Filha de Feiticeira

Filha de Feiticeira Celia Rees


Compartilhe


Filha de Feiticeira





Mary Nuttal não conhece os pais e acaba de perder a avó, condenada à forca sob acusação de feitiçaria, uma prática imperdoável aos olhos puritanos da Inglaterra do século XVII. Para não ter o mesmo destino, a jovem Mary se vê obrigada a esconder sua identidade e fugir para a América, onde as comunidades fundadas por ingleses começam a prosperar.

Mas a menina ainda precisa manter ocultos os seus dons de clarividência: afinal, os valores religiosos do Velho Mundo, sinônimo de sofrimento e castração aos olhos de Mary, também estão presentes entre os colonos ingleses. A novidade, para ela, será a convivência com os nativos americanos, cuja espiritualidade está diretamente ligada à natureza, num modo de vida que fascina a jovem feiticeira.

Para Mary, a feitiçaria é mais do que a capacidade de "ver coisas". É também uma disposição para aceitar a autonomia individual; é a busca pela aceitação que todo jovem, com ou sem dons mágicos, quer ter. Só que estar aberta para admitir dimensões diferentes da existência é o pior dos pecados numa sociedade que professa a uniformização coletiva a pretexto de obedecer à palavra de Deus.

Narrado do ponto de vista de uma adolescente, Filha de Feiticeira não se restringe a uma visão de mundo meramente juvenil. Traz a idéia poderosa - ou o feitiço, se o leitor quiser - de que independência, emancipação e caráter dependem do modo de cada um encarar as coisas. Em outras palavras, dependem de tolerância - aquilo que Celia Rees prefere chamar de "clarividência".

Edições (1)

ver mais
Filha de Feiticeira

Similares

(54) ver mais
Sangue de Feiticeira
Eternity
A Descoberta das Bruxas
A Filha da Feiticeira

Resenhas para Filha de Feiticeira (20)

ver mais
As Bruxas de Salem
on 9/5/12


Este livro maravilhoso "Filha de Feiticeira" ganhou meu coração. Celia Rees com certeza enfeitiçou-me, pois depois de começar, como que hipnotizada, não pude parar. A capa é bem feinha!...rs ... escura, sem graça mas, ao entrarmos na narrativa de Rees, até a capa faz sentido. Alison Ellman logo na primeira página, diz que o livro foi escrito a partir de uma coleção de documentos, designados “os papéis de Mary”, datado do período colonial . As datas, segundo ela, são aproximadas, e fo... leia mais

Estatísticas

Desejam74
Trocam3
Avaliações 3.9 / 375
5
ranking 36
36%
4
ranking 31
31%
3
ranking 23
23%
2
ranking 9
9%
1
ranking 1
1%

10%

90%

Letícia
cadastrou em:
06/01/2009 17:52:13