O Trono de Diamante

O Trono de Diamante David Eddings




PDF - O Trono de Diamante


Após dez anos de exílio, Sir Sparhawk, cavaleiro da Ordem Pandion, retorna a Elenia e encontra sua terra natal imersa em sombras. O inescrupuloso Annias, primado da Igreja e membro do Conselho Real, manipula o débil príncipe regente para governar de fato, visando seus próprios interesses. A legítima soberana, Ehlana, acometida por uma estranha doença, jaz adormecida em seu trono, protegida por uma barreira de cristal. Graças a um poderoso feitiço, seu coração ainda pulsa, mas ela não resistirá a menos que uma cura seja encontrada antes que transcorra um ano. Sparhawk parte, então, em uma busca obstinada para salvar sua rainha e seu reino, travando uma luta incessante contra o tempo, as autoridades vigentes e toda sorte de perigos – reais e sobrenaturais. Nessa jornada de luz e sombras, ele contará com a ajuda de seus irmãos de armas, de seu escudeiro fiel, de uma feiticeira, de um jovem ladrão e de uma misteriosa menininha, cujas origens são desconhecidas.

Considerado por jogadores de RPG um dos melhores títulos que representam uma quest épica, o livro é o primeiro volume da trilogia Elenium.





O Trono de Diamante

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Vídeos O Trono de Diamante (4)

ver mais
Literatura: O Trono de Diamante

Literatura: O Trono de Diamante

[RESENHA] O Trono de Diamante - David Eddings - Livro de Fantasia Medieval

[RESENHA] O Trono de Diamante - David Eddings - Li

Resenha: Trono de Diamante (David Eddings) - Ed. Aleph

Resenha: Trono de Diamante (David Eddings) - Ed. A

LiterAgindo - Crítica O Trono de Diamante

LiterAgindo - Crítica O Trono de Diamante


Resenhas para O Trono de Diamante (7)

ver mais
Fantasia de boa qualidade


Eosia é um grande continente e que, depois de muitos anos em batalha, se encontra em relativa paz. Isso se deu porque a Igreja conseguiu, através de suas ordem militares, pacificar os povos e convencê-los de que a instituição religiosa merecia ser temida e respeitada. Mesmo que cada reino tivesse seus governantes, a igreja era soberana e ponto final. Contudo, até mesmo dentro das ordens religiosas existiam pessoas ambiciosas e que queriam o poder para si. Isso, como sempre, gera mor...