O Outono do Patriarca

O Outono do Patriarca Gabriel García Márquez


Compartilhe


O Outono do Patriarca





Gabriel García Márquez já se referiu a "O Outono do Patriarca" como um poema sobre a solidão do poder. Primeiro romance depois de "Cem Anos de Solidão" (1967), esta obra, publicada em 1975, representa uma alegoria do autoritarismo na América Latina. Através dos delírios de um ditador quimérico, lendário, arqueológico, o autor erigiu outra de suas catedrais literárias. Há mais de um século no comando, o patriarca de García Márquez faz o tempo avançar e retroceder em monólogos que comportam diálogos, construídos com imagens que evocam a loucura e o lirismo, descentrando a história, a geografia, a linguagem. Assim "O Outono do Patriarca" traz a saga de um ditador com idade indefinida entre 107 e 232 anos, vagando num universo onde tudo conduz à lembrança do tempo acumulado. No palácio presidencial, onde pastam vacas, o patriarca é um solitário entre concubinas, perseguido por um apetite sexual senil, ouvindo harpas ao vento e a subida das marés, atrasando relógios e maquinando em um cenário em que galinhas errantes bicam móveis e cadáveres, a solidão precipita o terror e desfralda a superstição em um imenso bazar da mitologia sobre o poder no continente. As formigas mortais do último capítulo de "Cem Anos de Solidão" compõem uma epígrafe deste outono anunciado. São obras-primas, que se completam, se seguem, constituindo as fabulações insuperáveis. "O Outono do Patriarca" é um dos melhores momentos do gênio criativo do mestre do realismo mágico.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (7)

ver mais
O outono do patriarca
El otoño del patriarca
O Outono do Patriarca
O Outono do Patriarca

Similares

(37) ver mais
O General em seu Labirinto
El Otoño del Patriarca
Eu o Supremo
O Recurso do Método

Resenhas para O Outono do Patriarca (73)

ver mais
on 14/7/23


O Outono do Patriarca é uma metáfora para o fim das ditaduras na América Latina. Num sobrado abandonado, um velho general observa sua obsolência em um mundo que já não o venera, considera ou consulta. Tudo o que fazia o homem temido e respeitado é pouco a pouco corroído pelo tempo ou devorado pelos animais a sua volta - são os novos tempos e a nova geração de políticos igualmente interessados no poder. A interpretação da história exige uma certa dose de conhecimento do século XX,... leia mais

Estatísticas

Desejam211
Trocam3
Avaliações 4.0 / 549
5
ranking 39
39%
4
ranking 31
31%
3
ranking 24
24%
2
ranking 6
6%
1
ranking 1
1%

40%

60%

galmeida
cadastrou em:
09/01/2009 00:14:04

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR