Eu, Tituba

Eu, Tituba Maryse Condé


Compartilhe


Eu, Tituba


Bruxa negra de Salem




Livro premiado de uma das mais importantes escritoras negras da atualidade, vencedora do New Academy Prize 2018 (Prêmio Nobel Alternativo)

Tituba, mulher negra, nascida em Barbados, no século XVII, renasce, três séculos depois. Torna-se outra vez real, pelas mãos da premiada escritora Maryse Condé, vencedora do New Academy Prize 2018 (Prêmio Nobel Alternativo). No início do livro, Maryse Condé anota: “Tituba e eu vivemos uma estreita intimidade durante um ano. Foi no correr de nossas intermináveis conversas que ela me disse essas coisas que ainda não havia confiado a ninguém.” Da mesma forma, quem lê Tituba poderá ouvi-la falar, do invisível, desestabilizando estruturas cristalizadas, mediando novas concepções de identidades e culturas e protegendo as pessoas insurgentes.

Aqui, essa personagem fascinante, é retirada do silêncio a que a historiografia lhe destinou. Filha de uma mulher negra escravizada, viveu cedo o terror de ver a mãe assassinada por se defender do estupro de um homem branco e de saber que o pai se matou por causa do mesmo homem branco. Cresceu sob os cuidados de uma mulher que tinha o poder da cura e que a iniciou nos mistérios. Adulta, apaixonou-se por John Indien e abdicou, por ele, da própria liberdade.

Uma das primeiras mulheres julgadas por praticar bruxaria nos tribunais de Salem, em 1692, Tituba fora escravizada e levada para a Nova Inglaterra pelo pastor Samuel Parris, que a denunciou. Mesmo protegida pelos espíritos, não pôde escapar das mentiras e acusações da histeria puritana daquela época.

Romance / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (1)

ver mais
Eu, Tituba

Similares

(3) ver mais
Eu, Tituba, Feiticeira
I, Tituba, Black Witch of Salem
The Crucible

Resenhas para Eu, Tituba (2)

ver mais
Condenada a sobreviver! [IG @ousejalivros]
3 weeks, 2 days ago


Dentre tantas histórias, há aquelas sobre a busca pela liberdade. E o seu preço. Tituba nasceu como resultado da violência contra a sua mãe, que arrancada de sua terra, ainda muito jovem, teve sua humanidade reivindicada pelos brancos. Nomeada pelo companheiro de sua mãe e condenada a um destino escrito por seu gênero e cor, procurou suas asas em meio aos ensinamentos de Man Yaya e a cumplicidade dos Invisíveis. Até que apaixonada, enredou-se nos grilhões de uma existência fundamenta... leia mais

Vídeos Eu, Tituba (1)

ver mais
EU, TITUBA: BRUXA NEGRA DE SALEM, de Maryse Condé

EU, TITUBA: BRUXA NEGRA DE SALEM, de Maryse C


Estatísticas

Desejam57
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.7 / 10
5
ranking 70
70%
4
ranking 30
30%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

12%

88%

Raquel
cadastrou em:
14/09/2019 11:42:52
Jenifer
editou em:
24/09/2019 21:57:01