Morte e Vida Severina

João Cabral de Melo Neto



Resenhas - Morte e Vida Severina


50 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Dose Literária 24/11/2014

Palavras Lapidadas - João Cabral de Melo Neto
Já disse em outras oportunidades que a poesia não é meu estilo literário preferido. No entanto, me interessei por “Morte e Vida Severina”, desde a leitura de “A Estória do Severino e A História da Severina” (Ciampa, A.C.) durante a faculdade de Psicologia. Além da interessante tese sobre a construção da identidade de dois personagens (um ficcional e outro real) em seu viver e possibilidades, fiquei impactado pelo uso de João Cabral fazia da palavra Severina, como adjetivo.

Continue lendo em

site: http://www.doseliteraria.com.br/2014/11/palavras-lapidadas-joao-cabral-de-melo.html
comentários(0)comente



Pé de Cedro 23/10/2014

Palavras Lapidadas - João Cabral de Melo Neto
Já disse em outras oportunidades que a poesia não é meu estilo literário preferido. No entanto, me interessei por Morte e vida Severina, desde a leitura de A Estória do Severino e A História da Severina (Ciampa, A.C.) durante a faculdade de Psicologia. Além da interessante tese sobre a construção da identidade de dois personagens (um ficcional e outro real) em seu viver e possibilidades, fiquei impactado pelo uso de João Cabral fazia da palavra Severina, como adjetivo.

E se somos Severinos
Iguais em tudo na vida,
Morremos de morte igual,
Mesma morte Severina
Que é a morte que se morre
De velhice antes dos trinta,
De emboscada antes dos vinte,
De fome um pouco por dia (...)

Quando tive a oportunidade de ler o poema inteiro, não hesitei. A recompensa foi incrível. Havia outros de igual qualidade, fazendo par com Morte e vida Severina, em especial Auto do Frade, e O Rio, com seu tocante início, que compara o curso da vida do retirante ao de um rio. Nasce na serra, e corre para o mar:

(...)Eu não sei o que os rios
Têm de homem do mar;
Sei que se sente o mesmo
E exigente chamar.
Eu já nasci descendo
A serra que se diz do Jacarará
Entre caraibeiras
De que só sei por ouvir contar
(pois, também como gente,
Não consigo me lembrar
Dessas primeiras léguas
De meu caminhar).

Uma coletânea de poemas ótimos. Páginas e páginas de frases colocadas cuidadosamente, para serem relidas, saboreadas, ecoadas. A alma do brasileiro traduzida em uma bonita essência, captada pela mente aguda do poeta. Qualquer tentativa de seleção é injusta:

(...)É de bom tamanho
Nem largo nem fundo,
É a parte que te cabe
Deste latifúndio.

Vou dizer as todas as coisas
Que desde já posso ver
Na vida desse menino (.,,)
Cedo aprenderá a caçar:
Primeiro, com as galinhas,
Que é catando pelo chão
Tudo oq eu cheira a comida;
Depois, aprenderá com
outras espécies de bichos:
com os porcos nos monturos,
com os cachorros no lixo.

A forca não vive em monólogos;
Dialética, prefere o diálogo.
Se um dos dois personagens falta
Não pode fazer seu trabalho.
O peso do morto é o motor,
Porém o carrasco é o operário.

Tal qualidade preciosa me deixou triste após concluir a leitura. Mario Sérgio Cortella falava da miojização do mundo, da despamonhalização da vida (é... procure no google). Fiquei pensando em nossa mediocridade, de arte-pela-grana, de pouco tempo para digerir qualquer coisa, fast-food cultural. O que nos livra de tropeçar nas tentativas de simplificar nossa língua, ao invés de ensiná-la corretamente? Como fugir dos com migo, concerteza" e menas? O caminho das letras é delicioso, mas pouco conhecido de nosso povo cheio de maniqueísmos e ideias rasas.

Quem paga para um escritor lapidar as emoções em palavras, até que se chegue ao nível de nossos mestres? Acho que não há mais condições para que alguém escreva algo desta qualidade, que possa dedicar uma vida ao estudo e ao entalhe das letras. Há pouco estímulo à excelência estética entre a busca do pão e uma consulta à tela do celular. Não é de entristecer?
comentários(0)comente



Mary Dourado 02/05/2014

Incrível, Surpreendente, Perfeito...
Não posso negar que tenho um carinho especial por livros que narram a vida e os sentimentos do povo brasileiro. Vidas Secas do Graciliano Ramos, que rasga os véus da ignorância em relação à triste realidade do nordestino, e morte e Vida Severina e outros poemas, que é outra obra perfeita na retratação da vida de retirantes que fogem da seca nordestina.

Eu já tive a experiência de analisar o poema Morte e Vida Severina no último ano do Ensino Médio e me comprometi a ler o poema na integra e também outros poemas do autor. Não pensei que seriam tão bons quanto Morte e Vida Severina. O Rio (1954), por exemplo, simplesmente me deixou perplexa, sem reação, diante da sua narrativa realista, que leva o leitor para dentro da história e o faz refletir sobre o que ali está sendo retratado. São diversos os trechos que para mim ganharam realce no corpo do poema, posso citar dois que são incríveis no objetivo de relatar o cenário nordestino:

" Por trás do que lembro, ouvi de uma terra desertada, vaziada, não vazia, mais que seca, calcinada. De onde tudo fugia, onde só pedra é que ficava, pedras e poucos homens com raízes de pedra, ou de cabra. Lá o céu perdia as nuvens derradeiras de suas aves; as árvores, a sombra, que nelas já não pousava. Tudo o que não fugia, gaviões, urubus, plantas bravas, a terra devastada ainda mais fundo devastada." (Página 20)

"Meu caminho divide, de nome, as terras que desço. Entretanto a paisagem, com tantos nomes, é quase a mesma. A mesma dor calada, o mesmo soluço seco, mesma morte de coisa que não apodrece mas seca." (Página 25)

Uma obra espetacular, recomendo a leitura.


comentários(0)comente



Ana Luiza Laet 01/04/2014

O melhor.... não me canso de dizer!!!
comentários(0)comente



14/03/2014

Morte e Vida Severina é um livro que aborda como é difícil a vida no sertão nordestino onde o protagonista da história(Severino) narra-o em forma de poesia,conta que onde anda procura emprego, mas não acha, tudo o que encontra é o sepultamento de homens que também se chamam Severino.
comentários(0)comente



Fecancio 03/03/2014

Necessário
Para sempre você vai lembrar "da parte que te cabe nesse latifundio"
comentários(0)comente



And 28/02/2014

Muito Bom
Pra quem gosta do estilo, são poemas de prato cheio, muito bem escritos e trazem uma bela visão, além de dramática da vida no sertão.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Liana 02/03/2014minha estante
Apesar da tristeza que nos abate durante a leitura, é um belo poema.




Tati 23/11/2013

Livro - Morte e Vida Severina
Os poemas escolhidos para integrar este lançamento trazem à tona as características que estruturam a escrita de João Cabral de Melo Neto. São versos que desnudam os elementos fundamentais da obra do poeta pernambucano.

Morte e Vida Severina (1954-55), poema que dá nome ao livro, aborda o tema espinhoso da seca nordestina, dando voz aos retirantes que fazem o duro percurso entre o rio Capibaribe e Recife. Esta obra, a mais popular de João Cabral, faz parte de uma trilogia composta tam-bém por O cão sem plumas, já relançado pela Alfaguara, e O rio (1953), também presente nesta nova coletânea.

O rio, segundo livro da trilogia, também retrata o universo árido às margens do rio Capibaribe, mas dá voz a ele próprio como condutor da narrativa. Seu viés documental facilita a descrição do mundo que cerca seu caminho. Engenhos de cana-de-açúcar, usinas, retirantes e trabalhadores são retratados na velocidade do correr das águas.

Em Paisagens com figuras (1955), João Cabral sintetiza em pala-vras uma de suas principais características, que é o hibridismo de lin-guagens. Mesclando descrições de imagens de Pernambuco, com pai-sagens da Espanha, o poeta desfila toda sua expressividade onírica. Por fim, Uma faca sem lâmina (1955), trata do desafio da composição poéti-ca, que ele ilustra numa faca sem bainha, que corta o poeta por dentro.

O lançamento de Morte e Vida Severina leva às livrarias a essência do lirismo e da visceralidade poética de João Cabral de Melo Neto. Suas principais nuances, que o alçam à condição de um dos maiores poetas da nossa língua, estão dispostas mais uma vez nesta compilação.

site: http://www.americanas.com.br/produto/6580978/livro-morte-e-vida-severina
comentários(0)comente



Dandara 15/11/2013

O poema conta a história de Severino, nordestino que migra para Recife, seguindo o curso do rio Capibaribe, fugindo da seca. Na passagem a seguir, o personagem se apresenta como Severino, mais um entre tantos, com a mesma trajetória de vida e na esperança de um futuro melhor:

''Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas,
e iguais também porque o sangue
que usamos tem pouca tinta.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes do vinte,
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).''
comentários(0)comente



Cris 06/10/2013

Triste
Adorei a forma como é escrito, em forma de poema com rimas, que eu gosto muito. A história é bem triste, mas real e muito emocionante.
comentários(0)comente



Juliana Alves 16/06/2013

O Poema "Morte e Vida Severina" de João Cabral de Melo Neto levanta reflexões acerca dos problemas enfrentados pelos moradores e retirantes nordestinos, como a seca - falta de água - e a improdutividade das terras dessa região. O narrador é Severino... um retirante em busca de melhores condições de vida em Recife, porém ao chegar na capital ele se dá conta da dificuldade em encontrar emprego e se fixar nesta região. O poema é bastante interessante, uma narrativa exuberante com uma linguagem muito rica. O poema transmite no final a certeza que por mais dura e difícil que seja a vida no Nordeste, as vidas dos moradores dessa região, as "Vidas Severinas" são demasiadamente importantes, valiosas e deve-se ter sempre coragem para enfrentar as problemáticas do dia-a-dia.
comentários(0)comente



Aline 17/03/2013

Livro dos Severinos
Um livro que retrata detalhadamente a trajetória do retirante, que vai em busca de um mundo melhor no litoral, Severino, o retirante se depara com a mais pura miséria, morte, pobreza, sofrimento, como partes da vida em oposição à morte.
Ele por fim acaba assistindo ao espetáculo da vida, consegue enxergar que ainda há fé, que há ainda esperança por dias melhores, principalmente para com aquele ser que acabou de brotar trazendo de volta a fé daquelas pessoas sofridas, mesmo sabendo que o caminho daquela pequena criança se resumirá em uma vida severina.
Um povo sofrido, do qual só conseguem enxergar sofrimento:
‘’E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).’’
Em suma, indico este livro sim, pelo fato de retratar a vida dos meros severinos do jeito que ela realmente é.
comentários(0)comente



Mussi 23/02/2013

Versos que definem o livro (maravilhoso)
"O carpina fala com o retirante que esteve de fora, sem tomar parte em nada."

-Severino, retirante,
deixe agora que lhe diga :
eu não sei bem a resposta
da pergunta que fazia,
se não vale mais saltar
fora da ponte e da vida;
nem conheço esta resposta,
se quer mesmo que lhe diga;
é difícil entender,
só com palavras a vida,
ainda mais quando ela é
esta que vê, severina;
mas se responder não pude
à pergunta que fazia,
ela, a vida, a respondeu
com sua presença viva

E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio, que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida;
mesmo quando é uma explosão
como a de há pouco, franzina;
mesmo quando é a explosão
de uma vida severina.
comentários(0)comente



ANDRÉHZÃO 25/01/2013

LINDO
De uma beleza ímpar. Indispensável a leitura. Mas, na minha opinião, o João Cabral de Melo Neto que escreve sobre a Espanha não chega aos pés do João Cabral de Melo Neto que versa sobre o Brasil.
comentários(0)comente



50 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4



logo skoob
"É maravilhoso fazer amigos por meio dos livros, sejam eles Harry Potter, Zibia Gasparetto ou Cortázar."

JB Online