php_network_getaddresses: getaddrinfo failed: Temporary failure in name resolution A Décima Segunda Noite (Devorando Shakespeare) - Luis Fernando Verissimo
A Décima Segunda Noite

A Décima Segunda Noite Luis Fernando Verissimo


Compartilhe


A Décima Segunda Noite (Devorando Shakespeare)





Este papagaio nasceu em Paris e sua cor cinzenta é a cor do céu de inverno. Cinzenta, sim. O verde-amarelo é tinta. Quando Orsino comprou o salão de cabeleireiro na cidade, queria um ambiente brasileiro e, voilá, com sua nobre linhagem, Henri acabou num poleiro de plástico.

Aliando humor e requinte, Luis Fernando Veríssimo criou um papagaio como narrador desta história - e de um poleiro metafórico, o aristocrático Henri viu o mundo virar do avesso, como nas melhores comédias de Shakespeare.

Violeta chegou do Brasil e precisou cortar os cabelos, para se fingir de homem e trabalhar como recepcionista no salão. O problema é que ela se apaixonou por Orsino, mas o patrão estava louco por Olívia. Henri avisou. Não é comédia, é drama, é tragédia. Tem paixão, perfídia, sociologia. E riam, riam. Quem poderia acreditar num papagaio?

Contos

Edições (1)

ver mais
A Décima Segunda Noite

Similares


Resenhas para A Décima Segunda Noite (16)

ver mais
Falante? Não erudito!
on 28/1/11


Um papagio que nem brasileiro é mas que sua imagem o tempo todo remete ao Brasil. Um papagio que não é falante, é erudito. Um papagaio que não é qualquer personagem é o narrador dessa história tragicômica. Luis Fernando Veríssimo me permitiu conhecer Noite de Reis de Shakespeare através dessa sua obra. Claro que A Décima Segunda Noite acontece bem mais próximo de nossa realidade, entretanto o enredo é perfeitamente possível de ser transportado para outras épocas e vice-versa. No caso v... leia mais

Estatísticas

Desejam20
Trocam20
Avaliações 3.6 / 575
5
ranking 24
24%
4
ranking 27
27%
3
ranking 36
36%
2
ranking 11
11%
1
ranking 2
2%

31%

69%

Kemi
cadastrou em:
09/01/2009 09:45:00
GB
editou em:
29/04/2016 17:36:44