e com o respaldo de Jean Piaget, iniciou-se uma investigação sobre casos onde a aplicação de jogos de entretenimento para fins pedagógicos produziu resultados muito acima da média dos produzidos pelos jogos educativos.
Guiada pela pergunta: "O que os jogos de entretenimento têm que os jogos com fins pedagógicos não têm?", a pesquisa desenvolveu-se por meio do estudo detalhado de jogos educativos existentes no mercado. Realizou-se, também, uma análise do projeto A Dama da Música com a finalidade de compreender o método projetual realizado.

Edições (1)

ver mais
O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm

Similares


Estatísticas

Desejam4
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.6 / 5
5
ranking 60
60%
4
ranking 40
40%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

54%

46%

2AB
cadastrou em:
20/10/2010 11:10:25