A Solidão dos Números Primos

A Solidão dos Números Primos Paolo Giordano


Compartilhe


A Solidão dos Números Primos





Em sua estreia literária, com apenas 25 anos, o escritor italiano Paolo Giordano conseguiu alcançar um equilíbrio raro a experientes autores: aclamado pela crítica europeia, foi recebido de braços abertos também pelo público. O romance A solidão dos números primos recebeu o prêmio Stregga e a menção honrosa do Campiello, os dois prêmios mais importantes da Itália, onde já foi lido por mais de um milhão e 300 mil pessoas – marca que o elevou ao topo da lista dos mais vendidos. Traduzida em mais de 20 países, a obra chega às livrarias brasileiras pela Rocco.

O romance é uma pequena coleção das dores de uma juventude a qual Giordano conhece bem. Ao se concentrar na história de Alice e Mattia, os dois protagonistas, o autor faz também um relato da pequena burguesia italiana em capítulos que vão de 1983 a 2007, período em que evolui cronologicamente a narrativa. Dois acidentes dão a partida à cadência da trama: Alice é uma menina que fora forçada pelo pai a ser uma brilhante atleta. Em um dia de treino, sofre uma queda que a deixará marcada para sempre. Mattia é um pequeno gênio da matemática. A caminho de uma festinha de aniversário, deixa a irmã gêmea, da qual se envergonha, sozinha num banco de praça e nunca mais a vê.

Marcados por suas histórias e um sentimento permanente de inadequação, Alice e Mattia se conhecem na escola e, desde então, ficam cada dia mais unidos. A fixação por belas imagens faz com que Alice torne-se fotógrafa. Mattia tem uma maneira particular de ver o mundo, sempre por teoremas matemáticos – e não por acaso torna-se um brilhante cientista. E é assim, através do olhar aguçado de Alice e das hipóteses lógicas de Mattia, que Giordano conduz a narrativa densa e sensível de seu premiado romance de estreia.

Segundo o autor, os protagonistas “são típicos representantes de uma burguesia abastada, que dá conforto aos filhos, mas os deixa sozinhos”. É de maneira cortante que Giordano dá conta desta solidão – como ao descrever o pai que não se dá ao trabalho de tirar o cinto de segurança para dar um beijo no filho, ao deixá-lo na escola. Ou a família que não percebe a anorexia da filha, disfarçada por uma barreira de copos diante de um prato de refeição intocado.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (1)

ver mais
A Solidão dos Números Primos

Similares

(10) ver mais
Não me abandone jamais
O Corpo Humano
Negro e Prata
The solitude of prime numbers

Resenhas para A Solidão dos Números Primos (68)

ver mais
As escolhas são feitas em poucos segundos e se pagam durante o resto da vida. (p. 277
on 29/3/14


A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo. (Fernando Pessoa) Eu sei que não devo julgar um livro pela capa, mas a delicadeza da imagem nesta obra, com aqueles olhos que pedem para serem lidos, e o título poético, foram uma conquista de imediato. Como se isso não bastasse, as diversas indicações positivas aqui no Skoob fizeram A SOLIDÃO DOS NÚMEROS PRIMOS entrar para o topo da minha lista de leituras finais de 2013. Um livro envolvente... leia mais

Estatísticas

Desejam504
Trocam4
Avaliações 4.1 / 973
5
ranking 44
44%
4
ranking 33
33%
3
ranking 19
19%
2
ranking 5
5%
1
ranking 1
1%

18%

82%

* Lê *
cadastrou em:
17/02/2009 13:39:10
gillzany
editou em:
17/04/2020 00:28:19