A Invenção de Hugo Cabret

Brian Selznick



Resenhas - A Invenção de Hugo Cabret


194 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Fernanda 21/02/2010

Me apaixonei!
O livro, apesar de ter 533 páginas, é de leitura super rápida, coisa de menos de um dia por conta da grande quantidade de desenhos, mas vale muito a pena, principalmente para aquelas pessoas que tem amor pelo cinema.
Francesca 04/05/2011minha estante
Minha professora pediu para a minha classe ler, e não era para começar a leitura(mas eu não sabia), e li o livro todo em 2 horas!


Caroles 03/03/2012minha estante
Tem razão Fernanda... é um ótimo livro!! Já viu o filme? Abraços


Rafa 18/03/2012minha estante
esse livro é muito bom! prendeu minha atenção desde o começo ao fim e é uma leitura super rápida pq a quantidade de desenhos é grande!!!


Gabriel 23/03/2012minha estante
Minha irmã ganhou esse livro, eu ainda não li, apenas foliei e realmente grande parte do livro são ilustrações que são ótimas.


Gustavo 05/04/2013minha estante
Verdade disse tudo, Apesar de '533' a leitura é rapida, e me anima por causa dos desenhos.


mere 21/11/2014minha estante
Meu filho ganhou esse livro na escola e entrei aqui pra saber algumas opiniões e confesso que me deixou curiosa. Vou ler.kkkkk




Felipe Piva 08/02/2012

http://www.restaurantedamente.com/2012/02/livros-invencao-de-hugo-cabret-de-brian.html
Alguns livros impressionam pela sua peculiaridade, pelo cuidado e a criatividade que seu autor teve. A Invenção de Hugo Cabret é um desses livros. Com uma narrativa trabalhada de uma maneira totalmente criativa, o livro encanta desde sua primeira página até a última. Através de desenhos cuidadosamente bem feitos, imagens marcantes de filmes clássicos e uma história totalmente adorável o leitor é inserido no mundo de Hugo, Paris de 1930.

Hugo é um órfão que vive escondido na central de trem de Paris, desde a morte misteriosa de seu pai e o sumiço de seu Tio, Hugo tem sido responsável pelos relógios da estação, uma criança sobrevivendo como pode. Hugo tem um segredo escondido em seu caderninho, ele toma todo o cuidado com o pequeno objeto já que é seu último laço com o pai. Mas um dia o segredo lhe é tomado pelo dono da banca de brinquedos enquanto Hugo tentava surrupiar alguns brinquedos.

Hugo tem de recuperar o caderno que contêm instruções de seu pai, mas não pode deixar que descubram que ele é órfão ou perderá todo o controle de sua vida. Para ajudar na recuperação do bem valioso de Hugo, conhecemos Isabelle, sobrinha do dono da loja de brinquedos. Eles iniciam uma grande aventura que a cada momento mostra que o segredo do pai de Hugo está cada vez mais conectado com o da família de Isabelle.

Primeiramente, a arte gráfica desse livro é impressionante, fiquei maravilhado com os detalhes que passei mais tempo admirando os desenhos do que lendo. Brian Selznick reproduz o mesmo cuidado que filmes mudos tinham, o início do livro retrata isso, o autor avisa ao leitor para tomar a obra como um filme e é impressionante como sua narrativa se discorre dessa forma. Um filme mudo em forma de livro, chega ser estranho relatar isso.

A história é totalmente adorável, foi o último livro que li em 2011, terminei o ano com um sorriso enorme. Não demorei muito para me envolver com o estilo que o Brian utilizou. Os mistérios da vida do Hugo vão sendo revelados durante a obra e isso só me fez me envolver mais com o personagem. Embora possa parecer que essa história é sobre Hugo, mas é sobre seu segredo, com o desenrolar da trama o mistério leva o leitor para caminhos totalmente inesperados.

Hugo é uma personagem impressionante, uma criança totalmente sozinha, tendo de lutar para sobreviver, lembrando de uma vida totalmente feliz que lhe foi arrancada. Além de passar por isso Hugo tem de continuar com a tarefa do tio, que desapareceu, ou descobririam que ele não possui nenhum responsável e, provavelmente, teria de viver com as outras crianças abandonadas. Uma criança que teve de lidar com acontecimentos trágicos e ainda teve de superar tudo pra continuar vivo, isso sem perder seus desejos provenientes da idade. É incrível como Hugo se empenha em dar continuação ao trabalho de seu pai, uma forma de suprir a saudade e honrá-lo. Um personagem extremamente maravilhoso que deixa o leitor com um aperto no coração.

Uma história agradável que recomendo para todas as idades e gostos, de um jeito ou outro a obra de Selznick agrada em algum aspecto. Espero que gostem e admirem o trabalho desse autor como eu admiro.

O livro foi adaptado para o cinema no ano passado com o título de Hugo, o longa foi dirigido pelo diretor Martin Scorcese e recebeu diversas indicações ao Oscar. Estou muito ansioso para acompanhar as aventuras de Hugo e Isabelle nas telonas. O filme estreará no dia 17 deste mês nos cinemas brasileiros.

http://www.restaurantedamente.com/2012/02/livros-invencao-de-hugo-cabret-de-brian.html
comentários(0)comente



Carlos Rogério 28/11/2013

Entretenimento de qualidade.
Tenho certeza que meus alunos dos sextos anos ou que já leram vão concordar. O livro é fenomenal! Conforme a leitura progride, temos a perfeita noção de cinema: as imagens dão um show sem comparação! Sem contar a plena imagem da história de Paris, década de 30 e das estações ferroviárias tão importantes no contexto mundial.

A cada capítulo lido, a aventura fica mais inacreditável e começamos a torcer por um menino que começou a fazer parte do nosso cotidiano. É impossível deixar de imaginar como tudo poderia ter sido diferente. Até dá para sentir uma certa revolta, a qual logo dá lugar a um sentimento de otimismo originado pela torcida de que o senhor da loja de brinquedos o tome para si!

Ah! A história do caderninho me deixou balançado!
Leah Ariane 28/11/2013minha estante
adorei professor, é claro que concordo com tudo o livro é mesmo ótimo


Danii.Silva 28/11/2013minha estante
Também gostei muito foi um dos melhores livros q eu já li e muito interessante


Matheus Costa 28/11/2013minha estante
Muito bom mesmo o livro...
O mais legal é o efeito que os desenhos trazem.
Recomento tambem assistir o filme depois de ler o livro!...


Danii.Silva 28/11/2013minha estante
O filme Tbem e muito legal... Eu até virei a Danielle Cabret.....


matheus 20/12/2013minha estante
A Invenção de Hugo Cabret é ótimo, quando li esse livro comecei a gostar de ler.


matheus 20/12/2013minha estante
A Invenção de Hugo Cabret é ótimo, quando li esse livro comecei a gostar de ler.


matheus 20/12/2013minha estante
A Invenção de Hugo Cabret é ótimo, quando li esse livro comecei a gostar de ler.


Harry 29/01/2014minha estante
achei ele um livro ótimo o único jeito de eu começar a ler, foi eu ter lido esse livro, antes eu nunca havia lido mais de 5 livros


Levy 05/02/2014minha estante
Adorei realmente incrível só lendo esse para ler e gostar de livros!




Biel 08/08/2012

Experiência enriquecedora e gratificante
Brian Selznick é um norte-americano formado em design e autor premiado, com muitos livros publicados e com grande talento; trabalhou anos para elaborar A invenção de Hugo Cabret e construiu assim uma obra aplausível e de muito sucesso.

A história se passa em 1930 na França. Hugo Cabret é um garoto órfão que vive em uma central de trem escondido por entre tubulações e entradas de ventilação. Além de possuir muita destreza com a mecânica, tem uma índole muito carismática. Seu pai, um relojoeiro com muita aptidão ensinou tudo o que sabia para o filho e posteriormente morreu em um trágico acidente deixando o filho com uma máquina quebrada, intitulada "autômato". Hugo foi para uma central de trem com o tio, um cronometrista muito ríspido e que nunca esteve presente, deixando todo o trabalho de manutenção dos grandes relógios com o sobrinho.

Hugo sobrevivia de pequenos roubos e seu foco era o conserto do autômato; ele queria descobrir a mensagem que este último queria passar. Ele depende do anônimato pois se for descoberto corre o risco de ter seu segredo revelado. Quando cruza o caminho com o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada, seu segredo é posto em risco.

"Então, eu imagino que, se o mundo inteiro é uma grande máquina, eu devo estar aqui por algum motivo. E isso que dizer que você também deve estar aqui por algum motivo" Pág. 378

A invenção de Hugo Cabret é uma viagem pelo mundo dos sonhos onde a imaginação é o limite; Na verdade o livro também narra um pouco do cinema e da fotografia na época, algo muito instigante de descobrir através de uma obra literária.

A história é baseada em um misto de realidade e ficcção com mistérios imprevisíveis onde o suspense está sempre presente. O inusitado é que ele(o livro) é repleto de imagens(desenhos) muito reais feitos pelo próprio autor e que condiz com o foco da obra; ou seja, o autor imagina, desenha e escreve. A criatividade deste último é indiscutível.

Com uma linguagem ágil e clara o livro flui como em um piscar de olhos e subitamente o concluímos com uma enorme vontade de relê-lo. O mais deslumbrante concernente ao livro é como o autor é conciso; consegue esclarecer algo longo e extenso em poucas palavras, sem mais delongas.

É importante frisar que "A Invenção de Hugo Cabret" possui uma diagramação excelente, e na medida certa enfatiza o mistério e a tensão presentes no livro. A história de Hugo cabret é uma grande aventura de inúmeras descobertas que fazem do livro recomendável !
Leiam, e tenham a certeza que ler a obra é uma experiência enriquecedora e gratificante.
Bisonho 09/08/2012minha estante
Muito bom, achei legal e raro ver um livro ilustrado e adoro afinal eu prefiro ver ilustrações com pouco texto do que ter um texto grande.Você é um ótimo escritor continua fazendo resenhas.


Camila Márcia 27/08/2012minha estante
As resenhas já estão ficando melhores, pois nessa vc já deixou transparecer o sentimento de um resenhista leitor que soube viajar nas páginas dos livros. Objetividade é bom, mas também pode-se juntar a emoção que se sentiu ao ler a obra.


Carlos 19/03/2013minha estante
Interessante a frase que você destaca pois todo mundo tem uma função.




Flowers 30/01/2010

A invenção do sonho

"Hugo Cabret fala de sonhos, de luta, de sobrevivência. Mágicas, cinema, segrego, mistério... Trama envolvente do início ao fim. Crianças sonhadoras, mistérios revelados. As vezes a gente acredita em coisas que não existem, inventa um sonho simplesmente a fim de mudar a dura realidade. Pois não é que a invenção de Hugo dá certo? Leiam, é um tapa na cara dos acomodados. Pessoas quebradas, sem motivação, leiam esse livro!"

"Pensei qe faria comentário de um trecho do livro. Impossível. Porque em menos de cinco horas li o livro inteiro. Estou fascinada com a história de Hugo. História de sonhos, mostra que por mais que a realidade pareça sonho, devemos acreditar. O trecho que mais gostei e até tomei nota, foi o da motivação, "quando você perde a motivação, é como se estivesse quebrado"."
Flowers 04/04/2013minha estante
errata: *segredo em vez de segrego




mkato 19/12/2011

Livro muito previsível, um tanto quanto infantil, além de ser cheio de imagens que de quase nada ajudam na narrativa. Enfim, não recomendo.
comentários(0)comente



Lucas Geraldo 07/08/2012

Muito bom!
Peguei esse livro proque o filme fez muito sucesso e ganhou o Oscar. Então preferi ler antes de ver o filme. Comecei e o livro é tão leve que nem parece que você está lendo um livro tão grande. Parece um conto daqueles que você lê em uma horinha. E é. Tudo bem, em uma hora não. Mas em duas você já leu ele inteirinho e está pensando: "Como esse livro é incrível!". E as ilustrações são um show a parte. Lindas!

Enfim, é um livro muito bom, com uma história super leve e ao mesmo tempo envolvente, que te prende e não deixa você largar o livro até o fim. E com um final surpreendente. Você nunca vai adivinhar o final!

Virou meu favorito!
comentários(0)comente



danilo_livros 15/03/2012

Letras e imagens mágicas
Veja mais resenhas minhas no Literatura de Cabeça:
http://literaturadecabeca.com.br

Leitura e cinema sempre foram grandes paixões na minha vida. As duas me fazem viajar por mundos onde a minha imaginação não é barrada pela racionalidade. Tudo se abre diante do meu eu, rompendo barreiras e conceitos que julgamos intransponíveis.

Quando estas duas maravilhas humanas se fundem, melhor dizendo, se completam, com certeza pode se preparar para uma experiência mágica. E isto é o que se sente ao ler a fantástica obra de Brian Selznick, A invenção de Hugo Cabret, (Edições SM, 532 páginas) .

Acompanhar a jornada do pequeno Hugo foi uma honra para mim. O menino que se torna orfão na Paris dos anos 30 e é obrigado a morar com o tio na estação de metro para sobreviver remete o leitor a um lirismo há muito perdido. Pode ser devido as nossas deficiências atuais de comunicação e linguagem, ou a rapidez que buscamos informações, são raras as obras que trazem essa riqueza de textos dentro de si.

Infelizmente, o tio de Hugo desaparece. E entre ajustar as horas dos relógios da estação e tentar consertar um estranho homem mecânico deixado por seu pai, ele vai descobrir o seu verdadeiro e mágico destino.
Tudo começa quando, entre os compassos ritmados dos relógios que o rodeiam ele passa a observar, solitário, um gentil senhor criador de brinquedos e sua sobrinha. E, junto a essa dupla dinâmica, o nosso pequeno herói vai nos surpreender como nunca imaginei possível...

Só posso dizer que, sem margem de dúvida, este livro me encantou. Além da edição luxuosa, a obra, que é uma verdadeira homenagem não só aos grandes clássicos literários (é visível a homenagem a David Copperfield de Dickens) como ao cinema, foi ilustrada pelo próprio autor com um esmero excepcional. As ilustrações, que tanto nos encantam à primeira vista, são a grande ferramenta para tornar o livro diferenciado. Porque, como em um filme, determinados trechos da trama não são descritos e sim desenhados, como grandes tomadas de uma cena, deixando a maravilhosa sétima arte ultrapassar as páginas da trama e se tornar um objeto presente e pálpavel. Os textos, tão singelos, pausam repentinamente no decorrer da trama, para se transformarem em verdadeiras experiências visuais que são um deleite aos olhos. E, em vez de confundir, a história flui até a nossa imaginação, recriando a fantasia que há muito julgávamos perdida.

A Invenção de Hugo Cabret é uma delicada viagem a todos os sentidos. Traga de volta ao seu coração uma era há muito perdida, onde os verdadeiros sentimentos eram capazes de fazer milagres.
comentários(0)comente



Leticia 23/11/2012

A invenção de Hugo Cabret de Brian Selznick
o livro em si não é tão grande como parece,ele tem mais imagens do que leitura mas não quer dizer que o livro é fútil...
Ele tem várias imagens mas que se completam e que dá uma brecha para perceber oque está acontecendo ou oque vai acontecer,enfim dá várias pistas.
As imagens são desenhos á lápis com um leve sombreado,porém são muito realistas,gostei muito!

CAPÍTULO 1: começa a história de um misterioso menino,Hugo Cabret...ele cuida dos relógios da estação e tem um misterioso caderninho no qual faz desenhos estranhoss de interesse do dono da loja de brinquedos.

CAPÍTULO 2: Hugo tem o caderninho roubado,logo após de tentar roubar um ratinho de corda,da loja do velho,parece que o tal senhor tem um grande interesse pelo caderninho,parece que tem algo há ver com fantasmas,e no caderno de Hugo,há um tipo de "rôbo",por fim ele foge sem o caderninho,porém irá fazer de tudo para ter seu caderninho de volta.

CAPÍTULO 3: O velho para deixar Hugo mais desesperado do que já estava,disse que ia leva-lo para o guarda,Hugo saiu em disparate com medo de que o guarda o pegasse,ficou escondido dentro dos relógios esperando o anoitecer...

CAPÍTULO 4: Hugo arrisca ir na loja de brinquedos do velho para pegar o caderninho de volta,porém o homem ouve os barulhos de solado no chão e logo desconfia que é Hugo e diz que vai queimar seu caderno.O velho manda ele ir embora,mas Hugo o segue até em casa e encontra sua afilhada que promete cuidar para que o tio George não queime o caderninho.

CAPÍTULO 5: Um grande mistério continua...Na verdade o tal caderninho que Hugo tinha com desenhos de um "robô" era uma caixinha de música que mágicos fabricavam para entreter a platéia.Quando o pai de Hugo a achou no museu na onde trabalhava,ficou curioso pois aquele "robô" parecia que podia escrever,e era muito mais complexo e interessante do que os outros.Porém ele estava todo enferrujado e ainda faltava algumas peças,Hugo por sua vez usando sua habilidade com relógios tenta concertar o tal "robô" para saber a mensagem que ele e seu pai queria tanto ler.

CAPITULO 6: Por incrível que pareça o livro nunca fica tedioso,nem mesmo por ser tão grande.O caderninho em que Hugo perderá para o velho na verdade fora seu pai que desenhou na esperança de concertar o autômato,mas infelizmente não foi possível por morrerá queimado no sótão do museu aonde tentava concertar o autômato,Hugo desde então tentou desenhar nos mínimos detalhes....
O velho no final mostra cinzas que PROVAVELMENTE seria do caderno...calma pois disse "provavelmente" pois na cafeteria após três meses de abandono do seu tio,ele recebe um bilhete anônimo,para ir na livraria e logo atrás escrito: "seu caderno não foi queimado".

CAPÍTULO 7: Estou adorando ler o livro,Hugo é um menino muito misterioso e Isabelle (a afilhada de George) é confiante e sabe oque quer.Falando do capítulo sete,O tal bilhete foi Isabelle que mandou pois também quer saber oque Hugo tem em segredo.Na reviravolta disso tudo o velho manda Hugo trabalhar para ele na loja e pode pensar em devolver o caderno,parece que ele tem planos para Hugo...

CAPÍTULO 8;CAPITULO 9,CAPITULO 10,CAPITULO 11,CAPITULO 12: Hugo nessa revira volta toda encontra no pescoço de isabelle uma chave,que abre o autômato,a tal mensagem na verdade não eram letras e sim um desenho de um filme antigo que o pái de Hugo,mas...o mistério é que o desenho foi assinado por "Geoger Meiréles" o padrinho de Isabelle...o dono da loja de brinquedos.
Isa =) 11/10/2012minha estante
é verdade leticia ele tem mais desenhos do que leitura e é muito bom poq a gente n so le como imagina as falas


NaaH 12/10/2012minha estante
Leticia concordo com você o livro não tem muita escrita mais com a ilustração já da pra ter uma noção do que se trata o livro da pra ter uma imaginação muito legal !!


Dani 24/10/2012minha estante
Letícia, a sua resenha será muito útil para futuros leitores e até para você, quando precisar recorrer a algum fato.
Estou adorando a sua participação nas nossas aulas de leitura.
Parabéns pelo empenho!!!!!!


Leticia 24/10/2012minha estante
Obrigado Professora,fico feliz em saber que estou participando,o livro é muito bom,impossível não participar!!!


Leticia 27/10/2012minha estante
Obrigada Nayane e Isa


biel 17/11/2012minha estante
valeu le




su fern@ndes 02/02/2012

Pouco texto e desenhos de tirar o fôlego. Junção perfeita de literatura-quadrinhos-cinema.
Uma estória inventada para Georges Méliès, o verdadeiro responsável pela criação da arte cinematográfica.
comentários(0)comente



Mileidi 08/12/2012

Hugo perde o pai em um incêndio quando ele fica trabalhando até tarde para concertar um autômato que ele encontrou. Após a morte do pai, Hugo encontra o autômato entre os destroços e o leva embora. Terminar o trabalho que seu pai começou se torna o seu principal objetivo, pois ele pensa que seu pai o deixou alguma mensagem para ser entregue pelo autômato.
Hugo vive sozinho na estação depois que o seu pai morre e seu tio desaparece. Ele vive se escondendo pela estação e roubando comida e bebida para sobreviver, apesar de não gostar de ter que fazer isso, é a única opção que lhe resta.
Eu vi o filme já há algum tempo e gostei bastante, e me apaixonei ainda mais pela história quando li o livro.
O livro tem 533 páginas, mas não se engane pelo seu tamanho, é possível lê-lo em um único dia, pois ele se intercala entre texto e imagens, o que torna a leitura ainda mais prazerosa.
É impossível não se apaixonar por Hugo, Isabelle, ou até mesmo pelo tio rabugento de Isabelle, George.
Esse livro é uma linda homenagem a invenção do cinema.
Um livro que agrada a qualquer um que ama livros e cinema.
Um leitura adorável e que agrada crianças e adultos.

comentários(0)comente



Michelly 16/03/2010

Completamente diferente, com uma história bem original.
comentários(0)comente



Beatriz Gosmin 08/03/2012

Resenha por Beatriz Gosmin - www.livroseatitudes.blogspot.com :)
---- *--* ----
A leitura deste livro é deliciosa! Com todas as imagens que o compõem, a leitura flui de maneira rápida e gostosa!

A história se passa em Paris no ano de 1931. Hugo Cabret é um garoto de 12 anos órfão que vive escondido numa central de trem. Sozinho ele sobrevive à base de roubos de alimentos e moedas.

Depois da morte de seu pai que era relojoeiro, Hugo fica sob a guarda de seu tio que é o responsável por cuidar do funcionamento de todos os relógios do local. Seu tio, um viciado em bebidas, não o trata bem e logo o põe para fazer seu trabalho. Hugo aprende rápido uma vez que herdara o talento do pai. Um dia porém, o tio de Hugo saí e não mais retorna.

Desde então Hugo mantém os relógios funcionando compassadamente para não levantar suspeitas de que está sozinho. Se o inspetor da estação o pegasse, certamente o levaria para um orfanato, e se isso acontecesse, jamais conseguiria terminar o que estava fazendo. E tinha que terminá-lo, seu pai praticamente morrera por causa daquilo.
"
- O que é? – perguntou Hugo.
- Um autômato.
- O que é isso?
- Um objeto de corda, como uma caixa de música ou um brinquedo, só que infinitamente mais complexo. [...] Mas este é muito mais sofisticado e interessante que os outros.
- Por quê? – Perguntou Hugo, ansioso.
- Porque este pode escrever. Pelo menos acho que pode. "

O autômato que seu pai encontrara e que agora Hugo tentava fazê-lo funcionar novamente usando os desenhos e anotações que seu pai fizera em um caderninho, era o seu segredo.

Hugo todos os dias cumpria a rotina de supervisionar os relógios da estação. E também sempre descia até a loja de brinquedos de corda para afanar algumas pecinhas para usar na montagem do autômato. Até ser apanhado pelo velho dono da loja e ter seu caderno de desenhos deixado por seu pai confiscado.

O homem parecia ter muito interesse no que o desenho significava, mas como Hugo se recusava a falar sobre o assunto, o velho devolveu-lhe as cinzas do caderno.
Hugo, triste e frustrado, acaba contando com ajuda de Isabelle, a afilhada do velho. Mesmo relutante em relação à menina, Hugo acaba cedendo uma vez que ela pode lhe ajudar.

Os dois então começam a descobrir coisas misteriosas sobre o autômato, coisas que ligam desde elementos ligados ao cinema até a família de Isabelle.

" Mas antes de virar a página, quero que você se imagine sentado no escuro, como no início de um filme. Na tela, o sol logo vai nascer, e você será levado em zoom até uma estação de trem no meio da cidade. Atravessará correndo as portas de um saguão lotado. Vai avistar um menino no meio da multidão e ele começará a se mover pela estação. Siga-o, porque este é Hugo Cabret. Está cheio de segredos na cabeça, esperando que sua história comece. "


Esta é uma parte da introdução do livro. Quase mágica, não é?

Mesmo sendo um livro grande com mais de 500 páginas a leitura é muito rápida por conta da quantidade de desenhos que há nele. Por causa das ilustrações, é realmente como se assistíssemos a um filme!

Ler este livro foi uma experiência única pra mim, realmente adorei!
Não é um livro que me permita falar “Nossa, perfeito!” ou “Uma história maravilhosa!”, mas com toda a sua exclusividade e por tratar de um assunto que eu nunca li (o cinema) e que gosto, adorei.

Realmente um ótimo livro para adoradores do cinema, para os fãs de infanto-juvenil e também para todos que gostam de variar na leitura. Muito fofo!

Beijos, Bia.
comentários(0)comente



Daru 16/01/2014

Uma grata surpresa!

Confesso que estava esperando um livro bobo, mas me surpreendi ao termina-lo. Creio que a obra seja mais do que uma aventura, acredito que ela trata da magica que transformada em imagens resultam no cinema, oque seria do cinema se um mágico não ousasse por mágica em seus filmes?

Obrigado Méliès.
comentários(0)comente



Luis H. Queiroz 26/02/2012

A invenção de Hugo Cabret
A invenção de Hugo Cabret conta a história de um pobre garoto , que perdeu seu pai em um incêndio.
O pai de Hugo era relojoeiro em um museu, concertava as peças de lá, certo dia achou inevitavelmente um automato super complexo, ele adorou e junto com seu filho tentaram concerta-lo pois ele estava em uma situação degradante.


Hugo estava em casa um dia esperando seu pai quando recebeu a visita de um homem, era seu tio, com a triste noticia que seu pai tinha morrido e que ele iria morar com ele na estação de trem, onde aprenderia a arrumar os relógios e se veria livre da escola.


O trabalho começa, mas Hugo não esquece o automato, e um dia passando pelo museu incendiado vê no meio dos entulhos o automato que tentavam concertar. Pega e leva para estação onde junto com um caderninho de anotações do seu pai tenta desvendar o mistério, pois Hugo acredita que aquele automato vai escrever alguma mensagem do seu pai.

http://livreiromaluco.blogspot.com/2012/02/invencao-de-hugo-cabret.html
comentários(0)comente



194 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |



logo skoob
"o site é uma ótima ferramenta para estimular a leitura nas escolas e universidades."

Conexão Professor