Tirania do Status Quo

Tirania do Status Quo Milton Friedman




Tirania do Status Quo





Segundo Friedman, ambas as suas principais obras [“Capitalism and Freedom” (1962) e “Free to Choose” (1980).] foram recebidas de forma totalmente distinta. Tal ocorreu, segundo o autor, não pela qualidade intrínseca das obras ser diferente, não por razões intelectuais ou filosóficas, mas fruto da experiência percebida pelas populações, em especial em virtude do aumento dos impostos e da inflação provocados pelas políticas keynesianas e socialistas. Para Friedman, o combate ao mainstream socialista, a afirmação do primado da liberdade e das opções políticas de uma sociedade não Utópica não se faz contrariando a sedução de um futuro sem esforço, mas “mantendo as opções em aberto até que as circunstâncias tornem a mudança necessária”. As dificuldades encontradas quando se combate o socialismo reinante deve-se ao que o autor apelida de “Tirania do Status Quo”, à inércia que existe na sociedade civil e sobretudo no universo estatal, que limita a mudança de paradigmas. Só as crises – actuais ou percebidas – são aptas a produzir mudanças efectivas.




Para o autor, não há decisões sem ideias, e portanto ele preocupou-se, sobretudo, em estar disponível para o debate, de forma a que, na ocorrência da crise, as suas ideias pairassem por aí, estivessem suficientemente maduras e acessíveis para ajudar a construir pontos de inversão ou viragem: amadurecer ideias, estar disponível, “até que o que antes era considerado politicamente impossível se torne politicamente inevitável".

Edições (1)

ver mais
Tirania do Status Quo

Similares

(1) ver mais
O Caminho da Servidão

Estatísticas

Desejam9
Trocam1
Avaliações 4.0 / 1
5
ranking 0
0%
4
ranking 100
100%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

84%

16%

Marcelo Catanho
cadastrou em:
10/07/2014 13:43:38