Amor para Corajosos

Amor para Corajosos Luiz Felipe Pondé




Amor para Corajosos


Reflexões proibidas para menores




O poeta Vinícius de Moraes ensinava a amar “porque não há nada melhor para a saúde que um amor correspondido”. Se não há nada mais importante do que amar, pensar o amor em suas diversas formas e vínculos é fundamental. Em Amor para corajosos, o filósofo Luiz Felipe Pondé conduz o leitor por um passeio sobre o tema. Não se trata de um manual para amar melhor ou um estudo acadêmico. Na sua tradicional prosa ao mesmo tempo provocativa e elucidativa, Pondé escreve uma série de ensaios que podem ser lidos aleatoriamente ou na ordem sugerida. Ele parte de uma diferença filosófica entre o que seria um “amor kantiano” – que busca estabilidade e respeito – e um “amor nietzschiano” – aquele da paixão avassaladora. O foco principal é o amor romântico chamado pelos medievais de “doença da alma”. Pondé usa a filosofia, as ciências sociais e a cultura para analisar questões eternas e outras mais contemporâneas. O amor pode conviver com rotinas? O amor tem cura? É ético abrir mão do amor em nome de obrigações familiares? Como saber se você é um canalha ou uma vagabunda? É possível confiar numa mulher? Como curar a atávica insegurança masculina? E quando o amor morre? Como o próprio título sugere, “Amor para corajosos – Reflexões proibidas para menores” vai instigar o leitor ao exercício do amor. Afinal, segundo o próprio Pondé, o amor é uma experiência prática, jamais teórica. “Se você nunca entendeu a razão de a literatura estar cheia de exemplos de pessoas que “morrem de amor”, nenhuma teoria do amor vai salvá-lo do vazio que é nunca ter sofrido de amor”.

Ensaios / Filosofia / Literatura Brasileira

Edições (1)

ver mais
Amor para Corajosos

Similares

(8) ver mais
Filosofia para corajosos
A Profundidade dos Sexos
Contra Um Mundo Melhor
Marketing Existencial

Resenhas para Amor para Corajosos (3)

ver mais
3 weeks, 6 days ago


Pondé repete as mesmas ideias que já vem reproduzindo em pelo menos outros quatro livros seus, mas cada vez com menos propriedade, sua escrita se tornou cansativa, pouco proveitosa, repetitiva e enfadonha. Tema? O de sempre: o blábláblá do vazio da sociedade pós-moderna, o que apesar de ser aquele assunto chato no qual insistem em trazer à tona adolescentes mal criados que se acham muito superiores aos menininhos de sua idade em sua roda de violão com músicas do Renato Russo regadas a ... leia mais

Estatísticas

Desejam52
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.4 / 20
5
ranking 25
25%
4
ranking 25
25%
3
ranking 35
35%
2
ranking 15
15%
1
ranking 0
0%

31%

69%

Srta. Oliver
cadastrou em:
20/08/2017 13:39:41
Beatriz Soares
editou em:
13/09/2017 11:39:34
Beatriz Soares
aprovou em:
13/09/2017 11:39:45