Anarquistas, graças a Deus

Anarquistas, graças a Deus Zélia Gattai


Compartilhe


Anarquistas, graças a Deus





Publicado em 1979 e transformado em minissérie da rede Globo em 1984, Anarquistas, graças a Deus é o livro de estréia de Zélia Gattai e seu primeiro grande sucesso.

Filha de anarquistas chegados de Florença, por parte do pai Ernesto, e de católicos originários do Vêneto, da parte da mãe Angelina, a escritora trazia no sangue o calor de seus livros. Trinta e quatro anos depois de se casar com Jorge Amado, a sempre apaixonada Zélia abandona a posição de coadjuvante no mundo literário e experimenta a própria voz para contar a saga de sua família.

É assim que ficamos conhecendo a intrépida aventura dos imigrantes italianos em busca da terra de sonhos, e o percurso interior da pequena Zélia na capital paulista - uma menina para quem a vida, mesmo nos momentos mais adversos ou indecifráveis, nunca perdeu o encanto. A determinação de seu Ernesto e a paixão pelos automóveis, a convivência diária com os irmãos e dona Angelina, os sábios conselhos da babá Maria Negra, as idas ao cinema, ao circo e à escola, as viagens em grupo, o avanço da cidade e da política - nestas crônicas familiares, vida e imaginação se embaralham, tendo como pano de fundo um Brasil que se moderniza sem, contudo, perder a magia.

Exímia contadora de histórias, Zélia as transforma em instrumento privilegiado para o resgate da memória afetiva. Foi Jorge Amado quem, um dia, lendo um conto de qualidade duvidosa que Zélia rascunhava, pescou essa veia de documental. Apontou-lhe o caminho e mostrou que ela se alimentava de sua rica ascendência familiar. Surge assim a Zélia memorialista, para quem a literatura provém não tanto da invenção, mas do trato apurado da memória e do desfiar cuidadoso, mas sem melindres, da intimidade.

Em suas mãos, a literatura se torna, mais que confissão, auscultação do mundo. É tendência para o registro e o testemunho, que cimentam não só um estilo quase clínico de observar a existência, mas uma maneira de existir. Pois é da persistência do espanto que Zélia, em resumo, trata. Se Jorge Amado foi uma espécie de biógrafo involuntário do Brasil, Zélia Gattai se afirma como a grande narradora de nossa história sentimental.



Fonte: http://www.companhiadasletras.com.br/

Biografia, Autobiografia, Memórias

Edições (7)

ver mais
Anarquistas, graças a Deus
Anarquistas, graças a Deus
Anarquistas, graças a Deus
Anarquistas, graças a Deus

Similares

(8) ver mais
A Casa do Rio Vermelho
Crônica de uma Namorada
Colônia Cecília

Resenhas para Anarquistas, graças a Deus (67)

ver mais
Relembrar faz bem
on 24/3/20


Como é bom mergulhar nas memórias de Zélia Gattai, que nos traz um são paulo provinciana que já ensejava seus áreas de metrópole dos dias atuais. Muitas são as desventuras contadas por ela, que junto com sua família vão vivendo a imigração italiana no brasil e a adaptação com a cultura vigente. Os relatos caseiros trazem uma afetividade que instigam o leitor a buscar na suas reminiscências a sua infância, pessoas que foram importantes para cada um. Nesse livro sendo a leveza de ler um ... leia mais

Vídeos Anarquistas, graças a Deus (1)

ver mais
ANARQUISTAS, GRAÇAS A DEUS - ZELIA GATTAI / Milcaretas

ANARQUISTAS, GRAÇAS A DEUS - ZELIA GATTAI / M


Estatísticas

Desejam402
Trocam25
Avaliações 4.2 / 2.075
5
ranking 50
50%
4
ranking 31
31%
3
ranking 15
15%
2
ranking 3
3%
1
ranking 1
1%

22%

78%

Lu
cadastrou em:
02/08/2009 11:21:46
Rose Guimarães (@rosilealove)
editou em:
30/06/2020 14:53:01