O último dia de um condenado à morte

O último dia de um condenado à morte Victor Hugo


Compartilhe


O último dia de um condenado à morte





Em um romance de surpreendente modernidade, o grande escritor do romantismo se joga de corpo e alma contra a pena de morte. Composta de um texto principal - o diário dos últimos dias da vida de um condenado -, de uma peça na qual personagens inventados por Victor Hugo criticam ferozmente a obra (prefácio à edição de 1829) e de um longo panfleto em defesa da causa (prefácio de 1932). Redigida em primeira pessoa, sentimos como um soco no estômago a voz de alguém que compartilha nossa existência por um tempo determinado. Logo sua cabeça será ceifada pela famosa engenhoca do doutor Guillotin e irá rolar para o cesto que as apara após a decapitação. Num ambiente de trevas, assistimos na própria descrição do condenado hora a hora aos preparativos de sua morte, à sorte de seus companheiros mais felizardos dos trabalhos forçados, à derradeira visita de sua filha que não o reconhece e o afasta ("o senhor me machuca com essa barba"), ao despojamento de seus últimos pertences para companheiros de "fortuna", etc. Escrita em menos de três meses sob influência de uma execução em Paris à qual Victor Hugo assistiu em 1825, esta obra logo foi coroada de sucesso, para o qual contribuíram suas características inusitadas, como por exemplo: começa com a frase lapidar da declaração da sentença "Condenado à morte" e termina com "Quatro horas", horário da execução, ou ainda um ácido humor negro.

Literatura Estrangeira

Edições (3)

ver mais
O último dia de um condenado à morte
O último dia de um condenado à morte
O último dia de um condenado à morte

Similares

(10) ver mais
Em Busca do Tempo Perdido
Também o Cisne Morre
Os Trabalhadores do Mar
Bel-Ami

Resenhas para O último dia de um condenado à morte (6)

ver mais
O último dia de um condenado à morte - Victor Hugo
on 30/8/10


Por que não? Os homens... são todos condenados à morte sem apelação. "Condenado à morte! Há cinco semanas que estou vivendo com este pensamento, sempre sozinho com ele, sempre félido com a sua presença, sempre encurvado sob o seu peso! Outrora, pois parece-me que são anos e não semanas, era um homem como qualquer outro. Cada dia, cada hora, cada minuto trazia uma idéia própria. Meu espírito, jovem e rico, era cheio de fantasias. Divertia-se fazendo-as desfilaem uma atrás da outra, se... leia mais

Estatísticas

Desejam21
Trocam6
Avaliações 4.2 / 165
5
ranking 45
45%
4
ranking 32
32%
3
ranking 19
19%
2
ranking 4
4%
1
ranking 1
1%

45%

55%

LF
cadastrou em:
25/05/2009 09:02:21
Jenifer
editou em:
10/02/2016 18:01:29