Auguste Dupin

Auguste Dupin Edgar Allan Poe
Oscar Nestarez




Resenhas - Auguste Dupin: o Primeiro Detetive


35 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Fernanda.Queiroz 13/01/2021

Eu amo os contos do autor, os personagens são sempre interessantes e as reflexões do autor durante a narrativa são maravilhosas.
comentários(0)comente



Jenny 04/10/2020

*1° leitura concluída da Spookytona*

Um livro muito interessante, mas pelo número de páginas achei que ainda demorou para terminar. Dupin é muito inteligente, consegue ver diversas coisas implícitas que nem mesmo a polícia enxergou (ou não quis enxergar).
.
São 3 casos narrados pelo amigo de Auguste Dupin em Paris. O primeiro achei incrível, principalmente pelo desfecho, algo que nunca me passaria pela cabeça que foi aquilo que realmente aconteceu. O segundo (da Marie Rogêt) achei confuso, no fim não entendi o que realmente aconteceu com ela, mas a linha de raciocínio foi muito boa e pouco pensada. Já o terceiro e último foi o mais simples e rápido, com muita reflexão que certo momento ficou perdido.
.
"Veremos que, de fato, os engenhosos são sempre fantasiosos, enquanto que os verdadeiramente imaginativos são sempre analíticos."
comentários(0)comente



Ana 07/05/2020

No desenrolar de cada conto pode-se perceber o nível ser percepção extraordinária de Dupin. Durante seus monólogos, detalhistas e levemente cansativos, seguimos os passos que o levaram a desvendar cada um dos crimes cometidos, com observações que acabam passando batidas por um observador comum.
comentários(0)comente



Vinícius 04/11/2020

Poe o Pai do Suspense
Em mais um livro de Poe, três histórias de suspense policial sendo O Assassinato da Rua Morgue a melhor das três, com um desfecho intrigante e inesperado. Leitura rápida para quem aprecia o gênero.
comentários(0)comente



SSMaia 10/07/2020

Dupin é um detetive criado por Poe que inspirou as obras de Agatha Christie e Arthur Conan Doyle. A obra é relativamente curta e a genialidade de Poe é perceptível, seus contos acabam sendo muito interessantes e prendem a atenção para descobrir a resolução dos casos.
comentários(0)comente



KaioPi 07/06/2020

Leitura lenta e maçante, já li CONTOS do Poe infinitamente melhores. Dupin não me cativou, sigo preferindo Agatha. Edição super bacana obvio, porém não rolou.
comentários(0)comente



Study.Mammy 06/03/2020

Para os amantes de Sherlock !
IG LITERÁRIO, @Studymammy
É uma trilogia, três ótimos contos.
Dizem que #AugusteDupin foi a inspiração para alguns contos de #agathachristie e para criação do famoso personagem #sherlockholmes . ⠀⠀
Não li ainda nenhum dos dois, rss
Mas este eu Amei !!!
Leitura super envolvente, linguagem fácil de compreender ( apesar de ter sido escrito em 1809-1849) e o que mais amei são finais nada previsíveis! Super indico!

site: https://www.instagram.com/p/B6qQgf9Dp3A/?utm_source=ig_web_copy_link
comentários(0)comente



Bi Faria 14/03/2020

Capa maravilhosa em uma edição de luxo! E foi uma leitura eletrizante, meu primeiro contato com Edgar Allan Poe e o mundo investigativo.
No primeiro conto "Os assassinos da Rua Morgue" já reconhecemos o brilhantismo do detetive Dupin, sua sagacidade que vai além das possibilidades.
Com uma cena horrorosa de carnificina, depoimentos, análise do local do crime pela polícia, não se chega a nada.
Mas isso para pessoas comuns, que não se questionam 'o que aconteceu agora que nunca tenha acontecido antes'. Se confundindo insólito com obscuro.
Quem assassinou Mademoiselle L'Espanaye e a filha? .
"A garganta estava bastante esfolada. Havia vários arranhões profundos logo abaixo do corpo, assim como uma série de manchas arroxeadas..." "O corpo inteiro estava assustadoramente machucado e pálido." .
.
No segundo conto "O mistério de Marie Rogêt" a jovem é brutalmente assassinada, e encontrada as margens do Rio Sena.
Essa morte causa intensa comoção, ela era conhecida na região.
Todas as notícias dos jornais apontam para uma gangue, mas onde tudo aconteceu pode se ter um cenário montado. Como ninguém a viu pelas ruas, não há testemunhas .
"O rosto estava impregnado com sangue escuro, no qual se saía pela boca." " A carne do pescoço estava muito inchada... foi encontrado um pedaço de fita amarrado tão fortemente no pescoço que parecia esconder-se da vista." *Aqui o conto é baseado nos detalhes minuciosos do assassinato real de Mary Rogers.
.
No último conto "A Carta Furtada" a perspicácia de Dupin surpreende.
Já se sabe de onde a carta foi retirada e por quem foi retirada, os motivos e interesses para tanto.
Só que a polícia "estende ou exagera nos velhos métodos de prática - uma única série de noções relacionadas a engenhosidade humana." "Mas quando a astúcia do criminoso é de caráter diferente da sua própria, então o criminoso as despista, é claro." .

Dupin é o primeiro investigador na literatura e sua sagacidade prende o leitor a cada caso.
O trabalho do autor influenciou a criação de Sherlock Holmes e toda a literatura criminal. @novoseculoeditora
comentários(0)comente



lemos 05/04/2020

educativo
eh legalzinho de observar a maneira como o personagem resolve as investigações de um jeito tao facil, mas para pessoas como eu seria muito dificil de chegar no resultado. achei muito interessante diversos trechos em que ele ressalta a forma como se da para chegar a qualquer resposta tendo uma boa observação e uma boa análise.
comentários(0)comente



Gustavo 05/04/2020

O primeiro detetive
Neste livro de Edgar Allan Poe temos o ilustre detetive Dupin que com toda a sua genialidade consegue resolver casos que até mesmo os polícias mais perspicazes não solucionam.
O livro conta com três contos, cada um com um caso investigativo.

O primeiro "Os assassinatos da rua Morgue" aborda o caso de duas mulheres que foram brutalmente assassinadas e mesmo após uma longa investigação, policiais não conseguem conectar as pistas e depoimentos para solucionar este crime. Dupin entra no caso, e analisando a cena do crime e as pistas encontradas no local, chega a uma conclusão totalmente inesperada e surpreendente.
O segundo "O Misterioso caso de Mary Roget" é igualmente instigante, contando o caso de um assassinato que foi inspirado em um acontecimento real! Dupin estuda-o através de jornais, comparando-os e analisando através da lógica.
Na minha opinião esta forma de análise por jornais deixou o conto muito cansativo e maçante, e não fluía naturalmente como os outros dois do livro. No final também não temos uma conclusão satisfatória, o que deixa com uma sensação de final "vago".
O terceiro "A Carta Furtada" É um conto totalmente diferente dos outros dois. Neste o detetive Dupin é procurado pela polícia para ajudar na proucura de uma carta comprometedora que foi furtada, mas a busca tem que ser feita com cautela e sem alarde pois o conteúdo pode causar grandes danos.
Este conto mostra um Dupin muito mais ativo, mas sem perder sua essência investigativa.
Uma leitura muito fluida, com uma trama mais leve mas que não deixa de ser instigante.
comentários(0)comente



Ka 11/04/2020

Bom
Eu tinha tanta expectativa com esse livro e acabei um pouco decepcionada. Não que seja ruim, jamais, mas por ser um livro do Poe e por Dupin ter servido de inspiração para criação de Sherlock e Poirot eu tinha outra ideia sobre ele.
O livro é composto de 3 contos, narrado pelo colega de Dupin (que não tem nome). É um livro curtinho, leitura de uma tarde. O 1° e 3° contos são ótimos e de fácil leitura. O que me frustrou foi a dificuldade de acompanhar o raciocínio de Dupin ( talvez o problema seja eu, rs) no 2° conto. Ele divagou por páginas e páginas e me fez perder o interesse pelo desfecho. Vou reler, pode ser que eu mude de opinião.
comentários(0)comente



Rose 29/10/2020

Para quem não sabe, Auguste Dupin, criado por Edgar Poe em 1842 é considerado o primeiro detetive da ficção. A bem da verdade, ele não é um detetive profissional, fato que neste livro podemos perceber claramente.

Dupin foi o precursor dos detetives da literatura, inspirando detetives como o próprio Sherlock Holmes, que aliás, encontramos semelhanças.

Neste livro temos três contos: Os Assassinatos da Rua Morgue, O Mistério de Marie Rogêt e A Carta Roubada.

No primeiro conto ele chama seu amigo,que aliás nos narra a história, a desvendarem o curioso assassinato de mãe e filha. Ambas foram encontradas mortas dentro de um quarto todo trancado por dentro. Momentos antes do assassinato várias pessoas entravam na casa para socorrerem as duas que gritavam pedindo ajuda. E nenhuma delas viu algum suspeito fugindo do local do crime. Dupin conseguiu resolver o caso que a própria polícia já via sem solução.

No segundo, através de reportagens de jornais, Dupin consegue resolver o misterioso assassinato de Marie. Uma moça que sumiu ao visitar uma tia, e cujo o corpo apareceu depois flutuando no Rio Sena. Duas coisas chamam atenção para este conto, além de ser baseado em fatos reais, o caso foi resolvido usando apenas os jornais.

No último conto, Dupin é convidado pela polícia a encontrar uma carta roubada, cujo o conteúdo, caso seja divulgado, pode causa muitos danos. Neste conto ele acaba recebendo uma recompensa.

Em todos os contos podemos acompanhar todo o poder de dedução de Dupin, e para quem está habituado a histórias do Sherlock Holmes, sabe do que estou falando. Muitas vezes fico me perguntando como ele consegue estas proezas…

O livro é bom e curto, mas confesso que esperava um pouco mais. O segundo conto achei confuso, mas é inegável a inteligência deste detetive. Para quem gosta do gênero vale a leitura.


site: https://www.instagram.com/fabdosconvites
comentários(0)comente



Karol B. 06/07/2020

Clássicos de Poe
que devem ser lidos.
Os contos estão interligados e a essa leitura deve-se ter muita atenção aos detalhes.
comentários(0)comente



Scariot 30/04/2020

O pai de todos os detetives
Ao assistir ?O Alienista?, tive uma grande vontade de ler Poe, mais precisamente, ler os 3 contos do primeiro detetive da literatura, Auguste Dupin. Encontrei no kindle esse belo livro que reúne seus três contos desse icônico personagem, com traduções de Fátima Pinho e Oscar Nestarez.
Dupin foi criado em 1841 por Poe. Em suas histórias, tivemos pela primeira vez os elementos de uso da dedução lógica, a trama sendo narrada por um outro personagem (nesse caso e em muitos outros, como as tramas de Sherlock Holmes, esse personagem é um amigo próximo do detetive), e a explicação final do raciocínio do detetive.
Infelizmente para nós, Dupin teve vida curta, apenas três contos. Mas, mesmo assim, seu impacto foi tão grande que ditou a forma das histórias de investigação, que perdurou por muitos anos.
Meu conto favorito dos três é ?O Mistério de Marie Roget?. Vi muitas críticas sobre seu final (não darei spoiler), mas é o final que achei adequado para a trama.
Esse conto é a história do misterioso assassinato de uma mulher chamada Marie Roget, e, logo após, seu amante, que seria o principal suspeito, também aparece morto, deixando mais perguntas do que respostas no ar.
É um prato cheio para quem ama Poe, para quem ama histórias de detetives e nunca tiveram contato com esse personagem.
comentários(0)comente



Vasya 29/10/2020

Lendo, Relendo E Lendo Outra Vez
“Na verdade, no que diz respeito aos conhecimentos mais importantes, creio que esteja sempre na superfície. A profundidade está nos vales em que a buscamos, e não no topo das montanhas onde é encontrada.”


#252 - Tenho que admitir que eu e Poe demoramos pra nos entender, tanto os dois primeiros contos e o gato me faziam ter uma certa resistência com as histórias dele, foram dois longos anos até eu pegar a máscara da morte rubra e dar o braço a torcer e começar a apreciar seu talento.
E depois de tudo tenho que dizer que ele tem histórias melhores!
Eu sei vai parecer que eu continuo implicando com a rua morgue mas não, o final da história em si é surpreender mas gente eu já reli esse conto 7 vezes e sempre esqueço como o início dele é parado e meio cansativo, ai passa o tempo eu esqueço porque não gosto e volto a reler, apenas pra dizer "é... lembrei".

Depois vem Marie Rogêt, que sinceramente poderei ler mil vezes e ainda vou ficar confusa e sem entender quase nada - a imagem de Jonh Travolta perdido me representar fielmente, pode acreditar - e por fim temos a carta furtada, gosto desse conto, talvez porque ele seja mais simples e menos cansativo? Não sei dizer.
O negócio é, porque continuou relendo? Eu não posso ver uma nova edição ou uma versão que tenha um dos contos que lá estou eu relendo sem nenhum tipo de necessidade. Provavelmente o ano que vem estarei reclamando de como o começo de rua morgue e chato mas o final e 5 estrelas.
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3