Diário do Farol

Diário do Farol João Ubaldo Ribeiro


Compartilhe


Diário do Farol





Diário do farol é o relato autoral de um clérigo amoral e inescrupuloso, que no outono da sua existência resolve inventariar seu rosário de maldades, perpetradas com requintes extremos desde a infância no seminário - de início, sob o pretexto de vingar os maus-tratos do pai; posteriormente, ainda mais sofisticadas, devido ao desprezo de uma mulher.

Auto-exilado numa ilha onde pontifica um farol, o bilioso e mesquinho padre dialoga com o leitor para provocá-lo com uma realidade na qual não há bem ou mal, e assim tentar demovê-lo de qualquer noção redentora. Conseguirá? Para ele, não há transcendência, o Universo nos é indiferente e a todos foi negada essa Revelação. Não por acaso, o farol de sua ilha chama-se Lúcifer, ´aquele que detém a Luz´.

O leitor é advertido desde a epígrafe: ´Não se deve confiar em ninguém´. A vida real é feita de rupturas, exceto para aquela maioria dos homens que perde a oportunidade de viver de fato por nunca romper com nada realmente importante, adverte-se. Num testemunho insidioso, que concilia situações hilariantes com outras de horror repulsivo e escatológico, somente o cinismo impera. Nisso, põe-se o padre a fazer troça dos ´católicos que acreditam nas besteiras do catolicismo´ e a manipular todos, fiéis ou descrentes, para atingir seus fins amorais, chegando à sofisticação de submeter-se voluntariamente a sessões de tortura para dar vazão a seus caprichos vingativos.

Um mal que - posto em tom neutro como só é possível por meio de uma arte superior como a literatura - nos permeia a todos e nos leva a refletir sobre nossa condição social e humana. Um mal na sua essência, que nada tem de panfletário e denunciador, que encontra solo fértil na sociedade e no sistema político atuais.


Edições (2)

ver mais
Diário do Farol
Diário do Farol

Similares


Resenhas para Diário do Farol (29)

ver mais
on 4/10/10


Gostaria de explorar um aspecto do livro que chamou minha atenção, mas que não foi comentado aqui até o momento. Como o livro é narrado em primeira pessoa, é possível questionar a veracidade do relato. Ainda que se acredite no narrador, uma vez que ele insiste em expor a inexistência de motivos para mentir, é bom lembrar que mesmo assim se trata de sua visão sobre os fatos. Em outras palavras, embora honesta, sua narrativa pode ser incorreta. Por exemplo: será que seu pai realmente ass... leia mais

Estatísticas

Desejam69
Trocam19
Avaliações 4.0 / 603
5
ranking 39
39%
4
ranking 32
32%
3
ranking 21
21%
2
ranking 6
6%
1
ranking 2
2%

46%

54%

Dvolk
cadastrou em:
08/01/2009 11:11:29